“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

8 de novembro de 2018

A história do São Paulo virou filme: “Onde a Moeda Cai em Pé”. Estreia nesta quinta, 8 de novembro, na rede Cinemark. No roteiro, os grandes títulos (no futebol e em outros esportes), a construção do Morumbi, os anos de ‘vacas magras’, os ídolos, os torcedores famosos. Direção de Alexandre Boechat, André Plihal e Pedro Jorge. Produção: Canal Azul (que já fez uma série de documentários sobre feitos de outros grandes clubes paulistas), Tocha Filmes e ESPN.


O título é uma referência a uma expressão dos anos 40. O São Paulo só seria campeão paulista se a moeda caísse em pé. Não acreditaram no Leônidas, né?

De acordo com o site oficial do clube, “Onde a Moeda Cai em Pé” vai passar em 20 cinemas de 19 cidades, sempre às sete da noite. Torcedor, é bom ficar esperto e correr pra bilheteria logo se quiser ver o doc na tela do cinema. Confira as salas que exibem o filme na semana da estreia: Continuar lendo ““Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.”

Cards tricolores

Este slideshow necessita de JavaScript.


O São Paulo recorreu a ídolos do passado para promover a venda de ingressos para o jogão desta quarta-feira contra o Cruzeiro, pelas oitavas da Libertadores 2015. Divulgou nas redes sociais cards virtuais com imagens de Leônidas da Silva, Canhoteiro, Chicão e Terto (o único vivo, funcionário da parte social do São Paulo). Legal! As arquibancadas para o jogo contra o Cruzeiro estão esgotadas. O Morumbi deve ter casa cheia pela primeira vez nesta Libertadores,

Continuar lendo “Cards tricolores”

Ferrim: um gigante que cai. O Ferroviário acaba de ser rebaixado.

Um gigante que cai…o Ferroviário acaba de ser rebaixado.

Texto de José Renato Santiago, publicado originalmente no Memória Futebol.

ferroviario

Fundada em 9 de maio de 1933, a equipe cearense do Ferroviário Atlético Clube nasceu alvinegra.
A iniciativa de criação do Ferrim partiu do Sr. Waldemar Cabral Caracas que propôs o desenvolvimento de atividades esportivas que pudessem promover a distração e a integração dos operários da linha ferroviária do estado do Ceará, que trabalhavam no setor da manutenção de trens, e que possuíam horas vagas entre um reparo e outro.
Pois bem, tive a felicidade de conhecer o Sr. Waldemar Caracas, centenário fundador, nascido em 9 de novembro de 1907.
Ele era vizinho do meu avô, Osvaldo.
Ao longo de muitas de nossas conversas, ele comentou comigo sobre a razão das cores e distintivo do Ferroviário.
Durante a década de 1940, Caracas veio para São Paulo a trabalho.
Em um dia de folga, foi ao estádio do Pacaembu assistir o Diamante Negro, Leônidas.
Se apaixonou pelo Tricolor, maior equipe brasileira daquela década.
No dia seguinte foi até uma loja de esportes e comprou um conjunto de camisas do São Paulo.
Levou os uniformes para Fortaleza e decretou que, a partir daquele dia, o Ferroviário passaria a usar as cores do São Paulo, bem como o distintivo.
Com o tempo o Ferrim, ou Ferrão, passou a fazer frente aos grandes e mais antigas equipes do estado: Maguary, Ceará e Fortaleza.
Desde então foram 9 conquistas estaduais: 1945, 1950, 1952, 1968, 1970, 1979, 1988, 1994 e 1995.
O principio dos anos 1950, sobretudo, foi dominado pelo Ferrão.
Equipes fantásticas foram montadas.
Recebeu a alcunha de o “Clube das Temporadas”.
Era a única equipe do estado a fazer frente aos grandes do sul do país que por lá excursionavam.
O Tubarão da Barra sempre foi temido.
A última equipe cearense campeã invicta foi o Ferroviário em 1968.
Os anos 1990 marcaram seus últimos grandes momentos.
Uma equipe que disputou várias edições da Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro.
Tudo isso ficou no passado.
Más administrações.
Preferência ao interesse pessoal em detrimento da entidade.
E muuuuuuiiiitos erros.
Amadorismo irresponsável fantasiado de profissionalismo competente.
Em 2012, a salvação ao rebaixamento em campo se deveu a erros na escalação irregular de jogadores por parte da equipe do Crateús.
O susto não serviu para coisa alguma.
Um crime às cores tricolores.
Domingo o Ferroviário foi rebaixado do campeonato estadual pela primeira vez em sua história.

