“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

“Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.

8 de novembro de 2018

A história do São Paulo virou filme: “Onde a Moeda Cai em Pé”. Estreia nesta quinta, 8 de novembro, na rede Cinemark. No roteiro, os grandes títulos (no futebol e em outros esportes), a construção do Morumbi, os anos de ‘vacas magras’, os ídolos, os torcedores famosos. Direção de Alexandre Boechat, André Plihal e Pedro Jorge. Produção: Canal Azul (que já fez uma série de documentários sobre feitos de outros grandes clubes paulistas), Tocha Filmes e ESPN.


O título é uma referência a uma expressão dos anos 40. O São Paulo só seria campeão paulista se a moeda caísse em pé. Não acreditaram no Leônidas, né?

De acordo com o site oficial do clube, “Onde a Moeda Cai em Pé” vai passar em 20 cinemas de 19 cidades, sempre às sete da noite. Torcedor, é bom ficar esperto e correr pra bilheteria logo se quiser ver o doc na tela do cinema. Confira as salas que exibem o filme na semana da estreia: Continuar lendo ““Onde a Moeda Cai em Pé – A História do São Paulo Futebol Clube”.”

O grand finale de um goleiro rock and roll

O grand finale de um goleiro rock and roll

Eu vi Rogério Ceni jogar.

Eu vi (pela TV) Rogério Ceni marcar seu primeiro gol, numa cobrança de falta, no interior de São Paulo.

Eu vi Rogério Ceni marcar um gol de falta numa decisão de campeonato paulista.

Vi o goleiro-artilheiro marcar dois gols de falta na mesma partida de Libertadores e perder o terceiro, que teoricamente seria mais fácil, de pênalti.

Vi o capitão do São Paulo erguer uma Copa Libertadores, edição em que marcou cinco gols. No fim do mesmo ano, levantou também o Mundial de Clubes, depois de marcar um gol numa semifinal e fazer uma partida memorável contra o Liverpool.

Vi pela TV Rogério pegar um pênalti e marcar dois gols numa mesma partida, no Mineirão,  em outra atuação nota 10, dias depois de uma das atuações mais criticadas debaixo das traves.

Vi o capitão tricolor erguer por três anos seguidos a taça de campeão brasileiro.

Vi o capitão deixar o jovem Lucas, que se despedia do futebol brasileiro rumo a Paris, levantar a Copa Sul-Americana, depois de uma violentíssima decisão, dentro e fora dos gramados.

Vi Rogério ficar decepcionado com derrotas e eliminações. Como um torcedor.

Também vi que o #M1T0 precisava pendurar as luvas e as chuteiras, infelizmente.

Também li e ouvi declarações de Ceni com as quais não necessariamente concordo. Não era de ficar em cima do muro. Há que se respeitar a opinião diferente. Algum torcedor do Santos vai deixar de idolatrar os feitos de Pelé por causa de suas opiniões e omissões?

O último dos 131 gols de Rogério Ceni como profissional foi longe do Morumbi. Foi no Castelão, de pênalti, contra o Ceará, na única competição que não conquistou, a Copa do Brasil, que ironicamente seria decidida por um gol de goleiro. Fernando Prass vai continuar batendo pênalti, vai tentar uma falta pelo Palmeiras? Tomara! O sucessor de Rogério no São Paulo, Denis, vai fazer seus golzinhos? Quem sabe? Ambos treinam bastante.

No Morumbi, em 11 de dezembro de 2015, eu vi Rogério Ceni subir e descer pela última vez o túnel do vestiário do time da casa como jogador profissional, numa noite de rock (Rogério deu uma canja no show dos são-paulinos da banda Ira!) emoção e homenagens – por coincidência na mesma semana da morte do ex-presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio. Que legal ver de novo em campo Raí (que infelizmente não teve uma partida de despedida), Cafu, Cerezo, Juninho Paulista, Müller, Amoroso, Josué, Mineiro, Aloísio Chulapa (rei de “assistências” pra Rogério), Lugano, Zetti batendo (e muito bem) um pênalti.

