“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

8 de novembro de 2018

A história do São Paulo virou filme: “Onde a Moeda Cai em Pé”. Estreia nesta quinta, 8 de novembro, na rede Cinemark. No roteiro, os grandes títulos (no futebol e em outros esportes), a construção do Morumbi, os anos de ‘vacas magras’, os ídolos, os torcedores famosos. Direção de Alexandre Boechat, André Plihal e Pedro Jorge. Produção: Canal Azul (que já fez uma série de documentários sobre feitos de outros grandes clubes paulistas), Tocha Filmes e ESPN.


O título é uma referência a uma expressão dos anos 40. O São Paulo só seria campeão paulista se a moeda caísse em pé. Não acreditaram no Leônidas, né?

De acordo com o site oficial do clube, “Onde a Moeda Cai em Pé” vai passar em 20 cinemas de 19 cidades, sempre às sete da noite. Torcedor, é bom ficar esperto e correr pra bilheteria logo se quiser ver o doc na tela do cinema. Confira as salas que exibem o filme na semana da estreia: Continuar lendo ““Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.”

No meio do maior #barraco da história tricolor, começa a pré-venda da terceira camisa do São Paulo.

Finalmente, parceiros da Fifa que são gigantes em suas áreas, como a Coca-Cola e a Visa, acordaram e fizeram pressão por reformas na gestão do futebol mundial. Do jeito que está, não dá para ficar. E isso deveria valer pra um clube que virou um barril de pólvora como o São Paulo. Empresas que investem seu dinheiro no tricolor não devem gostar nem um pouco de ver o nome do clube em notícias que estão quase saindo das páginas esportivas para as policiais. Quase todo dia, surge uma notícia negativa pro clube do Morumbi.

Num momento em que os holofotes deveriam estar nos últimos jogos do capitão Rogério Ceni com a camisa 01 do São Paulo, o foco são as brigas internas (não mais restritas ao velho jogo da situação vs oposição), a dança das cadeiras na diretoria, o toma-lá-dá-cá de cargos, negócios questionados e a troca de técnico na reta final do Brasileirão e às vésperas de um complicadíssimo clássico San-São na semifinal da Copa do Brasil.

A saída de Juan Carlos Osorio pro México representa o fim de um dos poucos pontos elogiados pela crônica esportiva na atual gestão tricolor. Um técnico de ideias novas (no futebol do Brasil), muitas delas polêmicas (como o rodízio de jogadores), que teve a coragem de assumir que barrou a volta do ídolo Lugano. Osorio não tinha o apoio de Carlos Miguel Aidar, que antes também não apoiava Muricy. Aliás, será mesmo que Carlos Miguel Aidar realmente gosta de futebol ou só gosta do poder?

Nem parece, mas faltam de 9 a no máximo 13 jogos oficiais para a despedida do goleiro-artilheiro, o maior ídolo da história recente do São Paulo. Não se ouve falar de nenhuma ação para lotar o Morumbi nessa despedida anunciada. Por enquanto, a única homenagem parte do lançamento pela Under Armour de uma rara camisa 3, bordô para os jogadores de linha e grafite para o arqueiro tricolor. A estreia é no jogo do dia 18, contra o Vasco, no Morumbi, 16h. Este terceiro uniforme será usado em mais algumas partidas este ano e no começo de 2016. Confira.
IMG_20151007_231950 Continuar lendo “No meio do maior #barraco da história tricolor, começa a pré-venda da terceira camisa do São Paulo.”

São Paulo 2014: o Kaká voltou!

São Paulo 2014: o Kaká voltou!

Atualizado em agosto de 2014.

Onze anos depois de trocar o São Paulo pelo Milan, onze anos mais “experiente”, Kaká volta a vestir a camisa 8 do São Paulo, na partida deste domingo contra o Goiás, no Serra Dourada, em Goiânia. A reestreia no Morumbi está prevista para o sábado que vem, às 18h30, contra o Criciúma ficou para o jogo contra o Vitória, domingo dos pais, 18h30.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • >IN>: Kaká (do Milan, via Orlando City), Alan Kardec (ex-Palmeiras e Benfica), Rafael Tolói (de volta do empréstimo da Roma), Michel Bastos (ex-Atlético Paranaense, Grêmio, Figueirense, Lyon… )
  • <OUT<: Douglas (Barça), Pabón, João Schmidt,João Felipe, Lucas Evangelista
  • Estrelas da Companhia: Rogério Ceni (último semestre do goleiro-artilheiro), Álvaro Pereira (o único jogador do São Paulo na última Copa, com a camisa da Cesleste),  Paulo Henrique Ganso, Osvaldo, Luís Fabiano e Alexandre Pato.
  • Jovens: Rodrigo Caio (sofreu ruptura do ligamento no empate contra o Criciúma, só deve voltar em 2015); Ademílson, Auro.
  • Técnico: Muricy Ramalho
  • Estádio: Morumbi (68 mil lugares)Jpeg
  • Uniformes: apresentados pela Penalty há alguns meses. A Semp – patrocinadora master – não renovou.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “São Paulo 2014: o Kaká voltou!”

