Diário de bordo

DestacadoDiário de bordo

Foram dez jogos em cerca de 20 dias. Dez estádios diferentes, oito deles inéditos para o blog Fut Pop Clube. Abaixo, um resumo do #RolêDoFutPopClube, temporada 2018, por campos da Inglaterra e Espanha.

  • Tottenham Hotspur 2×0 Huddersfield Town FC, Wembley Stadium, 3 de março de 2018.

    Vitória do Tottenham em Wembley, 3 de março de 2018.

Conhecer Wembley era um sonho de muitos anos – infelizmente não visitei o estádio como era antes. A temporada inteira dos Spurs no estádio nacional da Inglaterra, casa oficial da seleção inglesa, proporcionou a oportunidade. Ok, não foi nenhum clássico, mas uma partida em que os lillywhites consolidaram a boa campanha na Premier League 2017-2018 com mais uma vitória, pela 29ª rodada. Fui pra ver Harry Kane e acabei assistindo ao sul-coreano Son brilhar, marcando os dois gols. Atmosfera muito bacana, que já começa no caminho entre a estação Wembley Park e o estádio. Tente resistir à oferta de programas, cachecóis, pins e até flâmulas nas bancas e mãos dos vendedores…

Wembley, 3/03/2018

O brasileiro Lucas Moura (São Paulo, PSG) entrou no final, puxou algumas bolas, mas não foi muito adiante em contra-ataques. 68.311 espectadores contribuíram para o belo espetáculo. Mais desse jogo no post anterior. Dias depois, os Spurs seriam eliminados da Champions pela Juve dentro de Wembley.

  • Crystal Palace 2×3 Manchester United, Selhurst Park, 5 de março de 2018
Selhurst Park, março de 2018.

Dois dias depois do jogo do Tottenham, ainda pela rodada 29 da Premier, FutPopClube foi ao sul de Londres numa segunda-feira à noite conhecer o estádio do Crystal Palace, numa partida emocionante contra o Man United, de José Mourinho. Vinte e oito mil pessoas no Selhurst Park, que é um alçapão – tive a sensação que aquilo é um barril de pólvora que pode explodir a qualquer momento. Panela de pressão total, tribunas grudadas no campo. Uma torcida participante o tempo todo empurrou o Palace, que abriu 2×0. Mas quando Mourinho mandou o United pra frente, no segundo tempo, o time da casa não resistiu. E perdeu de virada no finalzinho. Claro que a torcida do azul e vermelho do sul de Londres ficou p… da vida (o time vai lutar pra não cair), mas deu show a partida toda. Ouça um dos cantos:

Não sei se por ser um jogo contra o Manchester United, mas Selhurst Park confirmou todas as expectativas e até as superou. Um dos melhores ambientes futboleros encontrados nesta viagem, se não o melhor. Parabéns, Palace! Se cair, que volte logo. Mais neste post aqui.

Continuar lendo “Diário de bordo”

Que fase! West Ham 0x3 Burnley, em pleno London Stadium.

Que fase! West Ham 0x3 Burnley, em pleno London Stadium.
London Stadium, 10 de março de 2018

Começou assim.

Bolhas no ar…

Bubbles in the air

… e homenagens ao eterno capitão dos melhores anos do West Ham. Bobby Moore morreu em 1993, com apenas 51 anos. Câncer no intestino. Em 2018, um minuto de palmas. Respeito ao ídolo também da seleção inglesa, campeã mundial em 1966.

E terminou com muita confusão.

Um dos invasores do campo pegou a bandeirinha de córner e levou pro meio de campo… sem marcação nenhuma…

Primeiro tempo absolutamente truncado, jogo parado toda hora. A torcida do WHUFC apoiava, mas nas primeiras falhas, mostrava impaciência. A fase não é nada boa, na segunda temporada no novo estádio. Continuar lendo “Que fase! West Ham 0x3 Burnley, em pleno London Stadium.”

Virada emocionante do Manchester United, em noite de casa cheia no estádio ‘raiz’ do Crystal Palace.

Virada emocionante do Manchester United, em noite de casa cheia no estádio ‘raiz’ do Crystal Palace.

Reportagens de TV, transmissões e, especialmente, uma crônica do Arthur Dapieve no Segundo Caderno do jornal O Globo já tinham chamado a atenção para a atmosfera ‘futbolera’ de Selhurst Park, o estádio do Crystal Palace, “o número 1 do Sul de Londres” para a torcida red and blue.  Ele tem jeito de estádio antigo  e hoje comporta umas 26 mil pessoas, grudadinhas ao gramado.