Adaptando a frase de Di Stéfano que virou título de biografia do artilheiro, agradeço a você, Rogério.

Gracias, viejo.  Continuar lendo “O grand finale de um goleiro rock and roll”

Aqui é trabalho. E respeito. E por que não, um pouco de carinho e reconhecimento.

Arte: LAIS SOBRAL https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/
Arte: LAIS https://www.flickr.com/photos/lais-sobral/

Veja só, no post anterior, a confiança e mesmo idolatria que o Atlético de Madrid e os torcedores colchoneros demonstram em relação ao treinador Diego Simeone, campeão de Liga na Espanha, vice da Champions, atual campeão das últimas Copa do Rei e Supercopa de Espanha. Justíssimo. Em Madri, tem até cachecol em homenagem ao Cholo, apelido de Simeone, como eu já mostrei aqui no blog. Aí você muda o Google Earth pro Morumbi, em São Paulo, e vê parte dos torcedores organizados, de dirigentes e corneteiros em geral botarem na corda bamba toda hora o técnico Muricy Ramalho, é bom lembrar, tricampeão brasileiro pelo tricolor entre 2006 e 2008 – três títulos seguidos, sem sequer um Kaká ou Luis Fabiano no time!-, e também é muito bom lembrar, o cara que salvou o São Paulo do rebaixamento em 2013 e, em 2014, levou o time ao vice-campeonato brasileiro e de volta à Libertadores.

Mas… “Libertadores virou obrigação”… “É! Q u a r t a – f e i r a! “, toda aquela pegação no pé do Maicon … O São Paulo tem estrelas, é verdade, mas não um elenco equilibrado. Caiu no grupo da morte da Libertadores, estreando contra o maior rival, embalado depois de superar o Once Caldas, na casa dele, que é um alçapão. A diretoria tricolor comprou muitos atacantes, quase que se esqueceu da defesa. Perdeu Kaká. Mais do que a técnica do camisa 8 que ficou pra sempre no coração e na mente do torcedor são-paulino, perdeu sua raça, sua vontade, sua dedicação, que fez com que até os jogadores mais descansados do grupo marcassem o campo inteiro em 2014. É culpa do técnico? Você acha que o Muricy não gostaria de ter Kaká na Libertadores?

Continuar lendo “Aqui é trabalho. E respeito. E por que não, um pouco de carinho e reconhecimento.”

Quarta-feira Majestosa

Bom dia.
A quarta-feira tem um clássico desenhado desde que saiu a tabela da Libertadores, confirmado depois que o mata-mata contra o Once Caldas virou uma mera formalidade.
A Arena Corinthians recebe o primeiro Majestoso numa Libertadores. Corinthians e São Paulo já se enfrentaram 4 vezes em competições da Conmebol, em duas temporadas. Em 1994, o expressinho treinado por Muricy, vice de Telê, se classificou para a final da Copa Conmebol. Em 2013, o Corinthians faturou a Recopa Sul-Americana. O jogo de volta desta fase da Libertadores será no Morumbi, em abril.
Nos últimos tempos, o Majestoso por si só já é um dos clássicos de maior rivalidade no Brasil. Mas essa obsessão, essa história de “Libertadores virou obrigação” (como se fosse assim “facinho” ganhar essa “mina”), as declarações de dirigentes, os gestos de jogadores, a batalha logística que agora virou moda antes de cada clássico em São Paulo, o clima que a mídia toda sempre ajuda a criar e a animosidade entre as torcidas, deixa no ar o medo de algo bem pior do que a batalha verbal do “chupa isso”, “chupa aquilo” de toda quarta-feira de Libertadores como esta.

Por mais que a quinta-feira seja de cinzas para um eventual perdedor deste Majestoso histórico, o mundo não vai acabar amanhã. Continuar lendo “Quarta-feira Majestosa”

Kaká. Até logo?

