Minuto de silêncio para Waldir Peres

23 de julho de 2017

O goleiro que se notabilizou pelas conquistas na decisão por pênaltis, não defendeu nenhuma cobrança no seu maior título. Mesmo assim, Waldir Peres foi o herói do São Paulo na decisão do Brasileirão de 1977, já em março de 1978, ao usar toda sua experiência e catimba para enervar ainda mais os jogadores do Galo, dono da casa e favorito ao título. Três atleticanos desperdiçaram suas cobranças. Antes de Diego Alves, ótima contratação do Flamengo 2017, de São Victor, de São Marcos, antes de Dida e Taffarel, Waldir Peres ficou famoso por históricas defesas de pênaltis. Na final do Paulistão de 1975, contra a Portuguesa, não sem muita manha, defendeu os chutes de Dicá e de Tatá (Wilsinho mandou para fora). E numa excursão da seleção brasileira à Europa, em 1981, pegou duas vezes o pênalti chutado pelo alemão Breitner (o juiz mandou voltar porque o brasileiro avançou; Waldir defendeu de novo). Boas atuações como a desse amistoso carimbaram o passaporte de Waldir Peres Arruda para a Espanha’82, como titular daquela espetacular seleção de Telê. O moço nascido em Garça, interior de S.Paulo, em 1951, calvície avançando ainda na faixa dos 20, também foi às Copas de 1974 e 1978, como reserva. A única derrota, por 3 a 2 para a Itália, a chamada tragédia do Sarrià (antigo estádio do Espanyol de Barcelona), quando o Brasil poderia empatar,  foi a última das 39 partidas de Waldir com a camisa da Seleção.

Continuar lendo “Minuto de silêncio para Waldir Peres”

Seleção paulista do CINEfoot 2015. Vale taça!

11700847_947461825289283_3787933161936121062_o
Uma boa notícia pro torcedor/espectador de Sampa é que está chegando a etapa 11036802_866215093413957_5276178551288061191_npaulista do festival CINEfoot, todo dedicado aos filmes de futebol. Começa em 26 de novembro e vai até 1º de dezembro, primeiro no auditório do Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu, e depois no Espaço Itaú de Cinema da rua Augusta – todas as sessões de graça. Foram 156 inscrições. E para a seleção paulista, ficaram 15 filmes. Vamos ver que longas e curtas concorrem à Taça CINEfoot 2015.
CINEFOOT SÃO PAULO / MOSTRA COMPETITIVA DE LONGA-METRAGEM

1) E18hteam (Eighteam, de Juan Rodriguez-Briso, Espanha/Zâmbia). Sinopse: a ressurreição da equipe nacional de futebol da Zâmbia por meio de sua estrela, Kalusha, depois de perder 18 companheiros em um acidente de avião no Gabão em 1993. Kalusha enfrenta uma estrada de reconstrução de 18 anos até o destino fazer sua jogada: no Gabão, Zâmbia torna-se campeão africano depois de 18 longas batidas de pênaltis. Vale conferir, não? Dia 29, domingo, 19h, Espaço Itaú da Augusta.

2) Geraldinos (de Pedro Asbeg, Renato Martins, RJ). Documentário sobre os personagens da extinta geral do Maracanã. Foi o vencedor da Taça CINEfoot de longa-metragem no Rio. Sábado, dia 28, 21h, Espaço Itaú da rua Augusta. Saiba mais aqui ou no post anterior.

1522909_531443780327215_2136754061374261784_o

3) Isto é Söderstadion (de Andreas Bjunér, Suécia). Mostra a tristeza dos torcedores do  Hammarby na despedida do Söderstadion, antes de ter que dividir estádio com o clube rival.

4) Loucura que Apaixona minha Cidade (Locura que Enamora mi Ciudad, de Maximiliano Baldi, Argentina). Doc sobre o Talleres, de Córdoba, clube que completou sem centenário em 2013.

