“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

8 de novembro de 2018

A história do São Paulo virou filme: “Onde a Moeda Cai em Pé”. Estreia nesta quinta, 8 de novembro, na rede Cinemark. No roteiro, os grandes títulos (no futebol e em outros esportes), a construção do Morumbi, os anos de ‘vacas magras’, os ídolos, os torcedores famosos. Direção de Alexandre Boechat, André Plihal e Pedro Jorge. Produção: Canal Azul (que já fez uma série de documentários sobre feitos de outros grandes clubes paulistas), Tocha Filmes e ESPN.


O título é uma referência a uma expressão dos anos 40. O São Paulo só seria campeão paulista se a moeda caísse em pé. Não acreditaram no Leônidas, né?

De acordo com o site oficial do clube, “Onde a Moeda Cai em Pé” vai passar em 20 cinemas de 19 cidades, sempre às sete da noite. Torcedor, é bom ficar esperto e correr pra bilheteria logo se quiser ver o doc na tela do cinema. Confira as salas que exibem o filme na semana da estreia: Continuar lendo ““Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.”

O grand finale de um goleiro rock and roll

O grand finale de um goleiro rock and roll

Eu vi Rogério Ceni jogar.

Eu vi (pela TV) Rogério Ceni marcar seu primeiro gol, numa cobrança de falta, no interior de São Paulo.

Eu vi Rogério Ceni marcar um gol de falta numa decisão de campeonato paulista.

Vi o goleiro-artilheiro marcar dois gols de falta na mesma partida de Libertadores e perder o terceiro, que teoricamente seria mais fácil, de pênalti.

Vi o capitão do São Paulo erguer uma Copa Libertadores, edição em que marcou cinco gols. No fim do mesmo ano, levantou também o Mundial de Clubes, depois de marcar um gol numa semifinal e fazer uma partida memorável contra o Liverpool.

Vi pela TV Rogério pegar um pênalti e marcar dois gols numa mesma partida, no Mineirão,  em outra atuação nota 10, dias depois de uma das atuações mais criticadas debaixo das traves.

Vi o capitão tricolor erguer por três anos seguidos a taça de campeão brasileiro.

Vi o capitão deixar o jovem Lucas, que se despedia do futebol brasileiro rumo a Paris, levantar a Copa Sul-Americana, depois de uma violentíssima decisão, dentro e fora dos gramados.

Vi Rogério ficar decepcionado com derrotas e eliminações. Como um torcedor.

Também vi que o #M1T0 precisava pendurar as luvas e as chuteiras, infelizmente.

Também li e ouvi declarações de Ceni com as quais não necessariamente concordo. Não era de ficar em cima do muro. Há que se respeitar a opinião diferente. Algum torcedor do Santos vai deixar de idolatrar os feitos de Pelé por causa de suas opiniões e omissões?

O último dos 131 gols de Rogério Ceni como profissional foi longe do Morumbi. Foi no Castelão, de pênalti, contra o Ceará, na única competição que não conquistou, a Copa do Brasil, que ironicamente seria decidida por um gol de goleiro. Fernando Prass vai continuar batendo pênalti, vai tentar uma falta pelo Palmeiras? Tomara! O sucessor de Rogério no São Paulo, Denis, vai fazer seus golzinhos? Quem sabe? Ambos treinam bastante.

No Morumbi, em 11 de dezembro de 2015, eu vi Rogério Ceni subir e descer pela última vez o túnel do vestiário do time da casa como jogador profissional, numa noite de rock (Rogério deu uma canja no show dos são-paulinos da banda Ira!) emoção e homenagens – por coincidência na mesma semana da morte do ex-presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio. Que legal ver de novo em campo Raí (que infelizmente não teve uma partida de despedida), Cafu, Cerezo, Juninho Paulista, Müller, Amoroso, Josué, Mineiro, Aloísio Chulapa (rei de “assistências” pra Rogério), Lugano, Zetti batendo (e muito bem) um pênalti.

