“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

8 de novembro de 2018

A história do São Paulo virou filme: “Onde a Moeda Cai em Pé”. Estreia nesta quinta, 8 de novembro, na rede Cinemark. No roteiro, os grandes títulos (no futebol e em outros esportes), a construção do Morumbi, os anos de ‘vacas magras’, os ídolos, os torcedores famosos. Direção de Alexandre Boechat, André Plihal e Pedro Jorge. Produção: Canal Azul (que já fez uma série de documentários sobre feitos de outros grandes clubes paulistas), Tocha Filmes e ESPN.


O título é uma referência a uma expressão dos anos 40. O São Paulo só seria campeão paulista se a moeda caísse em pé. Não acreditaram no Leônidas, né?

De acordo com o site oficial do clube, “Onde a Moeda Cai em Pé” vai passar em 20 cinemas de 19 cidades, sempre às sete da noite. Torcedor, é bom ficar esperto e correr pra bilheteria logo se quiser ver o doc na tela do cinema. Confira as salas que exibem o filme na semana da estreia: Continuar lendo ““Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.”

Livro conta a história dos uniformes da Roma.

331790_279965148772925_1977594962_o
Maneríssimo o livro “La Maglia Che Ci Unisce”, que conta a história ilustrada dos uniformes da AS Roma, da fundação (em 1927) à temporada 2012-2013. Trabalho riquíssimo do historiador de arte Paolo Castellani, do arquiteto Massimiliano Ceco e  do gráfico e historiador de arte Riccardo de Conciliis, lançado na Itália pela Goal Book Edizioni. Encontrei o meu exemplar na visita à exposição Roma Ti Amo (confira post anterior), mas o livro também pode ser encontrado em boas livrarias italianas e na web. Três brasileiros estão no Hall of Fame romanista, retratado na capa de La Maglia Che Ci Unisce”: Aldair, Cafu e, claro, Paulo Roberto Falcão, o “Rei de Roma” nos anos 80.

Cada temporada desde 1927 ganha pelo menos uma página com ilustrações, fotos e detalhes dos uniformes. Os scudettos… as mudanças de distintivo e de patrocinadores… a tipologia dos números… E ainda tem o time-base de cada temporada. Veja três exemplos abaixo.

135344_280063365429770_2113768670_o
https://www.facebook.com/LaMagliaCheCiUnisce

Continuar lendo “Livro conta a história dos uniformes da Roma.”

Expo “Roma Ti Amo” conta a história #giallorossa.

Uniformes campeões do calcio na temporada 2000-2001
Uniformes campeões do calcio na temporada 2000-2001

 

wpid-img_20140508_202746_477Os 87 anos de história  visual da A.S. Roma estão numa mostra numa galeria no sul da capital da Itália: Pelanda Factory, no bairro de Testaccio, onde o clube foi fundado, em 1927. “Roma Ti Amo“, a exposição, fica aberta até 20 de julho. São seis salas com muitas camisas, a maioria com o nome do Totti. Mas também de outros ex-jogadores romanistas como esta do Carlo Ancelotti, hoje treinador do Real Madrid. wpid-img_20140508_202840_063
DSC04479
Tem uma galeria de camisas do Falcão, rei de Roma nos anos 80. Inclusive do Inter, da seleção e do São Paulo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Aliás, os brasileiros estão bem na mostra Roma Ti Amo. Falcão, Aldair e Cafu estão num hall of fame e neste pebolim gigante, num totó virtual de craques históricos contra o time atual.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

Uma das mudanças de identidade visual, no final dos anos 70.

Continuar lendo “Expo “Roma Ti Amo” conta a história #giallorossa.”

20 anos do Paulistão de 92 – o último estadual da galeria de títulos do mestre Telê.

Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92
Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92

O Paulistão de 92 foi decidido por tricolores e alviverdes. O São Paulo comandado por Telê Santana teve que passar pelo Palmeiras já patrocinado pela Parmalat para ser bicampeão paulista. No primeiro jogo, em 5 de dezembro, um espetáculo, comandado especialmente por Raí – fazendo jus ao refrão “Raí, Raí, o terror do Morumbi”, com 3 gols – e Cafu (“terror do Pacaembu” no grito de torcida), um gol e atuação decisiva. São Paulo 4×2 no  Palmeiras (que tinha Mazinho, César Sampaio, Zinho, Evair e um certo Cuca…). No intervalo de 2 semanas entre os dois jogos, o tricolor foi ao Japão e voltou com seu primeiro Mundial Interclubes, derrotando o Dream Team do Barça (aí são outros 500 posts…)
Em 20 de dezembro, com mais de 110 mil pessoas (110 mil!) no Morumbi, o campeão mundial confirmou o título estadual contra o alviverde. Müller abriu o placar, num belo gol. Toninho Cerezo ampliou. Quando o São Paulo já comemorava, debaixo de chuva, Zinho diminuiu. Tarde demais. Dois a um. São Paulo bicampeão paulista. Continuar lendo “20 anos do Paulistão de 92 – o último estadual da galeria de títulos do mestre Telê.”

“1992 – O Mundo em Três Cores”

Publicado originalmente em dezembro de 2012

Ao mestre, com carinho.

Poderia ser esse o título deste post: o livro de Raí com o jornalista André Plihal, “1992 – O Mundo em Três Cores” (Panda Books), sobre o primeiro dos três mundiais do tricolor paulista (o segundo viria quase exatamente um ano depois, em 12/12/93, já sem Raí -negociado com o PSG -contra o Milan).

Num texto leve e de qualidade muito acima da média dos lançamentos comemorativos, o eterno camisa 10 do Morumbi e o excelente repórter da ESPN contam os bastidores da conquista… os detalhes da relação fraternal Raí- mestre Telê Santana (que às vezes pegava no pé demais do Cafu, mas aliviava pro irmão do doutor)…. falam da importância de cada jogador (são destacados Zetti, Adílson, Ronaldão e Pintado) e enaltecem o trabalho em equipe, o clima de respeito e a união dentro do elenco que foi campeão de tudo.

Já havíamos combinado de dividir o prêmio entre toda a delegação. Gostaria apenas de ter ficar com a chave gigante. Acabei não ficando, não guardando, como não guardo nada desta vida. Pelo menos nada material, que fique entendido. O sorriso do Telê em Tóquio está muito bem guardado” – Raí, em “1992 – O Mundo em Três Cores”.

Sob a maestria de Telê, o capitão Raí marcou 87 dos seus 128 gols pelo São Paulo. O trio “RPM” (Raí, Palhinha, Müller) mais o Cafu eram considerados insubstituíveis pelo técnico.

Tem depoimentos de colegas de Raí e a ficha de todos os jogos do ano glorioso de 1992 pro torcedor tricolor. Uma grande sacada desse lançamento da Panda Books é um flipbook, que reproduz os dois gols de Raí no jogão disputado no estádio Nacional de Tóquio. 13/12/1992, o dia em que o Dream Team do Barça (com um “certo” Pep Guardiola no meio-campo), foi “atropelado por uma Ferrari“, nas palavras do seu técnico Johann Cruyff. Raí não tem 100% certeza que o holandês pronunciou a frase, mesmo. Nesse caso, imprima-se a lenda.

Continuar lendo ““1992 – O Mundo em Três Cores””

Pentacampeão!


Réplica do segundo uniforme da Seleção Brasileira pentacampeã do mundo em 2002, no Mundial disputado na Coreia e Japão. Foi “a” Copa de Ronaldo Fenômeno, Rivaldo Maravilha, ‘São’ Marcos, Luiz Felipe Scolari. A Copa de muitos erros de arbitragem e de acordar de madrugada para ver as transmissões ao vivo, do outro lado do mundo. Na final, há exatos 10 anos, o Brasil venceu a Alemanha por 2 a 0, dois gols do Fenômeno. Veja a seguir a ficha técnica da final e os 23 jogadores da “Família Scolari”. Continuar lendo “Pentacampeão!”

