“Papéis ao Vento”. Veja o filme. Leia o livro.

“Papéis ao Vento”. Veja o filme. Leia o livro.
Cartaz argentino de Papéis ao Vento, que passou nos cinemas em novembro de 2015. https://www.facebook.com/PapelesViento

Mario Pittilanga. Um jogador (fictício) que serviu a seleção Sub-17 da Argentina num Mundial. O jovem vai parar na terceira divisão do futebol argentino, emprestado ao Club Atlético Mitre, time que realmente existe, um aurinegro de uniforme como o do Peñarol, em Santiago del Estero, a mais de mil quilômetros a noroeste de Buenos Aires. O passe de Pittilanga está no nome da mãe de Mono e Fernando, torcedores fanáticos pelo Independiente de Avellaneda, o Rey de Copas. Mono pagou 310 mil dólares pelo passe da promessa de craque, e isso é tudo que ele deixa de herança para a filha, Guadalupe, depois de uma batalha contra um câncer no pâncreas. O mano Fernando se reúne com dois amigos de Mono – Maurício e Russo – e fazem de tudo pra tentar vender Pittilanga antes que o pibe ganhe passe libre do Platense e saia de graça. E isso inclui mudar a posição do jogador. De camisa 9 em 6. O centroavante vira zagueiro. Assim é “Papéis ao Vento”, produção argentina que passou como um ponta rápido por cinemas brasileiros no final de 2015 e está disponível nas plataformas. O filme, de Juan Taratuto, é baseado na novela “Papeles en el viento”, de Eduardo Sacheri, também roteirista da película. Sacheri, um torcedor fanático do Rojo, escreveu dois golaços dos cinema argentino, “O Segredo dos Seus Olhos” e “Metegol – Um Time Show de Bola”.

Flâmula do Independiente, El Rojo, El Rey de Copas.

Filme e livro, especialmente, são um tributo à amizade e claro, ao Independiente. As cenas no estádio Libertadores de América em dia de dérbi contra o Racing são de tirar o fôlego. Caso goste do filme e se interesse pela literatura futbolera argentina, vale a pena procurar o livro do Sacheri. Fica ainda mais clara a paixão – de Mono, dos outros personagens e do autor – pelo Rojo, pelas glórias da equipe comandada por Bochini nos 70 e 80. Aqui deixo o link para o e-book, em castelhano.

Trailer dentro do post. Continuar lendo ““Papéis ao Vento”. Veja o filme. Leia o livro.”

“El Otro Fútbol”. No Canal Brasil.

https://www.facebook.com/elotrofutbol/
https://www.facebook.com/elotrofutbol/

522261_276019205816870_1351642419_nO documentário argentino “El Otro Fútbol”, que já foi atração do festival CINEfoot, chegou ao Canal Brasil. O filme de Federico Peretti mostra os lados B, C e D do futebol argentino. Durante três anos, a equipe acompanhou jogos de 140 equipes, de todos os torneios oficiais da AFA, Asociación del Fútbol Argentino, percorrendo 50 mil quilômetros, de La Quiaca a Ushuaia, de Corrientes a San Juan.

“El Otro Fútbol”, que estreou na sessão Cone Sul do Canal Brasil, passa de novo na madrugada de hoje para amanhã, às 02h10. A equipe do doc já tinha emplacado uma série inteira no mesmo canal, “Outro Futebol”.

Continuar lendo ““El Otro Fútbol”. No Canal Brasil.”

Em cartaz: “O Clã”.

Gostaria de dar outra dica de cinema. Por certo bem mais pesada que o documentário sobre Chico Buarque (post anterior).

12294774_848064911957808_8014237089825309707_n
Classificação: 16 anos

“O Clã” (El Clan), de Pablo Trapero, conta em ritmo quase alucinante a história (real) dos Puccio, uma família de classe média argentina. O chefe da clã, Arquímedes Puccio, com passado de serviços aos milicos da sangrenta ditadura argentina, comandou clandestinamente já nos primeiros anos do governo Alfonsín um esquema para sequestrar gente rica, com o único objetivo de extorquir dinheiro e assim sustentar uma confortável vida de classe média. Mulher e quase todos filhos do casal ou faziam vista grossa ou participavam, de alguma maneira. Um dos filhos arrisca a carreira como jogador da seleção de rugby (os Pumas) participando das ações, que muitas vezes tinham como alvos amigos ou conhecidos da família. Vai viver um imenso dilema pessoal. Detalhe: o cativeiro das vítimas era na própria casa dos Puccio. Preste atenção nas constantes varrições que Arquímedes faz na calçada. Era pra ajudar a abafar os gritos dos reféns. Tenso filme de suspense, que deixa claro o terror psicológico e físico a que eram submetidos os sequestrados. Como no hit argentino da temporada passada, “Relatos Selvagens”, “O Clã” tem alguns dedos da produtora El Deseo, de Almodóvar.