 

5) Meninos da Vila – A Magia do Santos (de Katia Lund, SP). A codiretora de “Cidade de Deus” investiga a fábrica de talentos do Santos. Passa no sábado 28 de novembro, na sessão das 19h, no Espaço Itaú de Cinema (rua Augusta).

6) Mundial, as Maiores Apostas (Mundial. Gra o wszystko, de Michal Bielawski, Polônia). O filme apresenta experiências dos principais jogadores do time da Polônia entrelaçadas a relatos de membros do movimento Solidariedade, presos,  que acompanharam a Copa de 1982 pela TV. Passa em 30 de novembro, 21h, no Espaço Itaú da rua Augusta, numa sessão mais política, junto com a segunda parte de Rebeldes do Futebol.

7) Nhô Quim, o Caipira Centenário (de Bruna Epiphanio, SP). Cáxara de fosfre, cúspere de grilo, bícaro de pato, gooor! Quinze, cra cra crá! Bom documentário sobre o estilo XV de Piracicaba de ser. Passa dia 30, uma segunda, na mesma sessão do filme do Ugo Giorgetti, às 19h, no Espaço Itaú da Augusta. Saiba mais aqui ou no post anterior.10551624_794774777229357_649466779066034514_o-1-1

Para a mostra de curtas, o CINEfoot selecionou 8 filmes, cinco deles brasileiros. Tem até um do Ugo Giorgetti sobre o extinto Comercial FC, da capital. Confira a convocação.

Continuar lendo “Seleção paulista do CINEfoot 2015. Vale taça!”

Natal rubro-negro

https://www.facebook.com/FlamengoOficial
https://www.facebook.com/FlamengoOficial

Ok, não estamos mais em dezembro. Até o Carnaval já passou. Mas para a torcida do Flamengo, hoje é Natal. Aniversário de nascimento de Arthur Antunes Coimbra, o Zico. 62 anos de praia agora em 2015. Campeão mundial (sim, claro que é, deixa o freguês falar que é só Intercontinental), da Libertadores, tetra brasileiro e sete vezes campeão do Rio com a camisa 10 da Gávea. Saudades do Galinho. Zico na Rede.

Então, Feliz Natal, torcida do Flamengo!
Continuar lendo “Natal rubro-negro”

Novo Balaídos


O Celta de Vigo deve começar em breve a reforma dos setores Preferência e Tribuna do estádio municipal Balaídos (na Copa de 1982, recebeu os três primeiros jogos – três empates!- da Itália, que seria a campeã mundial depois da “tragédia de Sarrià”). Em etapas, a reforma promoverá o “achegamento da grada ao campo” (em galego). A distância entre arquibancada e gramado vai ser de 4 metros e meio.
A grana virá tanto da prefeitura como do clube.

Veja 3 imagens da bancada Tribuna e Preferência no “proxecto” do Novo Balaídos.
Continuar lendo “Novo Balaídos”

Luciano do Vôlei. E do futebol, do automobilismo, do boxe, do basquete… Um locutor NBA!

Ele foi mais que um locutor esportivo.

Luciano do Valle (1947-2014) não inventou o esporte na TV brasileira, mas o revolucionou. Num tempo em que a gente nem sonhava com o autêntico #multiplex que é a TV por assinatura, lançou o “Show do Esporte” na Rede Bandeirantes (que já tinha feito uma experiência nesse sentido, com o “Super Domingo Esportivo”). A Bandeirantes virou “o canal do esporte”, quase um canal especializado. No domingo, eram horas e horas de transmissões esportivas. Das 11h às 20h, 21h, 22h… De graça, na TV aberta.

Claro, tinha muito futebol, nacional e europeu. Luciano e sua equipe transmitiam campeonatos que hoje a gente vê na ESPN, Fox, Sportv e Esporte Interativo.

Mas não foi só futebol. Transmitiu vôlei, natação, boxe, basquete… até sinuca a Band transmitiu.

