O San Lorenzo já construiu dois estádios. E se prepara para erguer o terceiro, no seu Boedo querido.

Volvemos a Boedo.

O San Lorenzo conseguiu. O time do papa convenceu o Carrefour a vender ao clube a maior parte do terreno do hipermercado da avenida de La Plata, no bairro de Boedo, onde ficava seu primeiro estádio, o Gasómetro. Segundo este belo artigo de Carlos Agudo na Kaiser Football, o Viejo Gasómetro tinha capacidade para 76 mil pessoas, era o maior estádio argentino e apelidado de “Wembley portenho”.

Pois bem, depois de um período glorioso (era o time de “Los Matadores”), o San Lorenzo entrou em decadência, contraiu dívidas e foi obrigado pela ditadura militar a entregar o estádio, em 1979. Que absurdo! Um estádio – que não era usado só para a diversão dos torcedores azulgranas, mas funcionava como um centro cultural do bairro e tinha até escola! – ter que ser demolido para dar lugar a um hipermercado. Os torcedores mais fanáticos do San Lorenzo devem ter adorado comprar no Carrefour nesses últimos 30 anos…

Começou a peregrinação do time que era considerado santo muito antes de seu torcedor Jorge Bergoglio virar Papa Francisco. Veio o rebaixamento, a luta pra voltar à elite argentina.

O clube fundado por padre Lorenzo em 1908 rodou por outros estádios – incluindo o belo Palácio Ducó, do rival Huracán – até construir o Nuevo Gasómetro, em Bajo Flores, a 4 quilômetros de sua sede. A inauguração foi no final de 1993. Não tinha a ver com as raízes do San Lorenzo, mas foi no Nuevo Gasómetro que o Ciclón ganhou seus títulos internacionais: Copa Mercosul 2001, a Copa Sul-Americana 2002 e – aleluia, irmãos!-,  a Libertadores 2014, com Edgardo Bauza (novo técnico do São Paulo) no comando.

É linda a história da luta dos san lorenzistas para a conseguir a volta dos cuervos a Boedo. Mais de 100 mil festejaram em praça pública a lei de restituição histórica. Milhares deram sua contribuição comprando metros quadrados no futuro estádio – a terceira cancha que o San Lorenzo vai erguer. O estádio Papa Francisco, no mesmo terreno do velho Gasómetro. O projeto abaixo, que foi apresentado em 2013, nos 105 anos do Ciclón, tem jeito de ecoestádio.

facebook.com/SanLorenzo/
facebook.com/SanLorenzo/

Ecoestádio, ok, mas ainda assim um alçapão para 40 mil hinchas apaixonados. Veja o vídeo do projeto dentro do post. Continuar lendo “O San Lorenzo já construiu dois estádios. E se prepara para erguer o terceiro, no seu Boedo querido.”

Ídolos do Huracán em quadrinhos

IMG_20151007_183849
https://www.facebook.com/EnglobateAr/

Dica do Marca de Gol. Saiu na Argentina um livro em quadrinhos sobre os ídolos de El Globo, o Club Atlético Huracán, atual campeão da Copa Argentina. “La Leyenda de Los Hombres sin Medo” foi publicado pela Englobate, uma associação de sócios e torcedores do Globito, e tem 8 capítulos. Os caras sem medo são nomes como Herminio Masantonio (artilheiro máximo da história do Huracán), Houseman, Javier Pastore, que hoje brilha no PSG, e os técnico César Luis Menotti e Ángel Cappa.

O valor arrecado pela venda da graphic-novel vai ser destinado às categorias de base e esportes amadores do Globito. Lembrando que o Huracán se classificou para as quartas de final da Copa Sul-Americana (eliminou o Sport Recife e vai encarar o Defensor).

Se você assistiu ao oscarizado “O Segredo dos Seus Olhos, de Juan José Campanella, deve se lembrar de um eletrizante plano-sequência no estádio Tomás Ducó – conhecido como El Palácio. A bela casa do Huracán!

