Rodada paulista do CINEfoot 2015

geraldinos2Saiu a programação completa da edição paulista do CINEfoot – festival de cinema 11036802_866215093413957_5276178551288061191_nde futebol, que vai de 26 de novembro a 1˚de dezembro, primeiro no auditório do Museu do Futebol (quinta a sábado) e depois no Espaço Itaú de Cinema (rua Augusta, sábado à terça) – entrada grátis em todas as sessões. Um pouco antes, no dia 26, o CINEfoot chega a Vitória (confira a programação capixaba aqui).

Chance para ver ou rever um monte de filmes bacanas sobre a história de times, de jogadores, de torcedores – como Geraldinos, vencedor da Taça CINEfoot de longa metragem na edição carioca do festival. Concorre de novo em Sampa: é um dos 15 longas e curtas brasileiros e internacionais que disputam a Taça CINEoot 2015 (veja post anterior).

Nas sessões especiais, tem estreia brasileira do documentário do Décio Lopes sobre o Orlando City e da série “Som das Torcidas”, produção da Central3 com direção de Pedro Asberg (“Democracia em Preto e Branco”; “Geraldinos”) e homenagens à diretora Lina Chamie e aos ex-jogadores Afonsinho e Ivair e ao XV de Piracicaba.

Confira a programação completa do sexto CINEfoot em Sampa dentro do post.

Continuar lendo “Rodada paulista do CINEfoot 2015”

Brasileiros fazendo (e contando) a história na Major League Soccer

12175849_931810436892123_1847286971_o (1)Um documentário sobre a história do Orlando City na MLS abre nesta superquarta o Orlando Film Festival. “Making History”, de 46 minutos, tem direção do jornalista brasileiro Décio Lopes (que tem no currículo experiência de repórter e editor-chefe do Globo Esporte e Esporte Espetacular; seu Expresso da Bola, no Sportv, deixou saudades), hoje diretor de novos negócios do Orlando City, time que pertence ao empresário brasileiro Flávio Augusto da Silva.

MakingHistoryLDécio Lopes, que também foi documentarista da seleção brasileira, escreveu, dirigiu e fez as entrevistas de “Making History”. Nesta estreia no Orlando Film Festival, o doc sobre os Lions vai passar em três sessões seguidas e múltiplas salas.

O filme de Décio conta a história do time, desde o seu embrião, o Austin Aztex, na capital do blues no Texas, até mudar pra Flórida, virar Orlando City Soccer Club e ser comprado pelo brasileiro Flávio Augusto da Silva. A apresentação de Kaká, a campanha pra encher o Citrus Bowl e a primeira partida dos Lions na Major League Soccer, em 8 de março de 2015. Teve participação decisiva de Kaká e tudo.

O diretor Décio Lopes disse numa entrevista para a Marcela Gouveia, no site do Orlando City:

Aquele dia foi um dia para a história e eu acho que esse clube vai chegar aos seus 50, 60, 100 anos, como os times do Brasil, da Inglaterra, da Argentina e aquele primeiro momento vai estar registrado. Essa é a maior alegria para mim. Acho que o filme constrói o seguinte diálogo: passado, presente, futuro”.
Continuar lendo “Brasileiros fazendo (e contando) a história na Major League Soccer”

Go Lions! O Orlando City é uma sensação entre moradores e turistas.

