Últimos lugares: só faltam 4 jogos do Atleti por La Liga no estádio Vicente Calderón.

Últimos lugares: só faltam 4 jogos do Atleti por La Liga no estádio Vicente Calderón.

O site oficial do Atlético de Madrid avisou, nesta primeira semana de abril: faltam só quatro jogos de La Liga no estádio Vicente Calderón, que vai pro chão quando os rojiblancos enfim mudarem para o Wanda Metropolitano.

Fiesta rojiblanca

Pelas quartas de final da Champions, o Atleti recebe o Leicester no Calderón, na quarta-feira. E em caso de classificação para as semifinais, é claro que voltará a jogar em sua casa.

Adios, Calderón.

E assim, restam pouquíssimos ingressos para este cinco jogos oficiais do Atlético confirmados na temporada de despedida do cinquentão estádio del Manzanares – a final da Copa do Rei será mais uma vez no Calderón: Barcelona e Deportivo Alavés decidem a taça em 27 de maio.

No sábado, dia 8, faltavam umas quinhentas entradas, de acordo com uma rápida pesquisa no site do Atlético.

Duzentas e cinquenta e sete para as quartas da Champions, contra o Leicester, de 70 a 650 euros.

Para a partida contra o Osasuna, no sábado, 15 de abril, 66 ingressos, de 40 a 400 euros.

Para o jogo contra o Villarreal, na terça, 25 de abril, 75 entradas, de 40 a 450.

Contra o Eibar, na antepenúltima rodada, apenas 44 bilhetes, o mais barato a 200 euros.

E para a última partida de La Liga no Calderón, na rodada 38, fim de semana de 20 e 21 de maio, por coincidência ou não entre Club Atlético de Madrid e Athletic Club, de Bilbao (clube também rojiblanco que inspirou a fundação dos colchoneros, em 1903), restam na hora da pesquisa para este post 96 entradas, de 250 à bagatela de 750 euros.

Continuar lendo “Últimos lugares: só faltam 4 jogos do Atleti por La Liga no estádio Vicente Calderón.”

Passeio do Bayern em Londres

Passeio do Bayern em Londres


Emirates Stadium, 7 de março de 2016 – Uma classificação já quase definida no jogo de ida, em Munique. Mesmo assim, no começo da partida de volta, em Londres, o Arsenal ainda deu alguma esperança à sua torcida. Fez um gol (Theo Walcott) e teve outras oportunidades no primeiro tempo.

Javi Martínez e Hummels fizeram uma primeira etapa quase perfeita garantindo um placar ainda muito tranquilo para o time alemão.

Lewandowski: ‘ele, a bola, o goleiro e o gol’.

No segundo tempo, de cara deu para perceber que o Bayern de Ancelotti voltou com outra postura – antes mesmo antes do lance capital da noite. 1×1 e Arsenal com um jogador a menos.

A partir daí, então, o que se viu foi o jogo de um time só, um show do Bayern, com sua armada toda, Ribery, Robben, Lewa, Thiago, Vidal, Rafinha, Alaba, Xabi Alonso, é uma seleção mundial – Douglas Costa entrou no decorrer do segundo tempo e entrou bem. Que passeio. Continuar lendo “Passeio do Bayern em Londres”

A vencer desde 1893

A vencer desde 1893

DSC08014Não foi desta vez que consegui ver um jogo do Porto em sua casa, mas tive o prazer de fazer o tour pelo estádio do Dragão, que é de 2003, e pelo museu do clube.

O visitante é recebido por uma estátua de José Mourinho, que no Dragão foi campeão de quase tudo. Bicampeão português, vencedor da Liga dos Campeões 2003-04, Taça da Uefa (hoje Liga Europa), Taça de Portugal e Supertaça. E deixou o Porto classificado pro Mundial de Clubes (Taça Intercontinental) de 2004, conquistado contra o Once Caldas. Também há uma de Béla Guttmann, húngaro campeão português de 1958-59 pelo Porto, depois de treinar o São Paulo e antes do arquirrival Benfica (onde acabaria rogando uma maldição).