Continuar lendo “Ídolos do Huracán em quadrinhos”

Catedrais da bola: Monumental de Nuñez

http://www.cariverplate.com.ar/estadio-monumental/
http://www.cariverplate.com.ar/estadio-monumental/

O estádio Antonio Vespucio Liberti, o Monumental de Nuñez, foi inaugurado em 26 de maio de 1938 (La Máquina, como era chamado o River de Bernabé Ferreyra, Moreno e Pedernera, bateu o Peñarol por 3×1). Nos 70, chegou a receber perto de 100 mil.  Hoje comporta 61.321  torcedores. A cancha do River também é a casa preferida da Seleção Argentina. Foi o principal palco da estranha Copa do Mundo de 1978 – com o tempo aprendi que aquele Mundial não foi vencido apenas por ídolos (meus, inclusive) como o 10 Kempes, o goleiro Fillol e o técnico Menotti; mas também pelo ditador Jorge Videla. No Mundial 78, o Monumental recebeu nove jogos, incluindo a abertura, a decisão do 3º lugar (Brasil 2×1 Itália, golaço de Nelinho) e a grande final, em que a dona da casa derrotou a Holanda na prorrogação.

Em 2013, o River Plate teve média de 49.400 por jogo – segundo a Pluri Consultoria, a maior das Américas e 14ª do mundo. 73% de ocupação do Monumental.

É um dos orgulhos dos Millonarios, apelido mais família dos hinchas do River.

O Museo River, ao lado do estádio (confira aqui o giro do blog por lá)– também bate palmas para os concertos de rock no Monumental. A imensa torcida do rock and roll e da música pop em geral na Argentina pode curtir Paul Mc Cartney (1993 e 2010), Bruce Springsteen (1989), Michael Jackson (1993), Madonna (1993, 2008 e 2012), Kiss (2012), Rolling Stones (1995, 1998 e 2006), ACDC_RIVERPLATE_COVERAC/DC (1996 e 2009 – tem até CD, DVD/Blu-Ray, “Live at River Plate”), Bob Dylan (1988), David Bowie (1990), Eric Clapton (1990, 2001 e 2011), Shakira  (2003), Guns´N Roses (1992, 1993 e 2011), Ramones (1996), The Police (2007 – outro show lançado em CD e DVD), U2  (1998 e 2006 – este passou no cinema, como U2 3D), Red Hot Chili Peppers (2002 e 2011), Metallica (1999 e 2010), Oasis (2009)  Coldplay (2010), Iron Maiden (2013), Roger Waters (9 shows da turnê “The Wall Live”, em 2012, para um total de 360 mil espectadores. Mas o recorde de público pertence à saudosa banda argentina Soda Stereo – os 6 shows da turnê “Me Verás Volver”, em 2007, reuniram 390 mil fãs. Essa turnê que reuniu o trio (popularíssimo na Argentina) foi gravada e lançada em 2 CDs e DVD (aqui cabe uma nota triste: o vocal e guitarrista soda stereo Gustavo Cerati morreu em setembro de 2014, depois de anos em coma).

Em 2009, o blog acompanhou o primeiro jogo no Monumental de Maradona como técnico da seleção argentina. Um 4×0 contra a Venezuela. Com Messi e Carlitos Tevez em campo.JR LIMA JUNHO - 00002

O Monumental de Nuñez, bela
O Monumental de Nuñez, bela “cancha” do River Plate

Continuar lendo “Catedrais da bola: Monumental de Nuñez”

Boca 2014-15

  • Camiseta_BOCA_-_Titular_(8)_large>IN>: Mariano Echeverría (ex-Arsenal), José Fuenzalida (ex-Colo Colo), Jonhatan Calleri (ex-All Boys)
  • <OUT<: Juan Román Riquelme (Argentinos Juniors), Claudio Riaño (Independiente), Sebastián Palacios (emprestado ao
  • Estrelas da companhia: Agustín Orión, Fernando Gago, Burdisso
  • Técnico: Rodolgo Arruabarrena,  El Vasco, substituiu Carlos Bianchi com bola rolando.
  • Uniformes: já apresentados pela Nike.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “Boca 2014-15”

Curta o curta sobre a volta do San Lorenzo a Boedo

Flâmula do San Lorenzo
Flâmula do San Lorenzo

Genial o curta-metragem coproduzido pela San Lorenzo TV e pelo Grupo Artístico de Boedo, sobre a campanha financeira da volta do “Ciclón” para sua ‘cancha’. Explico: o San Lorenzo “foi saído” do seu estádio, o mítico Viejo Gasómetro, durante o governo militar. Recentemente, uma lei portenha permitiu a volta do time do agora Papa Francisco ao terreno perdido. E o clube faz uma interessante campanha para que os sócios e demais torcedores ajudem o clube na empreitada, garantam o seu metro quadrado e ponham o seu nome na história do time de coração.

