Veja o filme. Leia o livro.

Veja o filme. Leia o livro.
Cartaz argentino de Papéis ao Vento, que passou nos cinemas em novembro de 2015. https://www.facebook.com/PapelesViento

Mario Pittilanga. Um jogador (fictício) que serviu a seleção Sub-17 da Argentina num Mundial. O jovem vai parar na terceira divisão do futebol argentino, emprestado ao Club Atlético Mitre, time que realmente existe, um aurinegro de uniforme como o do Peñarol, em Santiago del Estero, a mais de mil quilômetros a noroeste de Buenos Aires. O passe de Pittilanga está no nome da mãe de Mono e Fernando, torcedores fanáticos pelo Independiente de Avellaneda, o Rey de Copas. Mono pagou 310 mil dólares pelo passe da promessa de craque, e isso é tudo que ele deixa de herança para a filha, Guadalupe, depois de uma batalha contra um câncer no pâncreas. O mano Fernando se reúne com dois amigos de Mono – Maurício e Russo – e fazem de tudo pra tentar vender Pittilanga antes que o pibe ganhe passe libre do Platense e saia de graça. E isso inclui mudar a posição do jogador. De camisa 9 em 6. O centroavante vira zagueiro. Assim é “Papéis ao Vento”, produção argentina que passou como um ponta rápido por cinemas brasileiros no final de 2015 e está disponível nas plataformas. O filme, de Juan Taratuto, é baseado na novela “Papeles en el viento”, de Eduardo Sacheri, também roteirista da película. Sacheri, um torcedor fanático do Rojo, escreveu dois golaços dos cinema argentino, “O Segredo dos Seus Olhos” e “Metegol – Um Time Show de Bola”.

Flâmula do Independiente, El Rojo, El Rey de Copas.

Filme e livro, especialmente, são um tributo à amizade e claro, ao Independiente. As cenas no estádio Libertadores de América em dia de dérbi contra o Racing são de tirar o fôlego. Caso goste do filme e se interesse pela literatura futbolera argentina, vale a pena procurar o livro do Sacheri. Fica ainda mais clara a paixão – de Mono, dos outros personagens e do autor – pelo Rojo, pelas glórias da equipe comandada por Bochini nos 70 e 80. Aqui deixo o link para o e-book, em castelhano.

Trailer dentro do post. Continuar lendo “Veja o filme. Leia o livro.”

Geneton, um craque da arte de entrevistar.

O Brasil já não é um país muito preocupado com memória e esta semana perdeu um obstinado pelos grandes fatos da história. Morreu o jornalista e escritor pernambucano Geneton Moraes Neto. Partiu cedo demais. Deixou mulher, três filhos, quatro netos … e onze livros. Entre eles, Dossiê 50. O subtítulo explica: “um repórter em busca dos onze jogadores que entraram em campo para serem campeões do mundo em 1950, mas se tornaram personagens do maior drama da história do futebol brasileiro”.

20160824_161930

Foi frango de Barbosa? O lateral Bigode deveria ter cometido falta em Ghiggia? Nilton Santos deveria ter jogado? Houve falha de cobertura de Juvenal? Obdulio Varela deu um tapa em Bigode? A troca de concentração atrapalhou o sossego do elenco? E o clima de ‘já-ganhou’? Geneton deu voz aos 11 titulares da seleção de 1950 – Barbosa, Augusto, Juvenal, Bigode, Bauer, Danilo, Zizinho, Friaça, Jair Rosa Pinto, Ademir Menezes e Chico – e também ao treinador Flávio Costa. Para a caprichada reedição de 2013, lançada pela Maquinária Editora, entrevistou também o uruguaio Alcides Ghiggia, autor do gol do título. O livro virou filme, exibido na GloboNews e no festival CINEfoot.
E como se não bastasse todo o esforço de reportagem de ouvir todos os personagens, o texto ainda é espetacular.

Geneton batalhou pela “anistia” aos onze condenados do Maracanazo (especialmente Barbosa e Juvenal). Isso, antes do 7×1 no Mineirão, que libertou de vez a seleção de 50 (e deveria ter reabilitado também a camisa branca – como a da réplica da foto acima- amaldiçoada depois da conquista uruguaia no Rio).
Geneton morreu dois dias depois de outra grande decisão no Maracanã, guardadas as proporções entre uma final de Copa do Mundo e uma final olímpica. Continuar lendo “Geneton, um craque da arte de entrevistar.”

