Tostão especial no @CasualF00tball #22.

Tostão especial no @CasualF00tball #22.

Ele foi um dos maiores… numa das maiores seleções de todos os tempos. Brilhou com a camisa celeste 5 estrelas (e também com a branca) do Cruzeiro. Não teve muito tempo no Vasco. Teve que parar. Estudou medicina. Virou doutor. Doutor Eduardo. Voltou ao futebol, como comentarista de TV e depois colunista, parada obrigatória para os olhos. Tostão é o tema do novo programa Casual Football, apresentado pelos parceiros Pedro Tattoo e Clayton Fagundes. Direção de Tattoo e Felipe Duarte. Pauta: Júlio César. Clique abaixo para ver.


Continuar lendo “Tostão especial no @CasualF00tball #22.”

“Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.

Era uma vez um futebol que tinha Pelé, Garrincha, Tostão, Gerson, Jairzinho, Carlos Alberto Torres, Félix, Coutinho etc etc etc.
E ainda era filmado (e editado) com uma classe…
As câmeras do Canal 100 são o tema de um livro de arte – de futebol-arte. “Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática” (Dois Um Produções), organizado por Carla Niemeyer (filha de Carlos Niemeyer, criador da produtora) e Cláudia Pinheiro, tem umas 300 imagens de clássicos do futebol brasileiro, que levavam ao deleite o torcedor brasileiro que ia ao cinema entre as décadas de 60 e 80. E mais recentemente, em algumas sessões de festivais como o CINEfoot.

10452813_696792713716926_2180656043747382671_o (1)
https://www.facebook.com/pages/DOIS-UM-Produções/

Este livraço, que saiu durante a Copa, custa 45 reais e inclui um DVD, com uns 40 minutos de gols do Canal 100. Olha só o que tem neste extra:

  • Fla-Flu de 1960, onde os rubro-negros quebraram a invencibilidade dos tricolores (de uniforme branco) no campeonato carioca, que seria o último conquistado pelo América.
  • Depois de uma reportagem do Canal 100 sobre o ‘Carnaval quatrocentão’, o DVD tem outro Fla-Flu, em Maracanã lotado. O que decidiu o título carioca de 1969. Tempos em que os uniformes clássicos (Fla de rubro-negro e Flu novamente de branco) não tinham marcas de patrocinadores. E que o goleiro também era chamado de “keeper”. Félix era o “keeper” do Flu. Rodriguez, o do Fla, dá um pique “a 100 km por hora” para reclamar do segundo gol tricolor. No final, o Flu ganhou por 3×2 e deu a volta olímpica. O técnico? Um mestre Telê Santana começando sua gloriosa carreira de treinador.
  • Depois do cinejornal sobre a visita da musa Claudia Cardinale ao Rio, para filmar “Uma Rosa para Todos” (no papel de uma mulata!), tem o clássico Botafogo x Santos no Torneio Rio São Paulo de 1964, já no começo de 1965. Do lado do glorioso, tinha Manga, Gerson, Jairznho, Garrincha… Do lado do alvinegro praiano, Gylmar, Pelé, Coutinho… E o Canal 100 ainda usava a versão instrumental de “Na Cadência do Samba”, a melô do “Que Bonito É”… Covardia…
  • A seguir, uma reportagem sobre o surf, “a nova moda das praias cariocas”, e outra toda sobre a estreia da Seleção Brasileira na Copa de 1966, contra a Bulgária, no estádio do Everton, Goodison Park. Pelé e Garrincha (com a 16), garantiram a vitória, ambos em belíssimas cobranças de falta. Pelé vibrou muito com o gol de Mané – foi o último do anjo das pernas tortas com a amarelinha.
  • Tem também um curta sobre o GP do Brasil de F1, num autódromo de Interlagos ensolarado e tomado por “150 mil pessoas” em 1973. O então campeão mundial Emerson Fittipaldi venceu de ponta a ponta, com a Lotus 72 D, aquela flecha negra, o carro mais bonito da história da Fórmula 1. Mas o segundo no pódio em Interlagos, Jackie Stewart, se recuperaria e adiaria o bi de Fittipaldi.
  • O último filme do DVD é a reportagem sobre o clássico Brasil 1×0 Inglaterra, na Copa de 1970, no México. O jogo da extraordinária defesa de Gordon Banks na cabeçada do Rei Pelé. E da jogadaça de Tostão no gol decisivo, de Jairzinho, o ‘furacão da Copa’.

O livro virou exposição em 2015. “Canal 100, uma câmera lúdica, dramática e explosiva” fica até 29 de março no Galpão das Artes – Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio. Continuar lendo ““Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.”

E a Taça CINEfoot vai para…

Terminou na terça-feira a seleção carioca do festival CINEfoot. O diretor do documentário “Memórias do Chumbo – O Futebol nos Tempos do Condor” levantou a Taça CINEfoot – categoria longa. No post anterior, informações sobre o doc premiado.
Tostão. Pelé. Jairzinho. O curta “Três no Tri” levou a Taça CINEfoot entre os curtas.

