O Palmeiras, com todo o cartaz.

Poster do filme "Palmeiras - O Campeão do Século". Estreia: 22 de setembro de 2016.
Poster do filme “Palmeiras – O Campeão do Século”. Estreia: 22 de setembro de 2016.

O Palmeiras está com o maior cartaz. Não só lá no alto do Brasileirão 2016, como em cinemas de Sampa, São Bernardo, Ribeirão e Jundiaí, a partir desta quinta, 22 de setembro. “Palmeiras – O Campeão do Século”, o segundo filme do jornalista Mauro Beting, dirigido a quatro mãos com Kim Teixeira (produtor executivo da estreia de Beting, 12 de Junho de 1993), conta os 102 anos de história do alviverde, da fundação como Palestra Itália e o primeiro título paulista ao último pênalti da Copa do Brasil 2015, passando é claro pela Copa Rio 1951 (o mundial do Verdão), o fim do jejum e a Libertadores de 99. É mais uma produção sobre futebol da Canal Azul (o próprio  12 de Junho de 1993100 Anos de Seleção Brasileira e vários filmes sobre outros times)

Confira o trailer:

A partir de 22 de setembro de 2016 nos cinemas:

  • Espaço Itaú Pompeia – Shopping Bourbon
  • Cinépolis – São Bernardo Plaza Shopping
  • Cinépolis – Iguatemi Ribeirão Preto
  • Cinépolis – Jundiaí Shopping

Ficha técnica: Continuar lendo “O Palmeiras, com todo o cartaz.”

São Prass

20151203_163402
Flâmula do Palmeiras, tricampeão da Copa do Brasil.

Ganhar um título com gol de goleiro, convertendo o último pênalti… um título como a Copa do Brasil… a terceira Copa do Brasil… a primeira conquista na nova casa. Fernando Prass já vinha se destacando na campanha palmeirense. Na decisão por pênaltis depois da segunda partida contra o Santos, que começou e terminou à toda, Prass foi herói. Defendeu uma cobrança e bateu muito bem o quinto pênalti do Palmeiras. Gol do título. Pra virar santo entre os alviverdes, não falta quase nada… Mosaico no Allianz Parque, já tinha antes do jogo final.

Parabéns ao Prass e a todos alviverdes. Parabéns, Marcelo Oliveira.

Abaixo, a lista dos campeões da Copa do Brasil.
Continuar lendo “São Prass”

“12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense”.

Publicado em junho de 2013, durante o festival CINEfoot, e atualizado em novembro.

Reprises na terça, 11/11,  às 15h30, na ESPN Brasil e 22h na ESPN.
Reprises na terça, 11/11, às 15h30, na ESPN Brasil e 22h na ESPN.
https://www.facebook.com/12dejunhode93ofilme
https://www.facebook.com/12dejunhode93ofilme

Drama. Humor. Provocações. Boas histórias. Depoimentos interessantes, bem amarrados. Rico material de arquivo.
O filme “12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense tem tudo o que um bom documentário de futebol deve ter. Estádios lotados. Craques. Grandes decisões. Golaços.
O filme, assinado pelo jornalista Mauro Beting, pelo cineasta Jaime Queiroz e pela produtora Canal Azul, se concentra nos 16 anos da história do Palmeiras. Do Paulistão de 1976 ao de 1993, já com o patrocínio da Parmalat, e o sofrido jejum entre essas conquistas. Destaca também que 2 anos antes de começar esse jejum, o Palmeiras deixou o rival Corinthians mais três anos na fila, ao vencer a decisão do estadual de 1974. Ainda eram os tempos de Ademir da Guia, divino camisa 10 reverenciado no começo do documentário, Dudu, Leivinha e Luís Pereira. Com a venda dos dois últimos para o Atlético de Madrid (onde viraram ídolos) e o fim da carreira de Dudu e Da Guia, o Palmeiras teve que se reformular. E teve cada elenco… que o bom humor dos entrevistados, muito bem escolhidos, não deixa escapar.

Claro que os palmeirenses vão se emocionar com as lembranças das grandes vitórias e  também dos anos de sofrimento.

