“O Futebol”.

Estreou neste 21 de abril nos cinemas o belo filme de Sergio Oksman, vencedor dos prêmios de Melhor Longa e o da Crítica no recente festival É Tudo Verdade, só de documentários.

12967309_1020820344653677_4555314851272645368_o
Cartaz do filme “O Futebol”, de Sergio Oksman

Pena que o título “O Futebol” vá espantar aquela parte do público que torce o nariz pra futebol na TV, no rádio, quanto mais nos cinemas.

Porque não é um filme sobre futebol ou sobre o Mundial de 2014, no Brasil. O futebol é um pano de fundo importante, na distante relação entre Sergio, que mora na Espanha, e o pai, Simão, no Brasil. Um alviverde daqueles capazes de lembrar a escalação de parte do Palmeiras de 1979. De quem fez os gols da vitória num dérbi, e como.

É um filme sobre a vida.

Em que nem tudo acontece como a gente imaginou.

Continuar lendo ““O Futebol”.”

Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.”

O lançamento da nova camiseta de La Roja, a seleção da Espanha (veja post anterior), é um bom gancho para falar do livro de contos do jornalista Arthur Dapieve, “Maracanazo – E Outras Histórias” (Alfaguara, também disponível como e-book).
maracanazo
A camisa vermelha da Fúria – bem como a camisa também vermelha da seleção chilena, também conhecida como La Roja – são importantes no quinto e último conto, “Maracanazo”, que dá nome ao livro de Dapieve.  Ele não trata da final da Copa de 50, fatídica para os brasileiros e heroica para os uruguaios. Mas de um jogo que foi de vida ou morte para a seleção espanhola na Copa de 2014, contra o Chile, logo depois daquela derrota de goleada para a Holanda, na Fonte Nova, a partir daquele gol espetacular do RVP, o Van Persie. O narrador do conto, Victor, um torcedor espanhol (e do Real Madrid, que nem pronuncia o nome do Barça e não quer nem saber de independência catalã), um sujeito católico e bem de direita, conhece na arquibancada agora colorida do new Maraca uma gatinha com a camisa – vermelha – do Chile. Só que no espectro político, a garota está do lado totalmente oposto ao de Victor.

Em meio a muitas referências aos fatos que antecederam o Mundial de 2014, como os protestos da época da Copa das Confederações – quem já esqueceu o “não vai ter Copa!”? – a ficção de Dapieve é cheia de referências a política, futebol e música, como uma espécie de Nick Hornby dos trópicos, com cenas tórridas. E um final violento e chocante. Alta fidelidade, alta voltagem.

“Maracanazo”, o conto, foi lançado primeiro na França, em março de 2015, como novela independente, a convite de Jean-Marie Ozanne, da editora Folies d’Encre. Ficou em segundo lugar no prêmio Jules Rimet, dedicado à literatura sobre futebol.

Em outros contos, Dapieve fala de pegar “jacaré” em Copacabana (dá pra ler um trecho aqui); de nazismo e música clássica, em Viena, 1939, antes da anexação da Áustria; e do finzinho da era Syd Barrett no Pink Floyd, 1968. Antes das crônicas semanais no Globo e dos contos, Dapieve se destacou como um dos melhores críticos de música do Brasil.
Continuar lendo “Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.””

O blog Fut Pop Clube em 2014

Eis o relatório que a WordPress enviou, com um balanço do Fut Pop Clube no ano da Copa das Copas, do 1×7, de La Décima (mais um Mundial) do Real Madrid, do futebol mineiro, do domínio argentino na América do Sul… O número de visitantes daria para encher um Maracanã e mais um ginásio grande ou um estádio de médio porte. Deixo um agradecimento para todo mundo que clicou, curtiu, divulgou, comentou e colaborou. Em especial, à artista plástica Lais Sobral, autora da ilustração do post mais clicado, um indomável mascotinho para a seleção de Camarões – ela desenhou ainda outros 32 fofíssimos mascotes pra Copa (confira aqui a série inteira).

Aproveito para lembrar que todo mundo que curtir a página do blog no Face concorre a 1 (um) poster do metrô de Londres em homenagem aos 150 anos do futebol inglês. O sorteio  será na véspera do aniversário do Fut Pop Clube, em fevereiro.  Vale para leitores que morem no Brasil.

