Minuto de silêncio para Waldir Peres

23 de julho de 2017

O goleiro que se notabilizou pelas conquistas na decisão por pênaltis, não defendeu nenhuma cobrança no seu maior título. Mesmo assim, Waldir Peres foi o herói do São Paulo na decisão do Brasileirão de 1977, já em março de 1978, ao usar toda sua experiência e catimba para enervar ainda mais os jogadores do Galo, dono da casa e favorito ao título. Três atleticanos desperdiçaram suas cobranças. Antes de Diego Alves, ótima contratação do Flamengo 2017, de São Victor, de São Marcos, antes de Dida e Taffarel, Waldir Peres ficou famoso por históricas defesas de pênaltis. Na final do Paulistão de 1975, contra a Portuguesa, não sem muita manha, defendeu os chutes de Dicá e de Tatá (Wilsinho mandou para fora). E numa excursão da seleção brasileira à Europa, em 1981, pegou duas vezes o pênalti chutado pelo alemão Breitner (o juiz mandou voltar porque o brasileiro avançou; Waldir defendeu de novo). Boas atuações como a desse amistoso carimbaram o passaporte de Waldir Peres Arruda para a Espanha’82, como titular daquela espetacular seleção de Telê. O moço nascido em Garça, interior de S.Paulo, em 1951, calvície avançando ainda na faixa dos 20, também foi às Copas de 1974 e 1978, como reserva. A única derrota, por 3 a 2 para a Itália, a chamada tragédia do Sarrià (antigo estádio do Espanyol de Barcelona), quando o Brasil poderia empatar,  foi a última das 39 partidas de Waldir com a camisa da Seleção.

Continuar lendo “Minuto de silêncio para Waldir Peres”

Muito mais do que uma caneca

Este slideshow necessita de JavaScript.

O microempreendedor Carlos Eduardo Oliveira é, antes de mais nada, um alucinado por futebol que desenha camisas de times desde criancinha. Esse torcedor do São Caetano, campeão paulista 2004, vice da Libertadores 2002, resolveu transformar o hobby em negócio. Começou a fazer canecas com o visual de camisas clássicas de times brasileiros, como o seu Azulão, os quatro maiores clubes do futebol paulista, dois gigantes cariocas, dois mineiros e dois do Nordeste, no site Emporium das Canecas. A loja não trabalha só com canequinhas relacionadas com futebol, mas as reproduções de uniformes históricos são a menina dos olhos do empreendedor. Já recebeu encomenda até do querido XV de Jaú!

Por enquanto, ele tem canecas com visuais históricos de São Paulo, Santos, Palmeiras, Corinthians, Flamengo, Vasco, Cruzeiro, Atlético, Bahia e Sport. O próximo foco das “CaneCamisas” de Carlos Eduardo é a dupla Gre-Nal.

Aos poucos, vou lançando canecas com camisas de clubes do Brasil todo. É uma ideia nova, reproduzindo camisas clássicas. Eu atendo praticamente três gerações e estou lançando modelos voltando cada vez mais pra trás”, diz Carlos Eduardo.

Por exemplo, no catálogo de canecas corintianas, na home do Emporium, estão produtos que fazem referência a títulos importantes do clube, como o Brasileiro de 1990, época de Neto, os Paulistas de 1977 (o gol do Basílio) e o bi de 1983 (com a Democracia Corintiana, de Sócrates e cia). E uma lembrança do lateral Zé Maria (o Superzé, ídolo alvinegro) jogando com camisa ensanguentada, na final do Paulistão de 1979, também conquistado pelo Corinthians. Clique em qualquer imagem para abrir a galeria.

Imagina o sucesso que a caneca abaixo deve fazer entre os palmeirenses, especialmente aqueles que sofreram com o jejum e vibraram com o timaço de 1993 e 94.

Este slideshow necessita de JavaScript.


O torcedor do São Paulo pode lembrar dos tempos em que não parava de ver o capitão Raí levantando taças, fazendo um brinde à Libertadores 1992…


Continuar lendo “Muito mais do que uma caneca”

Rogério Ceni no banco

Ao som de “Hell’s Bells”, clássico do AC/DC (a música com que o São Paulo entrava em campo no Morumbi puxado pelo camisa 01), o tricolor paulista anunciou hoje seu novo técnico.


