O grand finale de um goleiro rock and roll

O grand finale de um goleiro rock and roll

Eu vi Rogério Ceni jogar.

Eu vi (pela TV) Rogério Ceni marcar seu primeiro gol, numa cobrança de falta, no interior de São Paulo.

Eu vi Rogério Ceni marcar um gol de falta numa decisão de campeonato paulista.

Vi o goleiro-artilheiro marcar dois gols de falta na mesma partida de Libertadores e perder o terceiro, que teoricamente seria mais fácil, de pênalti.

Vi o capitão do São Paulo erguer uma Copa Libertadores, edição em que marcou cinco gols. No fim do mesmo ano, levantou também o Mundial de Clubes, depois de marcar um gol numa semifinal e fazer uma partida memorável contra o Liverpool.

Vi pela TV Rogério pegar um pênalti e marcar dois gols numa mesma partida, no Mineirão,  em outra atuação nota 10, dias depois de uma das atuações mais criticadas debaixo das traves.

Vi o capitão tricolor erguer por três anos seguidos a taça de campeão brasileiro.

Vi o capitão deixar o jovem Lucas, que se despedia do futebol brasileiro rumo a Paris, levantar a Copa Sul-Americana, depois de uma violentíssima decisão, dentro e fora dos gramados.

Vi Rogério ficar decepcionado com derrotas e eliminações. Como um torcedor.

Também vi que o #M1T0 precisava pendurar as luvas e as chuteiras, infelizmente.

Também li e ouvi declarações de Ceni com as quais não necessariamente concordo. Não era de ficar em cima do muro. Há que se respeitar a opinião diferente. Algum torcedor do Santos vai deixar de idolatrar os feitos de Pelé por causa de suas opiniões e omissões?

O último dos 131 gols de Rogério Ceni como profissional foi longe do Morumbi. Foi no Castelão, de pênalti, contra o Ceará, na única competição que não conquistou, a Copa do Brasil, que ironicamente seria decidida por um gol de goleiro. Fernando Prass vai continuar batendo pênalti, vai tentar uma falta pelo Palmeiras? Tomara! O sucessor de Rogério no São Paulo, Denis, vai fazer seus golzinhos? Quem sabe? Ambos treinam bastante.

No Morumbi, em 11 de dezembro de 2015, eu vi Rogério Ceni subir e descer pela última vez o túnel do vestiário do time da casa como jogador profissional, numa noite de rock (Rogério deu uma canja no show dos são-paulinos da banda Ira!) emoção e homenagens – por coincidência na mesma semana da morte do ex-presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio. Que legal ver de novo em campo Raí (que infelizmente não teve uma partida de despedida), Cafu, Cerezo, Juninho Paulista, Müller, Amoroso, Josué, Mineiro, Aloísio Chulapa (rei de “assistências” pra Rogério), Lugano, Zetti batendo (e muito bem) um pênalti.

Adaptando a frase de Di Stéfano que virou título de biografia do artilheiro, agradeço a você, Rogério.

Gracias, viejo.  Continuar lendo “O grand finale de um goleiro rock and roll”

No meio do maior #barraco da história tricolor, começa a pré-venda da terceira camisa do São Paulo.

Finalmente, parceiros da Fifa que são gigantes em suas áreas, como a Coca-Cola e a Visa, acordaram e fizeram pressão por reformas na gestão do futebol mundial. Do jeito que está, não dá para ficar. E isso deveria valer pra um clube que virou um barril de pólvora como o São Paulo. Empresas que investem seu dinheiro no tricolor não devem gostar nem um pouco de ver o nome do clube em notícias que estão quase saindo das páginas esportivas para as policiais. Quase todo dia, surge uma notícia negativa pro clube do Morumbi.

Num momento em que os holofotes deveriam estar nos últimos jogos do capitão Rogério Ceni com a camisa 01 do São Paulo, o foco são as brigas internas (não mais restritas ao velho jogo da situação vs oposição), a dança das cadeiras na diretoria, o toma-lá-dá-cá de cargos, negócios questionados e a troca de técnico na reta final do Brasileirão e às vésperas de um complicadíssimo clássico San-São na semifinal da Copa do Brasil.

A saída de Juan Carlos Osorio pro México representa o fim de um dos poucos pontos elogiados pela crônica esportiva na atual gestão tricolor. Um técnico de ideias novas (no futebol do Brasil), muitas delas polêmicas (como o rodízio de jogadores), que teve a coragem de assumir que barrou a volta do ídolo Lugano. Osorio não tinha o apoio de Carlos Miguel Aidar, que antes também não apoiava Muricy. Aliás, será mesmo que Carlos Miguel Aidar realmente gosta de futebol ou só gosta do poder?

Nem parece, mas faltam de 9 a no máximo 13 jogos oficiais para a despedida do goleiro-artilheiro, o maior ídolo da história recente do São Paulo. Não se ouve falar de nenhuma ação para lotar o Morumbi nessa despedida anunciada. Por enquanto, a única homenagem parte do lançamento pela Under Armour de uma rara camisa 3, bordô para os jogadores de linha e grafite para o arqueiro tricolor. A estreia é no jogo do dia 18, contra o Vasco, no Morumbi, 16h. Este terceiro uniforme será usado em mais algumas partidas este ano e no começo de 2016. Confira.
IMG_20151007_231950 Continuar lendo “No meio do maior #barraco da história tricolor, começa a pré-venda da terceira camisa do São Paulo.”