Aqui está um resumo:

O Museu do Louvre, em Paris, é visitado todos os anos por 8.5 milhões de pessoas. Este blog foi visitado cerca de 120.000 vezes em 2014. Se fosse o Louvre, eram precisos 5 dias para todas essas pessoas o visitarem.

Clique aqui para ver o relatório completo

“Bad Moon Rising” e o ano do futebol argentino.

1658646_723901857700208_7473823064499988095_oE que ano! Na quarta-feira, o San Lorenzo de Almagro enfrenta o Auckland City por uma vaga na final do Mundial de Clubes. Caso o Ciclón confirme a esperada final contra o Real Madrid (que na terça pega o Cruz Azul), vai precisar de muita torcida do Papa, é verdade. Mas só está no Marrocos porque ganhou sua primeira Copa Libertadores. eliminando o Botafogo, o Grêmio e o Cruzeiro, melhor time do Brasil.

Na Copa do Mundo, a ótima seleção argentina já tinha chegado até a grande final, no Maracanã, empurrada por sua torcida e embalada pelo hit “Decime que se siente”, provocadora adaptação de “Bad Moon Rising“, primeiro single do terceiro disco da banda americana Creedence Clearwater Revival (LP “Green River”, 1969).creedence

De um dos grandes sucessos do Creedence a Hilariê, da Xuxa, adaptar músicas populares é uma característica das torcidas argentinas. “Bad Moon Rising”, mesmo, já tinha versões cantadas por “hinchas” do próprio San Lorenzo e outros times argentinos (veja post no globoesporte.com): Nueva Chicago, Racing, Independiente, Belgrano, Talleres, Tigre, Quilmes, Boca Juniors e … River Plate!

Aqui no Brasil ganhou merecido destaque a linda festa no Monumental de Nuñez no dia em que River voltou a gritar “campeón” de uma copa internacional, a Sul-Americana (17 anos depois da Supercopa de 1997, contra o São Paulo ). Detalhe: em 2014, o clube da faixa vermelha usou um camisa que lembrou a do segundo título de Libertadores, em 1996.

Veja o clip publicado pelo canal do River Plate no You Tube. Mostra a festa da apaixonada torcida millonaria antes, durante e depois dos 2×0 contra o bom Atlético Nacional, da Colômbia. O vídeo foi feito pelo departamento de imprensa do River e pela Encender Comunicación e tá maneiro.

O programa Sportv News fez na quinta-feira uma edição desse belo clip, acrescentando narrações, a entrevista que o repórter André Hernan fez com um gandula especial, o filho do técnico Marcelo Gallardo –  olha que bacana! E inseriu um diálogo que é a chave do filmaço “O Segredo dos Seus Olhos”, e diz algo assim:

Um cara pode mudar de tudo. De rosto, de casa, de família, de namorada, de religião, de Deus. Só tem uma coisa que não pode mudar. Não pode mudar de … paixão!” (“O Segredo dos Seus Olhos”)

No filme do craque do cinema Juan José Campanella, escrito por Eduardo Sacheri, essa fala faz referência a um personagem que torce pro Racing Club, de Avellaneda. Que neste domingo pode ser campeão argentino depois de 13 anos! Ou o Racing aproveita a chance e volta a levantar uma taça agora… ou o campeão da Sul-Americana, o River, vai comemorar pela segunda vez na semana, com o possível título nacional #36. Continuar lendo ““Bad Moon Rising” e o ano do futebol argentino.”

“40 Dias com a Campeã da Mundo: Histórias e Bastidores da Alemanha no Brasil”. É o livro de Gustavo Hofman.

 

Convites_40dias-01_web (2)Este foi pé quente! O jornalista Gustavo Hofman cobriu Die Nationalmannschaft no último Mundial para os canais ESPN. Agora, Hofman está lançando “40 Dias com a Campeã da Mundo: Histórias e Bastidores da Alemanha no Brasil” (Via Escrita, 136 páginas, R$ 35).  Uma espécie de diário de bordo da seleção alemã, da concentração, em Santa Cruz Cabrália, à grande final, no Maracanã.