Magrão e Casão

FB_IMG_1468202870484 (1)
Se um livro sobre futebol já desperta o meu, o seu, o nosso interesse, um sobre Sócrates e Casagrande então… e o “Resenha” com Casagrande
sacramentou o desejo de comprar esse livro. Fiz isso na primeira hora da tarde de segunda-feira. E logo no primeiro capítulo, uma surpresa. Não sabia que os dois amigos de Democracia Corintiana se afastaram tanto ao longo dos anos. “Sócrates & Casagrande – Uma História de Amor” (GloboLivros, R$ 39,90) foi escrito a quatro mãos pelo hoje comentarista Walter Casagrande Júnior e pelo jornalista Gilvan Ribeiro. Os dois autografam o livro nesta terça-feira,  12 de julho, a partir das 19h, na Fnac da avenida Paulista! Imagine a fila!

FB_IMG_1468202883808 (1)
Leitura que prende. Se começa com as tentativas de reaproximação e depois conta como essa história de amor começou, o livro termina com um Papo de Louco, um imaginário encontrou entre o Big (Casagrande) e Magrão nos dias de hoje.

No sábado, dia 16, Casagrande e Gilvan Ribeiro lançam o livro na sede do Corinthians, no Parque São Jorge. A partir de 11 horas. Nas próximas semanas, haverá ainda sessões de autógrafos no Rio e em Ribeirão Preto.

Continuar lendo “Magrão e Casão”

O Rio de papel e lápis – e futebol- de Cássio Loredano.

12246825_1166057730088483_2436995911566193362_n
Capa do catálogo da mostra, vendido na loja do IMS: http://lojadoims.com.br/ims/produto.cfm?id=35419

Uma passada para conhecer a sede do Instituto Moreira Salles, numa bela casa projetada por Olavo Redig de Campos e que tem jardins de Burle Marx, na Gávea, na zona sul do Rio, acabou virando uma espécie de rolê do Fut Pop Clube. Tive o prazer de visitar no comecinho de 2016 uma exposição que começou em agosto de 2015, quando a Cidade Maravilhosa fez 450 anos. “Rio, Papel e Lápis” traz o traço do caricaturista Cássio Loredano – que é torcedor do Vasco (na época da final do Brasileirão de 1974, um dos “únicos cruzmaltinos da Zona Sul”). Da sacada de um apartamento em Santa Teresa, viu o Maracanã lotado no dia da final entre Vasco e Cruzeiro (deu Vascão). “Deixamos uma vizinha Vila Isabel comemorando feérica e encontramos no Leblon um silêncio de cemitério”.

É uma exposição recomendada pra quem gosta da arquitetura do Rio – de prédios históricos que foram preservados, no meio dos espigões. São 61 desenhos, feitos por Cássio Loredano entre 2014 e 15 a partir de fotografias, e agora incorporados ao acervo do IMS (veja alguns desenhos aqui). Loredano caprichou nas fachadas das sedes do Fluminense, na rua Álvaro Chaves, do Botafogo (General Severiano), lado da avenida Venceslau Brás, e um tanto mais na do seu Vasco, em São Januário.
Também desenhou a fábrica de tecidos que deu origem ao Bangu Atlético Clube.
O caricaturista lembra que o alvirrubro chegou a usar a mesma marca da fábrica Bangu estampada no peito da camisa. Um pioneiro dos patrocínios nos uniformes.

A exposição foi prorrogada até abril. Vale conhecer!

Dentro do post, as informações do site do Instituto Moreira Salles. Continuar lendo “O Rio de papel e lápis – e futebol- de Cássio Loredano.”

Em cartaz: “Chico – Artista Brasileiro”.

Não fosse o gol de Alcides Ghiggia, aos 34 do segundo tempo, o segundo do Uruguai, a Copa do Mundo de 1950 teria sido levantada por Augusto, zagueiro do Vasco, camisa 2 e capitão da seleção brasileira. É ele quem aparece numa linda foto de José Medeiros, da revista “O Cruzeiro”, sendo consolado pelo goleiro da Celeste, bicampeã mundial, Roque Máspoli. Augusto é o tema de uma das interessantes declarações de Chico Buarque, no belo documentário de Miguel Faria Jr, Chico – Artista Brasileiro. Umas duas décadas depois do Maracanazo, o capitão da seleção de 1950 trabalhava como censor. “Tanto Mar”, letra de Chico Buarque sobre a Revolução nos Cravos, em Portugal, parou no ex-zagueiro. No doc, Chico conta que tentaram dobrar o censor com uma garrafa de whisky. Não adiantou. “Não deixava passar nenhuma bola” o ex-becão, depois censor Augusto da Costa.
12294651_844781628952803_176473536050061165_n
“Chico – Artista Brasileiro” tem outros momentos que reforçam a paixão de Chico 255713_129139183831817_7769166_nBuarque pelo futebol. Aparece jogando botão, jogando com craques como Zidane num jogo de amigos do português Luís Figo, goleando nas peladas do campinho do invicto Politheama com amigos e músicos como Bob Marley. A fotografia ao lado está no museu do Bob Marley na Jamaica, e Chico se diverte contando que segundo um surfista brasileiro, um guia do museu diz que, na foto, Bob está ao lado de “um cantor alemão”… Mais: Mart’nália e Adriana Calcanhotto arrasam em “Biscate”, originalmente um dueto Chico & Gal Costa, disco “Paratodos”, 1993. É uma D.R. de casal em que o cara reclama com a companheira que quer ouvir um hipotético “Flamengo x River Plate”.