Mas “12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense” não deveria ser curtido só pelos alviverdes, não. Deveria ser visto por todos que gostam de futebol emoção, talvez até por alvinegros que já tenham superado as feridas de 74 e 93. Aqui está boa parte da história do nosso futebol, na década dos últimos grandes campeonatos paulistas. Palmas.

Abaixo, um teaser divulgado na página da produtora Canal Azul no You Tube.

Continuar lendo ““12 de Junho de 93 – O Dia da Paixão Palmeirense”.”

Academia de imortais

https://www.facebook.com/AllianzParque
https://www.facebook.com/AllianzParque

Um gol do Palmeiras e da W Torre, construtora responsável pela nova arena alviverde, Allianz Parque. Um timaço de onze grandes ídolos da história do Verdão (até o fim da década de 80) vai ver os jogos no novo estádio de camarote. O setor Academia Allianz Parque de Imortais fica no quarto andar da arena, ainda em obras. Uma demonstração de respeito e carinho aos ídolos. 🙂

Leivinha, Ademir da Guia, César Maluco (os três na foto abaixo), Oberdan Cattani, Dudu e Luís Pereira já estão escalados. Faltam cinco imortais. O torcedor palmeirense pode votar em até cinco ídolos que defenderam o Verdão até 1989 e que merecem ter um espaço vitalício na Academia de Imortais”.  Cadastre-se e vote aqui: http://allianzparque.com.br/site/votacao.asp

https://www.facebook.com/AllianzParque
https://www.facebook.com/AllianzParque

O próximo post tem a ver com alguém que treinou várias dessas feras daí de cima…

Palmeiras, 96 anos

Na semana em que lamentou a morte do ex-zagueiro Waldemar Carabina, 584 jogos pelo alviverde, o Palmeiras comemora 96 anos de muita história. O Verdão foi fundado em 26 de agosto de 1914, como o Palestra Itália, chegou a ser Palestra de São Paulo antes de se chamar Sociedade Esportiva Palmeiras.

Primeiro símbolo do Palestra Itália, em 1914, segundo o palmeiras.com.br
Distintivo na camisa do Palestra Itália, em 1915, no palmeiras.com.br

No site oficial do Verdão, é possível acompanhar a evolução dos símbolos e distintivos dos uniformes nesses 96 anos de história. A primeira peleja foi disputada em 24 de janeiro de 1915: de camisa verde com gola e punhos brancos, com esse distintivo aí da direita, com as iniciais P.I. no lado esquerdo do peito, o Palestra fez 2×0 em outro time da comunidade italiana, o Savóia, de Votorantim (leia mais). Continuar lendo “Palmeiras, 96 anos”

Livro: “Os 11 Maiores Volantes do Futebol Brasileiro”

Falcão, Dino Sani, Danilo Alvim, Clodoaldo, Dudu, Piazza, Andrade, Zito, Toninho Cerezo e Dunga. Os dez estão na seleção de volantes escalada pelo jornalista Sidney Garambone para o próximo livro da editora Contexto sobre futebol. O 11º é um personagem fictício criado por Garambone, em homenagem aos brucutus. Dá para ver o sumário e ler a apresentação de Os 11 Maiores Volantes do Futebol Brasileiro no site da Contexto.

11 perguntas para Mauro Beting

Fut Pop Clube entrevista um cracaço do texto criativo, cronista esportivo de opinião respeitada mesmo sem esconder sua preferência clubística (ou talvez por isso mesmo). O jornalista Mauro Beting comenta futebol na rádio e  TV Bandeirantes, tem programa no canal pago Band Sports (Beting e Beting, com o pai, Joelmir), escreve coluna no diário Lance!, atualiza seu blog no Lancenet, colabora para revistas como a Fut, também do Lance!, e outros sites, dá aulas, agora brinca de DJ…

O livro do Mauro Beting

Em março, Mauro lançou o livro Os Dez Mais do Palmeiras [saiba quem são os 10 e quem escolheu ] (coleção Ídolos Imortais, Maquinária Editora). E entre um jogo e outro, ainda encontrou um tempinho para conversar via e-mail com Fut Pop Clube. Na rede, Copa do Mundo, Seleção, Dunga, violência das torcidas, ídolos imortais, música. Dividi as 11 perguntas em 3 posts, numa formação 4-3-3. Atrás da defesa que ninguém passa, claro, Oberdan Cattani ou SÃO Marcos.

