125 gols em 2015. A impressionante marca do trio MSN.

Ao marcar o quarto gol do Barça contra a Real Sociedad, ontem, Messi chegou a 44 gols no ano. Suárez fez o segu 40º. E Neymar, com o doblete, a dobradinha contra La Real, tem 41.

twitter.com/fcbarcelona_br
twitter.com/fcbarcelona_br

O trio MSN é responsável por 78% dos 160 gols do Barcelona em 2015.

Ainda tem Iniesta, Piqué, Busquets, o brasileiro Dani Alves, o chileno Bravo, o croata Rakitic.

Numa entrevista aqui pro blog, o jornalista e diretor Juan Rodríguez-Briso fez uma comparação muito interessante, com craques dos anos 80. É como ter Maradona, Zico e Francescoli e mais parte da seleção italiana campeã de 82 no mesmo time. Leia a entrevista aqui e veja Eighteam”, filme de Juan Rodríguez sobre a volta por cima da seleção de Zâmbia depois de um acidente aéreo, na sessão das 19h do CINEfoot neste domingo (Espaço Itaú de Cinema, rua Augusta, 1475). Continuar lendo “125 gols em 2015. A impressionante marca do trio MSN.”

O Reus fez um anúncio divertido pro jogo contra o Atlético de Madrid por #LaCopa

Depois do vídeo engraçadíssimo do Villanovense para promover o jogo de Copa do IMG_20151016_073009Rei em que recebeu o Barça, CF Reus Deportiu brincou com o próprio nome para viralizar a partida de dezesseis avos de final de La Copa contra o Atleti, em 1ª de dezembro. O time catalão de Reus -cidade-natal de Gaudí !- lidera o Grupo III da Segunda B, na prática a terceira divisão do futebol espanhol. Força, Reus!
O vídeo tem roteiro e realização da Acid Factory.

Continuar lendo “O Reus fez um anúncio divertido pro jogo contra o Atlético de Madrid por #LaCopa”

Best, o “quinto beatle”… Não o Pete. Mas o George.

“Quinto beatle” era o apelido de um cracaço de futebol, George Best, ídolo da seleção da Irlanda do Norte e do Manchester United. Um jogador “star”. É considerado um dos integrantes da trindade que só não é santíssima porque o apelido do Manchester United é red devil. Old Trafford quase parou para homenagear o “quinto Beatle”, no minuto 7 da partida contra o PSV, para marcar os 10 anos da morte de Best – um mito que não se pode dizer que não viveu a vida. Veja a homenagem, primeiro no vídeo do canal FullTimeDEVILS e depois na foto da página do United no Face.

facebook.com/manchesterunited/
facebook.com/manchesterunited/

Veja o post anterior: a trindade do Manchester United.

Tem até meme de internet que Best (George, não o Pete) “aparece “atravessando Abbey Road junto com os Beatles, e uma bola.

Foram muitas as homenagens a Best, que 10 anos depois da morte ainda figura como garoto da capa da nova edição da ótima revista espanhola Panenka.

Soube que estão tentando viabilizar um filme sobre George Best via crowdfunding, a tal da vaquinha online.

Rapaz, olha só o que ele aprontava (dentro de campo)…

Continuar lendo “Best, o “quinto beatle”… Não o Pete. Mas o George.”

Um século de futebol no Vasco

12265897_10156387849950454_3760791387992026529_o
facebook.com/vascodagama

Saudamos o Club de Regatas Vasco da Gama – fundado em 1898- que esta semana comemora 100 anos de futebol.

De camisa negra, Vaco campeão em 1923. Nicolino, Torterolli, Leitão, Cecy, Bolão, Negrito, Arlindo, Arthur, Mingote e Paschoal e o goleiro Nelson, deitado. FOTO: Centro de Memória do Vasco da Gama. http://www.vasco.com.br/site/noticia/detalhe/11959
De camisa negra, Vaco campeão carioca em 1923. Nicolino, Torterolli, Leitão, Cecy, Bolão, Negrito, Arlindo, Arthur, Mingote e Paschoal e o goleiro Nelson, deitado. FOTO: Centro de Memória do Vasco da Gama. http://www.vasco.com.br/site/noticia/detalhe/11959

Continuar lendo “Um século de futebol no Vasco”

Entrevista com Juan Rodríguez-Briso, diretor de #Eighteam, atração do #CINEfoot.