Adaptando a frase de Di Stéfano que virou título de biografia do artilheiro, agradeço a você, Rogério.

Gracias, viejo.  Continuar lendo “O grand finale de um goleiro rock and roll”

(Novas) camisas retrôs do Palmeiras

https://www.facebook.com/adidasFutebol
https://www.facebook.com/adidasFutebol

Na vitória contra o Bahia, no último fim de semana, pela rodada #32 do BR-2014, os jogadores do Palmeiras entraram no gramado vestindo uma camisa retrô (re)lançada pela Adidas. Verde escuro, gola V, número 9 com o tipo padrão da Adidas na época,  logo do fabricante, mas sem as tradicionais três listras. Uma camisa muito semelhante à usada na segunda metade dos anos 80, pelo que pude perceber no livro do Paulo Gini e do Rodolfo Rodrigues, “A história das camisas dos 12 maiores times do Brasil” (a original tinha um banner gigante do patrocinador, Agip; nas ruas e arquibancadas, de vez quem quando se vê um alviverde com essa camisa clássica). Veja os detalhes da camiseta retrô, lançada pela Adidas em 2014 (clique em qualquer imagem para abrir a galeria).


Já a colorida camisa de goleiro agora (re)lançada lembra um uniforme usado pelo espetacular Zetti, em 1988. Em algumas fotos da época, o goleiro usava uma camisa que tinha a inicial P cercada pelas oito estrelas do escudo atual, além do banner gigante da Agip. Dica do alviverde Fernando Nakajato. Confira os detalhes.


Isso mesmo. Antes de ser campeão e bicampeão de (quase) tudo pelo tricolor, Zetti viveu excelente fase no Verdão. Em 1987, chegou a ficar 1.238 minutos sem tomar gol. Invencibilidade quebrada justamente por um ex-ídolo palmeirense: Luís Pereira, que em maio de 1987 jogava no Santo André.Senhor goleiro.tivera

E o amigo alviverde do blog lembra que foi com essa colorida camisa de goleiro usada pelo Zetti em 1988 que outro jogador do Palmeiras viveu uma noite de herói no Maracanã. Brasileirão de 88, partida contra o Flamengo. Zetti quebrou a perna numa dividida. O atacante Gaúcho teve que ir pro gol e vestiu a camisa 1 de Zetti. Pior Em caso de empate, todos os jogos tinham decisão por pênaltis! E não  é que Gaúcho improvisado no gol defendeu dois pênaltis e com a camisa de goleiro converteu sua cobrança? O nome do jogo, naquela sexta-feira, 18 de novembro, que teve jeito de sexta 13 pro Zetti, e de noite de gala para o atacante improvisado no arco (veja um vídeo da época aqui).

Continuar lendo “(Novas) camisas retrôs do Palmeiras”

“1993 – Somos Bicampeões do Mundo”

Publicado em 12/12/2013

https://pandabooks.websiteseguro.com/livro/570/1993-somos-bicampeoes-do-mundo.html
https://pandabooks.websiteseguro.com/livro/570/1993-somos-bicampeoes-do-mundo.html

12 de dezembro de 1993. Era madrugada no Brasil. E o São Paulo do mestre Telê conquistava o seu bicampeonato mundial, ao derrotar o Milan por 3×2, numa partida emocionante, no belo estádio nacional de Tóquio. Vinte anos depois, o goleiro Zetti -um dos heróis do bi – e o jornalista André Plihal lançam o livro  “1993 – Somos Bicampeões do Mundo” (Panda Books). A noite de autógrafos, na noite em que o título completou 20 anos, levou muita gente à Livraria Cultura do Conjunto Nacional. Às 21h30, a fila descia as escadas, saía da loja e avançava alguns metros na calçada da alameda Santos! Continuar lendo ““1993 – Somos Bicampeões do Mundo””

20 anos do Paulistão de 92 – o último estadual da galeria de títulos do mestre Telê.

Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92
Canhoto de bilhete da final do Paulistão 92

O Paulistão de 92 foi decidido por tricolores e alviverdes. O São Paulo comandado por Telê Santana teve que passar pelo Palmeiras já patrocinado pela Parmalat para ser bicampeão paulista. No primeiro jogo, em 5 de dezembro, um espetáculo, comandado especialmente por Raí – fazendo jus ao refrão “Raí, Raí, o terror do Morumbi”, com 3 gols – e Cafu (“terror do Pacaembu” no grito de torcida), um gol e atuação decisiva. São Paulo 4×2 no  Palmeiras (que tinha Mazinho, César Sampaio, Zinho, Evair e um certo Cuca…). No intervalo de 2 semanas entre os dois jogos, o tricolor foi ao Japão e voltou com seu primeiro Mundial Interclubes, derrotando o Dream Team do Barça (aí são outros 500 posts…)
Em 20 de dezembro, com mais de 110 mil pessoas (110 mil!) no Morumbi, o campeão mundial confirmou o título estadual contra o alviverde. Müller abriu o placar, num belo gol. Toninho Cerezo ampliou. Quando o São Paulo já comemorava, debaixo de chuva, Zinho diminuiu. Tarde demais. Dois a um. São Paulo bicampeão paulista. Continuar lendo “20 anos do Paulistão de 92 – o último estadual da galeria de títulos do mestre Telê.”

“1992 – O Mundo em Três Cores”

Publicado originalmente em dezembro de 2012

Ao mestre, com carinho.

Poderia ser esse o título deste post: o livro de Raí com o jornalista André Plihal, “1992 – O Mundo em Três Cores” (Panda Books), sobre o primeiro dos três mundiais do tricolor paulista (o segundo viria quase exatamente um ano depois, em 12/12/93, já sem Raí -negociado com o PSG -contra o Milan).

Num texto leve e de qualidade muito acima da média dos lançamentos comemorativos, o eterno camisa 10 do Morumbi e o excelente repórter da ESPN contam os bastidores da conquista… os detalhes da relação fraternal Raí- mestre Telê Santana (que às vezes pegava no pé demais do Cafu, mas aliviava pro irmão do doutor)…. falam da importância de cada jogador (são destacados Zetti, Adílson, Ronaldão e Pintado) e enaltecem o trabalho em equipe, o clima de respeito e a união dentro do elenco que foi campeão de tudo.

Já havíamos combinado de dividir o prêmio entre toda a delegação. Gostaria apenas de ter ficar com a chave gigante. Acabei não ficando, não guardando, como não guardo nada desta vida. Pelo menos nada material, que fique entendido. O sorriso do Telê em Tóquio está muito bem guardado” – Raí, em “1992 – O Mundo em Três Cores”.

Sob a maestria de Telê, o capitão Raí marcou 87 dos seus 128 gols pelo São Paulo. O trio “RPM” (Raí, Palhinha, Müller) mais o Cafu eram considerados insubstituíveis pelo técnico.

Tem depoimentos de colegas de Raí e a ficha de todos os jogos do ano glorioso de 1992 pro torcedor tricolor. Uma grande sacada desse lançamento da Panda Books é um flipbook, que reproduz os dois gols de Raí no jogão disputado no estádio Nacional de Tóquio. 13/12/1992, o dia em que o Dream Team do Barça (com um “certo” Pep Guardiola no meio-campo), foi “atropelado por uma Ferrari“, nas palavras do seu técnico Johann Cruyff. Raí não tem 100% certeza que o holandês pronunciou a frase, mesmo. Nesse caso, imprima-se a lenda.

Continuar lendo ““1992 – O Mundo em Três Cores””

Libertadores, sua linda! 20 anos do primeiro título continental do São Paulo.

