Galeria de ídolos aurinegros, na frente do estádio Campeón del Siglo.

Galeria de ídolos aurinegros, na frente do estádio Campeón del Siglo.

O respeito à memória de um clube é algo a ser admirado. Outro exemplo que vem do exterior.

Do lado de fora da cancha do Peñarol, inaugurada em 2016, há um espaço com totens informativos sobre ídolos aurinegros. Alguns heróis da conquista da Copa do Mundo de 1950: o goleiro Máspoli, o capitão Obdulio Varela, Schiaffino, que marcou o gol de empate contra o Brasil, e Ghigghia – como alguns outros, existem pegadas do atacante, que definiu o Mundial de 1950, no Maracanã.

Continuar lendo “Galeria de ídolos aurinegros, na frente do estádio Campeón del Siglo.”

Diário de bordo: giro do Fut Pop Clube em 2018

Diário de bordo: giro do Fut Pop Clube em 2018

Foram dez jogos em cerca de 20 dias. Dez estádios diferentes, oito deles inéditos para o blog Fut Pop Clube. Abaixo, um resumo do #RolêDoFutPopClube, temporada 2018, por campos da Inglaterra e Espanha.

  • Tottenham Hotspur 2×0 Huddersfield Town FC, Wembley Stadium, 3 de março de 2018.

    Vitória do Tottenham em Wembley, 3 de março de 2018.

Conhecer Wembley era um sonho de muitos anos – infelizmente não visitei o estádio como era antes. A temporada inteira dos Spurs no estádio nacional da Inglaterra, casa oficial da seleção inglesa, proporcionou a oportunidade. Ok, não foi nenhum clássico, mas uma partida em que os lillywhites consolidaram a boa campanha na Premier League 2017-2018 com mais uma vitória, pela 29ª rodada. Fui pra ver Harry Kane e acabei assistindo ao sul-coreano Son brilhar, marcando os dois gols. Atmosfera muito bacana, que já começa no caminho entre a estação Wembley Park e o estádio. Tente resistir à oferta de programas, cachecóis, pins e até flâmulas nas bancas e mãos dos vendedores…

Wembley, 3/03/2018

O brasileiro Lucas Moura (São Paulo, PSG) entrou no final, puxou algumas bolas, mas não foi muito adiante em contra-ataques. 68.311 espectadores contribuíram para o belo espetáculo. Mais desse jogo no post anterior. Dias depois, os Spurs seriam eliminados da Champions pela Juve dentro de Wembley.

  • Crystal Palace 2×3 Manchester United, Selhurst Park, 5 de março de 2018
Selhurst Park, março de 2018.

Dois dias depois do jogo do Tottenham, ainda pela rodada 29 da Premier, FutPopClube foi ao sul de Londres numa segunda-feira à noite conhecer o estádio do Crystal Palace, numa partida emocionante contra o Man United, de José Mourinho. Vinte e oito mil pessoas no Selhurst Park, que é um alçapão – tive a sensação que aquilo é um barril de pólvora que pode explodir a qualquer momento. Panela de pressão total, tribunas grudadas no campo. Uma torcida participante o tempo todo empurrou o Palace, que abriu 2×0. Mas quando Mourinho mandou o United pra frente, no segundo tempo, o time da casa não resistiu. E perdeu de virada no finalzinho. Claro que a torcida do azul e vermelho do sul de Londres ficou p… da vida (o time vai lutar pra não cair), mas deu show a partida toda. Ouça um dos cantos:

Não sei se por ser um jogo contra o Manchester United, mas Selhurst Park confirmou todas as expectativas e até as superou. Um dos melhores ambientes futboleros encontrados nesta viagem, se não o melhor. Parabéns, Palace! Se cair, que volte logo. Mais neste post aqui.

Continuar lendo “Diário de bordo: giro do Fut Pop Clube em 2018”

Que fase! West Ham 0x3 Burnley, em pleno London Stadium.

Que fase! West Ham 0x3 Burnley, em pleno London Stadium.
London Stadium, 10 de março de 2018

Começou assim.

Bolhas no ar…

Bubbles in the air

… e homenagens ao eterno capitão dos melhores anos do West Ham. Bobby Moore morreu em 1993, com apenas 51 anos. Câncer no intestino. Em 2018, um minuto de palmas. Respeito ao ídolo também da seleção inglesa, campeã mundial em 1966.

E terminou com muita confusão.

