Tanti auguri!

img_20161127_193340
Flâmula do Palmeiras

Saudamos o Palmeiras, grande campeão brasileiro de 2016, depois de 22 anos do último título do campeonato nacional. Foram 29 rodadas com o time de Cuca na liderança. O palmeirense pode saborear o gostinho de ir ganhando o campeonato rodada a rodada pela primeira vez desde que foi implantado o sistema de pontos corridos no Brasileirão (2003). Segunda grande conquista no Allianz Parque, em dois anos de casa nova (a primeira foi a Copa do Brasil 2015).  O parque está sempre cheião!

O Verdão tem nove títulos do Campeonato Brasileiro, e pode se considerar eneacampeão, de acordo com a unificação de Taça Brasil, Robertão e Brasileirão feita pela CBF, para alegria de palmeirenses e santistas: Continuar lendo “Tanti auguri!”

Terceira camisa do Cruzeiro 2016, em homenagem aos campeões de 1966.

Terceira camisa do Cruzeiro 2016, em homenagem aos campeões de 1966.

Chega às lojas oficiais do Cruzeiro nesta segunda-feira, 21/11/2016 (e em outras lojas de material esportivo dia 26) o novo uniforme 3 da Raposa, lançado neste domingo no empate em 2×2 contra o Santos.

cruzeiro
Uniforme 3 do Cruzeiro 2016 (Umbro)

Os uniformes feitos pela Umbro em estilo retrô (até nos logotipos dos patrocinadores) representam uma homenagem à conquista da Taça Brasil de 1966 (nas finais, o Cruzeiro goleou o então pentacampeão Santos por 6 a 2 no Mineirão e voltou a vencer no Pacaembu, por 3×2). Em 2010, a CBF unificou os títulos da Taça Brasil e Robertão de 1959 a 1970 com o Brasileirão. E passou a considerar o Cruzeiro campeão brasileiro em 1966.fb_img_1480013206681
Continuar lendo “Terceira camisa do Cruzeiro 2016, em homenagem aos campeões de 1966.”

Meu tio campeão

Anos 70. Foram presentes dele os meus primeiros times de futebol de botão. Um botão de plástico, achatado, com um bonequinho de papelão vestindo o uniforme do time, plantado no centro do brinquedo. Que pena não ter guardado pra história! Não consigo lembrar a marca. Alguém faz ideia aí?

Foi o mesmo tio quem me levou pela primeira vez a um estádio, e de cara para ver um clássico. Eram outros tempos. Os torcedores ficavam misturados. Meu time perdeu. Irado, um torcedor jogou o gorro lá embaixo, olhou pra mim e me recomendou mudar de time. Ainda bem que não segui o conselho…

Um dia dá caça, no outro, caçador – gostava de dizer meu tio.

Talvez eu não estivesse aqui blogando quase todo dia sobre futebol se não fossem esses gestos do tio. Eternamente, vou lembrar disso.

Meu tio era uma pessoa com quem dava pra conversar sobre futebol.

Meu tio era uma pessoa com quem dava pra conversar. Ponto. Sobre tudo. Futebol, cinema, política, vida profissional… Um homem inteligentíssimo.

Era uma pessoa que não parava de trabalhar, emprestando seu conhecimento a empresas dos quatro cantos do mundo. Este ano, em questão de pouco tempo, um mês e alguns dias mais, um câncer devastador levou este tiozão embora.

Meu tio querido partiu sem ver seu time ser campeão mais uma vez. Logo ele que acompanhou todos os longos anos de jejum, sem títulos.

Lá do céu, meu tio deve ter saboreado essa conquista, depois desse tempo de tanto sofrimento. Continuar lendo “Meu tio campeão”

A janela fechou

Que Manchester United, o quê? Nos últimos dias de janela aberta na Europa, o holandês Robben – um dos melhores do Mundial 2014, se não o melhor – vestiu a camisa do Sport Club do Recife.

Claro, foi só uma ação para o lançamento da nova terceira camisa do Sport, com as cores da monarquia holandesa, a dinastia Orange-Nassau, que teve grande influência na colonização de Recife.

Robben vai continuar voando pelo poderoso Bayern de Munique.

Mas fica o gostinho, né? Já pensou se o futebol brasileiro fosse capaz não só de segurar algumas de suas grandes estrelas, como de atrair os craques do futebol mundial, no auge?

Num exercício de imaginação, cada torcedor poderia sonhar com a contratação de um – e só um – craque estrangeiro pro seu time.

Não vale Messi nem Cristiano Ronaldo. Vamos deixar de barato que Messi voltaria pro Newell’s e CR7 para o Sporting Clube de Portugal ou Nacional da Ilha da Madeira.

Qual seria o “jogador do torcedor”, hein?

Eu começo, na parte de comentários deste post.

Continuar lendo “A janela fechou”