17/06/12: na camisa 10 de Jadson, a homenagem a Raí, o “capitão América” em 1992. FOTO Idário Café VIPCOMM

Morumbi, 17 de junho. O São Paulo entra em campo com Zetti, Cafu, Antônio Carlos, Ronaldão e Ivan; Adílson Pintado e Raí; Müller, Palhinha e Elivélton. Saudade desses tempos, não, torcedor são-paulino? No 17 de junho de 2012, o atual time do São Paulo  entrou em campo com camisas em homenagem aos campeões da Libertadores de 1992, a primeira das três que o tricolor do Morumbi guarda orgulhosamente no seu Memorial. O goleiro Denis lembrou Zetti, um dos heróis da conquista. O camisa 10, Jádson, representou Raí. Lucas, com a 7 de Müller, que Telê substituiu durante o jogo contra o Newell´s por Macedo. Quem sabe, os homenageados de 1992 – alguns deles estiveram no Morumbi, neste domingo – não inspiram  a classe de 2012?      

Em 17 de junho de 1992, Fernando Collor ainda era o presidente do Brasil, o Rio tinha acabado de sediar a conferência Eco-92, o Nirvana revolucionava o planeta do som com o #discão “Nevermind” e o hit “Smells Like Teen Spirit”… e a flâmula do São Paulo ainda era assim, como a da foto.  Sem estrelas vermelhas em cima do escudo, só as duas douradas, que se referem aos recordes mundiais de Adhemar Ferreira da Silva, atleta tricolor, no salto triplo. O São Paulo decidiu no Morumbi superlotado (105 mil pagantes) a Copa Libertadores de 1992 contra os argentinos do Newell´s Old Boys, time treinado por Marcelo El Loco Bielsa. No primeiro jogo da final, em Rosário, o Newell´s venceu por 1×0, gol de pênalti, duvidoso como o sofrido por Macedo e convertido por Raí na partida do Morumbi.

A decisão foi para a cobrança de pênaltis. Zetti viu Berizzo e Mendoza desperdiçarem suas cobranças (pelo São Paulo, Raí, Ivan e Cafu converteram; Ronaldão perdeu). Quinta e última cobrança do Newell´s: Gamboa, melhor jogador do time. O ex-goleiro do Palmeiras, reabilitado por Telê Santana e pelo expert Valdir Joaquim de Moraes no São Paulo, voou e fez uma defesa histórica, narrada assim pelo “pai da matéria” Osmar Santos. “Zetti! Zetti! Zetti” – gritou Galvão Bueno na rede OM, em noite de recorde de audiência. Zetti se levantou, ficou parado alguns segundos e… começou a maior festa! O São Paulo era enfim campeão da Copa Libertadores! Milhares de torcedores invadiram o gramado do Morumbi para comemorar a grande conquista – é uma cena que ainda impressiona, 20 anos depois! O último clube brasileiro a levantar a Libertadores tinha sido o Grêmio, em 1983. Podemos dizer que aquele São Paulo de Telê Santana de alguma forma recolocou o futebol brasileiro no caminho dos títulos – dois anos depois, a Seleção de Parreira liderada por Romário obteve o tetra, com vários jogadores desse São Paulo de Telê no elenco: Zetti, Cafu, Ronaldo – em 94 jogando no futebol japonês – Müller, Raí – desde o meio de 93 no PSG – e Leonardo – que chegou depois.

Camisa do São Paulo na era Telê, no camarote de Raí no Morumbi, em foto de 2012.

Raí, o capitão e o eterno camisa 10 do São Paulo, ergueu a copa. Palhinha foi o artilheiro, com 7 gols. Mas o caminho do então campeão paulista e brasileiro rumo ao que aquela altura representava o maior título da história do tricolor foi acidetado, com o suor, a garra, o sofrimento e emoção que uma Libertadores exige. Veja a campanha do campeão: Continuar lendo “Libertadores, sua linda! 20 anos do primeiro título continental do São Paulo.”