Deuses da Raça

Tricolor de Celeste FOTO Idário Café VIPCOMM

O São Paulo entrou em campo para o clássico contra a Portuguesa neste sábado com Waldir Perez, Pablo Forlán, Darío Pereyra, Diego Lugano, Pedro Rocha
Na verdade, Rogério, Lucas, Luís Fabiano, Jádson e cia entraram em campo com as camisas da linha casual lançadas pela Reebok que homenageiam Waldir, goleiro brasileiro, herói de decisões por pênaltis (Paulistão 75, Brasileirão 77), e os jogadores uruguaios que foram, são e sempre serão ídolos do torcedor são-paulino – a coleção Deuses da Raça. Caramba, alguém passaria vivo por essa defesa virtual formada por Pablo Forlán (paí de Diego Forlán, agora do Inter), Darío e Lugano?

Homenagem a Pablo Forlán FOTO Idário Café VIPCOMM

Lembrando que as camisas parte celeste e parte tricolor e a de Waldir Perez só foram usadas na entrada em campo e no aquecimento. Continuar lendo “Deuses da Raça”

Vem aí “Soberano 2”


Por falar em filmes sobre futebol, vem aí “Soberano 2 –  A Heroica Conquista do Mundial de 2005“. Outra investida em cinema boleiro da G7, com a mesma equipe do primeiro “Soberano – Seis Vezes São Paulo“, que contou a história dos seis títulos brasileiros do tricolor paulista. De novo, o torcedor terá papel importante no roteiro. E é por isso que a produção divulgou no Tube este vídeo do “xerife” Diego Lugano. Continuar lendo “Vem aí “Soberano 2””

#OrgulloCeleste: Uruguai, rei da Copa América

Perdão, Messi, melhor jogador do mundo. Perdão, Brasil, pentacampeão mundial. Hoje a melhor seleção do continente é a do Uruguai, quarto colocado no Mundial 2010 e agora, campeão da Copa América 2011 – de novo ficando na frente dos dois arquirrivais históricos, a Argentina albiceleste e o Brasil canarinho. Raça, muita raça – com os 11 da Celeste não tem bola perdida – e excelente futebol traduzem hoje o futebol charrúa.  Continuar lendo “#OrgulloCeleste: Uruguai, rei da Copa América”

Tri Mundial

Publicado em outubro de 2010
Rogério Ceni, Fabão, Lugano, Edcarlos, Cicinho, Mineiro, Josué, Júnior, Danilo, Amoroso e Aloísio (depois Grafite).

São-paulino, esse time dá saudade, não dá? Em 18 de dezembro, o tricolor comemora o aniversário do tricampeonato mundial de clubes: aquela dramática “goleada de um a zero” contra Gerrard e a forte armada espanhola do Liverpool comandado por Rafa Benítez, em 2005. E o Daniel Perrone, que publica o Blog do Torcedor do São Paulo no globoesporte.com,  escreveu seu relato da conquista: o livro Tri Mundial(Editorama). Olha o Blatter aplaudindo o São Paulo! Acima dele, o meio-campo Denílson. Continuar lendo “Tri Mundial”

Top 5: craques gringos da década no Brasil

É o Pet! É o Pet! FOTO Maurício Val - VIPCOMM

O blog Fut Pop Clube perguntou aos mesmos convidados do texto acima: “quais são os cinco estrangeiros que jogaram mais bola no futebol brasileiro entre 2000 e 2009?”. E os cinco mais votados foram:

O sérvio Petkovic, o argentino Carlitos Tévez (ambos com 12 votos), o também hermano Sorín (9 votos), o uruguaio Lugano (8) e o chileno Valdívia (5).

2009: Sorín se despediu em grande festa

Também foram bem lembrados: o paraguaio Gamarra e os hermanos Guiñazu e Conca, todos com 4 votos. Rincón, Maldonado e Aristizábal foram mencionados duas vezes. O lateral Arce, o volante Mascherano e o zagueiro Schiavi foram citados uma vez.

Esta taça é sua, Lugano! FOTO: site oficial www.saopaulofc.net
Lugano, em 2005. FOTO site oficial do São Paulo http://www.saopaulofc.net

Votaram os jornalistas Abel Neto, Bruno de Almeida, Mauro Beting, Fernando Galvão, Marcelo Monteiro, Mário Marra, Menon, Maurício Noriega, Emerson Ortunho, André Rizek, Roberto Sander e Beto Xavier, e o colecionador Domingos D ´Angelo, do grupo MemoFut. Confira as escolhas de cada um aqui.

Continuar lendo “Top 5: craques gringos da década no Brasil”

Dica de livro: “Tricolor Celeste”

Publivado em 2009

Diego Lugano, capitão do Uruguai, é um dos quatro personagens de Tricolor Celeste, livro do jornalista Luís Augusto Símon, o Menon, sobre quatro jogadores da seleção uruguaia que fizeram história no São Paulo. Acabei de ler e posso recomendar suas 110 páginas não só aos são-paulinos, mas a todo mundo que goste de acompanhar o futebol sul-americano, uruguaio, e especialmente, aos fãs do lateral direito Pablo Forlán, do clássico meia Pedro Rocha, que marcava muitos gols, do quarto-zagueiro e volante Darío Pereyra e do zagueiro Diego Lugano.