FOTO: Rubens Chiri / saopaulofc.net
FOTO: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Ele não foi o melhor do Brasileirão 2014, talvez não tenha sido nem o do São Paulo no campeonato, mas ninguém duvida que o time do aniversariante do domingo, Muricy Ramalho, foi um antes de Kaká e outro depois da estreia do camisa 8. Como Ganso e Pato (pelo menos até as contusões) melhoraram! Faltou fôlego ao tricolor para chegar mais perto do Cruzeiro, campeão na antepenúltima rodada, mas o time do Morumbi garantiu o vice e uma vaga direta na fase de grupos da Libertadores, obsessão tricolor (sorteio dos grupos nesta terça-feira). Só que Kaká não estará mais. Depois da partida contra o Sport na Arena Pernambuco, na última rodada, o ex-Milan e Real Madrid vai jogar no Orlando City. A segunda despedida do Morumbi foi bem mais emocionante do que a primeira, em 2003, quando tomou o rumo do Milan, numa época que alguns coxinhas vaiavam o craque revelado no Morumbi. Minoria!

A festa “volta logo, Kaká” só não foi completa porque outro ídolo da casa, de contrato renovado, pisou feio na bola, e deu o gol de empate ao Mazola, do Figueirense – que aliás poderia ter vencido a partida. Ê Rogério!

Por falar no capitão eterno do São Paulo, confesso que fiquei surpreso com a festança que a torcida fez, antes do jogo deste domingo, na praça Roberto Gomes Pedrosa (aliás, nome de um ex-goleiro tricolor), para receber o time e celebrar o fico de Rogério. Olha que 4 dias depois de uma eliminação de Copa Sul-Americana, hein?

Continuar lendo “Kaká. Até logo?”

O garoto da capa: Kaká estrela a nova revista do São Paulo.

10365830_10152804638514420_2023329482232716612_n
https://www.facebook.com/saopaulofc

Mudou a revista oficial do tricolor paulista. Agora ela se chama “SPFC Inside”. A revista é bimestral, tem versões impressa (a assinatura de 6 seis edições custa 60 reais) e também pode ser baixada (de graça) na loja da Apple ou na Play Store, para Android.

O primeiro número da revista produzida pela Áurea Editora tem, além da reportagem de capa com o Kaká, entrevista com o técnico Muricy Ramalho e o torcedor Andreas Kisser (guitar hero do Sepultura) e um perfil do ex-centroavante Careca, que brilhou no São Paulo, no meio dos anos 80.

Continuar lendo “O garoto da capa: Kaká estrela a nova revista do São Paulo.”

É Muricy!

O bem informado Blog do Birner publicou, às 17:59, e o site oficial do São Paulo confirmou, às 19h30. Caiu Paulo Autuori. Volta Muricy Ramalho. O técnico que foi tricampeão brasileiro com o São Paulo entre 2006 e 2008 reassume com a missão de salvar o tricolor do rebaixamento, num ano de desempenho pífio do time (campanhas vergonhosas na Libertadores, na excursão internacional e no 1º turno do Brasileirão). Missão bastante complicada, que desafiará a frase que virou uma espécie de slogan de Muricy, e você vê abaixo numa arte do programa Sócio-Torcedor do SPFC, anos atrás.

155273_1766095871939_1225411835_32024576_5709199_n
Curioso é que Muricy “Isso Aqui é Trabalho, Meu Filho” Ramalho volta ao eixo Morumbi-Barra Funda 40 anos depois de estrear no time profissional do São Paulo (veja post anterior).

Inacreditável o “planejamento” da atual diretoria do São Paulo.  Esperou terminar a pausa da Copa das Confederações para demitir Ney Franco. Apostou em Paulo Autuori – boa gente que há anos não ganha nada – sabendo que Muricy – o preferido da torcida – estava no mercado, era uma carta na manga. Trazer Muricy é a última cartada para evitar o rebaixamento. Mas essa solução deveria ter sido adotada 3 meses atrás. O novo velho técnico vai ter que correr contra o relógio. Continuar lendo “É Muricy!”