“Panenka”: o futebol que se lê. Em castelhano.

http://www.panenka.org/
http://www.panenka.org/

Muito boa a capa da edição para a Copa do Mundo da ótima revista Panenka“, editada em Barcelona. Sobre o título “futebol e progresso” (inspirado no “ordem e progresso” da nossa bandeira), o  atleta representado na taça saca um megafone para protestar.”O futebol que se lê” diz o slogan da revista. Que de fato tem muita coisa pra ler. São bem abrangentes os dossiês que “Panenka” publica sobre clubes, campeonatos, temas, dominando boa parte das páginas da revista.
Dá pra ler a edição aqui, em castelhano. Continuar lendo ““Panenka”: o futebol que se lê. Em castelhano.”

Loureeeiro Neeeto!

Manoel Fernandes Loureiro, o Loureiro Neto, o português mais brasileiro do rádio (DIVULGAÇÃO Rádio Globo)
Manoel Fernandes Loureiro, Loureiro Neto, o português mais carioca do rádio (FOTO: DIVULGAÇÃO Rádio Globo)

Duas grandes perdas nesta quarta-feira.
Na música espanhola e mundial, Paco de Lucia (mais na Coluna).
No rádio brasileiro, o comunicador Loureiro Neto. Português de Palmeira, Manoel Fernandes Loureiro – nome de batismo – chegou com 5 anos ao Brasil. Trabalhou no programa “Resenha Esportiva” da TV Rio, foi repórter da Rádio Vera Cruz, do grupo Bloch. No Sistema Globo de Rádio, estreou no programa “Globo Esportivo”.

No  final dos anos 70, Loureiro Neto – nome artístico – fez parte de uma formação histórica do rádio esportivo brasileiro (até porque a rádio Globo do Rio era e é ouvida em todo o país): ao lado dos dos clássicos locutores Jorge Cury (um dos favoritos do blogueiro), Waldir Amaral (“bololô na área”), João Saldanha (“o comentarista que o Brasil inteiro consagrou”) e o ex-juiz Mario Vianna (“com dois “Ns”). Os repórteres de campo eram Kléber Leite e Loureiro Neto.

rádio globo
Anúncio publicado em 1978

Que equipe! Uma seleção! Uma espécie de Real Madrid do rádio esportivo brasileiro.

Kléber Leite depois virou empresário e foi presidente do Flamengo. Como bom português radicado no Rio, Loureiro era Vasco. Continuar lendo “Loureeeiro Neeeto!”

Na rede

Boa nova no blogosfera. O Futebol de Campo, do coleguinha Fábio Soares, voltou ao ar com visual novo e muito maneiro, facilitando a leitura e destacando vários posts bacanas das três seções fixas: “Na Torcida”, “Fora de Jogo” e “Futebol Arte”. Fiquei conhecendo muitas coisas legais lá no Futebol de Campoque faz um trabalho único de acompanhamento da parte mais alegre e apaixonada das torcidas. De tudo quanto é time.
O Fábio tem um faro para descobrir personagens nas arquibancadas de estádios de todos os portes. Tem cada figura… Como o sessentão argentino de “dreads” que torce pro Santos desde … a Libertadores de 1963. Confira aqui.  Continuar lendo “Na rede”

“Mediapunta”

portada_159_J27
Mediapunta.es/

Gostaria de aproveitar que liga espanhola 2012/13 vai chegando ao final -a questão parece ser quando e onde o Barça vai soltar o grito de campeão- para dar uma daquelas dicas do Fut Pop Clube para quem gosta do futebol espanhol (que acreditem, não se resume mesmo a Barça e Real. Tem muita história e paixão em estádios como San Mamés, Mestalla, Vicente Calderón, Sánchez Pizjuán, Cornellà-El Prat e tantos outros). Bom, depois do nariz de cera danado, lá vai. Toda rodada da liga das estrelas, a revista Mediapunta é distribuída na porta de dez desses estádios. Esta capinha é da revista da 27ª rodada, que destacava:

  • uma entrevista com Fernando Vázquez, técnico que comandou a reação do Deportivo La Coruña na fuga do rebaixamento
  • perfil do zagueiro brasileiro Miranda (ex-São Paulo), hoje no Atlético de Madrid – um “box” lembra outros brasileiros do Atleti, de Vavá a Filipe Luís, passando por Luís Pereira e Leivinha.
  • foi nesta edição 159 da Mediapunta que fiquei sabendo do livro do colobiano Wilmar Cabrera, “Los Fantasmas de Sarrià Visten de Chandal” – tema do próximo post.

Quer ler? É só baixar essa edição aqui. Outras edições anteriores neste link. A última aqui. E agora a home page da Mediapunta. Continuar lendo ““Mediapunta””

João Sem Medo

Saiu em vídeo o excelente documentário “João Saldanha”, de André Iki Siqueira e Beto Macedo sobre “o comentarista que o Brasil inteiro consagrou”. Na revisão, chamaram minha atenção alguns depoimentos sobre a participações de Saldanha no rádio. José Carlos Araújo conta que João costumava escolher um ou outro “geraldino” na (hoje extinta) geral do Maracanã, para fazer seu comentário no rádio, como que batendo um papo imaginário com os torcedores.
Outro jornalista, Pedro Costa, conta que tinha técnico que fazia substituição com base nos comentários de Saldanha. O DVD tem o selo Coleção Canal Brasil.

Continuar lendo “João Sem Medo”

Gol de placa

Maracanã, 5 de março de 1961, 40 minutos do primeiro tempo. O Santos já vencia o Fluminense por 1×0, pelo Torneio Rio-São Paulo. Dalmo passou para Pelé, que percorreu o campo quase todo, invadiu a área adversária, driblou um, driblou dois, passou pelo goleiro e tirou do goleiraço Castilho. Gol de placa. De volta à redação do jornal “O Esporte”, onde trabalhava, o jornalista Joelmir Beting sugeriu que o periódico fizesse uma placa de bronze para que o feito de Pelé no Maracanã fosse lembrado pra sempre. “Neste campo, no dia 05/03/1961, Pelé marcou o tento mais bonito na história do Maracanã”.

“Nunca fiz um gol de placa, mas fiz a placa do gol” – Joelmir Beting.

A história da expressão gol de placa e da placa do gol está no site da Fifa – e não só em Português. Continuar lendo “Gol de placa”