Um dos invasores do campo pegou a bandeirinha de córner e levou pro meio de campo… sem marcação nenhuma…

Primeiro tempo absolutamente truncado, jogo parado toda hora. A torcida do WHUFC apoiava, mas nas primeiras falhas, mostrava impaciência. A fase não é nada boa, na segunda temporada no novo estádio. Continuar lendo “Que fase! West Ham 0x3 Burnley, em pleno London Stadium.”

Surpresa no Etihad Stadium: Manchester City 1×2 Basel.

Surpresa no Etihad Stadium: Manchester City 1×2 Basel.

Rolê do Fut Pop Clube 2018, matchday #4! Champions! Aliás, o tema da competição da Uefa foi vaiado aqui em Manchester.

WhatsApp Image 2018-03-08 at 07.11.56

O Manchester City passou para as quartas de final da Champions (pela segunda vez na história dos citizens), ao lado do Liverpool, Real Madrid e da Juve, que virou o mata-mata diante do Tottenham Hotspur, em pleno Wembley, depois de um primeiro tempo em que Buffon só não impediu o gol – mais um! – do habilidoso e veloz sul-coreano Son (veja post anterior). No quarto #matchday desta turnê do Fut Pop Clube pelas canchas da gringa, fui ao Etihad Stadium, em Manchester, para ver o City de Josep Guardiola jogar. E vi foi uma atuação guerreira do FC Basel, para honrar a linda camisa azul e vermelha do campeão suíço depois do 0x4 na Basileia. Claro, há que levar em consideração que Pep poupou meio time, do goleiro Ederson ao artilheiro Agüero, incluindo o cérebro do time, o belga De Bruyne.

Como em muitas das experiências anteriores em partidas de futebol no exterior, a gente fica com um olho no gramado e outro na arquibancada. E nesse quesito quem deu show também foi a torcida suíça. Espetáculo pirotécnico e 90 minutos cantando sem parar, mesmo quando o dono da casa abriu o placar.

Gol do brasileiro Gabriel Jesus – que lutou (e apanhou) 90 minutos.

Goleada à vista? Não foi isso que vimos. Vimos o campeão suíço jogando direitinho, com muita raça, e uma atuação decepcionante do líder do campeonato inglês. Empatou no primeiro tempo (Mohamed Elyounoussi, livre livre na área, quase um pênalti) e virou o segundo (Michael Lang, cara a cara com o portero chileno Bravo).

Continuar lendo “Surpresa no Etihad Stadium: Manchester City 1×2 Basel.”

Futebol à beira do Tâmisa, em noite de Fulham 3×0 Sheffield United.

Futebol à beira do Tâmisa, em noite de Fulham 3×0 Sheffield United.
  • Publicado em 6 de março de 2018

O Fulham é de 1879 e desde 1896 os whites estão em Craven Cottage, que fica exatamente ao lado do rio Tâmisa, no sul de Londres, a uma camimhada de 15 minutos da estacção Putney Bridge. Nesta segunda-feira, um excelente público tomou grade parte do estádio mais retrô de Londres, para o jogo contra o Sheffield United, pela segundona inglesa. Tem muita música antes e depois do jogo e também no intervalo, e ainda bem que é música boa. A torcida fez um barulho danado batendo um leque de papelão que o clube distribuiu.

Come on you, whites! Come on, Fulham.

Fiquei na Riverside Stadium, paralela ao rio. Na “preleção”, a torta e a cerveja foram exatamente ao lado do rio, olhando pra outra margem. E não que a tal da torta não é de se jogar fora? Quentinha, ajudou a esquentar o corpo numa noite bem fria.

Os mil e quinhentos torcedores do Sheffield United começaram cantando forte, como costumam fazer as torcidas visitantes na Inglaterra, deram uma parada depois do primeiro gol, mas quando já estava 3 a 0, gritaram forte, rápido, como se fosse uma palavra só:

S h e f f i e l d U n i t e d ! S h e f f i e l d U n i t e d ! SheffieldUnited !

Se nas tribunas a noite foi equilibrada, no gramado só deu Fulham. O sérvio Aleksandar Mitrović marcou dois gols. Pouco depois de entrar, o brasileiro Lucas Piazon (ex-São Paulo, está emprestado pelo Chelsea) deu uma assistência pra Cairney definir o placar.
Continuar lendo “Futebol à beira do Tâmisa, em noite de Fulham 3×0 Sheffield United.”

Virada emocionante do Manchester United, em noite de casa cheia no estádio ‘raiz’ do Crystal Palace.

Virada emocionante do Manchester United, em noite de casa cheia no estádio ‘raiz’ do Crystal Palace.

