Rodada paulista do CINEfoot 2015

geraldinos2Saiu a programação completa da edição paulista do CINEfoot – festival de cinema 11036802_866215093413957_5276178551288061191_nde futebol, que vai de 26 de novembro a 1˚de dezembro, primeiro no auditório do Museu do Futebol (quinta a sábado) e depois no Espaço Itaú de Cinema (rua Augusta, sábado à terça) – entrada grátis em todas as sessões. Um pouco antes, no dia 26, o CINEfoot chega a Vitória (confira a programação capixaba aqui).

Chance para ver ou rever um monte de filmes bacanas sobre a história de times, de jogadores, de torcedores – como Geraldinos, vencedor da Taça CINEfoot de longa metragem na edição carioca do festival. Concorre de novo em Sampa: é um dos 15 longas e curtas brasileiros e internacionais que disputam a Taça CINEoot 2015 (veja post anterior).

Nas sessões especiais, tem estreia brasileira do documentário do Décio Lopes sobre o Orlando City e da série “Som das Torcidas”, produção da Central3 com direção de Pedro Asberg (“Democracia em Preto e Branco”; “Geraldinos”) e homenagens à diretora Lina Chamie e aos ex-jogadores Afonsinho e Ivair e ao XV de Piracicaba.

Confira a programação completa do sexto CINEfoot em Sampa dentro do post.

Continuar lendo “Rodada paulista do CINEfoot 2015”

XV de Piracicaba, 102 anos (e alguns dias) de crá crá crá.

IMG_20150724_074215
No domingo, 15 de novembro, o XV de Piracicaba completou 102 anos. Aliás, “Nhô Quim – O Caipira Centenário“, filme sobre o centenário do XV, o jeito Quinzão de ser, vai passar na “capitar”, na edição paulistana do CINEfoot (confira aqui).

Conhece o hino popular do XV?

Cáxara de fórfe, cúspere de grilo, bícaro de pato, gooooorrrrr!
Quinze! crá, crá, crá!

Pois no You Tube achei uma divertida versão metal do hino do “xis vê”. Confira! Continuar lendo “XV de Piracicaba, 102 anos (e alguns dias) de crá crá crá.”

Seleção paulista do CINEfoot 2015. Vale taça!

11700847_947461825289283_3787933161936121062_o
Uma boa notícia pro torcedor/espectador de Sampa é que está chegando a etapa 11036802_866215093413957_5276178551288061191_npaulista do festival CINEfoot, todo dedicado aos filmes de futebol. Começa em 26 de novembro e vai até 1º de dezembro, primeiro no auditório do Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu, e depois no Espaço Itaú de Cinema da rua Augusta – todas as sessões de graça. Foram 156 inscrições. E para a seleção paulista, ficaram 15 filmes. Vamos ver que longas e curtas concorrem à Taça CINEfoot 2015.
CINEFOOT SÃO PAULO / MOSTRA COMPETITIVA DE LONGA-METRAGEM

1) E18hteam (Eighteam, de Juan Rodriguez-Briso, Espanha/Zâmbia). Sinopse: a ressurreição da equipe nacional de futebol da Zâmbia por meio de sua estrela, Kalusha, depois de perder 18 companheiros em um acidente de avião no Gabão em 1993. Kalusha enfrenta uma estrada de reconstrução de 18 anos até o destino fazer sua jogada: no Gabão, Zâmbia torna-se campeão africano depois de 18 longas batidas de pênaltis. Vale conferir, não? Dia 29, domingo, 19h, Espaço Itaú da Augusta.

2) Geraldinos (de Pedro Asbeg, Renato Martins, RJ). Documentário sobre os personagens da extinta geral do Maracanã. Foi o vencedor da Taça CINEfoot de longa-metragem no Rio. Sábado, dia 28, 21h, Espaço Itaú da rua Augusta. Saiba mais aqui ou no post anterior.

1522909_531443780327215_2136754061374261784_o

3) Isto é Söderstadion (de Andreas Bjunér, Suécia). Mostra a tristeza dos torcedores do  Hammarby na despedida do Söderstadion, antes de ter que dividir estádio com o clube rival.