1) Fut  Pop Clube – A um ano da Copa do Mundo, já tem seleção se garantindo na África do Sul. Você somaria a Espanha, campeã da Euro, à lista de usuais favoritos? Copa das Confederações serve de referência ou não?

Mauro Beting – Primeiramente, como diria Vicente Matheus, um prazer trocar ideias contigo, Lima. A Espanha está sempre entre as favoritas a ser a primeira das favoritas a ser eliminada. Mas, desta vez, numa Copa sem favoritos destacados, num continente “neutro”, é a maior favorita. A Copa das Confederações ajuda para saber quem será a maior decepção no ano seguinte. O que é normal: a Copa não diz quem é o melhor time do mundo por 4 anos. Mas quem foi o melhor daquele mês.

2) Fut Pop Clube – Quando chegarmos perto do 11 de junho de 2010, estará de novo nas ruas, no ar, a pátria de chuteiras, a corrente pra frente, aquele clima de Copa?Está na hora de pegar menos no pé do Dunga?

Mauro Beting –  Está. Ele não é o Felipão, não é o Luxemburgo. Mas também não é mais um qualquer. São três anos melhores que a encomenda até agora. Quanto ao espírito de Copa, também pela Seleção que não ajuda, não será o clima que foi em 2006. Uma pena. Então, que a Seleção surpreenda. Se é que existe “surpresa” em uma boa participação brasileira em Mundial.

3) Fut Pop Clube – Você vai a estádios. Parte das torcidas que fazem aquele espetáculo bonito dentro dos estádios, apoiando os times, é parte das facções que brigam, vandalizam, ferem e matam nas ruas? Acha que a proposta de torcida única em jogo de alto risco é solução?

Mauro Beting – Torcida única institucionaliza a intolerância. Nem em tempos de guerra – como agora – pode e deve ser adotada. É atestado da incompetência da (falta) de autoridade. A esmagadora maioria das torcidas organizadas é gente boa. Mas a gente ruim está ligada 171% a ela. Uma lástima que as uniformizadas acabaram desuniformizando os estádios e as cidades. Pior ainda quando torcem mais por elas mesmas que pelos clubes. Ainda pior quando se tornam profissionais, como as grandes que vivem dos clubes, e vivem ganhando dinheiro com tudo.

4) Fut Pop Clube – Brasileirão que não para com jogo da seleção…Partidas decisivas de Copa do Brasil e Libertadores na mesma data… o calendário do futebol brasileiro precisa mudar?

Mauro Beting –  Muda para muito melhor se for adaptado ao europeu, evitando a sangria dos clubes durante o Brasileirao. Os treinadores são obrigados a trocar motores com o avião em andamento – e  trocam turbinas por hélices. Além disso, 23 datas para os estaduais é demais para tão pouco futebol. É muito jogo para pouca bola.

SÃO Marcos! FOTO: Fabio Menotti
SÃO Marcos! FOTO: Fabio Menotti
5) Fut Pop Clube Entre os  10 mais do Palmeiras e do seu livro, estão dois goleiros. Dois pegadores de pênaltis. Oberdan Cattani e Marcos. Até o dia que o seu livro fechou, SÃO Marcos catou 31 pênaltis, Já são 34, impressionante. É igual a imensa importância dos dois para a história do Palestra / Palmeiras?

Mauro Beting – É demais. O Palmeiras, desde Oberdan, ou mesmo desde Jurandyr, é uma academia de goleiros. Raros os anos em que não esteve bem protegido. Difícil explicar o porquê.

* A e-entrevista com Mauro Beting segue nos 2 posts abaixo.

Entrevista com Mauro Beting (parte II)

Abaixo, a segunda parte da e-entrevista que  o cronista esportivo Mauro Benting gentilmente concedeu aqui para o Fut Pop Clube.