Reportagens de TV, transmissões e, especialmente, uma crônica do Arthur Dapieve no Segundo Caderno do jornal O Globo já tinham chamado a atenção para a atmosfera ‘futbolera’ de Selhurst Park, o estádio do Crystal Palace, “o número 1 do Sul de Londres” para a torcida red and blue.  Ele tem jeito de estádio antigo  e hoje comporta umas 26 mil pessoas, grudadinhas ao gramado.

No fechamento da rodada #29 da Premier League 2017-18, o torcedor do Manchester United cantou por último no ninho dos “eagles” londrinos. Mas o torcedor do Crystal Palace, se ficou com gosto que tomaram o doce da mão dele, não pode reclamar que não houve luta do seu elenco – muito mais humilde do que o do clube de futebol mais rico do mundo.

O Crystal Palace (também conhecido pelas iniciais, CPFC, pelo apelido “eagles”, pelas cores, red and blue) saiu na frente no primeiro tempo, com um golaço de Townsend, sem chance de defesa para De Gea. E o primeiro tempo foi isso: Pogba tentando, tentando, tentando…

No segundo, a partida pegou fogo. Mourinho começou a usar seu poderoso banco, primeiro Rashford, que já melhorou muito o visitante. Mas num contra-ataque, o Palace marcou o segundo, com o holandês Patrick van Aanholt.

O United diminuiu logo depois, Smailing. Mais qualidade no time de Manchester, Juan Mata no lugar de Ashley Young (que não teve paz com a torcida do Palace). Luke Shaw no de Valencia. Pressão total. Muito jogador bom. Pogba, Mata, Alexis Sánchez, Lukaky, Rashford… Num bololô na área, o tanque belga Lukaku empatou o jogo.

Aí foi a vez de David De Gea provar que está no Top 5 da posição, seguramente. Impediu o terceiro gol do time azul e vermelho.

Nos acréscimos, do meio da rua, Matic marcou um golaço e decretou a virada. Manchester United volta ao segundo posto. E aí, tome “Glory glory, Man United…”

Palace está em décimo-oitavo, na briga contra o rebaixamento. Continuar lendo “Virada emocionante do Manchester United, em noite de casa cheia no estádio ‘raiz’ do Crystal Palace.”

Sul-coreano Son definiu a vitória do Tottenham Hotspur contra o Huddersfield, em Wembley.

Sul-coreano Son definiu a vitória do Tottenham Hotspur contra o Huddersfield, em Wembley.

Wembley, 3 de março de 2018


Camisa 7 do Tottenham, o rapidinho sul-coreano Heung-Min Son fez os dois gols na vitória dos lillywhites contra o Huddersfield Town, para 68.411 espectadores em Wembley.
No primeiro, bola de Harry Kane para Dele Alli, que deu passe açucarado para Son. O sul-coreano teve calma e classe para limpar o goleiro Jonas Lössl e tocar pro fundo das redes. Eram decorridos 27 minutos do primeiro tempo.

No segundo tempo, quando o Huddersfield parecia querer empatar, o mesmo trio resolveu. Dele Alli recuperou a bola, Kane lançou para Son marcar de cabeça, no canto inverso do goleiro.

O brasileiro Lucas Moura entrou faltando 7-10 minutos.

Ele é rápido, tem classe”, comentaram os torcedores do Spurs perto deste que vos bloga.

Só que em vez de aproveitar essa velocidade, nos minutos em campo Lucas recuperava a bola, num rebote, e tocava para alguém puxar o contra-ataque.

Num dos quatro corners, ficou a torcida do Huddersfield, que fez barulho. Já principal canto dos torcedores do time da casa é o “come on you, Spurs” (#COYS virou hashtag) e quando berrado a plenos pulmões por quase 68 mil pessoas, ficou impressionante (a acústica de Wembley é bem marcante).

Na temporada 2017-18, o estádio nacional da Inglaterra, casa da seleção inglesa, palco de finais da Copa da Inglaterra, da Copa da Liga inglesa e das finais das divisões de acesso, é também a casa do Tottenham Hotspur, que está terminando de construir um novo e moderníssimo estádio no local do anterior, White Hart Lane. Nessa temporada, os Spurs mandam em Wembley todos os jogos caseiros, como os de Premier League e os de Champions. Bela oportunidade para o blog Fut Pop Clube conhecer o tempo do futebol, sede das Olimpíadas de 1948 e da Copa do Mundo de 1966, totalmente reconstruído nos anos 2000 (o novo Wembley foi reaberto em 2007 e comporta 90 mil espectadores).