A foto de Orlando Abrunhosa, no Flickr do CINEfoot: http://www.flickr.com/photos/cinefoot
A foto de Orlando Abrunhosa, no Flickr do CINEfoot: http://www.flickr.com/photos/cinefoot

O documentário de Eduardo Souza Lima fala desta foto clássica de Orlando Abrunhosa, publicada e republicada pelo mundo. Pelé dá seu soco no ar, sob o olhar de Tostão e Jair, na virada do Brasil sobre a Tchecoslováquia, na estreia do escrete que seria o do tri na Copa do México 70. Tente ver aqui.

O Prêmio Porta Curtas foi para “Santos Para Sempre na Pele” (veja post anterior).  O curta espanhol “Barbeiro Futebolista (Peluquero Futbolero)” ficou com o Prêmio Premiere FC. Ainda teve o Concurso CINEfoot 100 Anos de Paixão. O minidoc sobre o Bonsucesso, “O Diamante da Leopoldina” (leia post anterior)”.  No dia 6, o CINEfoot abre as cortinas em São Paulo. Entrada: grátis. Continuar lendo “E a Taça CINEfoot vai para…”

Milton Nascimento, 70 anos

Fut Pop Clube em rede com a Coluna de Música

Embora não seja fanático por futebol, Milton Nascimento é torcedor do Cruzeiro. O  Fut Pop Clube e a Coluna de Música aproveitam o aniversário do “Bituca” para lembrar de um dos golaços da seleção brasileira de música: “Aqui é o País do Futebol”, tabelinha Milton / Fernando Brant, regravada por um monte de gente boa, brilhou na trilha sonora do filme “Tostão, A Fera de Ouro”. Quatro canções feitas para o documentário foram lançadas em compacto duplo de vinil na  época (1970). E entraram como bonus tracks nas edições mais recentes do disco “Milton”, também de 1970, inclusive na que está nas bancas agora, na série da Abril Coleções. Vale a pena ouvir de novo! Continuar lendo “Milton Nascimento, 70 anos”

Que bonito é…


A terceira edição do CINEfoot terminou em São Paulo com uma sessão em homenagem ao Canal 100, à conquista da Jules Rimet e ao bi mundial do Santos em 1962 e 63 e a premiação aos vencedores do festival (mantendo o mistério neste começo do post, um filme sobre o Bahia, um sobre a democracia corintiana e outro sobre um pequeno time da Catalunha).

A primeira atração foi um curta do clássico acervo do Canal 100 sobre o Santos bicampeão do mundo, com as imagens dos jogões contra o Benfica em 1962, da final da Libertadores de 1963, contra o Boca, em plena Bombonera (os boquenses já comemoravam com avalanche, atrás do gol), e das duas partidas realizadas no Maracanã, contra o Milan em 1963 (o Santos perdeu em Milão, venceu a partida de volta no Maracanã -sem Pelé-e também o jogo-desempate, 48 horas depois). Sempre bom ver e rever os gols geniais de Pelé, em jogadas cheias de força, arte e raça (como ele vibrava, com cada gol, pulando e dando o soco no ar), e todo o timaço do Santos. E dá-lhe “Que Bonito É (Na Cadência do Samba)”.  O segundo filme da noite também foi uma produção do Canal 100, o longa “Brasil Bom de Bola”, que conta a história do futebol tricampeão em 70. Continuar lendo “Que bonito é…”

Messi x Altafini “Mazzola”. E o livro “Os 11 Maiores Centroavantes do Futebol Brasileiro”.

Aprendi no livro “Os 11 Maiores Centroavantes do Futebol Brasileiro” – de Milton Leite (locutor do canal campeão), editora Contexto – que o brasileiro Altafini, “o nosso Mazzola”, é o maior artilheiro, recordista de gols, numa só edição da Copa dos Campeões, a atual Champions League. José João Altafini – o Mazzola camisa 18 do Brasil na conquista da Copa do Mundo de 1958 – mudou para o “calcio”, se naturalizou italiano, jogou a Copa de 1962 pela Azzurra… Pois bem. Altafini (como é conhecido na Itália) marcou 14 gols na Copa dos Clubes Campeões da Europa 1962/63. Justamente pelo Milan, contra quem Lionel Messi igualou hoje o recorde. Só Altafini e Messi marcaram 14 gols numa só Copa/Liga dos Campeões.

Bom, José Altafini (no Brasil chamado Mazzola pela semelhança com um craque italiano dos anos 40, Valentino Mazzola) é um dos 11 centroavantes selecionados pelo livro de Milton Leite, Continuar lendo “Messi x Altafini “Mazzola”. E o livro “Os 11 Maiores Centroavantes do Futebol Brasileiro”.”

