Sarrià, 5 de julho de 1982

Poster do Mundial de 1982

Há 30 anos, o Brasil enfrentou a Itália no estádio Sarrià, que era o campo do RCD Espanyol de Barcelona. A seleção Canarinho treinada pelo mestre Telê Santana poderia empatar, para garantir a vaga na semifinal. Mas acabou voltando para casa. A Itália de Enzo Bearzot não ficou atrás no placar. O bambino Paolo Rossi abriu o marcador aos 5. Sócrates empatou sete minutos depois.  Paolo Rossi desempatou aos 25. No segundo tempo, o Brasil empatou novamente com um golaço de Falcão. O resultado classificaria o Brasil. Mas o camisa 20 da Squadra Azzura marcou seu terceiro gol a 11 minutos do apito final.

A chamada ‘tragédia do Sarrià’ foi retratada numa foto de Reginaldo Manente, que captou o choro de um menino com a camisa amarelinha, nas arquibancadas do estádio do Espanyol. A foto ocupou quase toda a primeira página do Jornal da Tarde, do grupo Estadão, no “day after” – o dia seguinte da tragédia. Uma capa histórica (veja aqui).

Sarriá-82 – O Que Faltou ao Futebol-Arte?” é o nome de um livro lançado esta semana pela Maquinária Editora, em que Gustavo Roman e Renato Zanata Arnos tentam explicar o que aconteceu com o escrete que encantou o mundo. Continuar lendo “Sarrià, 5 de julho de 1982”

Pentacampeão!


Réplica do segundo uniforme da Seleção Brasileira pentacampeã do mundo em 2002, no Mundial disputado na Coreia e Japão. Foi “a” Copa de Ronaldo Fenômeno, Rivaldo Maravilha, ‘São’ Marcos, Luiz Felipe Scolari. A Copa de muitos erros de arbitragem e de acordar de madrugada para ver as transmissões ao vivo, do outro lado do mundo. Na final, há exatos 10 anos, o Brasil venceu a Alemanha por 2 a 0, dois gols do Fenômeno. Veja a seguir a ficha técnica da final e os 23 jogadores da “Família Scolari”. Continuar lendo “Pentacampeão!”

Voa Canarinho. Saiu o livro “Sarriá-82 – O que Faltou ao Futebol-Arte?”.

27 de maio de 2012
Waldir Peres (depois Paulo Sérgio), Leandro, Oscar, Luizinho (Edinho) e Júnior; Falcão, Sócrates, Zico e Paulo Isidoro (Toninho Cerezo); Careca (Serginho Chulapa) e Éder (Dirceu). Com esse time, a Seleção Brasileira treinada por Telê Santana goleou o Eire (República da Irlanda) por 7 a 0, há exatos 30 anos, em 27 de maio de 1982, no Parque do Sabiá, em Uberlândia. Marcaram: Falcão, Sócrates (duas vezes), Serginho (também 2 gols), Luizinho e Zico!
A seleção se despedia do seu povo feliz, diante de 72.733 pagantes, para tentar buscar o tetra. Foi o último amistoso antes do voo do escrete canarinho para disputar a Copa do Mundo de 1982, na Espanha. Você viu aí o nome do Careca na escalação. Infelizmente, o goleador do Guarani se machucou pouco antes do Mundial. Serginho Chulapa, “o artilheiro indomável”, polêmico dentro e fora do campo, ficou com a 9. O Brasil chegou como favorito, encantou o mundo com seu quadrado mágico formado por Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico. Deu show na primeira fase. No grupo com Argentina e Itália que decidia uma vaga na final, venceu bem os hermanos, num jogo em que Maradona perdeu a cabeça: 3×1.  Contra a Itália, poderia empatar,saiu atrás, nunca esteve na frente do placar, e perdeu. 3×2. 5 de julho de 1982. O sonho do tetra foi adiado, logo com a melhor seleção que nosso futebol montou desde o tri no México 70. A falada “tragédia do Sarrià”, nome do estádio do Real Club Deportivo Espanyol de Barcelona na época (foi demolido 15 anos depois; o Espanyol usou por anos o Olímpico de Montjuic e hoje joga num moderno estádio entre Cornellà e El Prat).
A tragédia do Sarrià é o tema do livro de Gustavo Roman, futuro jornalista, colecionador de jogos de futebol (isso mesmo, ele coleciona partidas inteiras em vídeo: 5.350 partidas, de 1950 em diante!) e Renato Zanata Arnos, professor de História, pesquisador do futebol argentino (coautor do blog Futebol Argentino). “Sarriá 82 – O Que Faltou ao Futebol-Arte?”, que está para ser lançado pela Maquinária Editora. O livro já está em fase de revisão e a capa você pode ver abaixo.