E o estádio e suas redondezas estão completamente preparados para receber o Tottenham, como se fosse o dono da casa, mesmo. Nome e símbolos do clube do norte londrino estão espalhados dentro e fora do estádio – a loja do estádio vende tudo quanto é produto dos Spurs, mas não exclusivamente. Encontrei muitos produtos da seleção inglesa, na real a ‘dona’ da casa, e até algo de outros clubes (do rival Arsenal, Chelsea, United, City).

Wembley Park é a principal estação de metrô de acesso ao estádio, embora não a única. Dela já dá pra ver o estádio.

No fim da jornada, o supertelão externo informa o placar final da partida – alíás, um resultado completamente justo.

Rodada “dupla”

Rodada “dupla”

18 de março de 2017 entrou pra história de oito anos já do blog Fut Pop Clube. Visitamos dois estádios míticos de La Liga, em cidades diferentes, no mesmo dia. Na hora do almoço, o Eibar recebeu o Espanyol em Ipurua, que hoje, 14 de setembro completa 70 anos.  Ao cair da tarde, um dos dérbis bascos, em Mendizorrotza, em Vitoria-Gasteiz. Deportivo Alavés x Real Sociedad.

Olho no lance!

O calendário da rodada 28 de La Liga 2016-2017 ajudou. Deu tempo de sair de manhã de Vitoria-Gasteiz, na província basca de Álava (em euskera: Araba), com destino a Eibar, em outra província basca, Guipúzcoa (Guipuzkoa).

Não sem um tanto de emoção. Nada de carro alugado. Este “road-movie” foi de transporte público (os ônibus intermunicipais na Espanha costumam entrar em várias cidades para buscar passageiros).

Na estrada

Mais de uma hora e meia (quase duas!) e muitas paradas depois, chegamos a Eibar, em cima da hora do jogo do time da casa contra o Espanyol.  Por sorte, o estádio de Ipurua fica pertinho da parada de autobus. Tempo suficiente apenas para procurar a bilheteria em busca do ingresso (que certamente não seria conseguido assim tão facilmente em dia de dérbi e/ou partida contra Atlético, Barcelona ou Real Madrid). Era um sábado bem cinzento na cidade de uns 27 mil habitantes.

O setentão Ipurua foi inaugurado portanto em 14 de setembro de 1947 (a Sociedad Deportiva Eibar tem sete anos a mais).  Hoje tem capacidade para 8 mil pessoas. Pense que Messi e Cristiano Ronaldo jogam aqui. Para quem conhece a Rua Javari, em São Paulo, uma espécie de estádio Rodolfo Crespi, cercado de montanhas e prédios, um tantinho mais confortável, mas com o mesmo grande ambiente, a mesma atmosfera futbolera, em que os jogadores e o juiz vão ouvir qualquer xingamento dos torcedores, muuuito próximos do gramado.

E o gol! Kike, para o Eibar.

A partida de estreia do blog Fut Pop Clube em Ipurua terminou empatada. Eibar 1, Espanyol. No primeiro tempo, Kike marcou para o time azul e grená do país basco. No segundo tempo, José Jurado empatou para o time blanquiazul da Catalunha. Ambos na minha frente. Pé-quente… mas pé-quente pra quem?

Fim de jogo, uma pequena e única decepção da aventura por Ipurua: nada de lojinha do Eibar dentro ou fora do estádio.

Toca para a parada do busão. Mais hora e meia serpenteando por estradas e cidades bascas de volta a Vitoria-Gasteiz, para o dérbi entre Deportivo Alavés e a Real Sociedad, em outro estádio repleto de grande atmosfera para futebol, o Mendizorrotza. Fica um pouco complicado comparar, porque lá vi um clássico, que terminou com a vitória do Deportivo Alavés, com gol de um atacante brasileiro que agora os palmeirenses conhecem bem. Veja dentro do post o conteúdo que publiquei em março.

Mendizorrotza, a uns 59 km do Ipurua.

Continuar lendo “Rodada “dupla””

Old Trafford, o teatro dos sonhos.

Old Trafford, o teatro dos sonhos.
  • Old Trafford.
  • Dono: Manchester United
  • Inauguração: 19 de fevereiro de 1910
  • Primeiro jogo: United 3×4 Liverpool
  • Transporte: Old Trafford está perto de quatro estações da Metrolink,a rede de tram, moderno bonde de Manchester: Exchange Quays, Old Trafford, Trafford Bar e Mediacity UK. Para quem sai do centro de Manchester, pode pegar o Metrolink no sentido Altrincham.
  • Capacidade atual: 75.653 pessoas
  • 55 mil torcedores têm season tickets, ou seja, acesso garantido a todos os jogos.


