Shows do ano

Qual foi o melhor show internacional em 2009? Você decide. Pode votar em quantos quiser.

Fut Pop Clube acompanhou alguns: 

Manu Chao & Radio Bemba em São Paulo;

Iron Maiden na praça da Apoteose;

Kiss na Arena Anhembi/SP;

Living Colour , Via Funchal/SP, em outubro;

Faith No More na Chácara do Jockey/SP, na mesma noite de novembro em que Iggy Pop, Sonic Youth e Primal Scream tocavam em outro festival em SP, o Planeta Terra;

e enfim, AC/DC no Morumbi.

Quanto vale o $eu time? (2009)

Publicado em 28/12/2009

Deu no esporte do Estadão deste domingo. A reportagem Marcas que valem uma fortuna (link aqui) mostra um estudo da Crowe Horwath RCS sobre o valor da marca de cada um dos 12 maiores clubes do país. Segundo a reportagem, a Crowe Horwath RCS leva em consideração torcida, receitas, marketing, estádio, bilheteria e mídia. Flamengo, Corinthians e São Paulo lideram o ranking, com valores acima de 500 milhões de reais. O Palmeiras vem em quarto, com 420 milhões. Inter e Grêmio disputam mais um Gre-Nal- no entanto, com cifras bem abaixo dos 4 líderes desse ranking. Colorado, 231 milhões; tricolor, 214. Num patamar abaixo, Cruzeiro (139) , Santos (135), Vasco (122). Depois, Fluminense, 109. Botafogo, 97. E supresa, o Atlético Mineiro (clube de massa, sempre liderando rankings de público nos campeonatos) aparece apenas em 12º, com 92 milhões de reais, segundo o estudo.

Esse ranking e os valores dos novos patrocínios de camisas que circulam por aí (Flamengo, R$28 milhões; Corinthians, até R$60 milhões, somando todos os patrocínios) me fez lembrar uma conversa de jornalistas-torcedores semana passada. Será que com essa concentração de renda, o Brasileirão (que já teve 14 campeões diferentes desde 1971) tende a ser dominado por três, quatro, cinco grandes clubes? Será que a lista dos campeões ficará mais restrita ao fechado clube dos que hoje são hexa (São Paulo, Flamengo), tetra (Corinthians, Palmeiras, Vasco) ou tri (Inter)? Com um Cruzeiro, Grêmio ou Santos beliscando de quando em vez? De maneira geral -e vamos ver como o Vasco vai se comportar em 2010-, são esses 8 ou 9 times que estão sempre brigando pelas vagas para a Libertadores. O que você acha?
Continuar lendo “Quanto vale o $eu time? (2009)”

Uma Seleção 2000-2009

Marcos, Cafu, Lúcio, Juan e Roberto Carlos; Gilberto Silva, Zé Roberto, Kaká e Ronaldinho Gaúcho; Ronaldo e Rivaldo. Técnico: Felipão.Com a base da seleção que ganhou a Copa de 2002, o maior título do futebol brasileiro nos últimos 10 anos, esse é o escrete a que Fut Pop Clube chegou, depois de uma pesquisa com gente que -acho que posso usar a expressão – cobe, bebe e dorme futebol. 12 jornalistas de rádio, TV, jornal, revista, blog, livros – ou de várias dessas mídias- além de  Domingos D´Angelo, criador do MemoFut, grupo que discute memória e literatura da bola, colecionador de livros sobre futebol.

Convidei os 13 para eleger uma seleção dos melhores jogadores brasileiros entre os anos 2000 e 2009. 11 titulares, mais seis reservas e o melhor técnico.  Pedi que levassem em consideração desempenho com a amarelinha ou com a camisa de clubes, daqui ou de fora, em qualquer tipo de competição. E o título da Copa de 2002, obviamente, acabou sendo decisivo.

