Estádio Independência

Estádio Independência

Era assim (foto do site WorldStadiums.com)…

http://www.WorldStadiums.com

Ficou assim (foto do site do América)…

http://www.americamineiro.com.br
Atlético x São Paulo no Independência. Brasileirão de 2014.
Atlético x São Paulo no Independência. Brasileirão de 2014.

Estádio não ganha jogo, mas pode ajudar. A reforma de 201o-2012 transformou o estádio Independência num alçapão. Hoje, a capacidade é para 23 mil pessoas. Poderia receber mais alguns milhares de torcedores se a tivesse arquibancadas atrás de um dos gols.

Arena com um gol sem torcida atrás: um visual sui generis, no Horto.
Arena com um gol sem torcida atrás: um visual sui generis, no Horto.

O Independência, que já foi do Sete de Setembro (hoje licenciado), pertence ao América Futebol Clube

Coelho x Lusa, série B 2014.
Coelho x Lusa, série B 2014.

… mas quem tem levado mais gente ao Independência é o Atlético desde a reinauguração, em 2012. Em 2015, a média até 13 de junho é de 17.772 atleticanos por jogo (66 por cento de ocupação das cadeiras). No Horto, o Galo fez grande parte das inacreditáveis campanhas da Libertadores 2013 e da Recopa 2014.

Galo x Tricolor no Horto, BR-2015.
Galo x Tricolor no Horto, BR-2015.

O Independência foi construído pelo poder público para a Copa do Mundo de 1950, quando recebeu 3 partidas, inclusive a zebraça Estados Unidos 1×0 Inglaterra, tema do filme Duelo de Campeões (The Game of their Lives) – leia no post anterior que as cenas de jogo do drama boleiro foram filmadas  não em BH, mas no Rio, no estádio das Laranjeiras.DSC05986

Continuar lendo “Estádio Independência”

Yes, We C.A.M.

Marcos Rocha, Diego Tardelli e outros jogadores do Galo chegaram ao Independência com a camiseta "Yes, We C.AM." - foto posta por Tardelli no Instagram.
Marcos Rocha, Diego Tardelli e outros jogadores do Clube Atlético Mineiro chegaram ao Independência com a camiseta “Yes, We C.AM.” – foto posta por Tardelli no Instagram.

Achei divertido o slogan da camiseta usada pelo treinador Cuca, do Galo: “Yes, We C.A.M.– o trocadilho do “Yes, we can” da campanha de Barack Obama e das quadras esportivas americanas com as iniciais do Clube Atlético Mineiro. Lembro que “Sí, se puede” também já foi usado por torcidas nos países de língua castelhana, em estádios e ginásios do mundo, e foi o refrão da torcida do Málaga, na Champions League 2012/2013 – uma bela campanha, em que o clube andaluz eliminou o FC do Porto e só caiu diante do Borussia, que seria vice-campeão, num jogo inesquecível de quartas de final.

E aí, você acha que o C.A.M. pode chegar à sua primeira final de Libertadores, contra o Olimpia? Do outro lado, o Club Atlético Newell´s Old Boys vem com uma vantagem de 2×0 aberta em Rosário – e babando para voltar à final da copa, depois de 21 anos. Continuar lendo “Yes, We C.A.M.”

Victor, Victor, Victor!

Victor, herói da classificação atleticana para as semifinais da Libertadores FOTO  Bruno Cantini | http://www.flickr.com/photos/clubeatleticomineiro/
Victor, herói da classificação atleticana para as semifinais da Libertadores FOTO Bruno Cantini http://www.flickr.com/photos/clubeatleticomineiro/
A máscara é da franquia Pânico. Mas quem apavorou foi o goleiro com o prenome do Frankenstein: Victor. FOTO Bruno Cantini  http://www.flickr.com/photos/clubeatleticomineiro/
A máscara é da franquia Pânico. Mas quem apavorou foi o goleiro com o prenome do Frankenstein: Victor. FOTO Bruno Cantini http://www.flickr.com/photos/clubeatleticomineiro/

“Vencer, vencer, vencer, esse é o nosso ideal”, canta o hino do Atlético (veja mosaico da torcida na foto abaixo). “Victor, Victor, Victor”, podemos dizer hoje. A defesa que Victor Leandro Bagy fez aos pés de Piceño já tinha valido por um gol. O que dizer do pé (esquerdo) quente que impediu o gol de pênalti (mal cobrado) pelo ótimo Riascos? Se o Galo de Kalil, Cuca, Ronaldim, Réver, Jô, Tardelli, Bernard e cia for campeão da Libertadores pela primeira vez, esse moço de Santo Anastácio (extremo oeste de São Paulo), que começou no Paulista e defendeu o Grêmio por 4 anos, não pode ser esquecido. Herói! São Victor.

Mosaico da torcida do Galo. FOTO  Bruno Cantini | http://www.flickr.com/photos/clubeatleticomineiro/
Mosaico da torcida do Galo. FOTO Bruno Cantini http://www.flickr.com/photos/clubeatleticomineiro/

Continuar lendo “Victor, Victor, Victor!”

Mineirão modelo 2013/2014

Este slideshow necessita de JavaScript.

O governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, já avisou: o Mineirão modelo 2013-2014, ano de fabricação 2012, será (re)inaugurado em 3 de fevereiro, com um clássico entre o Atlético e o Cruzeiro, na primeira rodada do campeonato estadual de 2013.

