Bis no Gigante

O Sport Club Internacional, que comemorou 105 anos ontem, está reinaugurando o seu estádio. Neste domingo, o Inter reabre o Beira-Rio reformado contra o Peñarol, exatamente um dos times participantes do torneio de inauguração do estádio, em 1969.

IMAGEM: http://www.internacional.com.br/pagina.php?modulo=2&setor=18&codigo=22689
IMAGEM: http://www.internacional.com.br/pagina.php?modulo=2&setor=18&codigo=22689

Os colorados de Gainete, Valdomiro e Claudiomiro deram de 4×0 nos carboneros. E olha que o Peñarol tinha os saudosos Mazurkiewicz e Pedro Rocha, o lateral Pablo Forlán, o artilheiro Spencer e don Elías Figueroa – que depois seria o capitão do timaço do Internacional de Rubens Minelli no meio dos 70. Foi bicampeão brasileiro. Inclusive marcou o gol do título na grande final do Brasileirão 75 contra um Cruzeiro também muito forte, no mesmo bat-estádio, o Beira-Rio. O chamado ‘gol iluminado’. Com a camisa colorada, Don Elías foi hexacampeão gaúcho, entre 71 e 76.

Lançamento: “Oswaldo Brandão – Libertador Corintiano, Herói Palmeirense”.

CAPA OSWALDO BRANDAO_IMPRENSA (2)
Oswaldo Brandão foi técnico da Segunda Academia alviverde, bicampeã brasileira de forma consecutiva em 1972 e 73 – já tinha sido campeão da Taça Brasil de 1960, que hoje é equiparada ao Brasileirão, paulista de 1947, 59 e 72 pelo alviverde. Era o técnico do Palmeiras quando um gol de Ronaldo (Ronaldo Gonçalves Drummond, ex-Galo, futuro cruzeirense) impediu que o Corinthians de Rivellino acabasse com o jejum, num Morumbi lotado, na final do Paulistão de 74. Três anos depois, já sofrendo com a doença do filho, Márcio (câncer no cérebro), Oswaldo Brandão levou o Corinthians ao título paulista de 1977, acabando com os 23 anos de jejum de grandes títulos, com o chorado gol de Basílio contra a Ponte Preta. Aliás, Brandão era o treinador do Corinthians no último título antes da fila, o de 1954. Também foi campeão paulista em 71 pelo São Paulo de Gerson, Pedro Rocha, Toninho Guerreiro, Forlán, Terto, Paraná, Sérgio Valentim. O primeiro e até agora único treinador a boatar no peito faixa de campeão estadual por todas as cores do “trio de ferro” (Palmeiras, Corinthians e São Paulo). Na Seleção, lançou Falcão e Cerezo. Também levantou taça na Argentina, com o Independiente (Nacional de 1967).

Libertador Corintiano, herói palmeirense, como diz o título do livro que o jornalista Maurício Noriega está lançando pela editora Contexto. Esse livro era sonhado e preparado por Noriega há anos, como contou nessa #e-entrevista aqui pro Fut Pop Clube, em 2009.

Uma figura humana admirável. Sei até porque ele era muito amigo do meu pai, Luiz Noriega, e ouvi histórias muito, mas muito tocantes dele.

Brandão é o tema do capítulo 1 do primeiro livro de Nori, “Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro” (também da Contexto, 2009). Leivinha, craque dessa segunda academia alviverde, depois ídolo do Atlético de Madrid, diz que o técnico Brandão foi o “nº 1” de sua carreira, um treinador quase sempre paternalista, rude quando necessário.

Continuar lendo “Lançamento: “Oswaldo Brandão – Libertador Corintiano, Herói Palmeirense”.”

Ídolos, memórias, achados.


No meio de uma mudança, no fim de 2013, deixei de blogar alguns assuntos, ou de me deter mais sobre alguns fatos. Por outro lado, o fim da mudança trouxe alguns achados. Por exemplo, o cartãozinho autografado por Pedro Rocha, na loja de esportes que o #Verdugo tinha na esquina das ruas Joaquim Floriano e João Cachoeira, no Itaim Bibi, zona sul de São Paulo.