6 – Fut Pop Clube Dos 10 eleitos para seu livro, algum poderia ter mudado o rumo do Brasil em alguma Copa? Ou quem sabe aquele time da Academia que com a camisa da Seleção goleou uruguaios em 65? Dudu e Ademir não foram pra a Copa de 66…

Mauro Beting – Ademir, certamente, poderia ter qualificado o Brasil-74. Mas não passaria pela Holanda. Em 70, não foi preciso. Em 66, nem ele daria jeito naquela zona. Jair Rosa Pinto fez o que pôde pelo Brasil-50. Oberdan era goleiro do mesmo nível de Barbosa. Julinho fez quase tudo em 54, e só não poderia mais que Garrincha em 1958 e 1962. Dudu estava muito bem em 1966, possivelmente melhor que Denílson – como Servílio era o melhor do time brasileiro e foi inexplicavelmente cortado por Feola.

Em 1965, uma Seleção toda de alviverdes. Valdir Joaquim de Moraes à esquerda. FOTO: Academia de História do Palestra-Palmeiras
Em 1965, uma Seleção toda de alviverdes. Valdir Joaquim de Moraes à esquerda. FOTO: Academia de História do Palestra-Palmeiras

Luís Pereira dificilmente faria melhor que Oscar e Amaral em 1978. Djalma Santos sempre fez tudo. Evair poderia ter feito parte do grupo de 94. Mas não seria titular. Marcos poderia ter sido reserva em 2006. Também não mudaria.

7 – Fut Pop Clube –Agora, dois dos 10 mais do Palmeiras também poderiam entrar num livro sobre os 10 mais da Portuguesa. Tiveram passagens muito boas pela Lusa antes do Palmeiras, não?

Mauro Beting – Certamente. Djalma é quem mais jogou pela Lusa, Julinho deve ter sido o maior craque da Lusa. Luís Pereira também jogou muito, já em fim de carreira, em 1985. O interessante, Lima, é que muitos dos dez poderiam ter feito história em outros rivais. Djalma não foi aceito no Corinthians. Julinho não foi notado no Parque São Jorge. Ademir quase treinou lá, e fez um treino ótimo no Santos. Oberdan só não jogou no Corinthians porque não quis. Marcos foi reserva do sub-20 alvinegro. Evair quase foi para o Timão em 1995, e não passou na peneira do São Paulo, em 1984. Ufa!

8 – Fut Pop Clube – Sempre que você dá entrevistas, lembra da mulher e filhos. Como você administra seu tempo dedicado à família com tanto jogo, trabalho em rádio, TV, coluna de jornal, blog, colaboração em revistas  e ainda como professor de jornalismo?

Mauro Beting – Não administro. Amo. Eles sentem, claro. Mas, dentro do possível, coloco no colo, levo pra cabine, pro estúdio, pro treino, pro jogo, pra vida. E, graças a Deus, eles não querem ser jornalistas. Meu pai me levava junto e deu no que não deu. Hahahaha. Mas, de fato, faço tudo por eles, e para eles. Infelizmente, falta apenas mai tempo para curti-los. Mas também, amo o que faço.

NO POST ABAIXO, O FINAL DA ENTREVISTA.

Entrevista com Mauro Beting (final)

Seguimos com o papo via e-mail com o jornalista Mauro Beting. Abaixo, a linha atacante de raça, digo, as três últimas perguntas. Ele fala do pai, Joelmir Beting, de música -brinca de DJ!-e futebol, claro.

9 – Fut Pop Clube – Seu pai trabalhou no jornalismo esportivo antes de mudar para as páginas de economia. O estilo do Joelmir influenciou seu texto?beting

Mauro Beting – Muito. Por DNA, não por cópia. Mas, claro, sem a mesma qualidade. O que é bom é que sempre soube que eu não estava à altura dele. Nunca pretendi chegar perto. Mas, de fato, tem alguma coisa. No início de carreira, até fiz alguns textos que ele assinou. Uma baita honra. E sei que, desde o início, até sempre, as pessoas vão comparar, vão achar que ele me botou nos lugares em que trabalhei… sou tão burro que só fui trabalhar com ele depois de 17 anos de ofício. Ele é o pior nepotista que existe, embora nós façamos há 5 anos o programa mais nepotista da história da TV brasileira: “Beting & Beting” [canal Band Sports].

