A Velha Senhora com ginga brasileira

prima Poderia falar sobre o empate sem gols e graça no esperado choque-rei (mais um 0x0 chato na história do clássico São Paulo x Palmeiras). Poderia falar do chocolate colorado sobre o Goiás no Beira-Rio (se o Inter vencer o Galo, fica com o título simbólico do turno e se aproxima do Palmeiras na classificação geral). Mas desde ontem quero escrever sobre os golaços brasileiros na vitória da Juventus de Turim sobre a Roma, 3 a 1, e na capital! Dois de Diego e um de Felipe Melo. E que golão em especial foi o segundo de Diego.  Toda a jogada, que começou com bola enfiada da defesa. O toque de Iaquinta. E que pintura o drible de corpo do ex-jogador do Santos e Werder Bremen em cima de Mexes, defensor da Roma. A autação entusiasmou editores da capa do jornal esportivo de Turim, Tuttosport. Os caras são bons de manchete: “Maradiego“, compara a prima página desta segunda. Diego fará tudo pela camisa alvinegra da Juve (como a do Santos, que o revelou para o mundo, em 2002) – e para descolar uma vaguinha entre os 23 de Dunga para África do Sul.

Choque-rei: Muricy x São Paulo

Será que o Muricy vai ser tetra? E levar o Palmeiras ao penta? Será que o São Paulo será campeão pela 4ª vez seguida? Ou será que os vizinhos de centros de treinamento na Barra Funda vão morrer abraçados e abrir espaço para outra via? Como os clubes gaúchos, Goiás ou o 4º título do Corinthians no ano?
Acho que o campeonato não termina neste domingo, embora uma vitória alviverde fora de casa signifique uma grande vantagem ao líder do Brasileirão, que repatriou Vágner Love e não deve ceder ninguém pro exterior.

Espero que os confrontos fiquem dentro do campo de jogo. Torcedor, ganhando ou perdendo, os jogadores seguem recebendo salários, treinando, jogando, mudando de clubes. Não destrua a sua vida ou a dos outros. Nada de Mancha contra Independente.

Tudo de Marcos x Rogério Ceni… Washington x Obina… Ricardo Gomes x Muricy Ramalho, que pela primeira vez dirige o Palmeiras  contra o clube em que foi tricampeão como treinador e comandou durante 360 partidas – sem falar nos 177 jogos em que vestiu a camisa tricolor nos anos 70.

Fica como raridade o adesivo do projeto Sócio-Torcedor do São Paulo, distribuído até poucos meses atrás, com um dos bordões de Muricy: “Isso aqui é trabalho, meu filho”. Clique para ver.

Continuar lendo “Choque-rei: Muricy x São Paulo”

Supercampeão

Barcelona banderín 2007Campeão espanhol, da Copa do Rei (equivalente à Copa do Brasil na Espanha), da Champions League, supercampeão espanhol semana passada e agora supercampeão europeu. O Shaktar Donestk aguentou (e bem) até o segundo tempo da prorrogação. Mas com um gol de Pedro Rodríguez o Barça leva mais um troféu para o Camp Nou. Vai pegar fogo a Liga Espanhola, que começa no fim de semana. No papel, o Real com Casillas, Sérgio Ramos, Pepe, Albiol, Marcelo, Diarra, Xabi Alonso, Kaká, Cristiano Ronaldo, Raúl e Benzema assusta. Vamos ver na prática se os novos galáticos vão acabar com a alegria azulgrená ou não…

Acabou a novela Vágner Love

Todo período de transferências era a mesma coisa. Fulano quer Vágner Love. Beltrano também. E no fim da novela (temporada 09), o atacante das trancinhas não ficou com Corinthians nem Flamengo. Final feliz para o Palmeiras. O Brasileirão 2009 não acaba domingo no Choque-Rei, mas o camisa 9 que volta ao Palestra Itália deixa o alviverde com credenciais ainda mais fortes.

SRV

srvFui apresentado ao som do guitarrista texano que deu sangue novo e pegada roqueira ao blues por um saudoso amigo de faculdade, músico fissurado por rock e (futebol) do bom. Ele me emprestou uma fitinha K7  (ahn? era final dos anos 80!) e não me disse qual era o som. Gostei. “Tem influência de Hendrix, mas não só”. Era Stevie Ray Vaughan, com o seu Double Trouble. Comecei a procurar discos, o Live Alive foi um dos primeiros CDs que comprei na vida… Poucos anos depois, já estagiário, recebi via agência internacional a notícia do precoce desaparecimento do bluesman- SRV morreu num acidente de helicóptero junto com o piloto e 3 pessoas da equipe de Eric Clapton, em 27 de agosto de 1990. Apenas 7 anos depois do espetacular disco de estreia: Texas Flood. Que mostrou a levada típica de Stevie, o shuffle, em blues-rocks como Love Struck Baby, ótimas covers como Mary Had a Little Lamb, de Buddy Guy, baladas blues, lancinantes blues, emocionantes blues. A repercussão da estreia foi tão boa que Vaughan abriu mão de seguir tocando com David Bowie, com quem gravou guitarras do disco Let´s Dance. Compre, grave, baixe, jogue Rock Band, dê um google, não importa o jeito, mas ouça Stevie Ray Vaughan. Seus ouvidos merecem. Continuar lendo “SRV”

Pearl Jam

tenQue me perdoe o mestre Telê Santana, que odiava que nossos gramados fossem usados e pisados em shows.  Mas que espetáculo foi o Pearl Jam no Pacaembu! Rolou no glorioso 2005, 14 anos após o lançamento de Ten. Discão que hoje (27/8/09) atinge a maioridade. 18 anos da estreia do Pearl Jam. No começo de 2009, Ten foi relançado com faixas bônus e/ou DVD acústico. Pearl Jam continua aprontando. The Fixer, primeiro som do novo disco, Backspacer, já está na rede.