Até as máquinas rotativas dos jornais já sabiam. Rogério Ceni vai ser o técnico do São Paulo em 2017. Não fez nem um ano que o goleiro-artilheiro pendurou luvas e chuteiras, numa bela festa no Morumbi (11 de dezembro de 2015).fb_img_1449869451880-1

Quando o jovem Ceni chegou ao clube, em setembro de 1990, o mestre Telê Santana era o treinador do São Paulo. Ao longo de seus 25 anos no tricolor, Rogério trabalhou com treinadores como (entre outros) Muricy, Paulo Autuori, Levir Culpi, Juan Carlos Osorio, Bauza – na seleção, esteve com Felipão e Luxemburgo.  Algo deve ter aprendido, somando a sua experiência como goleiro tricampeão brasileiro, campeão da Libertadores e Mundial de Clubes. Suas entrevistas antes e depois dos jogos continham análises realistas de sua equipe e do adversário. Em 2016, pouco se ouviu falar dele, quase nenhum pitaco sobre a campanha do semifinalista na Libertadores, nem a péssima trajetória no Brasileirão. Ceni estava em outra, se preparando para assumir o cargo almejado mesmo antes da aposentadoria como atleta. Fez curso, visitas importantes.

O argentino Jorge Sampaoli, que levou o Chile ao título de Copa América, o alemão Jürgen Klopp (hoje no Liverpool), e o ex-chefe, o colombiano Osório (técnico do México), são citados como referências. Leio aqui e ali sobre o estilo de jogo desejado, ofensivo, com muita posse de bola, marcação desde o atacante. Resta saber os recursos humanos que Ceni terá. Hoje o elenco do São Paulo é fraco.

É cedo? Talvez. Mas futebol brasileiro está mesmo precisando de ideias novas, de novos nomes. Toda vez que um grande clube fica sem técnico, os nomes ventilados são quase sempre os mesmos. Abel, Luxa, Autuori, Levir, Marcelo Oliveira, Carpegiani, Oswaldo, Dunga, até Joel.  Continuar lendo “Rogério Ceni no banco”

Torcida única: solução pra quem?

4 de abril de 2016

Pra começo de conversa, é lamentável receber todo domingo logo cedo notícias de brigas de torcidas organizadas Brasil afora. Algo que volta à parte policial dos meios de comunicação agora que os estaduais se aproximam da reta final. Semana passada, foi em BH. Ontem, na Grande São Paulo. E olha aí, saiu esta noite a reação da Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo aos confrontos antes do dérbi Palmeiras x Corinthians: a partir de agora e até o fim de 2016, os clássicos envolvendo os quatro maiores times do estado vão ser disputados com torcida única.

Uma medida há tempos discutida (e discutível), que pode até diminuir, mas não vai acabar por si só com as brigas de torcedores longe do estádio, em estações de transporte e praças, como foram os três principais confrontos de torcedores ontem.

Pode ter clássico de torcida única, mas quem garante que quem quiser sair de casa pra brigar não vai se reunir  em outro canto?

Outra medida polêmica: já a partir desta terça-feira, em que o São Paulo vai receber o Trujillanos, as torcidas estão proibidas de entrar nos estádios paulistas com faixas, instrumentos ou outros objetos que as identifiquem. Em qualquer jogo, com qualquer time, inclusive de outro estado ou país, no estado de S.Paulo.

Fim das bilheterias – E a partir do Brasileirão, que começa em maio, venda de ingressos no estado de S.Paulo só pela internet. O objetivo das autoridades de segurança é coibir a doação de ingressos por diretorias de clubes a torcedores organizados. Radical essa medida, seu objetivo é válido, mas sempre vai ter um jeitinho de driblar. Continuar lendo “Torcida única: solução pra quem?”

Stones!

Poster do primeiro show dos Stones no Morumbi - facebook.com/therollingstones. À venda em http://rollingstones.shop.bravadousa.com/product.aspx?pc=BGAPRS159&cp=150_81120
Poster do primeiro show dos Stones no Morumbi – facebook.com/therollingstones

Os Stones estão na área. Os Rolling – que em S.Paulo já tocaram no Pacaembu e no estádio de atletismo do Ibirapuera – estreiam hoje no Morumbi. Sábado tem um segundo show no estádio do tricolor paulista. Bem que os clubes de futebol e donos de estádios poderiam incluir em seus museus e memoriais iconografia e memorabilia dos concertos de rock que por lá passarem… Nas Laranjeiras, o Fluminense abriu este mês a expo Flu Stones, que fala da relação entre banda e clube. Olha o Ron Wood com a bela camisa tricolor na foto promocional da era Black and Blue, que foi usada na capa de algumas versões do compacto “Fool to Cry”.