10 – Fut Pop ClubeVocê escrevia sobre música pop no começo dos anos 90, no jornal FT, do grupo Folha, que depois virou Agora. Que som você gosta de ouvir hoje? Que show te tiraria de casa?

Mauro Beting – Gosto desde música napolitana até rock bem alternativo. radioheadNão pude ir ao Radiohead, mas é um show que me tiraria de casa. Como Oasis[NdaR: site reformulado!]. Como REM. Como Pink Floyd. U2. Travis. Stevie Ray Vaughan (in memorian). Beatles. Kinks. João Gilberto. Tom Jobim. 10.000 Maniacs. Cowboy Junkies. Ih… tanta gente e tanto gênero. Menos breganejo e pagode, tudo eu escuto. Discothèque, blues, chorinho, hinos de clubes e de países. Nos últimos tempos, tenho até brincado de DJ, numa festa do Simoninha de MPB, e de rock lá na Funhouse, em São Paulo. É o meu maior prazer depois do futebol. por mim, tocaria todas as noites, vendo jogos antigos no telão.

11 – Fut Pop Clube -Pra terminar, uma pegadinha. Qual é o maior Palmeiras da história? O da Arrancada Heróica de 1942? O campeão da Copa Rio, em 1951? A primeira Academia que disputava com o Santos de Pelé? A segunda Academia, bicampeã brasileira? O time que saiu da fila em 93/93 e também foi bi brasileiro? O do ataque de 100 gols? Ou o campeão da América? Difícil, hein?

Mauro Beting – o que mais marcou é o de 12 de junho de 1993. Por culpa de tudo que não fizeram desde 18 de agosto de 1976, excetuando 9 de dezembro de 1979 [Nota do blog: ficou curioso? veja que jogo foi esse no Futpédia]. O futebol mais lindo que vi de verde, e dos mais lindos que vi na vida, é o do primeiro semestre de 1996. O que mais prendeu a respiração foi o de 16 de junho de 1999. Mas aquele que vi em 20 de fevereiro de 1974 ser bi brasileiro é uma rima que foi uma seleção do Brasil em 1974. Enfim, todos esses, e muito mais. Pelo futebol, o de 1996, mas durou pouco. Pela bola, fico com a segunda academia. Técnica, tática e física. E tinha Ademir. Tinha Luisão Pereira. Tinha Leivinha. Tinha Leão. Tinha Dudu. Tinha César Maluco. E tinha um moleque de seis anos que curtia o primeiro e último amor além da família. E, entre nós, tem família melhor que a do nosso time?

Fut Pop Clube -Valeu, Mauro Beting. Muito obrigado!

Livro: “Os Dez Mais do Palmeiras”

O livro de Mauro Beting
O livro de Mauro Beting

Nesta segunda-feira literária, o jornalista Mauro Beting lança o seu “Os Dez Mais do Palmeiras” (Maquinária Editora, coleção Ídolos Imortais). Para eleger o seleto grupo de craques alviverdes, o livro teve os votos de feras: Antero Greco, Claudio Carsughi, Joelmir Beting, Lucas Neto, Maurício Noriega, Paulo Bonfá, PVC, Roberto Avallone, Soninha e Ugo “Boleiros” Giorgetti.

E os dez mais da vida do Palmeiras escolhidos para o livro de Mauro Beting são: Marcos, Oberdan Cattani, Djalma Santos, Luís Pereira, Fiúme, Dudu, Jair Rosa Pinto, Ademir da Guia, Julinho e Evair.

A coleção Ídolos Imortais, da Maquinária Editora, já abordou Flamengo e Corinthians.  Vem aí volumes sobre Fluminense, São Paulo, Botafogo, Inter, Grêmio,Vasco, Santos, Cruzeiro e Galo.

Enquanto você aguarda o livro sobre o seu clube, você pode dizer quais são, na sua opinião, os 10 mais da vida do seu time de coração. É só entrar aqui na página de comentários.