Por Elva Vieira – de Orlando, para o blog Fut Pop Clube

facebook.com/OrlandoCitySC
facebook.com/OrlandoCitySC

O emblema estampado no lado esquerdo do uniforme roxo do Orlando City Soccer Club apresenta a figura de um leão intimidador. A fera ostentada no brasão do time tem até um nome: Kingston. Durante as partidas, o entusiasmado símbolo do clube exibe sua esvoaçante juba com e a cara pintada com as cores do time. Apesar da presença de Kingston na beira do campo em todos os jogos do Orlando City pela Major League Soccer (MLS), quem de fato simboliza a garra dos jogadores em ação é a sonora torcida do time, composta essencialmente por turistas e moradores brasileiros.
O proprietário do time é um brasileiro. Ex-dono de uma bem-sucedida rede de escolas de inglês no Brasil, o empreendedor Flávio Augusto da Silva apostou na força de seus conterrâneos para comprar o Orlando City, que nunca tinha disputado um jogo na principal liga de futebol dos EUA, a Major League Soccer.
Antes do surgimento da equipe, em 2010, muitos moradores brasileiros que gostavam de futebol só podiam matar a saudade do esporte através da TV ou internet. Com o crescimento do Orlando City, já tem uma opção pra torcer na MLS. E já foi criada uma organizada, a Torcida Orlando City Brasil.
A cada jogo realizado na casa provisória dos Leões, como são chamados os atletas do clube, uma grande comoção branco-púrpura toma conta do estádio Citrus Bowl, usado também para partidas de futebol americano.A média de público de 34 mil pagantes durante os jogos do Orlando City Soccer Club supera até a média de torcedores do tradicional Campeonato Brasileiro. Mesmo sem tradição no futebol do país, a equipe já é detentora da segunda maior média de público da MLS, perdendo apenas para o Seattle Sounders (40 mil ingressos vendidos por partida).
Após a divulgação da compra dos direitos do meia Kaká, em junho de 2014, a equipe ganhou projeção internacional e conquistou mais torcedores. A bela camisa roxa já é um sucesso de vendas em Orlando, e é bastante encomendada por fãs de futebol no Brasil. Desde sua estreia na liga, em março de 2015, contra a outra sensação da MLS, o New York City, o Orlando City chama a atenção da imprensa esportiva internacional. Inclusive Kaká voltou a ser convocado para a seleção brasileira.

Para a disputa de sua segunda Major League Soccer, em 2016, o Orlando City prepara uma novidade. A moderna arena do time com capacidade para até 25,5 mil torcedores vai ser inaugurada. Agora, os brasileiros entusiastas de futebol que visitam ou moram em Orlando terão uma segunda casa para chamar de sua.

facebook.com/OrlandoCitySC
facebook.com/OrlandoCitySC

Continuar lendo “Go Lions! O Orlando City é uma sensação entre moradores e turistas.”

Catedrais da bola: Santiago Bernabéu

A fachada do Bernabéu tem bandeiras dos clubes espanhóis, inclusive do Barça

Estádio: Santiago Bernabéu
Proprietário: Real Madrid Club de Fútbol
Capacidade: 80.000 espectadores
Ocupação média na temporada 2013/14: 71.558 torcedores (84 %), segundo a Pluri Consultoria, a quarta maior média do mundo.
Metrô: lnha 10, estação Santiago Bernabéu

A imensa casa do Real Madrid foi inaugurada em 14 de dezembro de 1947, num amistoso contra os Belenenses, de Portugal, vencido pelo anfitrião; Real 3×1. Era conhecido como estádio Chamartín, nome do bairro madrilenho onde está situado, e substitui o Viejo Chamartin, de 1924, que comportava 15 mil fãs e foi sendo ampliado até a capacidade de 25 mil pessoas.

A partir de 1955, o novo estádio passou a levar o nome de Santiago Bernabéu. E quem foi Santiago Bernabéu? Irmão de um dos fundadores do Madrid, jogou no Real como atacante entre 1912 e 1927. Mas se celebrizou mesmo como presidente do clube, de 1943 até a morte, em junho de 1978. Foi campeão de tudo e mais um pouco como real cartola máximo:  16 ligas espanholas, seis copas espanholas, seis das 10 Copas dos Campeões madridistas (hoje Liga dos Campeões, a Champions League) e um Mundial de Clubes (ou Copa Intercontinental, conforme o gosto do freguês).


O estádio recebeu a final da Eurocopa de 1964, da Copa do Mundo de 1982 e de quatro Copas/Liga dos Campeões da Europa:

  1. 1957, deu Real. 2×0 na Fiorentina
  1. 1969, deu Milan
  2. 1980, deu Nottingham e
  3.  2010, deu Inter.