Coleção @FutPopClube
Coleção @FutPopClube

Ao amigo João, afetuosamente, Pedro Rocha

Segunda metade dos anos 70. Além da Pedro Rocha Sport, o craque celeste do tricolor paulista também tinha o nome numa chuteira – ainda vou achar um anúncio, em alguma revista.

A gente morre um pouco quando perde um ídolo. Lá se vai um pedaço da nossa infância, da nossa adolescência.

Fiquei comovido com o choro convulsivo de um torcedor do Botafogo, no velório de Nilton Santos. Se Pedro Rocha foi considerado por Pelé a certa altura um dos 5 melhores do mundo, o #Enciclopédia é tido como o maior lateral-esquerdo de todos os tempos.

Em 2013, perdemos outros grandes campeões. Gylmar dos Santos Neves, De Sordi, Djalma Santos, além de Nilton. Quase uma defesa inteira da seleção que trouxe a Taça do Mundo em 1958.  Continuar lendo “Ídolos, memórias, achados.”

Leônidas: 100 anos de histórias.

A programação dos encontro do Memofut sobre o Diamante Negro neste sábado.
Flyer do encontro do Memofut sobre o Diamante Negro, que rolou sábado, 14/09.

Os 100 anos do Diamante Negro renderam uma manhã repleta de informações – e de emoção – no encontro mensal do Memofut, grupo que discute a memória e a literatura do futebol, do qual este blogueiro tem orgulho de participar. Por ironia do destino, o Memofut costuma se reunir no auditório do Museu do Futebol, que fica dentro do estádio do Pacaembu – onde Leônidas brilhou com as camisas de seleções estaduais (carioca e paulista) e do São Paulo FC, cinco vezes campeão paulista com o “crack”: 1943, 45. 46, 48 e 49. Sua estreia com a camisa tricolor, num majestoso 3×3 contra o Corinthians, em 1942 é recorde de público do estádio até hoje: mais de 70 mil presentes.

Os palestrantes (oops): o são-paulino Michael Serra, o flamenguista Antonio Carlos Meninéa, o consultor Max Gehringer e o jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas
Os palestrantes (oops): o são-paulino Michael Serra, o flamenguista Antonio Carlos Meninéa, o consultor Max Gehringer e o jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas

O sabadão começou com a exposição do jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas, Diamante Negro, que também exibiu o trecho final do documentário da TV Cultura sobre o artilheiro. Não bastasse o forte conteúdo do finalzinho da vida de Leônidas, a viúva do jogador, Albertina Pereira dos Santos, estava no auditório e recebeu uma homenagem do Memofut.  Foram momentos muito emocionantes. Continuar lendo “Leônidas: 100 anos de histórias.”

L E Ô N I D A S. 100 anos do Diamante Negro.

A bicicleta de Leônidas, no Memorial do São Paulo FC.
A bicicleta de Leônidas, no Memorial do São Paulo FC.

Ao som de “Deixa Falar”, clássico na voz da pequena notável Carmem Miranda, a gente comemora hoje o centenário do nascimento de Leônidas da Silva, o artilheiro da Copa de 1938 (também jogou a de 34) que, se não inventou o gol de bicicleta, o popularizou no Brasil. Tricampeão carioca, pentacampeão paulista, o atacante hoje foi tema do “doodle”, aquele logotipo do Google que muda, em homenagem a uma data.

www.google.com.br
http://www.google.com.br

O “crack” dos anos 30 e 40 renderia muitas manchetes de jornal se jogasse hoje. Imagine só como seus gols (média acima de um por partida no Flamengo), suas confusões fora dos campos, seus romances seriam compartilhados e curtidos (ou nção) pelas rede sociais, na era da internet. Você acha que o Neymar faz muita propaganda? Leônidas foi nome de cigarro e virou nome de chocolate, criado pela Lacta logo depois do Mundial de 1938, fabricado até hoje.

http://www.lacta.com.br/
http://www.lacta.com.br/

Nesta semana do centenário, Leônidas foi homenageado pelo Flamengo, clube que tirou da’ fila’, em 1939. O rubro-negro usou uma camisa com a hashtag #Leônidas100, na partida contra o Vitória.

https://www.facebook.com/FlamengoOficial
https://www.facebook.com/FlamengoOficial

Ao São Paulo, Leônidas chegou como astro, recebido por milhares na estação de trem, mas também visto com desconfiança, como o “o bonde de 200 contos de réis” por alguns. Saiu como cinco vezes campeão paulista na década de 40. Na quinta-feira, o tricolor jogou contra o Criciúma com uma linda camisa retrô, de tom gelo, em homenagem ao ídolo eterno.