Mou, o Special One, nos recebe.
Mou, o Special One, nos recebe.

Fundado em 1893 como Foot-ball Club do Porto, em 1922 o time azul e branco passou a usar o brasão da cidade. O museu explica em detalhes a evolução do escudo portista. DSC08021Hoje o distintivo contém  o brasão da cidade, o segundo escudo do clube (uma bola azul com as iniciais FCP), o escudo nacional português com 5 quinas e 7 castelos, um dragão, a inscrição “Invicta” (atribuída à cidade por resistir a um cerco em 1832-33) e a coroa do duque do Porto. Sensacional.

A Primeira Liga a gente nunca esquece
A Primeira Liga a gente nunca esquece

Tem muita taça, como a da edição inicial do campeonato nacional português (Primeira Liga), em 1934-35…

A gigantesca taça Arsenal, de 1948…

250 quilos! 130 são de prata maciça.
250 quilos! 130 são de prata maciça.

E um destaque especial para as taças internacionais, 2 Taças/Ligas do Campeões, duas taças da Uefa ou Liga Europa, uma Supertaça europeia e 2 Mundiais (ou Intercontinentais, de acordo com o gosto do cliente).

DSC08062

Tem #galhardetes (flâmulas) de #equipas adversárias…

DSC08030
Insira uma legenda

… os campos e estádios onde o Porto jogou, como o Campo da Rainha, o da Constituição, o estádio das Antas (entre 1952 e 2003), até chegar ao do Dragão…

Maque do estádio das Antas
Maquete do estádio das Antas

e #camisolas históricas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

DSC08099

No hall da fama, são lembrados jogadores e treinadores brasileiros, como Yustrich, Otto Glória, Carlos Alberto Silva.

No melhor onze, estão brasileiros como Branco e Hulk.

Mas tem um detalhe que não pode deixar de ser notado na visita ao museu do FC Porto. Uma espécie de culto à personalidade do presidente portista, Jorge Nuno Pinto da Costa (no cargo desde 1982!). Tem biografia, frases marcantes e uma linha do tempo, listando as conquistas. Sob a direção de Pinto da Costa, o Porto ganhou 20 de seus 27 campeonatos portugueses (Primeira Liga) e seus dois principais títulos europeus. A Taça dos Clubes Campeões Europeus (1986-87) e sua sucessora, ainda mais rica, a Champions (com Mourinho, 2003-04). 

Hum... este compacto na minha coleção...
Hum… este compacto na minha coleção…

O hino do Porto pode ser ouvido no museu em várias versões – a tradicional, na voz de Maria Amélia Canossa; uma versão clássica com a Orquestra Sinfônica de Londres; também em formato rock com a mesma orquestra e uma versão à capela com Nuno Norte. É uma marcha de Antonio Figueiredo Melo com letra de Heitor de Campos Monteiro.    

Confira o vídeo publicado pelo Porto quando a 1ª gravação do hino fez 63 anos! Continuar lendo “A vencer desde 1893”

O cantor que gravou o hino do Real Madrid é um dos autores do hino do Atlético de Madrid

HALA MADRID - JRSLA capital da Espanha parou duas vezes no domingo. Logo de manhã, para receber os campeões europeus. No começo da noite, mais festa, quando o elenco do Real Madrid mostrou a sua 11ª”orelhuda” na prefeitura e na sede da Comunidade de Madri e no Santiago Bernabéu. Na Fnac madrilenha, encontrei um single de vinil, com o hino “Hala Madrid” e mais três músicas cantadas por José de Aguilar Granados.  O compacto foi editado em 2014 pela Discos Marfer /Lolipop pra comemorar o então 10º título europeu dos galáticos.

“Hala Madrid” com José de Aguilar, mais orquestra e coro, é uma marcha de Marino García e Antonio Vilela. Aguilar também canta as outras três músicas do single, todas em homenagem à capital espanhola. “Siempre Mi Madrid” está no lado A. Continuar lendo “O cantor que gravou o hino do Real Madrid é um dos autores do hino do Atlético de Madrid”

Outra! Outra! Outra! Estopa em Múrcia, 28 de maio de 2016.

