A jovem Inglaterra para a Copa 2018

A jovem Inglaterra para a Copa 2018

Gostei de um vídeo da Footbal Association: a federação inglesa anunciou os 23 convocados pelo técnico Gareth Southgate para a Copa na Rússia com um clip divertido e bem produzido.


E não é só o vídeo da convocação que tem uma linguagem pra atrair a molecada. Jovem técnico, Southgate convocou um English Team com apenas cinco remanescentes do ‘grupo da morte’ no Mundial 2014, disputado aqui no Brasil. O Tottenham é o clube mais representado (5 jogadores dos Spurs), à frente do novo campeão inglês, Man City (quatro atletas), Man United (também quatro), Liverpool (dois do finalista da Champions foram chamados), Leicester (dois do antepenúltimo campeão inglês). O Chelsea, campeão da temporada passada, tem o experiente Cahill no time que vai à Rússia e mais o jovem Ruben Loftus-Cheek, emprestado ao Crystal Palace.Arsenal, Everton, Stoke, Burnley cederam um cada.
Goleiros:

  • Jack Butland, Stoke City, 25 anos
  • Jordan Pickford, Everton, 24 anos
  • Nick Pope, Burnley, 26 anos

Defensores:

  • Ashley Young, Manchester United, 33 anos
  • Gary Cahill, Chelsea, 33.
  • John Stones, Manchester City, 24.
  • Kieran Trippier, Tottenham Hotspur, 28 anos
  • Kyle Walker, Manchester City, 28 anos.
  • Danny Rose, Tottenham, 28 anos.
  • Fabian Delph, Manchester City, 29 anos
  • Harry Maguire, Leicester City, 25.
  • Phil Jones,Manchester United, 26 anos
  • Trent Alexander-Arnold, Liverpool,20 anos, chamado pela primeira vez para a seleção principal

Meio-campistas:

  • Eric Dier, do Tottenham, 24 anos.
  • Jesse Lingard, Manchester United, 26 anos
  • Ruben Loftus-Cheek, estava no Crystal Palace, emprestado pelo Chelsea, 22 anos
  • Jordan Henderson, Liverpool, 27
  • Dele Alli, Tottenham, 22 anos

Atacantes:

#89. Documentário conta a saga do Arsenal, campeão inglês de 1989, nos instantes finais.

Destacado#89. Documentário conta a saga do Arsenal, campeão inglês de 1989, nos instantes finais.

Maio de 1989. Quarenta e um dias depois da tragédia de Hillsborough (estádio do Sheffield Wednesday), que provocou a morte de 96 torcedores do Liverpool, numa tarde de semifinal de Copa da Inglaterra (contra o Nottingham Forest), o campeonato inglês de primeira divisão (que ainda não era a Premie League) chegava à sua última rodada. Disputavam o título justamente o multicampeão Liverpool, que podia até perder por 1×0, e o Arsenal, que para acabar com um um jejum de 18 anos precisava vencer por 2×0. E em pleno Anfield, a fortaleza do Liverpool (que durante a fila do time vermelho e branco de Londres, ganhou ‘apenas’ 10 ligas inglesas e 4 de suas 5 Copas dos Campeões/Champions).

A saga da temporada 1988-1989 do Arsenal, enfim campeão inglês, é o tema do filme ‘89‘, lançado ano passado na Inglaterra e que aqui pode ser visto no You Tube (aluguel ou compra, alta definição ou não). É um documentário tradicional, com excelente material de arquivo, entrevistas feitas agora e boas artes. Indicado para quem gosta de futebol inglês, fundamental para quem quer saber mais sobre a história dos gooners. Para torcedores e simpatizantes do clube então de Highbury, é ouro puro. Deleite.

27356114_1590554707647798_2792047620856833289_o
Cartaz original do filme “89”, já disponível em streaming no Brasil.

Neste dia D, ou talvez dia G, de gunners, da “final” em Anfield, os jogadores do Arsenal entraram no gramado com flores em homenagens às vítimas de Hillsborough. Tá no filme “89”, que também mostra que o técnico George Graham, contratado do Millwall, tinha participado como jogador gooner do então último campeonato inglês conquistado pelo Arsenal, em 1970-71 (ano de dobradinha, campeonato e copa). Com sua fisionomia até meio parecida com o nosso conhecido Muricy Ramalho, ele fechou o time e conseguiu segurar o Liverpool no primeiro tempo da partida decisiva – dissecada quase jogada a jogada no filme – para ganhar no segundo tempo, com direito a um autêntico gol de ouro, nos acréscimos.