FOTO divulgação Penalty | Vipcomm
FOTO divulgação Penalty | Vipcomm

Para saber mais sobre a vida da primeira grande celebridade do futebol brasileiro, não deixe de ler  “Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva“, trabalho de fôlego do jornalista André Ribeiro.

Obrigado, Leônidas, por continuar dando a alegria e orgulho a nós, torcedores, 9 anos depois de sua morte.

49 vezes Peñarol


capUma das flâmulas da semana é a do Club Atlético Peñarol, que na terça-feira se sagrou campeão uruguaio pela 49ª vez! O vídeo acima mostra a mudança do nº de títulos uruguaios de 48 pra 49.
O #49 veio com a vítória sobre o Defensor por 3 a 1, três gols de Tony Pacheco (triplete = hat-trick). Veja a ficha do jogo e fotos da grande festa “carbonera” neste link para o site oficial do Peñarol. Continuar lendo “49 vezes Peñarol”

Thinking Football

A carreira do belo filme “Os Rebeldes do Futebol” fez mais uma escala. Depois de Cartagena e do BCN Sports Films, o doc ancorado por Eric Cantona abriu a programação do Thinking Football Film Festival, em Bilbao. O festival que vai até sábado é promovido pelo Athletic Club e pela fundação do clube basco. Temos aqui o querido CINEfoot, mas já imaginou um time brasileiro promovendo um festival de cinema, ainda mais sem um filme sobre o próprio umbigo? Palmas para o Athletic.
cartel
Nesta terça-feira, o Thinking Football exibe “Cracks de Nácar”, doc argentino sobre a paixão de dois veteranos jornalistas pelo futebol de botão (confira o texto anterior). E outra produção do Cone Sul: “Manyas – La Película”, sobre a irada torcida do Penãrol (confira meus pitacos). Continuar lendo “Thinking Football”

Mazurkiewicz (1945-2013)

2013 começou com uma grande perda para o futebol uruguaio, sul-americano e mundial.
Em 2 de janeiro, morreu Ladislao Mazurkiewicz, goleiro do Uruguai em três Copas do Mundo. Sim, o goleiro que não tomou aquele gol do Pelé, no drible de corpo gingado na semifinal da Copa de 70, que o escrete canarinho ganhou de virada por 3 a 1 (Cubilla abriu o placar; Clodoaldo, Jairzinho e Rivellino marcaram para o Brasil). “Mazurka” começou no gol do Racing de Montevidéu, mas se consagrou entre 1965 e 71 no Peñarol, clube em que encerraria a carreira depois de guardar a meta de Atlético Mineiro, Granada, Peñarol de novo, Cobreloa e América de Cáli.

Segundo o texto de César Groba no site do Peñarol, “Chiquito” tem o recorde de minutos sem tomar gol no futebol uruguaio: 987!

O jornalista e radialista Beto Xavier, autor do livro Futebol no País da Música, me informa: “Era um goleiro muito elegante. Jogava adiantado, olhava o jogo da marca do pênalti. No Atlético Mineiro, vestia uma camisa preta, mas por baixo, uma outra, de gola amarela, à mostra, para lembrar o Peñarol”.

DSC00026No Peñarol, Mazurkiewicz foi campeão sul-americano e mundial em 1966. Venceu a Libertadores ao lado de Pablo Forlán, do grande Pedro Rocha, do artilheiro equatoriano Spencer e do peruano Joya, num time treinado por Máspoli – goleiro do Uruguai no Maracanazo, em 1950.  Depois de vencer o River Plate, os carboneros disputaram o Mundial de Clubes contra o Real Madrid. E levaram a Copa Intercontinental para Montevidéu. E é por isso que ilustro o texto com esta flâmula comemorativa do tri da Libertadores.

Continuar lendo “Mazurkiewicz (1945-2013)”