Comecei a ler pelo capítulo que trata de Pedro Virgílio Rocha. “El Verdugo” (carrasco) – o segundo “verdugo” do futebol uruguaio, aprendi com o livro do Menon – foi o meu primeiro ídolo nos gramados. Na segunda metade dos anos 70, ele era sócio de uma loja chamada Pedro Rocha Sports, que funcionava na hoje badalada esquina da Joaquim Floriano com a João Cachoeira, em São Paulo. Eu ia lá para olhar os artigos esportivos, às vezes comprava um time de botão e, com sorte, saía com um autógrafo, se Rocha estivesse por lá (pelo menos uma vez o vi na loja). Continuar lendo “Dica de livro: “Tricolor Celeste””

Paixão entre Linhas

Os livros do kit são-paulino da coleção Paixão entre Linhas, da editora Leitura, vão ser lançados nesta quarta-feira, a partir das 19h, na Saraiva do Morumbi Shopping. Os jornalistas Luís Augusto Simon (o Menon) e Marcelo Prado autografam Nascido para Vencer, que resume as campanhas dos principais títulos tricolores, mostra a importância de jogadores como Leônidas, Roberto Dias, Careca, Raí e Rogério e entrevista Kaká, Lugano, Miranda, torcedores como o novelista Bendito Ruy Barbosa e até políticos como o ex-governador Laudo Natel (presidente do São Paulo de 58 a 72) e Marco Aurélio Cunha. Thiago Braga assina O Time do Meu Coração, versão pocket da história do São Paulo. Continuar lendo “Paixão entre Linhas”

Brasileirão ferve no sábado

O sábado de muito calor foi ótimo para o Tricolor, para o Coritiba e nada bom para os times mineiros. O Cruzeiro permitiu que o Grêmio empatasse no finzinho do jogo no Mineirão e termina a 35ª rodada em 5º lugar com 55 pontos. Grêmio em 8º com 49. Em Curitiba, o Coxa dobrou o Atlético Mineiro. Com 44 pontos, Coritiba respirou mais aliviado. Galo parou nos 56, em 4º lugar, mas pode ser ultrapassado pelo Internacional.

sphugo_fd_14110912
Foto: Divulgação VIPCOMM

No Morumbi fervendo como panela de pressão, chapa esquentou entre Hugo e André Dias, o São Paulo superou os desfalques e ganhou bem do Vitória, por 2 a 0. Passa sua segunda rodada na liderança, 3 pontos acima do Verdão, a 3 capítulos do fim. Horas depois, um raçudo ídolo Tricolor Celeste daria importantíssima vitória para a Seleção Uruguaia na Costa Rica, em mata-mata que vale uma vaga na Copa do Mundo. Diego Lugano, hoje no Fenerbahçe, fez Celeste Olímpica 1 a 0, fora de casa. Jogo de volta em Montevidéu. Mas as Eliminatórias são tema para outro post.

O jogo mais quente do domingo será no estádio dos Aflitos, campo de tantas batalhas esportivas. Envolve o Náutico que briga para não cair e o Flamengo que tenta seguir sua arrancada – pode impedir o tetra do São Paulo ou o tetra de Muricy Ramalho.

E no Maraca, jogo de “6 pontos”: Flu x Furacão.

 

“Tricolor Celeste”

Publicado em 12/11/2009
capa_livro_tricolor_celeste_4Quatro jogadores que vestiram/vestem com muita raça tanto a camisa celeste da seleção uruguaia como a do São Paulo Futebol Clube. No fim de 2009, foi lançado o livro Tricolor Celeste. O jornalista Luís Augusto Simon, o Menon, conta a história de Pablo Forlán, Pedro Rocha, don Dario Pereyra e Diego Lugano. Campeões paulistas (Rocha, Forlán), brasileiros (Dario Pereyra), da Libertadores e do Mundial de Clubes (Lugano, também campeão paulista em 2005, ainda participou do começo do título brasileiro de 2006) pelo tricolor paulista.

A celeste olímpica contra a mística da amarelinha

UruguaiNossa seleção chega a Montevidéu para desafiar um tradicional rival. CBFA celeste olímpica não terá o zagueiro e xerife Diego Lugano (do Fenerbahce, suspenso). Pouco? Com Lugano em campo, o São Paulo não perdeu para o Corinthians…Mas os donos da casa contam com outro Diego, o goleador Forlán (32 tentos na temporada pelo Atlético de Madrid, Chuteira de Ouro pela segunda vez, como máximo artilheiro da Europa). Do lado brasileiro, a segurança de Júlio César, Daniel Alves, as arrancadas de Kaká e a raça, o oportunismo e o talento do guerreiro Luís Fabiano, que parece ter nascido para marcar gols no Morumbi e ajudar Dunga a se manter na Seleção.

Brasil e Uruguai se enfrentam desde 12 de julho de 1916 (perdemos, 1×2). Ao todo, foram 71 partidas (veja a lista de todos os confrontos no site da CBF). A seleção brasileira venceu 32 vezes – e de amarelinha, só depois de 1950, já que o uniforme branco foi aposentado depois do Maracanazzo. A uruguaia, 20. Empatamos 19 vezes. O Brasil leva tabém larga vantagem no saldo de gols: 123 contra 93. Mas eles ganharam o jogo mais importante. Uma final de Copa do Mundo. E certamente os torcedores uruguaios estenderão no Centenário  faixas com apenas os dígitos 1, 9, 5 e 0. Mas sabem que essa lembrança cala fundo na alma, mesmo daqueles que não eram sequer nascidos em 1950. Hoje, quase todos as páginas e colunas esportivas lembram que desde fevereiro de 1976 a seleção brasileira não ganha no estádio Centenário: 2×1, pela Taça do Atlântico. Gols de Nelinho, Juan Carlos Ocampo e Zico.  E você? Já viu algum Brasil x Uruguai no estádio? Tem lembrança de algum jogo pela TV? Conte aqui, em comentários.