Maradona – A Mão de Deus

O Sportv reprisou o filme que conta a história do Diez que é Dios para os argentinos. Maradona – A Mão de Deus estreou na programação do canal em outubro, quando foram lembrados os 50 anos de Diego. Marco Leonardi interpreta o craque adulto, que começa a pirar de vez em Barceloca, ou melhor, Barcelona. Mas ainda bem que as cenas de Maradona brilhando pelo Boca, Barça, Napoli e seleção albiceleste são as de arquivo, mesmo. É uma cinebiografia honesta, com muitos flashbacks, de fácil entendimento, sem maiores ousadias de linguagem. Bonitinha a cena em que o jovem Maradona se declara a Cláudia Villafañe, usando a letra de “Proposta” em espanhol, com a voz do rei Roberto Carlos ao fundo. Continuar lendo “Maradona – A Mão de Deus”

# Maradona 50

amando a maradona No supersábado de futebol no Brasil, Espanha, Inglaterra… dobradinhas de Cristiano Ronaldo, Messi, Villa, gol e assistência de Loco Abreu, parabéns para um nota 10 nos gramados. Diego Armando Maradona. Coletei dicas de filmes, músicas e livros sobre o segundo maior jogador dos últimos tempos. Continuar lendo “# Maradona 50”

Carlos Drummond de Andrade, “Quando É Dia de Futebol”

Atualizado em 24 de fevereiro de 2014

“O difícil, o extraordinário, não é fazer mil gols, como Pelé. É fazer um gol como Pelé”.

Carlos Drummond de Andrade, em “Pelé 1.000”, Jornal do Brasil, 28/10/1969

http://www.companhiadasletras.com.br/
companhiadasletras.com.br/

Craques nascidos em outubro  – Garrincha, Pelé e Maradona – são personagens do livro Quando É Dia de Futebol , que reúne poemas, crônicas e até cartas em que o poeta mineiro fala do “esporte bretão” – e agora é relançado pela Companhia das Letras, depois de um tempo fora de catálogo. O livro foi organizado por netos de CDA, Luis Mauricio e Pedro Augusto Graña Drummond. Eles vasculharam os arquivos do avô e bibliotecas para compilar os textos, que revelam um poeta bastante inteirado sobre o dia a dia do futebol. Drummond também era um torcedor apaixonado.
Escolheu o Vasco, porque foi o primeiro grande clube carioca a contratar jogadores negros.  Há textos sobre as Copas de 54, 58, 62, 66 (publicadas no Correio da Manhã). 70, 74, 78, 82 e 86 (publicadas no Jornal do Brasil). Garrincha e Pelé ganham capítulos especiais.  Continuar lendo “Carlos Drummond de Andrade, “Quando É Dia de Futebol””

Amando e odiando Maradona

Não, não dá para ficar indiferente à Maradona, El Diego de La Gente como diz o título de sua autobiografia, cuja capinha ilustra o post. O cara está sempre no fio da navalha. Gosta de viver perigosamente. Quando mergulhou nas drogas, quando pulava alucinadamente quase pra fora do camarote na Bombonera, quando escalou uma Argentina super ofensiva e se descuidou da defesa no Mundial 2010. Deu no que deu. Por mais amado pelo povo que seja, Maradona caiu do comando da albiceleste esta semana. Lembro de pelo menos mais um livro sobre Don Diego: Hand of God – The Life of Diego Maradona, Soccer’s Fallen Star, do Jimmy Burns (que também fez um livro sobre o Barcelona, “A Paixão de um Povo”). Dá para ler um trechinho aqui.

Quem pode garantir que o Brasil ganharia mesmo o tetra na Copa de 94 SE Maradona não tivesse sido pego no exame antidoping?