George Graham ainda levaria o Arsenal a um título de Copa das Copas, a Recopa europeia, em 1994, contra o Parma.

Confira o trailer de “89” dentro do post.

Continuar lendo “#89. Documentário conta a saga do Arsenal, campeão inglês de 1989, nos instantes finais.”

Traje de passeio

Traje de passeio

Quase que numa tacada só, a Puma lançou 23 camisas novas de times com quem tem contrato de fornecimento de material esportivo. A começar pelo Arsenal, que ganhou uma bonita terceira camisa, cinza escura, com detalhes cor de rosa.

Numa passada pelo shopping no começo da noite, já encontrei numa das lojas da rede Centauro várias dessas camisas lançadas HOJE pela Puma. Além do terceiro manto dos gunners, vi camisas dessa linha #ExitTheShadows /StepOut do Newcastle United, Stuttgart, Stade Rennais e o segundo uniforme do Borussia – que lá em Dortmund, foi apresentado pelo Marc Bartra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A candidata a mais bonita da série vem dentro do post, vale continuar a leitura.
Continuar lendo “Traje de passeio”

Bom programa!

Revista mensal (“Inside United”) e programa oficial de jogo do ManUtd (“United Review”), março de 2017.

Na gigantesca cultura de futebol na Inglaterra, alguns dos itens altamente colecionáveis são os programas oficiais dos jogos – revistas bacanudas que os clubes mandantes vendem a cada partida, seja de Premier League, de Copa da Inglaterra ou de Champions League. Estatísticas, histórico, tabelas, recados dos torcedores (como aniversários), lista dos jogadores relacionados para a partida em foco, as cores dos uniformes, reportagens – inclusive sobre o time adversário. É de babar para o torcedor de um “país do futebol” que praticamente só publica um jornal esportivo de alcance nacional (“Lance!”) e duas revistas de futebol (“Placar”, “Corner”).

A maioria dos grandes clubes também conta com revistas mensais, como você vê aqui na fotos com publicações do Man United e do Liverpool. Sem falar nas revistinhas independentes, editadas por torcedores, praticamente fanzines.

Revista mensal do Liverpool e programa oficial (“This is Anfield”) do jogão contra o Arsenal – março de 2017.

O Chelsea foi o primeiro clube a produzir um programa oficial consistente para dias de partida, segundo um painel informativo no museu de Stamford Bridge, que o blog visitou em março. Isso, já em setembro de 1905! Chelsea FC Chronicle era o nome do programa, editado por Fred Parker. A revista da partida de Copa da Inglaterra contra o Brentford, em janeiro de 2017, fez uma homenagem ao Chronicle de Fred Parker, com uma capa retrô. Muito legal.

O programa oficial do jogo do Chelsea contra o Brentford pela Copa da Inglaterra teve capa retrô – 28 de janeiro de 2017.

Ainda segundo o museu do Chelsea, na temporada 1912-13 o clube vendeu mais de 341 mil cópias. Em 1948, o programa chegou a 16 páginas. E segundo o Chelsea as vendas na temporada 1972-73 atingiram 99 por cento dos espectadores de Stamford Bridge. E isso o que representa para um clube de futebol? Recurso$$$$$$, claro. Desde 1905! Os clubes brasileiros certamente considerariam apenas uma despesa.

Programa oficial de um jogo de Champions que o torcedor do Arsenal certamente quer esquecer.

Cada programa custa entre 3 e 3,50 libras nas megalojas dos clubes ou em stands na frente dos estádios. E claro, na era da internet é possível baixar versões digitais dos programas, por um preço mais em conta. No fim do post, publico os sites de alguns programas dos clubes mostrados aqui.

Folheando revistas inglesas, a gente descobre sites especializados em revender essas revistinhas. Como escrevi no começo do post, uma memorabilia altamente colecionável. Bela lembrança de um jogaço, de uma grande vitória, de uma campanha campeã.

Programa do jogo do City contra o Huddersfield Town pela Copa da Inglaterra – março de 2017

Alguns links:
Continuar lendo “Bom programa!”

Passeio do Bayern em Londres

Passeio do Bayern em Londres


Emirates Stadium, 7 de março de 2016 – Uma classificação já quase definida no jogo de ida, em Munique. Mesmo assim, no começo da partida de volta, em Londres, o Arsenal ainda deu alguma esperança à sua torcida. Fez um gol (Theo Walcott) e teve outras oportunidades no primeiro tempo.