Trapero levou o Leão de Prata de melhor direção em Veneza. O desempenho do Guilhermo Francella (vilão aqui, vítima em “O Segredo dos Seus Olhos”) como o psicopata Arquímedes Puccio é de Oscar. E a trilha sonora é muito boa: The Kinks, Creedence Clearwater Revival, Ella Fitzgerald and The Inkspots, David Lee Roth, e as bandas argentinas Seru Giran e Virus. Continuar lendo “Em cartaz: “O Clã”.”

“Papéis ao Vento”

10714365_1755907211300447_1202887142285361251_oUm torcedor do Independiente torra toda as suas economias comprando o passe de um centroavante que prometia muito, foi convocado pra Mundial sub-17 e tudo, mas acabou na terceira divisão argentina. Fica doente, e em estado terminal, ouve a promessa que a filha continuará sendo torcedora do Rojo. O irmão e mais dois amigos inseparáveis ficam com o abacaxi que é o passe da “promessa” que não faz gols nem na terceirona. Como já deu pra perceber, “Papéis ao Vento (“Papeles en El Viento”) fala muito sobre futebol, mas é acima de tudo sobre a amizade.  O filme de Juan Taratuto é baseado no livro “Papeles en El Viento”, de Eduardo Sacheri, roteirista de O Segredo dos Seus Olhos” e “Um Time Show de Bola” (lá, “Metegol”), que é Indepediente rojo. Sacheri também escreveu o roteiro de “Papéis ao Vento” ao lado do diretor Taratuto. Infelizmente, o filme estreou na surdina em São Paulo, numa única sala e com poucas sessões. Corra, se quiser ver no cinema.

É recomendado pra quem gosta de cinema argentino, especialmente a quem se interessa pela excelente literatura futbolera de Eduardo Sacheri. Ah, sim, são de arrepiar as curtas cenas que mostram a cancha do Independiente, um alçapão chamado estádio Libertadores de América. Afinal, o Rojo é o Rey de Copas – são 7 Libertadores.

Continuar lendo ““Papéis ao Vento””

Metegol | Um Time Show de Bola. Agora em DVD, Blu-Ray e Blu-Ray 3D.

Publicado em novembro de 2013
741198_254025904728338_2097897668_o
Estreou na sexta-feira, 29 de novembro de 2013, o longa de animação (também em 3D) “Um Time Show de Bola” (“Metegol”, o título original, é o nome do pebolim na Argentina). O diretor Juan José Campanella, do emotivo “O Filho da Noiva”, já ganhou um Oscar pelo thriller “O Segredo dos Seus Olhos“, que tem uma eletrizante sequência no estádio do Huracán, em Buenos Aires. O roteiro tem seu ponto de partida no conto “Memorias de Um Wing Derecho”, de Roberto Fontanarrosa, um torcedor do Rosario Central que adorava escrever contos sobre futebol. E o time de roteiristas de “Metegol” pega esse linguarudo ponta-direita de totó e o insere numa história com mocinha, vilão, romance, aventura e uma animação realmente show de bola. Uma matinê perfeita para meninos e meninas de todas as idades. Sessão da tarde total. Já “ouço”o  locutor de chamadas empostando a voz daqui a alguns anos, para anunciar algo tipo “esse time show de bola vai aprontar” etc e tal.

Seria o Loco, o cabeludo de bigode mais à esquerda no poster acima inspirado no Luque, centroavante da Argentina campeã do mundo em mil, novecentos e Jorge Videla? Seria o convencido Beto, o craque mais à direita, inspirado no Tarantini? No colombiano Valderrama? Ou no Coloccini?Hahaha! O certo é que  “Um Time Show de Bola”  garante boas risadas. E deixa o brasileiro de queixo caído nos quesitos roteiro redondo (característica do cinema argentino) e qualidade da animação.

Dá uma vontade danada de ver o filme no idioma original.
Abaixo, o trailer dublado em português, como o público brasileiro assistiu ao filme nos cinemas.