Apostou no esporte brasileiro. Na passagem pela Record, levou o vôlei para um estádio de futebol, e não qualquer um, para o “maior do mundo”, como diria seu colega Jorge Curi. Maracanã, 1983. A seleção brasileira de vôlei ganhou por 3 sets a 1 da União Soviética. Que vitória. Do vôlei brasileiro e de Luciano.

E não parou. Maguila, Fórmula Indy, futebol feminino, masters, Copa Pelé, aspirantes. Até tentou levar o doutor Sócrates para a sua Ponte Preta.

Mas muito mais do que um empresário, Luciano do Valle era um locutor esportivo espetacular. Pura emoção. E que voz!

Minha geração de torcedores cresceu ouvindo Luciano do Valle narrar futebol.

O primeiro título brasileiro do meu time, provavelmente algum do seu time também. A doída derrota na Copa de 1982. Tantas Olimpíadas! Gols, pontos, medalhas, cestas!

Que coisa: justo a Copa do Mundo programada para o Brasil não terá o vozeirão de Luciano do Valle, ele que começou a transmitir Mundiais em 1970, pela rádio Brasil de Campinas. E foi pé quente.

Obrigado, Bolacha. Valeu! Continuar lendo “Luciano do Vôlei. E do futebol, do automobilismo, do boxe, do basquete… Um locutor NBA!”

Voa canarinho, voa: o ex-lateral Junior participa do debate sobre futebol & música

1899894_521134994674531_571603531_n
Capinha de “Povo Feliz” / “Pagode da Seleção”: o compacto best-seller de Junior, ex-lateral do Flamengo e da Seleção

Não é mole, não, não é mole, não. Junior, o ex-lateral campeão de tudo pelo Flamengo, hoje comentarista, vendeu mais de meio milhão de compactos, quando gravou o samba que se tornou a trilha perfeita da mágica seleção de Telê Santana na Copa de 1982. Um escrete que não ganhou a Copa, mas conquistou o mundo. “Povo Feliz”, de Memeco e Nonô, gravada pelo Junior antes do Mundial de 82, é a melô do “Voa canarinho, voa”. Junior é um dos convidados da mesa-redonda que abre a “Futebol no País da Música”, série de shows inspirada pelo livro do jornalista Beto Xavier, também presente no debate desta sexta-feira, 7 de fevereiro, a partir de 21 no CCBB do Rio (saiba mais no post anterior).

Continuar lendo “Voa canarinho, voa: o ex-lateral Junior participa do debate sobre futebol & música”

“82 – Uma Copa – Quinze Histórias”

Dica da coluna do Tostão.

http://82umacopa15historias.blogspot.com.br/
http://82umacopa15historias.blogspot.com.br/

Dos 5 clássicos entre Canarinho e Azzurra nas Copas, ganhamos as duas finais (tema do post seguinte) e vencemos também a decisão do 3º lugar em 1978 (golaço do Nelinho!). E a Itália triunfou em duas autênticas “decisões”: semifinal de 1938 e em 5 de julho de 1982.Só no ano passado, o Brasil 2×3 Itália do velho estádio do Espanyol e a seleção de Telê foram tema de três livros brasileiros, mais o do colombiano Wilmar Cabrera, “Los Fantasmas de Sarrià Visten de Chándal“, lançado na Espanha. E agora “82 – Uma Copa – 15 Histórias reúne 15 contos de ficção em torno da chamada “tragédia do Sarrià”. Ele fala de uma seleção que não ganhou a Copa, mas conquistou o mundo, como diz o título de outro livro, o de Falcão. O Brasil de Telê poderia empatar, mas perdeu da grande Itália de Zoff, Rossi e Bearzot e saiu fora de um emocionante Mundial.82 - DIVULGAÇÃO (1)
Dentro do post, o convite para a próxima noite de lançamento do livro organizado por Mayrant Gallo em Salvador, que tem na capa a premiada foto de Reginaldo Manente, primeira página do saudoso “Jornal da Tarde” no dia seguinte da “tragédia“. Continuar lendo ““82 – Uma Copa – Quinze Histórias””