O maneiríssimo filme acima mostra a mudança na vida de um “hincha” do San Lorenzo depois de achar um bonequinho (o Rulito Móvil) nas coisas do avô. O craque Leandro Romagnoli faz uma ponta. Tem cerca de 5 minutos e vale a pena assistir.
Confira a ficha técnica dentro do post.
Continuar lendo “Curta o curta sobre a volta do San Lorenzo a Boedo”

O time do Papa Francisco lança campanha para voltar a Boedo, terra santa para a torcida do San Lorenzo.


DSC02283Bacana e emotivo o vídeo divulgado pelo San Lorenzo de Almagro no You Tube no lançamento da campanha que pede aos torcedores para comprar seu metro quadrado no terreno onde até 1979 estava o estádio El Gasómetro. Por obra da ditadura argentina, El Gasómetro foi derrubado e deu lugar a mais uma loja de uma rede de supermercados. Em novembro do ano passado, uma lei deu ao Ciclón (apelido do time) o direito de voltar ao bairro onde estava o velho estádio. Agora, o clube que começou em Almagro e adotou Boedo procura viabilizar o sonho. O vídeo acima -produzido pela IDS e dirigido por Leandro Vital- tem cenas do velho estádio (que foi um dos maiores da Argentina) e lá pelos 2:28 aparece o santo padre. O Papa Francisco, como você sabe, é “hincha” do Ciclón. Dentro do post, os créditos técnicos do vídeo e os posts relacionados ao clube azulgrana de Boedo, Buenos Aires.

http://sanlorenzo.com.ar/
http://sanlorenzo.com.ar/

Continuar lendo “O time do Papa Francisco lança campanha para voltar a Boedo, terra santa para a torcida do San Lorenzo.”

“Bichos Criollos”: Argentinos Juniors e La Paternal no CINEfoot

Imagem
Camiseta retrô do AAAJ

A fase não é boa. O clube que revelou Diego Armando Maradona para o planeta bola luta contra o rebaixamento, no complicado promédio do futebol argentino. Nesse contexto, um documentário de 75 minutos sobre a história do Argentinos Juniors está na mostra competitiva do festival CINEfoot, no Rio de Janeiro e em São Paulo.  Bichos Criollos”, dirigido por Diego Lombardi e produzido por Victor Tujschneider, vai passar na mostra competitiva do festival CINEfoot 2013 tanto no Rio (segunda-feira, 27 de maio, às 19h, no Espaço Itaú de Cinema -Praia de Botafogo) como em São Paulo (domingo, 9 de junho, sessão das 21h30, Espaço Itaú de Cinema, na rua Augusta). Entrada: grátis.

Um bairro. Um clube de futebol. Uma identidade.

O bairro é La Paternal, na região central de Buenos Aires. O clube, a Asociación Atlética Argentinos Juniors, que revelou o genial Diego Maradona (“Los Cebollitas” era o apelido do time formado pelo treinador Francisco Cornejo) e outros craques como Juan Román Riquelme, Fernando Redondo, Esteban Cambiasso e Juan Pablo Sorín. Curioso é que as maiores glórias do Argentinos surgiram depois da venda de Maradona para o Boca: o torneio Metropolitano portenho de 1984, o Nacional argentino de 1985, a Libertadores de 1985, a Interamericana de 1986… a quinta estrela veio no Clausura 2010, na linda cancha do Huracán. “Bichos Criollos” fala tanto dessas grandes conquistas como da derrota no Japão para a forte Juve de Platini e cia (Mundial de Clubes 1985), das lutas para voltar à elite do futebol argentino (os jogos da primeira divisão eram aos domingos), das dificuldades, dos jogos mandados longe de Buenos Aires. Longe de La Paternal. A identidade do Argentino Juniors.

Cartaz do filme “Bichos Criollos”, sobre o Argentinos Juniors

Diego Armando Maradona hoje dá nome ao estádio do clube. E “el diez” é um dos entrevistados, ao lado de Sorín, Cambiasso, Redondo etc.
O título da “peli” reúne dois dos apelidos do Argentinos: Bichos (mais recente) e Criollos (do começo do século XX). Sorte ao filme na Taça CINEfoot e sorte ao Bicho. Continuar lendo ““Bichos Criollos”: Argentinos Juniors e La Paternal no CINEfoot”