Na foto acima e na do lado, a fachada da megaloja que tem todo tipo do merchandising do Real Madrid, a Tienda Bernabéu.

Abaixo, republico o Rolê do Fut Pop Clube pelo estádio Santiago Bernabéu e galeria do Real Madrid.
Continuar lendo “Catedrais da bola: Santiago Bernabéu”

Um poster reúne os ídolos de 85 anos de história do São Paulo.

http://pennarellodesign.com/
http://pennarellodesign.com/

Poster em homenagem ao São Paulo Futebol Clube,  num belo trabalho do designer James Campbell Taylor, da Pennarello Design. Imagens de ídolos da história do tricolor, desde o São Paulo da Floresta, fundado em 25 de janeiro de 1930, formam o mapa estilizado do estado de São Paulo (comum nas calçadas da capital).

São reverenciados no poster grandes nomes como Friedenreich, Leônidas, Zizinho, Gerson, Pablo Forlán, Pedro Rocha, Chicão, Waldir Peres, Dario Pereyra, Careca, Müller, Silas, Raí, Zetti, Kaká e, claro, Rogério Ceni. Ainda bem que de ídolos a história do São Paulo está cheia, porque os cartolas, ultimamente, dão vergonha!

O poster do São Paulo pode ser comprado neste link aqui, no site da Pennarello. O designer James Campbell Taylor é  inglês de Nottingham, viveu na Itália e hoje mora em Nova York. É fanático por futebol, sua história e coleciona uniformes “vintage” de clubes e seleções. Mantém um site muito bacana, o Shirt Tales, em que não só mostra as peças de sua coleção, como aos poucos vai acrescentando textos que contextualizam a história dos times e jogadores que vestiram os #mantos clássicos. James Taylor fez duas séries de ilustrações que já recomendamos aqui no blog: cartazes alternativos para todas as Copas e a série Long Play Football Club, onde imaginou capas super estilosas para discos imaginários de craques dos gramados.   Vale a pena conferir. Continuar lendo “Um poster reúne os ídolos de 85 anos de história do São Paulo.”

Kaká. Até logo?

FOTO: Rubens Chiri / saopaulofc.net
FOTO: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Ele não foi o melhor do Brasileirão 2014, talvez não tenha sido nem o do São Paulo no campeonato, mas ninguém duvida que o time do aniversariante do domingo, Muricy Ramalho, foi um antes de Kaká e outro depois da estreia do camisa 8. Como Ganso e Pato (pelo menos até as contusões) melhoraram! Faltou fôlego ao tricolor para chegar mais perto do Cruzeiro, campeão na antepenúltima rodada, mas o time do Morumbi garantiu o vice e uma vaga direta na fase de grupos da Libertadores, obsessão tricolor (sorteio dos grupos nesta terça-feira). Só que Kaká não estará mais. Depois da partida contra o Sport na Arena Pernambuco, na última rodada, o ex-Milan e Real Madrid vai jogar no Orlando City. A segunda despedida do Morumbi foi bem mais emocionante do que a primeira, em 2003, quando tomou o rumo do Milan, numa época que alguns coxinhas vaiavam o craque revelado no Morumbi. Minoria!

A festa “volta logo, Kaká” só não foi completa porque outro ídolo da casa, de contrato renovado, pisou feio na bola, e deu o gol de empate ao Mazola, do Figueirense – que aliás poderia ter vencido a partida. Ê Rogério!

Por falar no capitão eterno do São Paulo, confesso que fiquei surpreso com a festança que a torcida fez, antes do jogo deste domingo, na praça Roberto Gomes Pedrosa (aliás, nome de um ex-goleiro tricolor), para receber o time e celebrar o fico de Rogério. Olha que 4 dias depois de uma eliminação de Copa Sul-Americana, hein?

Continuar lendo “Kaká. Até logo?”