11036802_866215093413957_5276178551288061191_nJogos Olímpicos de Seul, 1988. Zâmbia dá de 4 a 0 na seleção da Itália. Três gols de Kalusha Bwalya.

Abril de 1993. Um acidente aéreo no Gabão mata 18 Chipolopolos (balas de cobre) – apelido dos jogadores da seleção de Zâmbia. Bwalya só não morreu porque jogava no PSV Eindhoven e se juntaria à seleção depois.

1090974_542543702557620_3047208807226543228_o
facebook.com/e18hteam/

Copa Africana de Nações, 2012. Dezoito anos e 18 pênaltis depois, Zâmbia enfim conquista o primeiro título africano, no mesmo Gabão do acidente aéreo. A saga pra reerguer a seleção zambiana é o tema de E18team” (Eighteam), segundo filme de Juan Rodríguez-Briso. Uma das boas atrações do festival CINEfoot 2015, em São Paulo. Passa no domingo, às 19h, no Espaço Itaú de Cinema (da Rua Augusta). E disputa a Taça CINEfoot de melhor longa-metragem (confira os selecionados). Por e-mail, o blog Fut Pop Clube conversou com o diretor Juan Rodríguez-Briso sobre os Chipolopolos, cinema e futebol.

  • FUT POP CLUBE – Quando resolveu contar a história da seleção de Zâmbia? Na decisão por pênaltis contra a Costa do Marfim, na final da Copa Africana de Nações de 2012?

Juan Rodriguez-Brizo – Sou muito fã de futebol e geralmente vejo todas as

O diretor Juan Rodríguez-Briso
O diretor Juan Rodríguez-Briso : facebook.com/e18hteam/

grandes competições desse esporte. Estava vendo a final da Copa da África de 2012 na televisão e antes da partida se falava que Zâmbia ia jogar a final na mesma cidade onde ocorreu o acidente. Esse detalhe por si só já era muito chamativo. Mas quando a decisão por pênaltis começou a ser a ser tão estranhamente longa e finalmente foram 18 cobranças, automaticamente lembrei que 18 jogadores tinham falecido no acidente. Talvez tenha sido uma simples coincidência, mas pensei que se todas essas coincidências acontecessem num filme de ficção, as pessoas pensariam que o roteirista estava louco, mas nesse caso era uma história real e tinha que contar.

  • Onde poderia chegar aquela seleção de Zâmbia, não fosse o acidente aéreo Gabão?

Juan Rodríguez – Em geral, as apostas esportivas são uma boa referência para saber as chances de uma equipe. Se Zâmbia ganhasse esse o campeonato, se pagaria 40 por 1. Na final, a vitória de Costa de Marfim pagaria 1,5 a 1 e a de Zâmbia, 7 a 1. Zâmbia não tinha nenhum jogador entre as principais equipes da Europa, ao contrário da Costa do Marfim (Drogba, Yaya Touré, Gervinho). Pelo elenco, Zâmbia no deveria ter passado das quartas de final, mas por sorte demostraram que o futebol é um esporte coletivo e, seguramente, o fato de jogar no mesmo lugar do acidente deu uma motivação, una energia extra, que levou Zâmbia a ser a melhor equipe. Não esqueçamos que, além de ganhar da Costa do Marfim na final, também derrotaram Gana e Senegal, que dizer, ganharam de 3 das 5 melhores equipes da África, em teoria.

Nunca pensei em “Eighteam” como um documentário de futebol, mas como uma história de superação coletiva, do triunfo da força de vontade” – Juan Rodríguez

  • Quais foram as dificuldades para filmar “Eighteam”?

Juan Rodríguez – O mais difícil foi encontrar um patrocinador que ajudasse o projeto. Em Zâmbia, não existe uma grande produção audiovisual profissional e os possíveis patrocinadores que poderiam apoiar não acreditavam que seríamos capazes de realizar esse filme. Por sorte, pude entrar em contato com una produtora local, Ngosa Chungu, que foi minha mão direita lá. Durante o primeiro ano e meio, fizemos tudo de maneira independente. Até o primeiro esboço da “película”, não tivemos nenhuma ajuda. Finalmente, depois deste primeiro copião, conseguimos que a Zambeef, uma grande empresa de Zâmbia, se interessasse pelo documentário e aí conseguimos terminar.