um grande abraço,
José Renato Santiago

Leônidas: 100 anos de histórias.

A programação dos encontro do Memofut sobre o Diamante Negro neste sábado.
Flyer do encontro do Memofut sobre o Diamante Negro, que rolou sábado, 14/09.

Os 100 anos do Diamante Negro renderam uma manhã repleta de informações – e de emoção – no encontro mensal do Memofut, grupo que discute a memória e a literatura do futebol, do qual este blogueiro tem orgulho de participar. Por ironia do destino, o Memofut costuma se reunir no auditório do Museu do Futebol, que fica dentro do estádio do Pacaembu – onde Leônidas brilhou com as camisas de seleções estaduais (carioca e paulista) e do São Paulo FC, cinco vezes campeão paulista com o “crack”: 1943, 45. 46, 48 e 49. Sua estreia com a camisa tricolor, num majestoso 3×3 contra o Corinthians, em 1942 é recorde de público do estádio até hoje: mais de 70 mil presentes.

Os palestrantes (oops): o são-paulino Michael Serra, o flamenguista Antonio Carlos Meninéa, o consultor Max Gehringer e o jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas
Os palestrantes (oops): o são-paulino Michael Serra, o flamenguista Antonio Carlos Meninéa, o consultor Max Gehringer e o jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas

O sabadão começou com a exposição do jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas, Diamante Negro, que também exibiu o trecho final do documentário da TV Cultura sobre o artilheiro. Não bastasse o forte conteúdo do finalzinho da vida de Leônidas, a viúva do jogador, Albertina Pereira dos Santos, estava no auditório e recebeu uma homenagem do Memofut.  Foram momentos muito emocionantes. Continuar lendo “Leônidas: 100 anos de histórias.”

L E Ô N I D A S. 100 anos do Diamante Negro.

A bicicleta de Leônidas, no Memorial do São Paulo FC.
A bicicleta de Leônidas, no Memorial do São Paulo FC.

Ao som de “Deixa Falar”, clássico na voz da pequena notável Carmem Miranda, a gente comemora hoje o centenário do nascimento de Leônidas da Silva, o artilheiro da Copa de 1938 (também jogou a de 34) que, se não inventou o gol de bicicleta, o popularizou no Brasil. Tricampeão carioca, pentacampeão paulista, o atacante hoje foi tema do “doodle”, aquele logotipo do Google que muda, em homenagem a uma data.

www.google.com.br
http://www.google.com.br

O “crack” dos anos 30 e 40 renderia muitas manchetes de jornal se jogasse hoje. Imagine só como seus gols (média acima de um por partida no Flamengo), suas confusões fora dos campos, seus romances seriam compartilhados e curtidos (ou nção) pelas rede sociais, na era da internet. Você acha que o Neymar faz muita propaganda? Leônidas foi nome de cigarro e virou nome de chocolate, criado pela Lacta logo depois do Mundial de 1938, fabricado até hoje.

http://www.lacta.com.br/
http://www.lacta.com.br/

Nesta semana do centenário, Leônidas foi homenageado pelo Flamengo, clube que tirou da’ fila’, em 1939. O rubro-negro usou uma camisa com a hashtag #Leônidas100, na partida contra o Vitória.

https://www.facebook.com/FlamengoOficial
https://www.facebook.com/FlamengoOficial

Ao São Paulo, Leônidas chegou como astro, recebido por milhares na estação de trem, mas também visto com desconfiança, como o “o bonde de 200 contos de réis” por alguns. Saiu como cinco vezes campeão paulista na década de 40. Na quinta-feira, o tricolor jogou contra o Criciúma com uma linda camisa retrô, de tom gelo, em homenagem ao ídolo eterno.