Para nós, jornalistas e blogueiros, Maradona é um excelente personagem. Músicas sobre Diego? Inúmeras! Só Manu Chao gravou duas. Santa Maradona, ainda com a banda Mano Negra. E a linda La Vida Tombola, CD La Radiolina. O curioso site não-oficial Maradona10.com tem uma lista (parcial) de músicas, como a emocionante La Mano de Dios, do cantor Rodrigo (Potro Rodrigo), amigo de Don Diego. “Maradoo, Maradoo… Olé, olé, olé olé, Diego, Diego…”

Filmes? Pelo menos dois, exibidos em recentes mostras de cinema. Maradona de Kusturica, documentário totalmente pessoal, como se fosse um fanzine, um blog, do diretor sérvio Emir Kusturica. Foi lançado recentemente em DVD pela Europa Filmes e pode ser alugado em locadoras. Em 2006, vi na Mostra o extremo Amando a Maradona (cartaz abaixo), com direito a esquisitices como a Igreja Maradoniana, casamentos no estádio … Não basta tatuar a fé…

amando a maradona
Mas bem que esse personagem de predileção dos jornalistas poderia voltar a acertar uns golaços, para o bem dele… e do futebol.

Ah, sim, Diego poderia parar com a ladainha Maradona x Pelé, quem foi melhor… É claro que foi Leônidas da Silva… Hahaha! Brincadeira, tá, pessoal?

Eduardo Galeano: “Futebol ao Sol e à Sombra”

Publicado em 5 de julho de 2010

Gostaria de indicar um livro que é (literalmente) um barato. “Futebol ao Sol e à Sombra” (coleção pocket da L&PM Editores), do escritor uruguaio Eduardo Galeano, um apaixonado por futebol. Durante o Mundial 2010, li no caderno ‘Copa 2010’ do Estadão que Diego Maradona incluiu obras de Galeano, autor de “As Veias Abertas da América Latina“, na bagagem da seleção argentina. Então, o repórter Jamil Chade bateu um fio para o autor também de “Futebol ao Sol e à Sombra” – disponível em edição de bolso. Modestamente, Galeano disse ao jornalista do Estadão que “o melhor livro de futebol é o que os jogadores escrevem com os pés”.
Gol de letra!

Pelo sim, pelo não, dá para ler um trechinho de “Futebol ao Sol e à Sombra”, livro do uruguaio no site da L&PM. Continuar lendo “Eduardo Galeano: “Futebol ao Sol e à Sombra””

Rolê pelo Museu do Barça e Camp Nou

Atualizado em fevereiro de 2012

Verso de flâmula comemorativa dos 50 anos do Camp Nou, em 2007
Bilheteria na temporada 2009/2010

Aproveito o aniversário do FC Barcelona (112 anos em 2011) para um post sugerido por Domingos D´Angelo, amigo do blog, sobre o estádio Camp Nou. Campo novo, em catalão.
O estádio – desenhado pelos arquitetos Francesc Mitjans Miró e Josep Soteras Mauri, com colaboração de Lorenzo García – para substituir o velho campo de Les Corts, erguido em 1922 e sucessivamente ampliado, mas que ficou pequeno na era Kubala. O novo campo começou a ser construído em 1954 e ficou pronto em 1957. Foi inaugurado em 24 de setembro de 1957, num amistoso entre o Barça e uma seleção de jogadores de Varsóvia. Os donos da casa ganharam por 4 a 2 e o brasileiro Evaristo de Macedo fez um dos gols. A arena era oficialmente chamada de Estadi del FC Barcelona até a temporada 2000/2001 – quando, enfim, o nome mais querido pela torcida foi oficializado. É Camp Nou e pronto, ponto.
A capacidade atual do estádio é de 99.354 pessoas, segundo a página sobre o Camp Nou no site do Barça. Do total de sócios (mais de 173.000), mais de 86 mil são “abonados”, ou seja, contam com carnê para toda a temporada. Comprar ingresso para jogos decisivos não é nada fácil!
O Camp Nou recebeu a abertura da Copa do Mundo de 1982 (veja post sobre o Mundial), a final do futebol nos Jogos Olímpicos de 1992, as finais da Copa?liga dos Campeões da Europa em 89 e 99, da Recopa 72 e 82, Copa de Feiras de 64 e das Copas do Rei de 1963, 70 e 2010 (deu Sevilla). Dentro do post, republico o Rolê do Fut Pop Clube pelo Camp Nou e Museu do Barça, que está dentro do maior estádio europeu. Continuar lendo “Rolê pelo Museu do Barça e Camp Nou”