De Palestra Itália a Cruzeiro

http://www.cruzeiro.com.br/

“91 anos de páginas heroicas imortais”, comemorou o site oficial da Raposa, que neste 2 de janeiro de 2012 publicou a evolução dos distintivos do clube celeste, fundado como Societá Sportiva Palestra Itália. Que virou Sociedade Sportiva Palestra Itália, depois Palestra Mineiro, Ypiranga por uma partida e, finalmente Cruzeiro Esporte Clube – campeão da Taça Brasil de 1966 (hoje equiparada ao Brasileirão),cruzeiro campeão da Libertadores em 1976 e em 1997, bicampeão da Supercopa dos Campeões da Libertadores da América em 1991/92, campeão de tudo que disputou de importante em 2003 (Mineiro, Copa do Brasil e Brasileiro – a tríplice coroa do atual escudo), vencedor da Copa do Brasil também em 1993, 1996 e 2000. Sem falar no bi da Sul-Minas (2001/02) e em 36 títulos mineiros.
Alguns dos responsáveis por tantas taças estão no livro que o jornalista Cláudio Arreguy lançou em maio/2010: “Os Dez Mais do Cruzeiro”, o oitavo da coleção Ídolos Imortais, da Maquinária Editora.

Arreguy escreveu os perfis dos 10 craques azuis escolhidos por um júri de especialistas em Cruzeiro.

Os eleitos: os atacantes Niginho, Tostão, o meia Dirceu Lopes, o meio-campo Piazza, o goleiro Raul, o atacante Natal, o lateral direito Nelinho, de famosa bomba no pé, o ponta-esquerda Joãozinho, o ala Sorín e o meia Alex. Continuar lendo “De Palestra Itália a Cruzeiro”

“Gigantes do Futebol Brasileiro”

Um perfil de Ronaldo Fenômeno é um dos “extras” da nova edição de Gigantes do Futebol Brasileiro (editora Civilização Brasileira). Editado pela primeira vez em 1965 com perfis de 13 craques (Friedenreich, Fausto, Domingos da Guia, Leônidas, Tim, Romeu, Zizinho, Heleno de Freitas, Danilo, Nilton Santos, Gérson, Garrincha e Pelé), o livro ganhou agora textos sobre duas ausências da “convocação” de 65: Didi e Ademir Marques de Menezes, mais o citado R9, Romário, Zico, Falcão, Tostão e Rivellino. A essa lista de craques, adiciono os nomes dos dois autores dos ótimos textos: João Máximo e Marcos de Castro. Vale a leitura. Mesmo.

Taça Brasil de 1966

Site Oficial do Cruzeiro

Em 7/12/11, o torcedor do Cruzeiro lembrou dos 45 anos da conquista da Taça Brasil de 1966. Nas finais, foram 2 jogaços: 6×2 para a Raposa no Mineirão e nova vitória cruzeirense no Pacaembu, em 7 de dezembro de 1966: 3×2. Pelé e Toninho Guerreiro abriram 2×0. Mas o Cruzeiro virou com Tostão, Dirceu Lopes e Natal. A CAMPANHA DO CAMPEÃO: Continuar lendo “Taça Brasil de 1966”

Robertão/Taça de Prata

Roberto Gomes Pedrosa. Nome de goleiro da Seleção, do Botafogo e do São Paulo. Nome de presidente da Federação Paulista. Nome da praça em frente ao estádio do Morumbi. Nome do torneio Rio-São Paulo a partir de 1955. Em 1967, o Torneio Roberto Gomes Pedrosa cresceu, ganhou participação de clubes gaúchos, paranaenses e mineiros. Virou Robertão. Baianos e pernambucanos estrearam em  1968 (algumas fontes dizem que a partir desse ano o Robertão passou a ser chamado de Taça de Prata; outras dizem que esse nome surgiu em 1970). Confira os campeões das 4 edições do Robertão (P.S.: considerados campeões brasileiros pela CBF em 22/11/2010).

  • Robertão 1967 Palmeiras campeão. Vice: Internacional. Artilheiros:  Ademar Pantera (Flamengo) e César Maluco (Palmeiras), 15 gols. Participantes: 15 times: os 12 grandalhões do eixo Rio-SP-MG-RS, mais Portuguesa, Bangu e Ferroviário-PR (que depois de algumas fusões daria origem ao Paraná Clube). O site Bola na Área tem a tabela completa.
  • Robertão 1968Santos campeão. Vice: Internacional. Artilheiro: Toninho Guerreiro, 18 gols. Participantes: 17. Atlético Paranaense substitui o Ferroviário. Estreiam Bahia e Náutico. Tabela no site Bola na Área. A taça está lá no Memorial das Conquistas do Santos (confira post anterior).
  • Robertão 1969Palmeiras campeão. Vice: Cruzeiro. Artilheiro: Edu Antunes Coimbra, do América-RJ, irmão de Zico, 14 gols.  Participantes: 17. Ameriquinha entra no lugar do Bangu. Campeões estaduais,  Coritiba e Santa Cruz substituem Atlético-PR e Náutico. Tabela aqui.
  • Robertão/Taça de Prata 1970Fluminense campeão. Vice: Palmeiras. Artilheiro: Tostão, do Cruzeiro, 12 gols. Participantes: 17. Ponte Preta na 5ª vaga paulista. Atlético Paranaense volta a representar seu estado. Santa Cruz permanece. Tabela aqui. A campanha vitoriosa do Flu é tema do novo livro de Roberto Sander, Taça de Prata de 1970.

Fontes: Continuar lendo “Robertão/Taça de Prata”