Outra! Outra! Outra! Estopa em Múrcia, 28 de maio de 2016.

Otra! Otra! Otra!

É assim que os espanhóis pedem bis, o nosso “mais um!” no fim dos shows. E o concerto do Estopa na cidade de Múrcia só começou depois que o Cristiano Ronaldo cobrou o último pênalti, que deu ao Real Madrid outro título de Champions League.

O gigante branco de Madri já é onze vezes campeão europeu. O público do show no Cuartel de Artilleria, em Múrcia, pode acompanhar mais uma final espanhola de Champions no telão bacana usado pelo Estopa nesta “gira” (turnê) Rumba A Lo Desconocido.

José e David Muñoz
José e David Muñoz: Estopa em noite de Champions

IMG_20160528_104457Os torcedores do Real Madrid eram grande maioria, mas também havia rojiblancos nunca deixando de acreditar em Múrcia. E quase deu pro Atlético, desta vez. Bom, assim que acabou a emocionante decisão, pano rápido, e corta pro show, que começou por volta de 23h45 e durou duas horas. Os caras apresentam mais ou menos metade das 12 canções do nono disco do Estopa (“Rumba A Lo Desconocido”), incluindo os hits “Gafas de Rosa”, “Pastillas para Dormir”, “Nadie Sabie”, “Estátual de Sal” e a balada “Ando Buscando”. Na nova turnê, não faltam os hits estoperos, de “Cacho a Cacho” (primeira do show, quando os irmãos saem de dentro de uma … máquina de lavar cenográfica) a “Como Camarón”, o ponto final deste showzão. Que também tem “Vino Tinto”, “Me Quedaré”, “Nasio Pa La Alegria”, “Pastillas de Freno, “Hemicraneal”, “Tu Calorro”, “Ya No Me Acuerdo” (esta com José nos vocais), “Destrangis in the Night”, “Mi Primera Cana”, “El Del Medio de Los Chichos”, “Me Falta Aliento”, “Poquito a Poco”, “La Raja de Tu Falda”, “Ojitos Rojos”, entre outras.

José Muñoz canta "Ya No Me Acuerdo"
José Muñoz canta “Ya No Me Acuerdo”

 

DSC09310Os irmãos David e José Muñoz são culés (torcedores do Barça), mas não deixaram de dar os parabéns ao Real Madrid, campeão europeu, e também ao “Super Atleti” – que fez bonito nessa Champions.  Continuar lendo “Outra! Outra! Outra! Estopa em Múrcia, 28 de maio de 2016.”

A família #rojiblanca cresceu. Atlético de Madrid comemora 7 mil sócios a mais numa temporada.

A família #rojiblanca cresceu. Atlético de Madrid comemora 7 mil sócios a mais numa temporada.

fa15_fb_we_club_kits_pr_stadium_crest_h_atletico_madrid_r_square_600-1
Disputar título do campeonato espanhol. Fazer bonito nos últimos mata-mata da Champions. Jogar quase que de igual pra igual com o rival conterrâneo de Madrid e com o Barça. Isso faz diferença, claro, o orgulho rojiblanco voltou com tudo na era Simeone. Esta semana, o Atlético de Madrid passou de 85 mil sócios. Sete mil a mais que na temporada 2014-2015. Um crescimento de 9 por cento, segundo o clube.

Segundo o relatório Football Money League, da Deloitte, o Atlético teve a 15ª maior receita do futebol europeu na temporada passada: 187,1 milhões de euros. Está no grupo dos 15 maiores da Europa nas redes sociais (hoje, mais de 12 milhões de fãs no Facebook e de 2 milhões de seguidores no Twitter). Média de público na temporada 2014-15: 42.110 atleticanos/partida (77% da capacidade do Calderón). Fonte: Football Money League.

Continuar lendo “A família #rojiblanca cresceu. Atlético de Madrid comemora 7 mil sócios a mais numa temporada.”