Javi Martínez e Hummels fizeram uma primeira etapa quase perfeita garantindo um placar ainda muito tranquilo para o time alemão.

Lewandowski: ‘ele, a bola, o goleiro e o gol’.

No segundo tempo, de cara deu para perceber que o Bayern de Ancelotti voltou com outra postura – antes mesmo antes do lance capital da noite. 1×1 e Arsenal com um jogador a menos.

A partir daí, então, o que se viu foi o jogo de um time só, um show do Bayern, com sua armada toda, Ribery, Robben, Lewa, Thiago, Vidal, Rafinha, Alaba, Xabi Alonso, é uma seleção mundial – Douglas Costa entrou no decorrer do segundo tempo e entrou bem. Que passeio. Continuar lendo “Passeio do Bayern em Londres”

Deloitte Football Money League 2017: o Manchester United é o mais rico do mundo.

Deloitte Football Money League 2017: o Manchester United é o mais rico do mundo.
https://www2.deloitte.com/uk/en/pages/sports-business-group/articles/deloitte-football-money-league.html?id=gb:2sm:3tw:4dfml:5awa:6oth:20170119080000:duk2&linkId=33517873
As receitas, em milhões de euros: https://www2.deloitte.com/uk/

Saiu a edição 2017 do Deloitte Football Money League (DFML), e a novidade é a volta do Manchester United ao #1, superando Barça e Real Madrid. Só Real Madrid e Manchester United lideraram o relatório, em duas décadas de DFML. Mas os red devils não chegavam ao topo da ‘liga do dinheiro’ desde a temporada 2003/2004 (foram 11 relatórios seguidos com o Madrid na ponta). Em 2015-16, a receita dos diabos vermelhos foi de 689 milhões de euros – cifra$ recordes. Fruto dos grandes contratos (Chevrolet, adidas), direitos de transmissão, a grana que Old Trafford movimenta em dias de jogos (e fora deles!). E olha que o Man United não ganha a Premier League desde 2012-13 e a Champions desde 2007-08.

Na nova lista dos 20 mais ricos, estão ao todo oito clubes da Premier League: os dois de Manchester, quatro de Londres – Arsenal, Chelsea, Tottenham Hotspur e West Ham – o Liverpool e o Leicester, que entrou no Top 20 pela primeira vez. Há três clubes de La Liga até o 13º lugar (Barça, Real, Atlético). Três da Bundesliga até o 14º (Bayern, Borussia, Schalke). São quatro da série A italiana (Juve em 10º, Roma, Milan, Inter), um da liga francesa (Paris Saint-Germain) e um da liga russa (Zenit). Continuar lendo “Deloitte Football Money League 2017: o Manchester United é o mais rico do mundo.”

Atlético de Madrid: estádio e escudo novos em 2017.

Atlético de Madrid: estádio e escudo novos em 2017.


Esta sexta-feira de dezembro de 2016 foi cheia de novidades para os torcedores e simpatizantes do Atlético de Madrid. O clube revelou o nome do novo estádio rojiblanco. E não, não é o do ídolo atlético Luís Aragonés, como muitos torciam ou poderiam esperar. A nova casa do Atleti vai se chamar estadio Wanda Metropolitano.

atleticodemadrid.com
atleticodemadrid.com

Se o nome do patrocinador ficou estranho, a outra parte não deixa de ser uma bela homenagem à história do clube hoje de Manzanares. Wanda é o nome do grupo liderado pelo empresário chinês Wang Jianlin, hoje dono de um quinto das ações atléticas. Metropolitano era o nome do estádio que o Atlético deixou de usar em 1966, quando mudou para o Vicente Calderón. Sabe o que restou do (antigo) Metropolitano em Madri? O jornalista Andres Cabrera mostrou neste curioso vídeo aqui que sobrou apenas um escudo -virtual- do Atlético no mapa das ruas da capital espanhola.  

O novo escudo do Atlético de Madrid - Imagem em baixa
O novo escudo do Atlético de Madrid – imagem em baixa

Bem, o escudo usado até agora pelos colchoneros. Porque hoje o clube anunciou uma modificação do distintivo, que será implantada definitivamente em 2017, ano da mudança de casa, do Calderón, em Manzanares, para o estádio Wanda Metropolitano, até agora conhecido como La Peineta. O logo ficou mais arredondado, o urso símbolo de Madri ficou maior, o azul do uniforme original do Atlético ressaltado. Um trabalho do estúdio Vasava. Veja no vídeo abaixo a evolução dos escudinhos do Atlético – para justificar a mudança, a peça também mostra a evolução dos distintivos de Arsenal, Bayern, Juve e PSG. Vale ver até o fim.