12688281_1036695706388157_2506086121591999091_n
A exposição também destaca:

  • Mick Jagger já gravou dois vídeos nas Laranjeiras. Os clips das músicas “Luck in Love” e “Just Another Night“. Jagger assistiu a um treino e ainda torceu pelo Flu na decisão do Carioca 1984 vencida em cima do Flamengo. Pé frio?
  • o guitarrista Mick Taylor, ex-rolling stone, andou pelo Brasil em 1974 com a camisa do Flu.
  • Charlie Watts, em 1976, comprou a camisa do Flu numa loja dias após assistir um Fla-Flu.
    12705702_1036691736388554_4659634561636464501_n

Dentro do post, o setlist do primeiro show da turnê Olé pelo Brasil, no Maracanã.
Continuar lendo “Stones!”

O grand finale de um goleiro rock and roll

O grand finale de um goleiro rock and roll

Eu vi Rogério Ceni jogar.

Eu vi (pela TV) Rogério Ceni marcar seu primeiro gol, numa cobrança de falta, no interior de São Paulo.

Eu vi Rogério Ceni marcar um gol de falta numa decisão de campeonato paulista.

Vi o goleiro-artilheiro marcar dois gols de falta na mesma partida de Libertadores e perder o terceiro, que teoricamente seria mais fácil, de pênalti.

Vi o capitão do São Paulo erguer uma Copa Libertadores, edição em que marcou cinco gols. No fim do mesmo ano, levantou também o Mundial de Clubes, depois de marcar um gol numa semifinal e fazer uma partida memorável contra o Liverpool.

Vi pela TV Rogério pegar um pênalti e marcar dois gols numa mesma partida, no Mineirão,  em outra atuação nota 10, dias depois de uma das atuações mais criticadas debaixo das traves.

Vi o capitão tricolor erguer por três anos seguidos a taça de campeão brasileiro.

Vi o capitão deixar o jovem Lucas, que se despedia do futebol brasileiro rumo a Paris, levantar a Copa Sul-Americana, depois de uma violentíssima decisão, dentro e fora dos gramados.

Vi Rogério ficar decepcionado com derrotas e eliminações. Como um torcedor.

Também vi que o #M1T0 precisava pendurar as luvas e as chuteiras, infelizmente.

Também li e ouvi declarações de Ceni com as quais não necessariamente concordo. Não era de ficar em cima do muro. Há que se respeitar a opinião diferente. Algum torcedor do Santos vai deixar de idolatrar os feitos de Pelé por causa de suas opiniões e omissões?

O último dos 131 gols de Rogério Ceni como profissional foi longe do Morumbi. Foi no Castelão, de pênalti, contra o Ceará, na única competição que não conquistou, a Copa do Brasil, que ironicamente seria decidida por um gol de goleiro. Fernando Prass vai continuar batendo pênalti, vai tentar uma falta pelo Palmeiras? Tomara! O sucessor de Rogério no São Paulo, Denis, vai fazer seus golzinhos? Quem sabe? Ambos treinam bastante.

No Morumbi, em 11 de dezembro de 2015, eu vi Rogério Ceni subir e descer pela última vez o túnel do vestiário do time da casa como jogador profissional, numa noite de rock (Rogério deu uma canja no show dos são-paulinos da banda Ira!) emoção e homenagens – por coincidência na mesma semana da morte do ex-presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio. Que legal ver de novo em campo Raí (que infelizmente não teve uma partida de despedida), Cafu, Cerezo, Juninho Paulista, Müller, Amoroso, Josué, Mineiro, Aloísio Chulapa (rei de “assistências” pra Rogério), Lugano, Zetti batendo (e muito bem) um pênalti.

Adaptando a frase de Di Stéfano que virou título de biografia do artilheiro, agradeço a você, Rogério.

Gracias, viejo.  Continuar lendo “O grand finale de um goleiro rock and roll”