O filme sobre Nilton Santos, “Ídolo”, em cartaz no Now, iTunes e Google Play.

Por falar em Alzheimer, o da poltrona já pode ver em casa o sensível documentário de Ricardo Calvet que acompanhou Nilton Santos já no fim da vida. “Ídolo” pode ser alugado no Google Play, iTunes e Now – dica do Antônio Leal, do festival CINEfoot.

O filme "Ídolo" já pode ser visto na sua casa.
O filme “Ídolo” já pode ser visto na sua casa.

Com precioso arquivo, incluindo narrações de rádio, “Ídolo” conta a carreira do craque conhecido como Enciclopédia do Futebol tanto no Botafogo como na Seleção (da reserva na Copa de 50 ao bicampeonato mundial em 58 e 62, passando pela Batalha de Berna, contra a Hungria, em 1954. A equipe de Calvet acompanhou Nilton Santos na clínica onde estava internado, o documentário tem ainda depoimentos de Zico, Junior, Evaristo de Macedo, Zagallo, Amarildo, Carlos Alberto Torres, PVC, Luiz Mendes, Just Fontaine, Dino Sani, Mengálvio, Coutinho, Pepe, Gerson e da jornalista Sandra Moreyra, que era botafoguense como o pai, Sandro, amigo de Nilton Santos e de Garrincha. Continuar lendo “O filme sobre Nilton Santos, “Ídolo”, em cartaz no Now, iTunes e Google Play.”

Zito, o #gerente.

Ele foi duas vezes bicampeão mundial. Pela Seleção, em 1958 e 1962.
E como capitão do Santos, em 1962 e 63.
José Ely de Miranda, o Zito, nos deixou esta semana.

Mas não deixará a memória dos torcedores do Santos e a história da seleção brasileira.

Conta que Zito dava bronca até no Pelé, mais novo.

Por essas e outras, o capitão eterno do Santos ganhou o apelido de gerente.

facebook.com/SantosFC
facebook.com/SantosFC

Na vitória de sábado no clássico contra o Corinthians, o Peixe de Zito entrou em campo com um camisa em homenagem ao ídolo. Bonito.
Continuar lendo “Zito, o #gerente.”

Outra preciosa dica do seu Domingos D’Angelo, do Memofut, chega ao e-mail do Fut Pop Clube. A Giselda Bellini lança nesta quinta-feira, 18 de junho, seu livro sobre o seu marido, o homem que levantou a primeira Taça Jules Rimet verde-amarela. “Bellini – O Primeiro Capitão Campeão” (Prata Editora) tem 208 páginas e custa R$39,90. A noite de autógrafos desta biografia que já sai com duas estrelas de título mundial no peito começa às 19 h na livraria Saraiva do Shopping Higienópolis (Av. Higienópolis, 618 , São Paulo). Combinado? Nesta quinta, então. Capa Bellini
Dentro do post, a sinopse de “Bellini – O Primeiro Capitão Campeão”.
Continuar lendo “Lançamento: “Bellini – O Primeiro Capitão Campeão”.”

Flâmula: Everton de Viña del Mar


A flâmula do dia é do Everton de Viña del Mar, fundado no glorioso 24 de junho, mas lá em 1909. Os “auriazules” foram campeões chilenos quatro vezes – a última no Torneio Apertura 2008, festejada no “banderín” que ilustra o post – mas atualmente disputam a segunda divisão. A flâmula é só um belíssimo pretexto para recomendar um post do blog Futebol de Campo, que visitou o estádio de Viña del Mar, o Sausalito, 50 anos depois da Copa do Mundo de 1962 – a seleção brasileira, que conquistou o bicampeonato no Mundial do Chile, jogou toda a primeira fase e as quartas de final no Sausalito. Êeeeta estádio pé quente! Bom, pelo menos pra seleção canarinho. Veja aqui o post do blog Futebol de Campo, muito bem ilustrado.

Aliás, o mesmo Futebol de Campo publica um texto sobre a reforma do Sausalito – e do estádio Playa Ancha, de Valparaíso, que passará a se chamar Don Elias Figueroa – para a Copa América de 2015. Hey, ho, let´s go! Continuar lendo “Flâmula: Everton de Viña del Mar”

Expo: Cinquentenário da Copa do Mundo de 1962

Poste da Copa de 192

Quem passar perto do Memorial da América Latina, em S. Paulo, pode curtir até 8 de julho uma exposição sobre os 50 anos do Mundial no Chile. Painéis de fotos, súmulas, réplica da Taça Jules Rimet, camisas de jogadores e até o VT da final contra a Tchecoslováquia podem ser vistos no Memorial das 9 às 18h. Continuar lendo “Expo: Cinquentenário da Copa do Mundo de 1962”

O frevo do bi (final). Há 50 anos, o “primeiro-ministro” Mauro Ramos erguia a Taça Jules Rimet.

