Crowdfundig. O Eibar faz uma espécie de ‘vaquinha’ para poder jogar na liga das estrelas.

https://www.facebook.com/pages/Sociedad-Deportiva-Eibar/
https://www.facebook.com/pages/Sociedad-Deportiva-Eibar/

Não bastou subir no campo, ser campeão da segundona espanhola. O Eibar, da cidade basca do mesmo nome (27 mil habitantes!), teve que aumentar seu capital – para perto de 2 milhões de euros – para poder jogar na primeira divisão da Espanha. Lançou uma campanha entre os torcedores, sócios acionistas do clube – Defiende al Eibar – e conseguiram o valor exigido!  Muito legal isso.

O Eibar é caçula da liga espanhola. Caçula, mesmo. Nunca tinha disputado a primeira divisão em 74 anos de história.

Os times são orgulho de suas cidades em todas as comunidades e regiões da Espanha – talvez o exemplo mais claro seja o do Athletic, em Bilbao. Tive a oportunidade de comprovar isso mais uma vez, na última rodada da temporada passada. Cheguei a Pamplona no dia que o Osasuna lutava para não cair. A cidade se mobilizou, superlotou o mirrado estádio El Sadar (chegou a haver um acidente, com queda de um barra de ferro e feridos, por causa de uma avalance de torcedores), o time ganhou a partida, mas mesmo assim caiu. Uma pena. Fiquei impressionadaocom a molecada, a juventude da torcida. Aliás, o Osasuna poderia ser beneficado se o Eibar não confirmasse a participação na liga.

Veja um poster da campanha do Eibar.
Continuar lendo “Crowdfundig. O Eibar faz uma espécie de ‘vaquinha’ para poder jogar na liga das estrelas.”

Sentimento de primeira: o Deportivo La Coruña volta à liga da estrelas!

Flâmula do centenário do Dépor, em 2006

O Real Club Deportivo La Coruña está de volta ao lugar de onde não deveria ter saído: a primeira divisão do campeonato espanhol, depois de um ano na Liga Adelante, a segundona lá.

Quando for ao Camp Nou, ao Calderón, a San Mamés e a outros grandes estádios, o Deportivo certamente deve usar seu novo uniforme 2, já mostrado aqui no blog (confira o post anterior). Uma camisa branca com uma faixa diagonal como a bandeira da Galícia, região da Espanha cuja capital é Santiago de Compostela. A língua local, o galego, é bem parecida com o português.
Força, Dépor!

Abaixo, um slide-show do estádio Riazor, que tem um localização privilegiada, na frente da orla desta linda cidade que é A Coruña, onde semana passada vi o showzão da dupla Estopa.
Como a gente pode ver numa das fotos da fachada do Riazor, o brasileiro Bebeto está bem na foto, na memória do clube.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Dérbi madrilenho no Bernabéu. E deu Atleti.

A arte do Facebook do Atlético de Madrid mostra os jogadores relacionados para o clássico. Um time de guerreiros, muitos guerreiros. https://www.facebook.com/AtleticodeMadrid
A arte do Facebook do Atlético de Madrid mostra os jogadores relacionados para o clássico. Um time de guerreiros, muitos guerreiros. https://www.facebook.com/AtleticodeMadrid

Tive a oportunidade de conferir pela televisão o “dérbi madrileño” deste sábado, pela 7ª rodada da liga espanhola. Sabe quando uma vitória de 1×0 é maiúscula? Essa foi. Fora de casa, no Santiago Bernabéu (a primeira partida em casa do milionário Gareth Bale). Lá dentro o Atlético não ganhava do Real pelo campeonato espanhol há 14 anos (1999, Atlético 3×1).  Marcou no primeiro tempo, em esperta roubada de bola, com o brasileiro Diego Costa. E no segundo, jogando no contra-ataque, teve chances para ampliar contra o vizinho galático (se o Koke faz aquele gol…). Sétima partida, sétima vitória do Atlético, em recorde igual ao  que o Barcelona alcançou nesta tarde contra o Almería. Os rojiblancos agora têm 16 partidas invictas fora de casa. Foi o jogo n 200 de Diego Simeone no comando dos colchoneros.