No dia seguinte ao tour pelo museu do Manchester United (post anterior), um dos pontos altos destes anos todos indo a estádios de futebol. Conhecer Old Trafford, uma das catedrais da bola, o teatro dos sonhos para os torcedores red devils. Melhor ainda, durante um jogo, em que o United recebeu o Bournemouth, pela rodada #27 da Premier Leaguer 2016-17, que seria conquistada pelo Chelsea. 

Rooney na batida…

Um rápido histórico do estádio. Inaugurado em 1910, num clássico contra o Liverpool (que terminou 3×4…), Old Trafford já recebeu decisão da Copa da Inglaterra no ano seguinte. Foi devastado durante ataques aéreos alemães em 1940 e 41 (o United teve que jogar no estádio do City na época, Maine Road). Também sediou três partidas do grupo do Brasil no Mundial de 1966 (mas não do então escrete bicampeão), foi todo reformado nos anos 90 depois das grandes tragédias nos estádios ingleses e em 2003 recebeu uma final italiana da Champions, em que o Milan superou a Juve nos pênaltis. É o maior estádio de um clube na Inglaterra, com 76 mil lugares.

Teatro dos sonhos

Na partida contra o Bournemouth, em março de 2017, o United jogou com as feras quase todas. De Gea, Valencia, Phil Jones, Shawm , Carrick, Pogba, Mata, Martial, Rooney, Ibrahimovic, que perdeu um pênalti quando o jogo já estava 1×1, Fellaini, Lingard e Rashford entraram no decorrer da partida. Marcos Rojo marcou o gol do time da casa. Joshua King empatou.

Preste atenção neste homem: ele vai perder o pênalti.

O visitante jogou ‘na dele’ e conseguiu levar um pontinho para o sul da Inglaterra. Estádio quase completo, imagine 75 mil pessoas gritando, atmosfera vibrante, sim, mas o que me chamou muito a atenção foi a participação pra lá de ativa da torcida do Bournemouth. Os gritos de United! United! cresceram no segundo tempo, para empurrar os diabos vermelhos em busca de uma vitória, que no fim não rolou.

Placar final na “estreia” do blog Fut Pop Clube em Old Trafford, 4 de março de 2017.

Continuar lendo “Old Trafford, o teatro dos sonhos.”

O time mais rico do mundo

O time mais rico do mundo

Facebook:  73 milhões de curtidas e contando. Instagram: 17,7 milhões.
Twitter: mais de 11,2 milhões. Google +: quase sete milhões de seguidores.
São os números (em 25/05/17) das redes sociais do Manchester United, o time de futebol mais rico do mundo (Deloitte Football Money divulgado em 2017), mesmo tendo chegado apenas em quinto lugar no Inglês 2015-16. Receita de 689 milhões de euros, quase setenta milhõezinhos a mais que Barça e Real Madrid na temporada 15-16, analisada pelo relatório mais recente da Deloitte. Fruto dos grandes contratos (Chevrolet, adidas), direitos de transmissão de TV, mais a grana que Old Trafford movimenta em dias de jogos (e fora deles!).
No começo de março de 2017, tive a oportunidade de fazer o tour pelo museu do United, que fica dentro do estádio Old Trafford. Como já era um finzinho de tarde, não dava mais para acessar o campo. Era pegar ou largar.

O uniforme do Newton Heath, no começo da linha do tempo do United

A flamulinha ao lado indica o ano de fundação: 1878. Primeiro como Newton Heath, que era verde e amarelo (em 1992, a Umbro fez um terceiro uniforme com o visual verde-amarelo). Só passou a ser chamado Manchester United em 1902. Desde 1910, os Red Devils estão em Old Trafford,  investimento inicial de 40 mil libras, na grande Manchester. Infelizmente, a história do time vermelho tem uma coisa em comum com o Verdão do oeste catarinense. Em fevereiro de 1958, um acidente de avião em Munique acabou com parte de uma jovem geração promissora e já vitoriosa, os Busby Babes, comandados por Sir Matt Busby – que sobreviveu à tragédia de Munique.

Primeira página do Daily Herald, fevereiro de 1958.

Para um brasileiro, é impossível não lembrar da tragédia da Chapecoense em 2016, impossível não se emocionar na sala dedicada aos Busby Babes, que tem vários painéis e gavetas forradas de jornais de 1958.

Homenagem a Matt Busby

Sir Bobby Charlton, Denis Law e George Best, o quinto beatle, o primeiro football star na Inglaterra. 470 partidas, 179 gols pelo Manchester. Com a United Trinity dos Red Devils em campo, Busby levou o United à primeira de três Copas/Ligas dos Campeões, em 1967-68. Dez anos depois da tragédia.

Continuar lendo “O time mais rico do mundo”