A Era Telê Santana

Neste 21 de abril (data das mortes de Tiradentes e Tancredo Neves), faz quatro anos que perdemos o mestre Telê Santana, o Fio de Esperança, ídolo das torcidas do Fluminense, Atlético Mineiro, São Paulo, entre outras, e de todo mundo que se encantou pela seleção brasileira da Copa de 82. Coincidência ou não, na sexta-feira, chega às bancas o 3º DVD da Coleção Copa do Mundo Fifa, da Abril. Exatamente o filme sobre o Mundial da Espanha, com sua, nossa, tragédia do Sarriá. Neste link aqui, dá pra ver trailer e folhear o dossiê em formatinho feito pela revista Placar.
A Era Telê na seleção (1982-1986)  é o tema de mais um papo da série Brasil nas Copas, tabelinha MemoFut-Museu do Futebol. Neste sábado, 24 de abril, o jornalista André Fontenelle, coautor do livro Todos os Jogos do Brasil, baterá bola com o advogado Marcelo Unti – membro do MemoFut e colecionador de futebol de botão e de escudos. Começa às 10 h deste sábado no Museu do Futebol. É bom chegar meia horinha antes para garantir lugar. O tema A Era Telê deve ser um dos mais concorridos. De tarde, o Museu faz sessões de vídeos sobre os mundiais.
Quem admira os times de Telê deve saber que está pronto um documentário sobre o mestre – subtítulo “Meio Século de Futebol-Arte“. As diretoras Ana Carla Portella e Danielle Rosa afinam  detalhes para a chegada do DVD às lojas. Continuar lendo “A Era Telê Santana”

Clássico imaginário:Brasil´94 x Argentina´86

Nesta terça-feira, os jornalistas Milton Leite e Mauro Beting lançam livros sobre as melhores seleções de todos os tempos. Milton Leite pesquisou os escretes brasileiros. Mauro Beting estudou as seleções gringas. Os dois livros, da editora Contexto, terão noite de autógrafos a partir das 18h30, na Saraiva do Eldorado, em SP. Vamos a mais um desafio virtual, entre uma seleção do novo livro de Beting e outra, do volume de Milton Leite. Quem ganharia? O Brasil tetra de 94 ou a Argentina bi de 1986? Os dois experts imaginam…

Milton Leite: Argentina 2×1 Brasil
“Romário e Maradona no auge.

Os dois carregaram seleções que nem eram tão brilhantes. Acho que daria Argentina, 2 a 1.”
Mauro Beting: 0x0 e Brasil vence nos pênaltis
“0 x 0 no tempo normal, com ligeiro predomínio brasileiro, 0 x 0 na prorrogação, com a Argentina mandando bola na trave com Valdano, e um jogo muito amarrado e chato. Nos pênaltis, Romário e Dunga perderam seus chutes. Valdano, Burruchaga e Maradona também. 3 x 2 Brasil. Taffarel catou os três. O gol do título foi de Bebeto. Duas equipes muito boas taticamente, mas que poderiam ser melhores. Maradona fez uma boa partida,mas abaixo do muito que sabia.”

Baionarena

Não, não é nome de alguma cara e moderna arena erguida para alguns dias de grande competição esportiva. Mas o da praça de touros de Bayonne, na região basca da França, onde foi gravado o recente disco ao vivo de Manu Chao. Uma tentação para quem gosta do som do cantor e sua banda Radio Bemba e não teve a a oportunidade de ver uma das duas pernas da Tombola Tour no Brasil em 2009. Baionarena quase repete numa embalagem com 2 CDs e um DVD a maratona aeróbica que é um concerto de Manu Chao e Radio Bemba. Mais de duas horas e quinze minutos de show, tanto no CD duplo, como no DVD. E o DVD ainda tem bônus: fotos, um documentário estradeiro de meia hora chamado “Diário de Ruta”, com trechos de canções em diferentes cidades e, o melhor… Continuar lendo “Baionarena”