4) Loucura que Apaixona minha Cidade (Locura que Enamora mi Ciudad, de Maximiliano Baldi, Argentina). Doc sobre o Talleres, de Córdoba, clube que completou sem centenário em 2013.

 

5) Meninos da Vila – A Magia do Santos (de Katia Lund, SP). A codiretora de “Cidade de Deus” investiga a fábrica de talentos do Santos. Passa no sábado 28 de novembro, na sessão das 19h, no Espaço Itaú de Cinema (rua Augusta).

6) Mundial, as Maiores Apostas (Mundial. Gra o wszystko, de Michal Bielawski, Polônia). O filme apresenta experiências dos principais jogadores do time da Polônia entrelaçadas a relatos de membros do movimento Solidariedade, presos,  que acompanharam a Copa de 1982 pela TV. Passa em 30 de novembro, 21h, no Espaço Itaú da rua Augusta, numa sessão mais política, junto com a segunda parte de Rebeldes do Futebol.

7) Nhô Quim, o Caipira Centenário (de Bruna Epiphanio, SP). Cáxara de fosfre, cúspere de grilo, bícaro de pato, gooor! Quinze, cra cra crá! Bom documentário sobre o estilo XV de Piracicaba de ser. Passa dia 30, uma segunda, na mesma sessão do filme do Ugo Giorgetti, às 19h, no Espaço Itaú da Augusta. Saiba mais aqui ou no post anterior.10551624_794774777229357_649466779066034514_o-1-1

Para a mostra de curtas, o CINEfoot selecionou 8 filmes, cinco deles brasileiros. Tem até um do Ugo Giorgetti sobre o extinto Comercial FC, da capital. Confira a convocação.

Continuar lendo “Seleção paulista do CINEfoot 2015. Vale taça!”

Dois toques, duas dicas para o sabadão em Sampa e “Pira”.

  • No Museu do Futebol, em São Paulo, o sábado é de 17º Encontro de Colecionadores de Camisas, das 10h às 17h. Trocas liberadas. Sempre tem um varal temático (já teve de clubes centenários, de e alviverdes e alvinegros, por exemplo). Desta vez, o tema é o futebol feminino. Vai ter lançamento do livro “As Camisas da Seleção Brasileira desde 1914”, de Duda Sampaio (editado pela Contato Comunicação). O local é o foyer do Museu do Futebol, na monumental fachada do estádio do Pacaembu. No auditório do museu, das 10h às 13h, rolam debates sobre como o futebol feminino pode ter mais visibilidade. A entrada é de graça. image001
  • O Memofut – Grupo de Literatura e Memória do Futebol – faz uma reunião extra neste sábado, 29 de agosto, em Piracicaba. Na agenda, a partir de 10h, imagens de álbuns de figurinhas com times históricos do XV de Piracicaba. Às 10h30, tem bate-papo com o publicitário e professor Adolpho Queiroz, coautor, com Pedro Sakr, do livro “Gatão: Do XV ao Corinthians – Tributo à Trajetória de um Vencedor”. Vicente Naval Filho, o artilheiro Gatão, foi ídolo do XV de Piracicaba, campeão da Lei do Acesso, e no Corinthians, ganhou o título paulista de 1954. E das 11h15 ao meio-dia, a palestra “Foot Ball: como tudo começou”, com o pesquisador José Roberto Fornazza.
    Local: Auditório do Armazém 14 (Salão de Humor) do Parque Engenho Central – Av. Maurice Allain, 454 – Piracicaba – SP. Aproveite e veja a exposição temporária Museu do Futebol Na Área.

Continuar lendo “Dois toques, duas dicas para o sabadão em Sampa e “Pira”.”

“Nhô Quim – O Caipira Centenário”.