Já estamos trabalhando para que a historia de “Eighteam” vire um filme de ficção. Desde já é uma história muito forte, com um final bem à La Hollywood – Juan Rodríguez-Briso

  • E o momento mais emocionante durante as gravações, qual foi?
  • Juan Rodríguez – As entrevistas com Beauty Lupiya, jornalista zambiana, e Simataa Simaata, ex-diretor da Federação de Futebol de Zâmbia. Ambos tinham muita relação com as pessoas que morreram no acidente. Quando fizemos a entrevista, já tinha passado quase 20 anos do acidente, mas pela maneira de contar como foi, parecia que o acidente tinha sido no dia anterior. Nas duas entrevistas, tivemos que parar porque os dois foram às lágrimas. E eu também, claro.

O Barcelona tem o melhor jogador da Argentina, o do Brasil e o do Uruguai, mais vários campeões do mundo com a Espanha em 2010. Se estivéssemos nos anos 80, seria como ter Maradona, Zico e Francescoli, mais a metade da seleção italiana de 82.

(a entrevista continua dentro do post)
Continuar lendo “Entrevista com Juan Rodríguez-Briso, diretor de #Eighteam, atração do #CINEfoot.”

“Papéis ao Vento”

10714365_1755907211300447_1202887142285361251_oUm torcedor do Independiente torra toda as suas economias comprando o passe de um centroavante que prometia muito, foi convocado pra Mundial sub-17 e tudo, mas acabou na terceira divisão argentina. Fica doente, e em estado terminal, ouve a promessa que a filha continuará sendo torcedora do Rojo. O irmão e mais dois amigos inseparáveis ficam com o abacaxi que é o passe da “promessa” que não faz gols nem na terceirona. Como já deu pra perceber, “Papéis ao Vento (“Papeles en El Viento”) fala muito sobre futebol, mas é acima de tudo sobre a amizade.  O filme de Juan Taratuto é baseado no livro “Papeles en El Viento”, de Eduardo Sacheri, roteirista de O Segredo dos Seus Olhos” e “Um Time Show de Bola” (lá, “Metegol”), que é Indepediente rojo. Sacheri também escreveu o roteiro de “Papéis ao Vento” ao lado do diretor Taratuto. Infelizmente, o filme estreou na surdina em São Paulo, numa única sala e com poucas sessões. Corra, se quiser ver no cinema.

É recomendado pra quem gosta de cinema argentino, especialmente a quem se interessa pela excelente literatura futbolera de Eduardo Sacheri. Ah, sim, são de arrepiar as curtas cenas que mostram a cancha do Independiente, um alçapão chamado estádio Libertadores de América. Afinal, o Rojo é o Rey de Copas – são 7 Libertadores.

Continuar lendo ““Papéis ao Vento””

Estreia “Ídolo”. Filme sobre Nilton Santos, o “Enciclopédia do Futebol”.

facebook.com/filmeidolo/
facebook.com/filmeidolo/

Boa semana pra quem gosta de filmes sobre futebol. O festival Cinefoot volta a São Paulo… e o filme sobre Nilton Santos, “Ídolo”, de Ricardo Calvet, estreia nesta quinta-feira em seis cidades. Além de gravações feitas com o próprio Enciclopédia do Futebol na clínica onde estava internado, o documentário tem depoimentos de Zico, Junior, Evaristo de Macedo, Zagallo, Amarildo, Carlos Alberto Torres, PVC, Luis Mendes, João Havelange, Just Fontaine, Dino Sani, Mengálvio, Coutinho, Pepe, Gerson e da jornalista Sandra Moreyra, que era botafoguense como o pai, Sandro, amigo de Nilton Santos e Garrincha.

Eu ainda fiz onze gols, proibido de passar do meio de campo. Eu não invejo o dinheiro que eles ganham, eu invejo a liberdade que tem um lateral de fazer hoje.” – Nilton Santos

Belo tributo ao bicampeão mundial, que morreu em novembro de 2013. Veja dentro do post os 13 cinemas que exibem “Ídolo” na semana de estreia, em São Paulo, Brasília, Recife, Fortaleza, Juiz de Fora e, claro, no Rio.
Continuar lendo “Estreia “Ídolo”. Filme sobre Nilton Santos, o “Enciclopédia do Futebol”.”