25 anos de casa

11143251_10153569653224420_5002718638301754064_n
O São Paulo publicou um anúncio de página inteira, com uma versão um pouco maior da arte acima, no jornal Lance! em homenagem aos 25 anos de Rogério Ceni no clube do Morumbi. O site e as redes sociais do tricolor paulista publicaram um Top 25 dos jogos mais importantes de Ceni, num trabalho de Michael Serra, do arquivo histórico do São Paulo FC, que também preparou um e-book.

Na imprensa internacional, destaque para esta publicação no site do diário esportivo madrilenho “Marca. Continuar lendo “25 anos de casa”

Vilanova Artigas, o arquiteto do Morumbi

Vilanova Artigas, o arquiteto do Morumbi

Arquivo Histórico do São Paulo FC : sãopaulofc.net
Arquivo Histórico do São Paulo FC : sãopaulofc.net

Este 23 de junho de 2015 marcou o centenário de nascimento do arquiteto modernista João Batista Vilanova Artigas, que fez o primeiro projeto do estádio do Morumbi. Vilanova Artigas foi um dos fundadores da chamada Escola Paulista de Arquitetura e adepto do brutalismo – onde a estrutura, o concreto fica bem aparente. Antes da instalação de cadeiras, de inúmeros camarotes, esse estilo era mais visível no Morumbi, mas inda é possível percebê-lo quando você anda debaixo das arquibancadas do estádio do tricolor paulista.

Segundo o site do São Paulo, o escritório de Vilanova Artigas, Gastão Rachou Jr, José Carlos Pinto, Carlos Cascaldi e David Ottoni derrotou outras duas propostas porque previa uma capacidade maior, 120 mil pessoas, tinha menor custo e manutenção mais barata. O projeto original previa a divisão das arquibancadas em quatro níveis e não trẽs como hoje. Em 1954, Vilanova Artigas doou ao clube os direitos do projeto, que foi sendo modificado. Uma parte do estádio foi inaugurada em 1960, na vitória de 1×0 sobre o Sporting – gol histórico de Peixinho (também teve um amistoso contra o Nacional do Uruguai). Em 1970, a segunda inauguração, novamente contra um time português: São Paulo 1 x1 Porto. O estádio poderia receber então 150 mil pessoas – e o 2º jogo da final do campeonato paulista de 1977, entre Corinthians e Ponte Preta, chegou bem perto disso.

Depois, o estádio foi “encolhendo”, encolhendo, para maior conforto e segurança. Hoje a capacidade é de 67 mil pessoas. 

Continuar lendo “Vilanova Artigas, o arquiteto do Morumbi”

Novos uniformes do São Paulo, os primeiros da Under Armour no Brasil.

O tricolor paulista e a Under Armour, fabricante de origem americana, apresentaram no Morumbi os uniformes que o São Paulo vai usar a partir de agora. As imagens são dos perfis do São Paulo e da Under Armour nas redes sociais.

O volante Souza, a modelo são-paulina Nivea Kalmar e o meia Paulo Henrique Ganso mostraram o uniforme nº 1, que estreia na partidaça de quarta-feira, contra o Cruzeiro, bicampeão brasileiro, pelas oitavas da Libertadores. Casa cheia. A camisa vestida pelo Ganso é  versão jogador, em que as listras horizontais vermelha e preta não dão a volta completa. Essa versão vai custar inacreditáveis R$ 349.,90. A versão torcedor é um pouco mais em conta – R$ 229,90 – e as listras são contínuas.

Detalhe do uniforme I do São Paulo: https://www.facebook.com/UnderArmourBrasil
Detalhe do uniforme I do São Paulo: https://www.facebook.com/UnderArmourBrasil

Continuar lendo “Novos uniformes do São Paulo, os primeiros da Under Armour no Brasil.”

Cards tricolores

Este slideshow necessita de JavaScript.


O São Paulo recorreu a ídolos do passado para promover a venda de ingressos para o jogão desta quarta-feira contra o Cruzeiro, pelas oitavas da Libertadores 2015. Divulgou nas redes sociais cards virtuais com imagens de Leônidas da Silva, Canhoteiro, Chicão e Terto (o único vivo, funcionário da parte social do São Paulo). Legal! As arquibancadas para o jogo contra o Cruzeiro estão esgotadas. O Morumbi deve ter casa cheia pela primeira vez nesta Libertadores,

Continuar lendo “Cards tricolores”

#SãoSan

O São Paulo x San Lorenzo desta superquarta, 18/03/2015, ficou com todo o jeito de mata-mata, já que o Corinthians tem 100%, com 3 vitórias em 3 jogos nesta fase e mais dois jogos em casa, ou seja, está com uma mão e quatro dedos numa das duas vagas. Os dois times “santos” vão se “matar” pela outra vaga, em duas partidas, no Morumbi e no estádio Nuevo Gasómetro (em primeiro de abril).

O jogo desta quarta-feira vai ser o sétimo #SãoSan da história (e o primeiro de Libertadores). O tricolor paulista venceu 3 vezes, o Ciclón ganhou duas e houve um empate: Continuar lendo “#SãoSan”