No fechamento da rodada #29 da Premier League 2017-18, o torcedor do Manchester United cantou por último no ninho dos “eagles” londrinos. Mas o torcedor do Crystal Palace, se ficou com gosto que tomaram o doce da mão dele, não pode reclamar que não houve luta do seu elenco – muito mais humilde do que o do clube de futebol mais rico do mundo.

O Crystal Palace (também conhecido pelas iniciais, CPFC, pelo apelido “eagles”, pelas cores, red and blue) saiu na frente no primeiro tempo, com um golaço de Townsend, sem chance de defesa para De Gea. E o primeiro tempo foi isso: Pogba tentando, tentando, tentando…

No segundo, a partida pegou fogo. Mourinho começou a usar seu poderoso banco, primeiro Rashford, que já melhorou muito o visitante. Mas num contra-ataque, o Palace marcou o segundo, com o holandês Patrick van Aanholt.

O United diminuiu logo depois, Smailing. Mais qualidade no time de Manchester, Juan Mata no lugar de Ashley Young (que não teve paz com a torcida do Palace). Luke Shaw no de Valencia. Pressão total. Muito jogador bom. Pogba, Mata, Alexis Sánchez, Lukaky, Rashford… Num bololô na área, o tanque belga Lukaku empatou o jogo.

Aí foi a vez de David De Gea provar que está no Top 5 da posição, seguramente. Impediu o terceiro gol do time azul e vermelho.

Nos acréscimos, do meio da rua, Matic marcou um golaço e decretou a virada. Manchester United volta ao segundo posto. E aí, tome “Glory glory, Man United…”

Palace está em décimo-oitavo, na briga contra o rebaixamento. Continuar lendo “Virada emocionante do Manchester United, em noite de casa cheia no estádio ‘raiz’ do Crystal Palace.”

Sul-coreano Son definiu a vitória do Tottenham Hotspur contra o Huddersfield, em Wembley.

Sul-coreano Son definiu a vitória do Tottenham Hotspur contra o Huddersfield, em Wembley.

Wembley, 3 de março de 2018


Camisa 7 do Tottenham, o rapidinho sul-coreano Heung-Min Son fez os dois gols na vitória dos lillywhites contra o Huddersfield Town, para 68.411 espectadores em Wembley.
No primeiro, bola de Harry Kane para Dele Alli, que deu passe açucarado para Son. O sul-coreano teve calma e classe para limpar o goleiro Jonas Lössl e tocar pro fundo das redes. Eram decorridos 27 minutos do primeiro tempo.

No segundo tempo, quando o Huddersfield parecia querer empatar, o mesmo trio resolveu. Dele Alli recuperou a bola, Kane lançou para Son marcar de cabeça, no canto inverso do goleiro.

O brasileiro Lucas Moura entrou faltando 7-10 minutos.

Ele é rápido, tem classe”, comentaram os torcedores do Spurs perto deste que vos bloga.

Só que em vez de aproveitar essa velocidade, nos minutos em campo Lucas recuperava a bola, num rebote, e tocava para alguém puxar o contra-ataque.

Num dos quatro corners, ficou a torcida do Huddersfield, que fez barulho. Já principal canto dos torcedores do time da casa é o “come on you, Spurs” (#COYS virou hashtag) e quando berrado a plenos pulmões por quase 68 mil pessoas, ficou impressionante (a acústica de Wembley é bem marcante).

Na temporada 2017-18, o estádio nacional da Inglaterra, casa da seleção inglesa, palco de finais da Copa da Inglaterra, da Copa da Liga inglesa e das finais das divisões de acesso, é também a casa do Tottenham Hotspur, que está terminando de construir um novo e moderníssimo estádio no local do anterior, White Hart Lane. Nessa temporada, os Spurs mandam em Wembley todos os jogos caseiros, como os de Premier League e os de Champions. Bela oportunidade para o blog Fut Pop Clube conhecer o tempo do futebol, sede das Olimpíadas de 1948 e da Copa do Mundo de 1966, totalmente reconstruído nos anos 2000 (o novo Wembley foi reaberto em 2007 e comporta 90 mil espectadores).

E o estádio e suas redondezas estão completamente preparados para receber o Tottenham, como se fosse o dono da casa, mesmo. Nome e símbolos do clube do norte londrino estão espalhados dentro e fora do estádio – a loja do estádio vende tudo quanto é produto dos Spurs, mas não exclusivamente. Encontrei muitos produtos da seleção inglesa, na real a ‘dona’ da casa, e até algo de outros clubes (do rival Arsenal, Chelsea, United, City).

Wembley Park é a principal estação de metrô de acesso ao estádio, embora não a única. Dela já dá pra ver o estádio.

No fim da jornada, o supertelão externo informa o placar final da partida – alíás, um resultado completamente justo.

Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.

Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.
Aí, Steve Harris, o time de futebol do Iron Maiden poderia jogar com esse uniforme bolado pelo Matheus Viana…

A temporada 2017-18 do campeonato inglês começou com um jogão, sete gols, duas viradas: Arsenal 4×3 Leicester City. Aproveito a primeira rodada da Premier League da vida real para compartilhar um golaço do designer brasileiro Matheus de Souza Viana. Ele “viajou” (no bom sentido e entre aspas) criando camisas de futebol e distintivos para 20 bandas de rock inglesas, dos Beatles aos Arctic Monkeys. Saiu antes na página Idea Fixa (que me foi indicada pelo batera Vlad Rocha).

Pra começar, o designer botou uma coroa em forma de cabelo moicano, do leãozinho da Premier League, que você pode ver na imagem destacada, no alto deste post. E chegou a incluir nos “mantos sagrados” das sacrossantas bandas as marcas de fornecedores habituais de equipamento esportivo (adidas, Nike, Puma, Umbro) e até patrocinadores de peito, ligados a marcas de equipamentos musicais, como fabricantes de guitarras (Fender, Gibson, Rickenbacker, Epiphone). Demais! O campeonato de bandas imaginado pelo designer Matheus Viana tem muito classic rock entre os favoritos ao título: Beatles, Stones, Who, Queen…

Este slideshow necessita de JavaScript.

É um trabalho pessoal do Matheus Viana, um exercício criativo, sem patrocínios nem fins lucrativos, ou seja, não vão ser vendidas camisas com esse visual. Olha as ideias

A ideia é brincar com a hipótese de misturar o futebol e o rock’n’roll, pensando em como poderia ser o campeonato inglês de futebol se fosse disputado por bandas inglesas de rock”, explica o designer.

Então, vejam como seriam os visuais do triunvirato do rock pesado inglês do final dos 60 -Sabbath, Led, Purple- e o progressivo Pink Floyd, do Roger Waters, um fanático torcedor do Arsenal.

O Lemmy não estava nem aí para futebol, mas o pesado e rápido Motörhead também entra na liga virtual do Matheus Viana, além dos punk rockers do Clash (Joe Strummer é dos blues, torcedor do Chelsea) e dos Sex Pistols (John Lydon fanático gunner, Steve Jones e Paul Cook, também eram blues).

Será que nos estádios desse campeonato virtual, o fã-clube do Police adotaria “Every Breath You Take” como uma espécie de “You’ll Never Walk Alone”?

Home Kit imaginário do The Police, por Matheus Viana.

Repare nas mangas da imaginária camiseta do Joy Division – o designer Matheus Viana se inspirou na capa do discão “Unknown Pleasures”.

Mais ideias criativas dentro do post.

Continuar lendo “Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.”

Os novos uniformes do Chelsea e o Gorillaz de Damon Albarn, um Blur que é blue.

O atual campeão inglês também trocou de fornecedora. O Chelsea, que vestia adidas desde 2006, passa a usar Nike – corre que o acordo vale o dobro do que o de outro clube de Londres fisgado pela marca americana, o Tottenham Hotspur (veja post anterior). A campanha de lançamento dos uniformes 2017-18 do Chelsea teve jogadores blues como Hazard, Willian e David Luiz  e uma ajudinha do Gorillaz (o cantor Damon Albarn, também do Blur, é um fanático pelo Chelsea, o que pode ajudar a explicar um pouco daquela imensa rivalidade entre fãs de Marlene e Emilinha, digo, entre Blur e Oasis – os irmãos Gallagher são torcedores fanáticos do Manchester City).

Veja o vídeo de David Luiz “contracenando” com o 2D, o Damon Albarn do Gorillaz.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Uniforme dois dentro do post:

Continuar lendo “Os novos uniformes do Chelsea e o Gorillaz de Damon Albarn, um Blur que é blue.”

O novo visual do Tottenham Hotspur

O novo visual do Tottenham Hotspur

Depois de cinco temporadas com a Under Armour, os Spurs agora ganham uma bolada (consta que 25 milhões de libras por ano) da Nike, que revelou os uniformes do clube do Norte de Londres para a temporada 2017-18. A campanha de lançamento inseriu imagens dos jogadores sobre o novo estádio, que está sendo erguido no lugar de White Hart Lane.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

A camisa titular é bastante básica. Mas como a de visitante, tem uma novidade: um escudo envolvendo o cockerel, o galinho que é o símbolo dos Spurs. Homenagem à dobradinha da temporada 1960-61: o Tottenham foi o primeiro a conquistar campeonato inglês e Copa da Inglaterra no pós-guerra (veja a foto histórica do time campeão no fim do post).

Spurs de Nike: #HomeKit #THFC 17-18

Continuar lendo “O novo visual do Tottenham Hotspur”