FOTO divulgação Penalty | Vipcomm
FOTO divulgação Penalty | Vipcomm

Para saber mais sobre a vida da primeira grande celebridade do futebol brasileiro, não deixe de ler  “Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva“, trabalho de fôlego do jornalista André Ribeiro.

Obrigado, Leônidas, por continuar dando a alegria e orgulho a nós, torcedores, 9 anos depois de sua morte.

Nova linha retrô do São Paulo: tributo a Leônidas da Silva, o eterno diamante

Bonitinha! A viúva do artilheiro Leônidas da Silva, no lançamento das camisas FOTO Luiz Pires VIPCOMM
Bonitinha! A viúva do artilheiro Leônidas da Silva, no lançamento das camisas FOTO Luiz Pires VIPCOMM

Depois da horrorosa camisa “vermelha” que chegou a ser usada como uniforme 3 do tricolor nas quartas de final do Paulistão 2013, a Penalty acertou com a linha retrô do São Paulo em homenagem aos 100 anos do nascimento do homem-borracha, Leônidas da Silva. A viúva do artilheiro, Albertina Santos, participou da homenagem. Bacana demais. São três uniformes relativos aos quase 10 anos em que Leônidas foi o homem-gol são-paulino, entre 1942 e 1950 (ganhou 5 títulos paulistas: 43, 44, 46, 47, 49. O uniforme 1, o 2 e um de goleiro (esse, meio feioso). Todos têm gola polo, distintivo vintage (iniciais S.P.F.C. com pontos), costurado, e as marcas dos atuais patrocinadores também ganham jeito retrô. Lógico que em 1942 não havia logomarcas de patrocinadores nos uniformes, mas vale a brincadeira (se tivesse patrocínio nos anos 40, possivelmente poderia ser o chocolate Diamante Negro ou outro produto anunciado por Leônidas, que  era bom garoto-propaganda – o primeiro craque midiático brasileiro, como mostra o livro O Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva, de André Ribeiro). As camisas da Coleção Raízes do “S.P.F.C” já estão nas lojas. Confira os detalhes.

FOTO divulgação Penalty | Vipcomm
FOTO divulgação Penalty | Vipcomm

Continuar lendo “Nova linha retrô do São Paulo: tributo a Leônidas da Silva, o eterno diamante”

100 anos de paixão. Concurso do CINEfoot premia vídeo sobre clubes que comemoram centenário em 2013.

PST-0012-1024x858-720x603
Bonsucesso_Futebol_Clube_logo
Em 12 de outubro, o Bonsucesso Futebol Clube (hoje lutando para subir para a elite do futebol do Rio) completa seu centenário. Um mini-documentário bacana sobre o rubro-anil, “O Diamante da Leopoldina”, é um dos finalistas do concurso de vídeos 100 Anos de Paixão, do festival CINEfoot. que está começando esta semana no Rio. Passa terça, 18h, no Espaço Itaú de Cinema – Praia de Botafogo. Esse concurso do festival de cinema de futebol reúne vídeos de até 3 minutos sobre clubes que comemoram um século em 2013, como o Parnahyba, campeão estadual no Piauí, o CSA, o Centro Limoeirense, a Inter de Limeira, o Rio Negro de Manaus, o Cruzeiro de Porto Alegre, o Juventude, o São Bento de Sorocaba, o Zequinha (São José, do RS), o XV de Piracicaba, o FC Santa Cruz (RS), o Nacional de Manaus, o Rio Branco capixaba e seus xarás de Americana (SP) e do Paraná e o União Futebol Clube (Mogi das Cruzes, SP). Continuar lendo “100 anos de paixão. Concurso do CINEfoot premia vídeo sobre clubes que comemoram centenário em 2013.”