Continuar lendo “Metegol | Um Time Show de Bola. Agora em DVD, Blu-Ray e Blu-Ray 3D.”

#Metegol. 29 de novembro nos cinemas brasileiros, como “Um Time Show de Bola”.

1044247_336264579837803_1316348137_n


Tenho a impressão que a venda de pebolins vai disparar no mundo todo! S e n s a c i o n a l o novo trailer da animação 3D “Metegol”, do oscarizado diretor Juan José Campanella. A estreia na Argentina será em 18 de julho. “Metegol” será “Futbolín” na Espanha e “Foosball” nos EUA. Aqui no Brasil poderia ser “Pebolim”, “Totó”, “Fla-Flu”… Mas vai ser “Um Time Show de Bola”. Segundo o site IMDB (fantástica base de dados sobre cinema na rede), “Metegol / Um Time Show de Bola” entra em campo… err, entra em cartaz em 29 de novembro. Juan José Campanella é diretor dos ótimos “O Filho da Noiva” e “O Segredo dos Seus Olhos” (que tem uma cena de tirar o fôlego no estádio do Huracán, em Buenos Aires) e “Clube da Lua” – todos com o ator Ricardo Darín. E o roteiro de “Metegol” é baseado no conto “Memórias de un Wing Derecho”,do escritor Roberto Fontanarossa, um torcedor maluco pelo Rosario Central.  Continuar lendo “#Metegol. 29 de novembro nos cinemas brasileiros, como “Um Time Show de Bola”.”

O 4º festival CINEfoot começa com o lema “Futebol é mais que um jogo”.

Facebook.com/CINEfoot
Facebook.com/CINEfoot

A bola vai rolar nas telas do CINEfoot, festival de cinema de futebol, já na quarta edição. A sessão de abertura no Rio, nesta quinta-feira, 23 de maio, 20h30, no Espaço Itaú de Cinema, da Praia de Botafogo, faz uma homenagem a Sócrates. Exibe o filme “Os Rebeldes do Futebol”, ancorado por Eric Cantona, que tem o doutor como um dos cinco personagens (veja post anterior). E ainda tem o elogiado curta de Anna Azevedo sobre o extinto setor mais popular e folclórico do Maracanã: “Geral”. “The Heart of the Stadium”, o título em inglês, ajuda quem nunca ouviu falar em geral, que está sendo banida dos estádios, digo, arenas.
O festival CINEfoot segue no Rio até terça-feira, 28 de maio, no Espaço Itaú, no CCJF (Centro Cultural Justiça Federal), Ponto Cine (em Guadalupe) e no projeto Cinemão, em Manguinhos e na Cidade de Deus (confira aqui a programação carioca, dia a dia, sala por sala, sessão por sessão). Em 6 de junho, começa a seleção paulista do CINEfoot, no Museu do Futebol e no Espaço Itaú de Cinema da rua Augusta. Em Sampa, ai até dia 11 (confira aqui a programação de São Paulo). Durante a Copa das Confederações, rola um CINEfoot extraordinário em Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Fortaleza.

O “Mundial” de 1942 tem até cartaz oficial, no filme italiano

Tem longa-metragens como o hilário “documentário” [preste atenção nas aspas] A Copa Perdida/Il Mundial Dimenticato, curtas bacanas, trailers de novos filmes, concurso de vídeos sobre clubes objetos de paixão há 100 anos, até cópia restaurada de um clássico do cinema de futebol nacional: “Tostão, a Fera de Ouro” (que teve como trilha sonora o clássico samba “Aqui É o País do Futebol”, de Milton Nascimento e Fernando Brant). Tostão é outro dos homenageados nas noites de futebol no cinema, como os 60 anos de Zico, os centenários do clássico Botafogo x Flamengo, do título carioca de 1913 do América e de clubes como o Bonsucesso, os 80 anos do profissionalismo no futebol, os radialistas esportivos, o capitão Carlos Alberto Torres, o produtor Luiz Carlos Barreto…
Quanto custa a entrada? Nada! É de graça. Você só paga o refri, a pipoca e a camisa do seu time. Bola pro mato que é filme de campeonato. A Taça CINEfoot está em jogo para 13 filmes da Mostra Competitiva de Longa-Metragem (5 brasileiros e 8 internacionais). Participam da Mostra Competitiva de Curta-Metragem 20 filmes: 12 brasileiros e 8 internacionais. Confira os “convocados” dentro do post.
Continuar lendo “O 4º festival CINEfoot começa com o lema “Futebol é mais que um jogo”.”