“Titãs”, definiu o site do Atlético, com uma foto de Diego Costa, sergipano de Lagarto, com passagens por clubes como Penafiel. Braga, Celta, Albacete, Valladolid e Rayo Vallecano, antes de se firmar com a camisa 19 vermelha e branca.

Em cartaz, cartazes de futebol


Com tantos estádios novos e imensos, que médias de público baixas no futebol brasileiro, não? Toda campanha para levar mais torcedores aos estádio é válida, certo? A liga da estrelas 2012-13 terminou, mas gostaria de deixar o exemplo dos cartazes promocionais que o Espanyol de Barcelona publicou nos últimos meses na sua página no Facebook. O RCDE também preparou um poster para lembrar da campanha que levou o clube ao vice-campeonato da Copa da Uefa, em 2007 (o Espanyol de Pandiani, artilheiro da taça, caiu só nos pênaltis diante do forte Sevilla de Dani Alves, Adriano, Luís Fabiano e Kanouté, no Hampden Park, em Glasgow. As imagens – como as da galeria acima – foram coletadas nos últimos meses no Facebook oficial do RCD Espanyol.

https://www.facebook.com/RCDEspanyol
https://www.facebook.com/RCDEspanyol

Taí um forma de anúncio em que os clubes brasileiros poderiam investir mais. Lá fora, é tradição. Nos museus dos Atlético de MadridAthletic Club em Bilbao… do Barça… há exposição de alguns cartazes. Dentro do texto, você vê alguns pôsteres que encontrei no museu do Valencia, que fica no Museo de las Ciencias Príncipe Felipe. Continuar lendo “Em cartaz, cartazes de futebol”

Barça, 22 vezes campeão da liga das estrelas

Primeiro escudo do Barcelona
Primeiro escudo do Barcelona

Alirón, alirón, el Barça és campeón!

DSC01953 (2)“Alirón” com 3 rodadas de antecipação na liga espanhola. O Espanyol deu uma ajudinha involuntária ao rival regional. Com o empate entre Espanyol e Real Madrid (1×1), o Barcelona agora de Tito Vilanova entra em campo neste domingo no Vicente Calderón já como campeão da temporada 2012/2013 da Liga BBVA. É o quarto título de liga do Barça em cinco anos; o sexto nos últimos 10. Devemos ter o “pasillo”, um corredor em que os jogadores campeões passam aplaudidos por um corredor dos atletas adversários, no caso, do Atlético de Madrid. E “alirón”, que diabos é isso? Um termo que veio de Bilbao, terra do Athletic, e sua origem não começa nos campos de futebol, mas nas minas. Quando os trabalhadores achavam mineral, gritavam “All iron, all iron”. Os trabalhadores locais adaptaram: “alirón, alirón”. E isso foi parar no futebol. Do País Basco (que recebeu muita influência da Inglaterra, a terra dos inventores do futebol) e de toda a Espanha (outra acepção diz que o “alirón” vem de um termo hispano-arábico, “al´ilan”, que quer dizer proclamação). Continuar lendo “Barça, 22 vezes campeão da liga das estrelas”

Capitão Messi

FOTO Miguel Ruiz - FCB
FOTO Miguel Ruiz – FCB

BARCELONA – Messi comandou mais uma vitória do Barcelona, uma assistência e dois tentos (o segundo, um golaço) contra um valente Rayo Vallecano. 3 a 1. Até aí, nenhuma graaande novidade. A nova é que pela primeira vez numa partida de campeonato, o craque argentino usou a braçadeira de capitão, após a substituição de Iniesta.
Depois de um começo morno, vi no Camp Nou um jogo franco e aberto. Apesar da ousada atuação do Rayo, a impressão que dá é que o Barça poderia ter feito mais gols.
Quantas nacionalidades estão representadas no Camp Nou? Talvez seja mais fácil ver quais não estão… No superlotado metrô após o jogo, se escuta  inglês dos 2 lados do Atlântico. Italiano. Japonês. Chinês. Russo, Alemão. Português de Portugal. Catalão, claro. No minuto 17:14 de cada tempo, os torcedores locais gritam pela independência da Catalunha.
Tinha até brasileiro dentro do estádio com um cartaz onde se lia” “Mamãe, estou no Camp Nou”.