Nesta quinta-feira de clássico tricolor, republico o texto de 2010 sobre um disco em boa parte dedicado à bola: “Contra-Ataque – Samba e Futebol”, do tricolor Carlinhos Vergueiro – ele é Fluminense no Rio e São Paulo em Sampa.

Fut Pop Clube

Coluna de Música do Fut Pop Clube 28/09/2010
Com o perdão do trocadilho, um biscoito fino da MPB boleira ganhou um relançamento na época da Copa do Mundo 2010. Contra-Ataque – Samba e Futebol, de Carlinhos Vergueiro, saiu em edição digipack pela gravadora Biscoito Fino, com 3 músicas a mais em relação ao CD original, de 1999, independente, “que o jogo é na raça” – como diz a letra de Camisa Molhada

clássico do corintiano Toquinho e de Carlinhos Vergueiro (tricolor em SP e no RJ) sobre as peladas nos campos de terra, que diz presente nessa aula de samba e futebol. “Fique de olho no apito”… Quem ouvia as transmissões da equipe de Osmar Santos na rádio Globo SP no final dos 70 e 80 deve se lembrar da vinhetinha que anunciava o trio de arbitragem. Contra-Ataque, CD que tinha também Nação Corinthians, muito…

Ver o post original 153 mais palavras

O filme sobre o tri mundial do São Paulo está no CINEfoot.


Este é o cartaz do filme “Soberano 2 – A Heroica Conquista do Mundial de 2005“, que a G7 Cinema lança em 24 de agosto nos cinemas. O documentário foi feito pelo mesmo escrete de “Soberano – Seis Vezes Campeão”, que contou o hexa brasileiro do São Paulo: os diretores e roteiristas Carlos Nader e Maurício Arruda, e o compositor Nando Reis, responsável pelas canções originais – todos tricolores de carteirinha! O copeiro Liverpool, que tinha sido campeão na raça era considerado favorito contra os sul-americanos. Um filme já visto em 1992, 93… Mas o time de guerreiros, “cascudos”, que começou a ser montado por Cuca, passou pelo sempre polêmico Leão e chegou ao Japão com o bem mais calmo Paulo Autuori. Havia talentos, como Amoroso, dois alas ainda em forma, dois volantes que marcavam muito e saíam pro jogo – tanto que o camisa 7 Mineiro marcou o gol decisivo, num passe esperto de Aloísio Chulapa. Havia o sangue tricolor celeste de Diego Lugano na zaga. E acima de tudo, havia Rogério Ceni.

Confira aqui a lista dos cinemas que lançam “Soberano 2”.

Continuar lendo “O filme sobre o tri mundial do São Paulo está no CINEfoot.”

Libertadores, sua linda! 20 anos do primeiro título continental do São Paulo.

17/06/12: na camisa 10 de Jadson, a homenagem a Raí, o “capitão América” em 1992. FOTO Idário Café VIPCOMM

Morumbi, 17 de junho. O São Paulo entra em campo com Zetti, Cafu, Antônio Carlos, Ronaldão e Ivan; Adílson Pintado e Raí; Müller, Palhinha e Elivélton. Saudade desses tempos, não, torcedor são-paulino? No 17 de junho de 2012, o atual time do São Paulo  entrou em campo com camisas em homenagem aos campeões da Libertadores de 1992, a primeira das três que o tricolor do Morumbi guarda orgulhosamente no seu Memorial. O goleiro Denis lembrou Zetti, um dos heróis da conquista. O camisa 10, Jádson, representou Raí. Lucas, com a 7 de Müller, que Telê substituiu durante o jogo contra o Newell´s por Macedo. Quem sabe, os homenageados de 1992 – alguns deles estiveram no Morumbi, neste domingo – não inspiram  a classe de 2012?      