Libertadores, sua linda! 20 anos do primeiro título continental do São Paulo.

17/06/12: na camisa 10 de Jadson, a homenagem a Raí, o “capitão América” em 1992. FOTO Idário Café VIPCOMM

Morumbi, 17 de junho. O São Paulo entra em campo com Zetti, Cafu, Antônio Carlos, Ronaldão e Ivan; Adílson Pintado e Raí; Müller, Palhinha e Elivélton. Saudade desses tempos, não, torcedor são-paulino? No 17 de junho de 2012, o atual time do São Paulo  entrou em campo com camisas em homenagem aos campeões da Libertadores de 1992, a primeira das três que o tricolor do Morumbi guarda orgulhosamente no seu Memorial. O goleiro Denis lembrou Zetti, um dos heróis da conquista. O camisa 10, Jádson, representou Raí. Lucas, com a 7 de Müller, que Telê substituiu durante o jogo contra o Newell´s por Macedo. Quem sabe, os homenageados de 1992 – alguns deles estiveram no Morumbi, neste domingo – não inspiram  a classe de 2012?      

Em 17 de junho de 1992, Fernando Collor ainda era o presidente do Brasil, o Rio tinha acabado de sediar a conferência Eco-92, o Nirvana revolucionava o planeta do som com o #discão “Nevermind” e o hit “Smells Like Teen Spirit”… e a flâmula do São Paulo ainda era assim, como a da foto.  Sem estrelas vermelhas em cima do escudo, só as duas douradas, que se referem aos recordes mundiais de Adhemar Ferreira da Silva, atleta tricolor, no salto triplo. O São Paulo decidiu no Morumbi superlotado (105 mil pagantes) a Copa Libertadores de 1992 contra os argentinos do Newell´s Old Boys, time treinado por Marcelo El Loco Bielsa. No primeiro jogo da final, em Rosário, o Newell´s venceu por 1×0, gol de pênalti, duvidoso como o sofrido por Macedo e convertido por Raí na partida do Morumbi.

A decisão foi para a cobrança de pênaltis. Zetti viu Berizzo e Mendoza desperdiçarem suas cobranças (pelo São Paulo, Raí, Ivan e Cafu converteram; Ronaldão perdeu). Quinta e última cobrança do Newell´s: Gamboa, melhor jogador do time. O ex-goleiro do Palmeiras, reabilitado por Telê Santana e pelo expert Valdir Joaquim de Moraes no São Paulo, voou e fez uma defesa histórica, narrada assim pelo “pai da matéria” Osmar Santos. “Zetti! Zetti! Zetti” – gritou Galvão Bueno na rede OM, em noite de recorde de audiência. Zetti se levantou, ficou parado alguns segundos e… começou a maior festa! O São Paulo era enfim campeão da Copa Libertadores! Milhares de torcedores invadiram o gramado do Morumbi para comemorar a grande conquista – é uma cena que ainda impressiona, 20 anos depois! O último clube brasileiro a levantar a Libertadores tinha sido o Grêmio, em 1983. Podemos dizer que aquele São Paulo de Telê Santana de alguma forma recolocou o futebol brasileiro no caminho dos títulos – dois anos depois, a Seleção de Parreira liderada por Romário obteve o tetra, com vários jogadores desse São Paulo de Telê no elenco: Zetti, Cafu, Ronaldo – em 94 jogando no futebol japonês – Müller, Raí – desde o meio de 93 no PSG – e Leonardo – que chegou depois.

Camisa do São Paulo na era Telê, no camarote de Raí no Morumbi, em foto de 2012.

Raí, o capitão e o eterno camisa 10 do São Paulo, ergueu a copa. Palhinha foi o artilheiro, com 7 gols. Mas o caminho do então campeão paulista e brasileiro rumo ao que aquela altura representava o maior título da história do tricolor foi acidetado, com o suor, a garra, o sofrimento e emoção que uma Libertadores exige. Veja a campanha do campeão: Continuar lendo “Libertadores, sua linda! 20 anos do primeiro título continental do São Paulo.”