Atlético Nacional, 70 anos.

Atlético Nacional, 70 anos.

30 de abril de 2017

Distintivo atual do Atlético Nacional

Faz aniversário o Atlético Nacional, um clube que o torcedor brasileiro aprendeu a admirar, pelo menos a partir das atitudes de grandeza dos verdolagas no episódio da tragédia da Chapecoense.

El Verde está comemorando 70 anos – e 26 voltas olímpicas, sendo duas pelas Copas Libertadores, conquistadas em 1989 e no ano passado. É o maior campeão colombiano. Por isso, outro apelido: El Rey de Copas.

Sabia que o Nacional já foi Club Atlético Municipal de Medellín? Continuar lendo “Atlético Nacional, 70 anos.”

Episódio 3 do #RotasDaBola mostra La Bombonera em noite de Libertadores.

Episódio 3 do #RotasDaBola mostra La Bombonera em noite de Libertadores.

Quem tem medo do La Bombonera? Os bastidores de um jogo decisivo num dos estádios mais temidos do Mundo!
O episodio três do Rotas da Bola mostra a histórica partida entre o Boca e o Nacional do Uruguai, pelas quartas de final da Libertadores 2016.
É só dar play e viajar conosco! Que tal?
https://www.facebook.com/rotasdabola/

Continuar lendo “Episódio 3 do #RotasDaBola mostra La Bombonera em noite de Libertadores.”

Parabéns, River Plate!

Fantasma da B? Fantasma da segunda divisão? Sim, o River Plate caiu em 2011. Levantou, sacudiu a poeira e deu a volta por cima. E vai dar uma volta ao mundo agora.
Em quatro anos, o River saiu da segundona argentina para o topo da Libertadores, que reconquistou depois de 19 anos. O Museo River vai receber sua terceira Copa Libertadores dos millonarios. 1986, 1996 e agora 2015.

11223506_749049398575150_4778442247009525694_o
facebook.com/riverplateoficial

Continuar lendo “Parabéns, River Plate!”

#SãoSan

O São Paulo x San Lorenzo desta superquarta, 18/03/2015, ficou com todo o jeito de mata-mata, já que o Corinthians tem 100%, com 3 vitórias em 3 jogos nesta fase e mais dois jogos em casa, ou seja, está com uma mão e quatro dedos numa das duas vagas. Os dois times “santos” vão se “matar” pela outra vaga, em duas partidas, no Morumbi e no estádio Nuevo Gasómetro (em primeiro de abril).

O jogo desta quarta-feira vai ser o sétimo #SãoSan da história (e o primeiro de Libertadores). O tricolor paulista venceu 3 vezes, o Ciclón ganhou duas e houve um empate: Continuar lendo “#SãoSan”

Aqui é trabalho. E respeito. E por que não, um pouco de carinho e reconhecimento.

Arte: LAIS SOBRAL https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Arte: LAIS https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Veja só, no post anterior, a confiança e mesmo idolatria que o Atlético de Madrid e os torcedores colchoneros demonstram em relação ao treinador Diego Simeone, campeão de Liga na Espanha, vice da Champions, atual campeão das últimas Copa do Rei e Supercopa de Espanha. Justíssimo. Em Madri, tem até cachecol em homenagem ao Cholo, apelido de Simeone, como eu já mostrei aqui no blog. Aí você muda o Google Earth pro Morumbi, em São Paulo, e vê parte dos torcedores organizados, de dirigentes e corneteiros em geral botarem na corda bamba toda hora o técnico Muricy Ramalho, é bom lembrar, tricampeão brasileiro pelo tricolor entre 2006 e 2008 – três títulos seguidos, sem sequer um Kaká ou Luis Fabiano no time!-, e também é muito bom lembrar, o cara que salvou o São Paulo do rebaixamento em 2013 e, em 2014, levou o time ao vice-campeonato brasileiro e de volta à Libertadores.

Mas… “Libertadores virou obrigação”… “É! Q u a r t a – f e i r a! “, toda aquela pegação no pé do Maicon … O São Paulo tem estrelas, é verdade, mas não um elenco equilibrado. Caiu no grupo da morte da Libertadores, estreando contra o maior rival, embalado depois de superar o Once Caldas, na casa dele, que é um alçapão. A diretoria tricolor comprou muitos atacantes, quase que se esqueceu da defesa. Perdeu Kaká. Mais do que a técnica do camisa 8 que ficou pra sempre no coração e na mente do torcedor são-paulino, perdeu sua raça, sua vontade, sua dedicação, que fez com que até os jogadores mais descansados do grupo marcassem o campo inteiro em 2014. É culpa do técnico? Você acha que o Muricy não gostaria de ter Kaká na Libertadores?

Continuar lendo “Aqui é trabalho. E respeito. E por que não, um pouco de carinho e reconhecimento.”

Quarta-feira Majestosa

Bom dia.
A quarta-feira tem um clássico desenhado desde que saiu a tabela da Libertadores, confirmado depois que o mata-mata contra o Once Caldas virou uma mera formalidade.
A Arena Corinthians recebe o primeiro Majestoso numa Libertadores. Corinthians e São Paulo já se enfrentaram 4 vezes em competições da Conmebol, em duas temporadas. Em 1994, o expressinho treinado por Muricy, vice de Telê, se classificou para a final da Copa Conmebol. Em 2013, o Corinthians faturou a Recopa Sul-Americana. O jogo de volta desta fase da Libertadores será no Morumbi, em abril.
Nos últimos tempos, o Majestoso por si só já é um dos clássicos de maior rivalidade no Brasil. Mas essa obsessão, essa história de “Libertadores virou obrigação” (como se fosse assim “facinho” ganhar essa “mina”), as declarações de dirigentes, os gestos de jogadores, a batalha logística que agora virou moda antes de cada clássico em São Paulo, o clima que a mídia toda sempre ajuda a criar e a animosidade entre as torcidas, deixa no ar o medo de algo bem pior do que a batalha verbal do “chupa isso”, “chupa aquilo” de toda quarta-feira de Libertadores como esta.

Por mais que a quinta-feira seja de cinzas para um eventual perdedor deste Majestoso histórico, o mundo não vai acabar amanhã. Continuar lendo “Quarta-feira Majestosa”