Aliás, são muitos bons os números musicais, de Ney Matogrosso ao dueto da portuguesa Carminho com Milton Nascimento, com ótimos arranjos e espetacular captação de áudio.

É um belo documentário sobre a música e um tanto da vida de Chico Buarque de Hollanda. A relação com o pai, a descoberta do irmão, alemão, o casamento com Marieta, a separação. Os netos. Chico escritor. Sem falr no riquíssimo material de arquivo.

Quem se interessa por MPB não pode deixar de ver.

Dentro do post, veja o trailer e confira os cinemas que exibem o filme esta semana.

Continuar lendo “Em cartaz: “Chico – Artista Brasileiro”.”

Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.”

O lançamento da nova camiseta de La Roja, a seleção da Espanha (veja post anterior), é um bom gancho para falar do livro de contos do jornalista Arthur Dapieve, “Maracanazo – E Outras Histórias” (Alfaguara, também disponível como e-book).
maracanazo
A camisa vermelha da Fúria – bem como a camisa também vermelha da seleção chilena, também conhecida como La Roja – são importantes no quinto e último conto, “Maracanazo”, que dá nome ao livro de Dapieve.  Ele não trata da final da Copa de 50, fatídica para os brasileiros e heroica para os uruguaios. Mas de um jogo que foi de vida ou morte para a seleção espanhola na Copa de 2014, contra o Chile, logo depois daquela derrota de goleada para a Holanda, na Fonte Nova, a partir daquele gol espetacular do RVP, o Van Persie. O narrador do conto, Victor, um torcedor espanhol (e do Real Madrid, que nem pronuncia o nome do Barça e não quer nem saber de independência catalã), um sujeito católico e bem de direita, conhece na arquibancada agora colorida do new Maraca uma gatinha com a camisa – vermelha – do Chile. Só que no espectro político, a garota está do lado totalmente oposto ao de Victor.

Em meio a muitas referências aos fatos que antecederam o Mundial de 2014, como os protestos da época da Copa das Confederações – quem já esqueceu o “não vai ter Copa!”? – a ficção de Dapieve é cheia de referências a política, futebol e música, como uma espécie de Nick Hornby dos trópicos, com cenas tórridas. E um final violento e chocante. Alta fidelidade, alta voltagem.

“Maracanazo”, o conto, foi lançado primeiro na França, em março de 2015, como novela independente, a convite de Jean-Marie Ozanne, da editora Folies d’Encre. Ficou em segundo lugar no prêmio Jules Rimet, dedicado à literatura sobre futebol.

Em outros contos, Dapieve fala de pegar “jacaré” em Copacabana (dá pra ler um trecho aqui); de nazismo e música clássica, em Viena, 1939, antes da anexação da Áustria; e do finzinho da era Syd Barrett no Pink Floyd, 1968. Antes das crônicas semanais no Globo e dos contos, Dapieve se destacou como um dos melhores críticos de música do Brasil.
Continuar lendo “Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.””

Lançamento: “Alex, a Biografia”.

Nesta terça-feira, o Alex que brilhou com as camisas do Coxa, do Palmeiras, Cruzeiro e Fenerbahçe ganha uma biografia, escrita por Marcos Eduardo Neves (biógrafo de Heleno de Freitas, Renato Gaúcho, Roberto Medina e Francisco Horta).

facebook.com/PlanetadeLivrosBrasil/
facebook.com/PlanetadeLivrosBrasil/

A tarde/noite de autógrafos em São Paulo é nesta terça, dia 10, a partir de 17h, na livraria Cultura do Conjunto Nacional. Continuar lendo “Lançamento: “Alex, a Biografia”.”