Em 17 de junho de 1992, Fernando Collor ainda era o presidente do Brasil, o Rio tinha acabado de sediar a conferência Eco-92, o Nirvana revolucionava o planeta do som com o #discão “Nevermind” e o hit “Smells Like Teen Spirit”… e a flâmula do São Paulo ainda era assim, como a da foto.  Sem estrelas vermelhas em cima do escudo, só as duas douradas, que se referem aos recordes mundiais de Adhemar Ferreira da Silva, atleta tricolor, no salto triplo. O São Paulo decidiu no Morumbi superlotado (105 mil pagantes) a Copa Libertadores de 1992 contra os argentinos do Newell´s Old Boys, time treinado por Marcelo El Loco Bielsa. No primeiro jogo da final, em Rosário, o Newell´s venceu por 1×0, gol de pênalti, duvidoso como o sofrido por Macedo e convertido por Raí na partida do Morumbi.

A decisão foi para a cobrança de pênaltis. Zetti viu Berizzo e Mendoza desperdiçarem suas cobranças (pelo São Paulo, Raí, Ivan e Cafu converteram; Ronaldão perdeu). Quinta e última cobrança do Newell´s: Gamboa, melhor jogador do time. O ex-goleiro do Palmeiras, reabilitado por Telê Santana e pelo expert Valdir Joaquim de Moraes no São Paulo, voou e fez uma defesa histórica, narrada assim pelo “pai da matéria” Osmar Santos. “Zetti! Zetti! Zetti” – gritou Galvão Bueno na rede OM, em noite de recorde de audiência. Zetti se levantou, ficou parado alguns segundos e… começou a maior festa! O São Paulo era enfim campeão da Copa Libertadores! Milhares de torcedores invadiram o gramado do Morumbi para comemorar a grande conquista – é uma cena que ainda impressiona, 20 anos depois! O último clube brasileiro a levantar a Libertadores tinha sido o Grêmio, em 1983. Podemos dizer que aquele São Paulo de Telê Santana de alguma forma recolocou o futebol brasileiro no caminho dos títulos – dois anos depois, a Seleção de Parreira liderada por Romário obteve o tetra, com vários jogadores desse São Paulo de Telê no elenco: Zetti, Cafu, Ronaldo – em 94 jogando no futebol japonês – Müller, Raí – desde o meio de 93 no PSG – e Leonardo – que chegou depois.

Camisa do São Paulo na era Telê, no camarote de Raí no Morumbi, em foto de 2012.

Raí, o capitão e o eterno camisa 10 do São Paulo, ergueu a copa. Palhinha foi o artilheiro, com 7 gols. Mas o caminho do então campeão paulista e brasileiro rumo ao que aquela altura representava o maior título da história do tricolor foi acidetado, com o suor, a garra, o sofrimento e emoção que uma Libertadores exige. Veja a campanha do campeão: Continuar lendo “Libertadores, sua linda! 20 anos do primeiro título continental do São Paulo.”

A Era Telê Santana: os títulos do mestre no São Paulo.

Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92
Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92

Publiquei no post anterior a galeria de títulos oficiais do Barcelona na Era Guardiola. Já são 13, em 16 disputados. Neste post, gostaria de lembrar do maior responsável por um futebol elogiado por Pep Guardiola: Telê Santana. E olha que aqui vão só os títulos da chamada Era Telê no São Paulo Futebol Clube. Entre 14 de outubro de 1990 (primeiro jogo da segunda e mais conhecida passagem do mestre pelo tricolor do Morumbi)  e 27 de janeiro de 1996, foram dez grandes conquistas, fora as taças de torneios amistosos e de verão, alguns tradicionalíssimos, como o Teresa Herrera e o Ramón de Carranza.

  • GALERIA DOS TÍTULOS DE TELÊ SANTANA NO SÃO PAULO – TORNEIOS OFICIAIS
Libertadores, sua linda!
  1. Campeonato Brasileiro de 1991
  2. Campeonato Paulista de 1991
  3. Taça Libertadores da América de 1992
  4. Mundial Interclubes 1992
  5. Bicampeão Paulista de 1992
  6. Bicampeão da Taça Libertadores da América em 1993,
  7. Recopa Sul-Americana de 1993,
  8. Supercopa dos Campeões da Libertadores em 1993
  9. Bicampeão Mundial Interclubes de 1993;
  10. Bicampeão da Recopa Sul-Americana de 1994