Verso de flâmula comemorativa dos 50 anos do Camp Nou, em 2007
Flâmula do Rayo Vallecano

Continuar lendo “Capitão Messi”

Rolê do Fut Pop Clube pelo Mestalla, em noite de Valencia vs Bétis

Digitalizar xpto 0002 (2)image
IMG_20130315_212050VALÊNCIA – Minha “estreia” no Mestalla foi com esse jogo, disputado na noite de sábado. Cidade cheia por causa das Fallas, festa valenciana que atrai gente de quase todos os cantos. Estádio com excelente público, mas não lotado.
No primeiro tempo, só deu Valencia, que teve Diego Alves no gol (muito esperto na reposição de bola). E o juiz deu um pênalti bastante contestado pelo Bétis. Soldado converteu.
Show do intervalo: uma banda de música deu uma volta olímpica, tocando pra galera.
image
No segundo tempo, o Bétis voltou muito mais ligado. Esteve muito perto do gol de empate.
Com o revezamento de jogadores, o Valencia chegou ao segundo gol. O brasileiro Jonas fez um belo gol no último lance da partida. 3×0, placar que não diz o que foi o segundo tempo.
Continuar lendo “Rolê do Fut Pop Clube pelo Mestalla, em noite de Valencia vs Bétis”

Hora do brunch: Athletic 1×0 Valencia.

Hora do brunch: Athletic 1×0 Valencia.

image

image

BILBAO – No último domingo, conferi in loco a partida do meio-dia da liga espanhola: o Athletic venceu o Valencia por 1 a 0, golaço de Muniain, que acabou com uma longa seca de gols. Partidaça, muito bem disputada, com emoção e muitas chances de gol – desperdiçadas em parte por causa das atuações dos goleiros. O Athletic do Loco Bielsa começou bem, especialmente pela ponta esquerda, com Ibai Gómez. Aliás, na Europa se joga bastante pelas pontas. O que não é sinônimo de gols. No segundo tempo, o Valencia voltou bem melhor. E esteve perto de abrir o placar. Tanto que o goleiro do Athletic foi “o cara” da partida. O navarro Iraizoz, que andou sendo questionado e até barrado, fez várias ótimas defesas (só uma saída em falso). O próprio Bielsa reconheceu que o Valencia jogou melhor.
image

image

38 mil pessoas quase lotaram La Catedral, como o velho e belo estádio de San Mamés é chamado.
image

Chamou a atenção da imprensa basca a quantidade de crianças nesta partida do meio-dia – o que no Brasil é muito comum, inclusive em partidas noturnas. Por outro lado, na liga das estrelas se vê muitas senhoras nos estádios (no Brasil, se vê mulheres jovens nas arquibancadas). E a torcida, que participa e reclama bastante, me pareceu mais educada, pelo menos no setor em que fiquei, perto do campo e em frente ao marcante arco de San Mamés. “Fuera! Fuera!”, gritam para o árbitro, depois de uma decisão que favorece o visitante. No Brasil, seria o filho daquilo. E o jogador adversário é brindado com o coro de “tonto, tonto…”. Torcida que ajudou bastante o Athletic a aguentar a pressão depois de achar o gol. Comum ver casal de torcedores, um de cada time. Como o jovem casal que ficou atrás de mim na longa fila pra comprar ingresso, no sábado. Ele, Athletic. Ela, Valencia. Deu pra perceber que o uniforme 2 do Valencia – com as cores da senyera- caiu no gosto do clube levantino. Vestiam esse colorido uniforme os integrantes da “barra” do Valencia, que chegaram e ficaram cercados pela polícia basca o tempo todo, num canto do estádio. Enfim, “partidazo”. Excelente atmosfera para o futebol no centenário San Mamés, que verá sua última partida de liga em 29 de maio, contra um rival local do Valencia, o Levante. Um dia eu volto pra conhecer o novo San Mamés, que está sendo erguido ao lado.
image
Continuar lendo “Hora do brunch: Athletic 1×0 Valencia.”