Flâmula do dia: Manchester City

Flâmula do dia: Manchester City
Flâmula com o escudo que o City usou entre 1997 e 2016.

Weaver, Crooks, Edghill, Wiekens, Morrison, Horlock, Brown, Whitley, Dickov, Goater, Cooke. Sob o comando do técnico Joe Royle, este foi o time do Manchester City há quase vinte anos, numa partida decisiva para sair do inferno da terceira divisão na temporada 1998-99 – a Division Two inglesa (a Premier League já era o topo da pirâmide lá, seguida pela First Division). Média de público dos sky blues ainda no velho estádio de Maine Road, na terceirona: 30 mil pessoas, segundo o site The Citizens Brasil. Ficou em terceiro… e chegou à final do play-off de acesso em Wembley contra o Gillingham, em 30 de maio de 1999. O Man City tomou dois gols depois dos 80 minutos. Diminuiu com Kevin Horlock a um minuto do fim,  empatou nos acréscimos com Paul Dickov e ganhou nos pênaltis, muito graças ao goleiro Nicky Weaver.
“Superbia in proelio” diz o mote em latim, no escudo usado entre 1997 e 2016 pelo City. Algo como “orgulho na batalha”.
Os anos 90 foram de sobe-e-desce pro lado azul de “Madchester”, enquanto o lado vermelho ganhava tudo.
O hoje bilionário City subiria de vez à Premier no final da temporada 2001/02.
Depois de dar a volta por cima, os blues de Manchester, que já tinham dois títulos ingleses de elite (1936/37 e 1967/68), ganhariam mais quatro: 2012, 2014, 2018 e agora em 2019. Esses dois últimos com o homem das oito ligas nacionais, Pep Guardiola, e compania bela.
Repare como a camisa dessa final de Wembley influenciou a camisa que o City usou ontem, na goleada sobre o Brighton, embora no away kit usado nesta campanha do bi o amarelo apareça em listras mais finas.

Segunda camisa do bicampeãọ: Man City Away Kit 18/19, via Nike.

Continuar lendo “Flâmula do dia: Manchester City”

Racing campeón

Racing campeón

Com uma rodada de antecipação, o Racing Club de Avellaneda se tornou campeão argentino pela décima-oitava vez (terceiro título no novo milênio: 2001, 2014 e agora, 2019).
A Academia treinada por Eduardo Coudet liderou a Superliga argentina desde a quarta rodada.
A flâmula – de dois anos atrás – é comemorativa do primeiro título mundial de um clube da Argentina.

O Leão voltou


Flâmula do Fortaleza Esporte Clube, que carimbou o bilhete para a Série A do Brasileirão 2019.
Desde 2006 o Leão do Pici não disputa a primeira divisão brasileira. Em 2017, estava na terceirona. Subiu, e no ano do centenário, a diretoria do Tricolor de Aço investiu. Trouxe Rogério Ceni pra ser o técnico. Modernizou a estrutura do futebol. E conseguiu o segundo acesso seguido, o lugarzinho tão desejado na Série A.

Parabéns, Fortaleza!

48 anos do Tri

48 anos do Tri

Grande achado num sebo ou feira de vinil, este LP traz gol a gol a campanha da seleção brasileira tricampeã do mundo, em vozes como as de Pedro Luiz e Fiori Gigliotti!
Também tem algumas músicas, como “Pra Frente Brasil” e “Camisa 12”, do homem-gol da MPB FC, Jorge Ben Jor. Aliás, sábado o ponta-de-lança do samba-rock toca em Sampa. Bora? Partiu, Espaço das Américas?
Presentão, hein? Rs!

Gagliardetto. Banderín. Wimpel. Pennon. Pennant. Galhardete.

Os campeonatos nacionais na Europa vão chegando ao fim e já conhecemos os principais campeões.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Flâmulas dos campeões de quase todas as principais ligas europeias na temporada 2017-2018:

  • Bayern, hexacampeão alemão, ainda pode ganhar a Copa da Alemanha
  • Barça, campeão de La Liga e tetra da Copa do Rei
  • Juve, heptacampeã italiana e também vencedora da Coppa Itália
  • Manchester City, campeão inglês e da Copa da Liga Inglesa
  • Paris Saint-Germain, campeão francês, da Copa da França e da Copa da Liga
  • Porto, campeão português

Continuar lendo “Gagliardetto. Banderín. Wimpel. Pennon. Pennant. Galhardete.”

Novo tricampeão da América

Flâmula do Grêmio

Saudamos o grande campeão da Copa Libertadores 2017. O Grêmio deu show em La Fortaleza e conquistou o tri da taça. Que golaços do Fernandinho e do Luan, que quase fez outro tão lindo quanto!
Bravo, Lanús, “el club de barrio más grande del mundo”, pela belíssina campanha e bom futebol, limpo.
Parabéns, Renato, o primeiro brasileiro campeão da taça como jogador e agora, 34 anos depois, como treinador.