Atualizado para o CINEfoot 2015.

xv 10551624_794774777229357_649466779066034514_o
Cartaz: Nhô Quim – O Caipira Centenário

Em 2013, o centenário do XV de Piracicaba, o tradicional “Nhô Quim” do futebol paulista, inspirou um documentário, já exibido nos sábados de encontro do Memofut.
O torcedor/espectador da “capitar” tem mais uma chance de ver “Nhô Quim – O Caipira Centenário”. O doc é uma das atrações do CINEfoot 2015 em Sampa. Passa em 30 de novembro, uma segunda-feira, às19h, no Espaço Itaú da rua Augusta.

E a fita sobre o modo “xis vê” de vida está classificada para lutar pela Taça CINEfoot de melhor longa! Goooor! 

Continuar lendo ““Nhô Quim – O Caipira Centenário”.”

Lançamento: “Oswaldo Brandão – Libertador Corintiano, Herói Palmeirense”.

CAPA OSWALDO BRANDAO_IMPRENSA (2)
Oswaldo Brandão foi técnico da Segunda Academia alviverde, bicampeã brasileira de forma consecutiva em 1972 e 73 – já tinha sido campeão da Taça Brasil de 1960, que hoje é equiparada ao Brasileirão, paulista de 1947, 59 e 72 pelo alviverde. Era o técnico do Palmeiras quando um gol de Ronaldo (Ronaldo Gonçalves Drummond, ex-Galo, futuro cruzeirense) impediu que o Corinthians de Rivellino acabasse com o jejum, num Morumbi lotado, na final do Paulistão de 74. Três anos depois, já sofrendo com a doença do filho, Márcio (câncer no cérebro), Oswaldo Brandão levou o Corinthians ao título paulista de 1977, acabando com os 23 anos de jejum de grandes títulos, com o chorado gol de Basílio contra a Ponte Preta. Aliás, Brandão era o treinador do Corinthians no último título antes da fila, o de 1954. Também foi campeão paulista em 71 pelo São Paulo de Gerson, Pedro Rocha, Toninho Guerreiro, Forlán, Terto, Paraná, Sérgio Valentim. O primeiro e até agora único treinador a boatar no peito faixa de campeão estadual por todas as cores do “trio de ferro” (Palmeiras, Corinthians e São Paulo). Na Seleção, lançou Falcão e Cerezo. Também levantou taça na Argentina, com o Independiente (Nacional de 1967).

Libertador Corintiano, herói palmeirense, como diz o título do livro que o jornalista Maurício Noriega está lançando pela editora Contexto. Esse livro era sonhado e preparado por Noriega há anos, como contou nessa #e-entrevista aqui pro Fut Pop Clube, em 2009.

Uma figura humana admirável. Sei até porque ele era muito amigo do meu pai, Luiz Noriega, e ouvi histórias muito, mas muito tocantes dele.

Brandão é o tema do capítulo 1 do primeiro livro de Nori, “Os 11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro” (também da Contexto, 2009). Leivinha, craque dessa segunda academia alviverde, depois ídolo do Atlético de Madrid, diz que o técnico Brandão foi o “nº 1” de sua carreira, um treinador quase sempre paternalista, rude quando necessário.

Continuar lendo “Lançamento: “Oswaldo Brandão – Libertador Corintiano, Herói Palmeirense”.”

Gylmar e De Sordi, campeões do mundo, no time lá de cima.

Um camisa 1 que começou a se consagrar mundialmente jogando com a 3.

Um lateral-direito que atuou em quase todas as partidas da campanha que deu ao Brasil sua primeira Copa do Mundo – menos a final, por contusão.

No mesmo fim de semana, perdemos os dois primeiros nomes da escalação do Brasil campeão em 1958. Gylmar, De Sordi…

Um mês atrás, partiu Djalma Santos, que substituiu De Sordi tão bem na final, que entrou para a seleção da Copa (mais tarde, jogou por uma seleção do mundo, com o escudo da Fifa no peito).

A Gylmar e De Sordi, seus parentes, seus fãs, seus torcedores, a homenagem dos súditos, como este blogueiro.

Muito obrigado, campeões! Continuar lendo “Gylmar e De Sordi, campeões do mundo, no time lá de cima.”