Pelas contas do colecionador Domingos D’Angelo, já são 290 livros sobre futebol só neste ano de Copa do Mundo por aqui.

Confira quando e onde vão ser as noites de autógrafos de “40 Dias com a Campeã da Mundo”. Continuar lendo ““40 Dias com a Campeã da Mundo: Histórias e Bastidores da Alemanha no Brasil”. É o livro de Gustavo Hofman.”

Super Deutschland. A campeã voltou.

https://www.facebook.com/DFBTeam
https://www.facebook.com/DFBTeam

???????????????????????????????É tetra! Pela primeira vez a Alemanha unificada é campeã. A grande campeã da melhor Copa de nossa geração. Uma Alemanha multicultural,de futebol bem jogado, de toque de bola (o tiki-taka não morreu!?!), simpatia, bom humor, sangue de poloneses, ganeses, turcos e tunisianos.

Eis a campanha da Alemanha, primeira seleção europeia a vencer um Mundial nas Américas:

  • Alemanha 4×0 Portugal, Fonte Nova
  • Alemanha 2×2 Gana – Castelão
  • Alemanha 1×0 Estados Unidos. Arena Pernambuco.
  • Alemanha 2×1 Argélia – Beira-Rio (depois do 1×1 no tempo normal)
  • Alemanha 1×0 França – Maracanã
  • Alemanha 7×1 Brasil – Mineirão
  • Alemanha 1×0 Argentina (na prorrogação) – Maracanã

Confira dentro do post a numeração da seleção campeã do mundo. Continuar lendo “Super Deutschland. A campeã voltou.”

Brasil 1, Alemanha 7. Perdemos feio. Para uma máquina de jogar bola.

Mineirão, Belo Horizonte, 8 de julho de 2014. Nesta  tarde/noite de semifinal da melhor Copa dos últimos anos – uma Copa cheia de surpresas- o  futebol brasileiro que já vinha dando sinais de agonia há muito tempo, morreu um pouco. Ele precisa ser refundado, precisa ser completamente reformulado. Das categorias de base dos clubes ao comando maior da CBF, passando pelos bancos dos treinadores e cartolas dos clubes.

Perdemos para uma máquina de jogar futebol, que tem um elenco espetacular. #Alemáquina, já batizaram. #SuperDeutschland.

Perdemos para o verdadeiro país do futebol. Onde os estádios estão quase sempre 100% cheios, da primeira à 34ª rodada da Bundesliga. Em alguns casos, até na segunda divisão, a 2.Bundesliga. Um país onde o povo ainda tem lugar nas “arenas”. E não joga a bandeira no chão ou pisa na camisa ao primeiro revés. Onde os torcedores gostam de seus times como gostam de bandas de rock, ou seja, não tem disco ruim.

Que o Brasil aprenda algo com a Alemanha e reencontre seu futebol. Se for o caso, que seja com um técnico estrangeiro, que nos ensine a fazer o que deixamos de fazer. Jogar.

Construímos tantos belos estádios para o Mundial, esquecemos de construir uma seleção. Claro, mais uma vez iludidos pelo resultado da Copa das Confederações. Definimos os 11 titulares e seus reservas com um ano de antecedência, sem levar em consideração o momento. 

Mas não adianta procurar culpados entre os jogadores. Do fundo do meu coração boleiro, dilacerado pela maior humilhação da Seleção em 100 anos de história, espero que esses jovens jogadores consigam a volta por cima e voltem a brilhar.

Pra quem é maluco por futebol, como você que me lê, resta continuar curtindo esta Copa sensacional. Não é porque o Brasil caiu que o Mundial deixa de ser maravilhoso. E no meio da semana que vem, recomeça o Brasileirão – dividido ao meio por um calendário absurdo, é verdade. Mas não vamos desistir de gostar do nosso futebol.

Mosaico sobre as artes originais de Lais Sobral.  Confira a série toda aqui: https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Mosaico sobre as artes originais de Lais Sobral. Confira a série toda aqui: https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Continuar lendo “Brasil 1, Alemanha 7. Perdemos feio. Para uma máquina de jogar bola.”