O “quarentão”, completamente recauchutado para 9 jogos da Copa de 2014 e da Copa das Confederações 2012, terá capacidade para 64 mil torcedores (mais 80 camarotes). Estacionamento? 2.500 vagas. Está previsto um Museu Brasileiro do Futebol.

O Mineirão foi inaugurado em 5 de setembro de 1965, com um amistoso entre a Seleção Mineira (com Dirceu Lopes e Tostão) e o River Plate. Os mineiros ganharam por 1×0, gol de Buglê. Dois dias depois, no feriado nacional de 7 de setembro, uma seleção brasileira representada só por jogadores do Palmeiras venceu o Uruguai por 3×0 (leia VERDE-amarelo contra a Celeste Olímpica). Eram os tempos da Academia alviverde, bem diferentes dos de hoje…

O site Novo Mineirão, do governo estadual, tem uma seção de memória do estádio, como a ficha desses e outros grandes jogos, fotos, partidas da seleção etc. Clique aqui.
Este vídeo de pouco mais de um minuto publicado pelo Portal da Copa, do governo federal, dá mais uma noção de como vai ficar o estádio e a esplanada em volta do Mineirão. Continuar lendo “Mineirão modelo 2013/2014”

Coleção Ídolos Imortais | “Os Dez Mais do Atlético Mineiro”


O goleiro Kafunga, o zagueiro Luisinho, o meio-campo Toninho Cerezo, os artilheiros Mário de Castro, Guará, Ubaldo, Dario (o Dadá Maravilha), Reinaldo e Marques, e o ponta Éder. São “Os Dez Mais do Atlético Mineiro“, no livro do jornalista Eduardo Murta, lançamento da Maquinária Editora. Para chegar aos “dez mais” do Galo, foram colhidos os votos de um grupo de torcedores famosos, como é de praxe na coleção Ídolos Imortais da editora. Continuar lendo “Coleção Ídolos Imortais | “Os Dez Mais do Atlético Mineiro””

Voa Canarinho. Saiu o livro “Sarriá-82 – O que Faltou ao Futebol-Arte?”.

27 de maio de 2012
Waldir Peres (depois Paulo Sérgio), Leandro, Oscar, Luizinho (Edinho) e Júnior; Falcão, Sócrates, Zico e Paulo Isidoro (Toninho Cerezo); Careca (Serginho Chulapa) e Éder (Dirceu). Com esse time, a Seleção Brasileira treinada por Telê Santana goleou o Eire (República da Irlanda) por 7 a 0, há exatos 30 anos, em 27 de maio de 1982, no Parque do Sabiá, em Uberlândia. Marcaram: Falcão, Sócrates (duas vezes), Serginho (também 2 gols), Luizinho e Zico!
A seleção se despedia do seu povo feliz, diante de 72.733 pagantes, para tentar buscar o tetra. Foi o último amistoso antes do voo do escrete canarinho para disputar a Copa do Mundo de 1982, na Espanha. Você viu aí o nome do Careca na escalação. Infelizmente, o goleador do Guarani se machucou pouco antes do Mundial. Serginho Chulapa, “o artilheiro indomável”, polêmico dentro e fora do campo, ficou com a 9. O Brasil chegou como favorito, encantou o mundo com seu quadrado mágico formado por Falcão, Cerezo, Sócrates e Zico. Deu show na primeira fase. No grupo com Argentina e Itália que decidia uma vaga na final, venceu bem os hermanos, num jogo em que Maradona perdeu a cabeça: 3×1.  Contra a Itália, poderia empatar,saiu atrás, nunca esteve na frente do placar, e perdeu. 3×2. 5 de julho de 1982. O sonho do tetra foi adiado, logo com a melhor seleção que nosso futebol montou desde o tri no México 70. A falada “tragédia do Sarrià”, nome do estádio do Real Club Deportivo Espanyol de Barcelona na época (foi demolido 15 anos depois; o Espanyol usou por anos o Olímpico de Montjuic e hoje joga num moderno estádio entre Cornellà e El Prat).
A tragédia do Sarrià é o tema do livro de Gustavo Roman, futuro jornalista, colecionador de jogos de futebol (isso mesmo, ele coleciona partidas inteiras em vídeo: 5.350 partidas, de 1950 em diante!) e Renato Zanata Arnos, professor de História, pesquisador do futebol argentino (coautor do blog Futebol Argentino). “Sarriá 82 – O Que Faltou ao Futebol-Arte?”, que está para ser lançado pela Maquinária Editora. O livro já está em fase de revisão e a capa você pode ver abaixo.


Renato Zanata e Gustavo Roman assistiram, analisaram, esmiuçaram 25 dos 38 jogos (29 vitórias, 6 empates e apenas 3 derrotas) disputados pela Seleção de Telê, na primeira passagem do mestre pelo escrete canarinho. Mais os vídeos de 21 partidas da Seleção com o antecessor, Cláudio Coutinho. Total: 46 VTs. Alguns vistos e revistos.

Os autores entrevistaram Zico, os laterais Júnior e Leandro,o zagueiro Oscar, os meio-campistas Batista, Paulo Isidoro e Adílio e os jornalistas Mauro Beting, Mário Marra, André Rocha e Ariel Judas (argentino).

Parece leitura obrigatória para todos nós que sonhamos  junto com os “Pachecos” em 1982 e nunca mais choramos por derrotas de nenhuma Seleção Brasileira. Por aquela, valia a pena chorar. Como o garoto da capa (inesquecível foto, histórica primeira página) do “Jornal da Tarde”, de 6 de julho de 1982.