“Não há, em toda a história das Copas, uma equipe tão bicampeã como aquela nossa. Tão gloriosa. E provo o que digo, Porque a Itália, bi em 1934 e 1938, repetiu apenas dois jogadores. Já o Brasil foi praticamente o mesmo”. Didi, bicampeão em 1958 e 1962, no livro “Didi – O Gênio da Folha-Seca”, de Péris Ribeiro.

A seleção brasileira foi bicampeã do mundo em 17 de junho de 1962 com 8 titulares da final de 1958 (“O Ano em que o Mundo Descobriu o Brasil”, belo documentário). As novidades eram: Amarildo, o “Possesso”, que substituiu Pelé a partir da terceira partida, contra a Espanha. Zózimo, reserva do zagueiro Orlando na Suécia. E seu companheiro de zaga, Mauro Ramos, reserva do capitão Bellini quatro anos antes, em 1962 virou titular na marra – e capitão do time.
Capitão, nada, primeiro-ministro, como Carlos Drummond “propôs” na deliciosa crônica “Seleção de Ouro”, publicada no extinto jornal carioca “Correio da Manhã”, em 20 de junho de 1962 (três dias depois do bicampeonato), um dos gols de letra compilados por dois netos do poeta no livro “Quando É Dia de Futebol”, editado em 2002 pela Record. Drummond também “escalou” o “velhinho sabido” Nilton Santos (o craque “enciclopédia do futebol tinha 37 anos em 1962) no ministério da Justiça. Na Fazenda, Gylmar (“defendeu a meta como o Tesouro”, justificou CDA). Carlos Drummond de Andrade definiu Zagallo como “ministro para várias pastas… dada a sua capacidade de estar em todas”. Para Garrincha, Drummond lembrou o ministério da Aeronáutica, “pois com suas fintas, dribles e arrancadas impossíveis, atravessar o mundo campo entupido de adversários é o mesmo que voar em céu desimpedido, qual passarinho”. Gol como os de Pelé, Drummond!

Brasil 3 x 1 Tchecoslováquia
Estádio Nacional – Santiago,  Chile, 17/06/1962
Público: 69.000 pessoas
Brasil – Gylmar, Djalma Santos, Mauro Ramos, Zózimo e Nilton Santos; Zito, Didi e Zagallo; Garrincha, Vavá e Amarildo.
Tchecoslováquia – Schroiff, Tichy, Popluhar, Pluskal e Novak; Masopust e Pospichal; Scherer, Kvasnak, Kadabra e Jelinek.
Gols: Masopust abriu o placar para os tcheco-eslovacos; Amarildo empatou para o Brasil logo depois; no segundo tempo, o volante Zito subiu, literalmente, e marcou de cabeça; Vavá aproveitou a bobeada de Schroiff para definir a volta olímpica.
Dentro do post, a numeração dos 22 bicampeões do mundo e o clube que defendiam em 1962.  Continuar lendo “O frevo do bi (final). Há 50 anos, o “primeiro-ministro” Mauro Ramos erguia a Taça Jules Rimet.”

O frevo do bi (V). Há 50 anos, o Brasil batia o Chile nas semifinais da Copa.

13 de junho de 1962. Estádio Nacional, Santiago, lotado por cerca de 75 mil pessoas. O Brasil enfrentou os donos da casa e muitas provocações. Sem problemas. Tinha Garrincha. Mané fez o primeiro gol aos 9 minutos, numa bomba com a perna esquerda. Mané fez o segundo aos 32, mais uma vez de cabeça, mais uma vez aproveitando escanteio batido por Zagallo. O Chile diminuiu de bola parada. Toro, aos 42,

Dois minutos do segundo tempo. Garrincha bateu o córner e Vavá ampliou. Aos 16, pênalti para La Roja, que encostou no placar. Aos 33, novo cruzamento de Garrincha. Novo gol de Vavá. 4 a 2. Brasil na final, rumo ao bi.
Mané fez dois e participou dos outros dois. Cansado de tanto apanhar do marcador, Eladio Rojas, o camisa 7 reagiu. E acabou expulso. A Seleção não tinha Pelé (que lutava jogo a jogo contra a contusão, para tentar voltar ao time). E perderia Mané para a grande final. Aí entrou a força da CBD de João Havelange nos bastidores. O juiz peruano Arturo Yamasaki aliviou no relatório. E o bandeirinha uruguaio (Esteban Marino) que dedou a agressão de Garrincha sumiu (dizem que ganhou uma passagem para Paris). Resultado: Garrincha acabou absolvido e pode jogar a final.
Continuar lendo “O frevo do bi (V). Há 50 anos, o Brasil batia o Chile nas semifinais da Copa.”