Continuar lendo “Atlético de Madrid: estádio e escudo novos em 2017.”

Football Money League 2016

IMG_20160121_072332Real Madrid e Barça são os times que geram mais dinheiro no planeta bola, segundo o 19º relatório Football Money League, da Deloitte, que leva em conta dados da temporada 2014-15 – aquela que terminou com o Barça levantando mais uma Champions League.

É a 11ª vez que o Real Madrid lidera a “liga do dinheiro”. Pulou de 549,5 milhões de euros pra 577 milhões de euros, entre receita comercial, direitos de TV e o que entra em dias de jogos . O Barça passou na frente do Manchester United e do Bayern, muito por causa da temporada em que ganhou quase tudo. A receita pulou de 484,8 milhões de euros para 560,8 milhões,

Os times da Premier League dominam o top 20 (são 9) e o top 30 (são 17). A Deloitte estima que a receita do Manchester United (volta à fase de grupos da Champions 2015-16, novos contratos) pode ultrapassar os gigantes de Madri e Barcelona no próximo ano.

 

Veja o top 20 na tabela. Olha aí o Paris Saint-Germain à frente do Bayern de Munique. O estádio é bem menor que os dos outros primeiros do ranking, mas o PSG arrecada muito com o departamento comercial (297 milhões de euros, contra 263 milhões do Man United, 278 do Bayer, 247 do Madrid e 244 do Barça). As novidades em relação ao relatório anterior são Roma e West Ham no Top 20.IMG_20160121_073655

Continuar lendo “Football Money League 2016”

Luto no planeta rock

11263077_1003028916381448_1570847073118570836_o
lacasaca..com

Não, Aladdin Sane não era do River Plate ou do Rayo Vallecano. O genial David Bowie (1947-2016) não estava nem aí para o futebol e não torcia pra nenhum time, como o Lemmy (líder do Motörhead, que nos deixou no finalzinho de 2015). Sem grilos. O planeta bola – que hoje premiou os melhores de 2015, como o extraterrestre Lionel Messi – não deixou de prestar sua homenagens a David Robert Jones, londrino do Brixton.

Como a bela imagem que ilustra este post, arte do blog argentino La Casaca, que em 2015 adaptou a capa do  LP “Aladdin Sane” para uma camisa de futebol. Dica do Futebol no País da Música, novo blog do jornalista Beto Xavier.

Quem sabe se ele tivesse nascido mais ao norte, perto do Arsenal do Nick Hornby ou do Tottenham do pai da Amy, ou a leste de Londres, casa do West Ham United, de tantos roqueiros, do metal ao punk.

Por sinal, o eterno técnico do Arsenal,  o francês Arsene Wenger, foi perguntado sobre a morte de Bowie numa das tradicionais coletivas que os profissionais de futebol estão acostumados a dar. E falou bonito.

Sou fã da música de Bowie, claro. A mensagem que ele deu pra minha geração foi importante, depois da segunda Guerra Mundial. Seja forte o bastante para ser você mesmo”.

Depois dessa, Wenger inspirou até ilustração com a maquiagem do Aladdin Sane.

Continuar lendo “Luto no planeta rock”

Futebol inglês presta homenagem aos que caíram nas guerras

Os times ingleses entram em campo na rodada deste fim de semana com um símbolo de papoula nas camisas. Clique na galeria abaixo para ver em detalhe as camisas do Everton, Manchester United, Newcastle e West Ham usadas neste sábado, véspera do Remembrance Sunday – o segundo domingo de novembro é dedicado à  memória dos mortos nos combates.

12219379_10153487518577713_2852761744790312043_nOs times da Premier League colocaram ainda papoulas vermelhas ao lado dos escudinhos, nas imagens de perfil de suas contas no Facebook. É uma homenagem aos soldados britânicos mortos em serviço nas guerras, especialmente na Primeira e Segunda Grandes Guerras.
O Manchester United botou a papoula vermelha na frente de Old Trafford e publicou em seu site uma lista de homens que jogaram com a camisa do Newton Heath (primeiro nome do ManU) e já com o nome do United e depois morreram em combate. Continuar lendo “Futebol inglês presta homenagem aos que caíram nas guerras”