Renato Zanata e Gustavo Roman assistiram, analisaram, esmiuçaram 25 dos 38 jogos (29 vitórias, 6 empates e apenas 3 derrotas) disputados pela Seleção de Telê, na primeira passagem do mestre pelo escrete canarinho. Mais os vídeos de 21 partidas da Seleção com o antecessor, Cláudio Coutinho. Total: 46 VTs. Alguns vistos e revistos.

Os autores entrevistaram Zico, os laterais Júnior e Leandro,o zagueiro Oscar, os meio-campistas Batista, Paulo Isidoro e Adílio e os jornalistas Mauro Beting, Mário Marra, André Rocha e Ariel Judas (argentino).

Parece leitura obrigatória para todos nós que sonhamos  junto com os “Pachecos” em 1982 e nunca mais choramos por derrotas de nenhuma Seleção Brasileira. Por aquela, valia a pena chorar. Como o garoto da capa (inesquecível foto, histórica primeira página) do “Jornal da Tarde”, de 6 de julho de 1982.


Há 30 anos, o Rio acordou (ou não dormiu) com um grito: Flamengo campeão do mundo

Flâmula do Flamengo, que neste 13 de dezembro comemora (e comemora muito) os 30 anos do título mundial de clubes. Tem é que celebrar mesmo. Vai dizer que o Mundial de Clubes foi inventado em 2000? Ah, tá bom, quer dizer que o Flamengo de Zico, o Grêmio de Renato Gaúcho, o São Paulo de Telê, o Santos de Pelé, o Racing, o Estudiantes, o Nacional, o Ajax, o Bayern de Munique, o Boca Juniors, a Juve, o Manchester United e tantos outros nunca foram campeões do mundo? Então tá bom…

Estádio Nacional de Tóquio, 13/12/1981, meio-dia no Japão, meia-noite no Brasil. O Flamengo, campeão da Libertadores, goleou o Liverpool, já um tricampeão europeu: 3 a 0. Nunes, Adílio e Nunes de novo. Com seu lindo uniforme número 2, o rubro-negro se sagrou campeão mundial. Senha para ninguém dormir no Rio naquela madrugada.

O campeão jogou e venceu com Raul, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Adílio, Andrade e Zico, Tita, Nunes e Lico. O técnico? Paulo César Carpegiani.   Continuar lendo “Há 30 anos, o Rio acordou (ou não dormiu) com um grito: Flamengo campeão do mundo”

Livro de André Rocha e Mauro Beting sobre o Flamengo campeão de tudo

Publicado em 2011

“1981 – Como um craque idolatrado, um time fantástico e uma torcida inigualável fizeram o Flamengo ganhar tantos títulos e conquistar o mundo em um só ano”. Não, não é RT, não estou republicando post. Esse é o nomaço do livro de André Rocha, do blog Olho Tático e Mauro Beting pela Maquinária Editora sobre o Mundial de Clubes de 1981, vencido pelo Flamengo na goleada de 3×0 sobre o copeiro Liverpool, no Japão.

Há outros livros sobre o assunto: Continuar lendo “Livro de André Rocha e Mauro Beting sobre o Flamengo campeão de tudo”

“1981 – O Ano Rubro-Negro”

Os trinta anos do Mundial Interclubes brilhantemente conquistado pelo Flamengo em 1981 começam a ser lembrados a partir de agora. Dudu Monsanto está lançando o livro “1981 – O Ano Rubro-Negro” (Panda Books). O escrete montado por Coutinho e depois treinado por Carpegiani é considerado um dos melhores das história do futebol brasileiro. Leitura que pode ser interessante até para torcedores de outros times.

Leia também:

Vem aí “Soberano 2”


Por falar em filmes sobre futebol, vem aí “Soberano 2 –  A Heroica Conquista do Mundial de 2005“. Outra investida em cinema boleiro da G7, com a mesma equipe do primeiro “Soberano – Seis Vezes São Paulo“, que contou a história dos seis títulos brasileiros do tricolor paulista. De novo, o torcedor terá papel importante no roteiro. E é por isso que a produção divulgou no Tube este vídeo do “xerife” Diego Lugano. Continuar lendo “Vem aí “Soberano 2””