Os zagueiros Lúcio e Juan e o lateral Roberto Carlos receberam 13 votos, como Kaká, Rivaldo e Ronaldinho Gaúcho. Marcos, Cafu e Ronaldo, 12. Zé Roberto, 8. Gilberto Silva, 6. O banco poderia ter gente como Júlio César, Roque Júnior,  Juninho Pernambucano(ou Kléberson), Alex, Adriano e Robinho (ou Nilmar e  Luís Fabiano). Também foram citados Rogério Ceni, Vítor, Dida, Cicinho, Maicon, Daniel Alves, Belleti Thiago Silva, Henrique, Luisão (zagueiro), Júnior, Gilberto, Vampeta, Edmílson, Emerson, Mineiro, Josué, Lucas, Hernanes, Diego (da Juve, ex-Santos e Werder Bremen), Fred, Edílson, Luizão (atacante) Romário, Denílson e até o Deco, que defende Portugal.

Melhor técnico? Felipão, com 10 votos. Contra 3 de Wanderley Luxemburgo.

De São Paulo, vieram os votos dos coleguinhas Abel Neto, André Rizek, Bruno de Almeida, Emerson Ortunho, Fernando Galvão, Mauro Beting, Maurício Noriega e Luís Augusto Simon (o Menon) – além de seu Domingos, do MemoFut. Do Rio de Janeiro, votaram Marcelo Monteiro e Roberto Santer. De Belo Horizonte, Mário Marra. E de Porto Alegre, Beto Xavier.

Cada um tem o seus favoritos. Convido você a mandar sua seleção para cá, na página de comentários. Só não vale ofender jogadores, técnicos ou as pessoas que votaram. Claro que dá para formar diversos escretes com esse elenco maravilhoso. Veja as seleções 2000-2009 de cada um dos convidados a participar na votação.

Continuar lendo “Uma Seleção 2000-2009”

Top 5: craques gringos da década no Brasil

É o Pet! É o Pet! FOTO Maurício Val - VIPCOMM

O blog Fut Pop Clube perguntou aos mesmos convidados do texto acima: “quais são os cinco estrangeiros que jogaram mais bola no futebol brasileiro entre 2000 e 2009?”. E os cinco mais votados foram:

O sérvio Petkovic, o argentino Carlitos Tévez (ambos com 12 votos), o também hermano Sorín (9 votos), o uruguaio Lugano (8) e o chileno Valdívia (5).

2009: Sorín se despediu em grande festa

Também foram bem lembrados: o paraguaio Gamarra e os hermanos Guiñazu e Conca, todos com 4 votos. Rincón, Maldonado e Aristizábal foram mencionados duas vezes. O lateral Arce, o volante Mascherano e o zagueiro Schiavi foram citados uma vez.

Esta taça é sua, Lugano! FOTO: site oficial www.saopaulofc.net
Lugano, em 2005. FOTO site oficial do São Paulo http://www.saopaulofc.net

Votaram os jornalistas Abel Neto, Bruno de Almeida, Mauro Beting, Fernando Galvão, Marcelo Monteiro, Mário Marra, Menon, Maurício Noriega, Emerson Ortunho, André Rizek, Roberto Sander e Beto Xavier, e o colecionador Domingos D ´Angelo, do grupo MemoFut. Confira as escolhas de cada um aqui.

Continuar lendo “Top 5: craques gringos da década no Brasil”

Metallica 3.0: “Master of Puppets”

[clearspring_widget title=”Grooveshark Widget: Chameleon” wid=”48f3ef6c29317865″ pid=”4b35530b4c5a7f97″ width=”400″ height=”300″ domain=”widgets.clearspring.com”] Aproveito o widget aí de cima, onde você pode ouvir os 8 sons de Master of Puppets (se bem que a versão de Thing That Should Not Be é a com orquestra, do disco S&M),  para seguir meus pitacos sobre a  discografia do Metallica. O terceiro álbum, de 1986 (!), foi mais uma parceria com o produtor dinamarquês Flemming Rasmussem, o mesmo do Ride... E representou mais um grande passo para aquele quarteto californiano que não fazia concessões e não queria nem saber de gravar clips virar a mega banda de hoje. No meio do caminho, uma grande perda na longa estrada do rock: o baixista Cliff Burton morreu num acidente, poucos meses depois do lançamento. Eram tempos sem internet, sequer havia MTV no Brasil… As informações circulavam no underground brazuca via fanzines, como Rock Brigade (que logo virou revista e gravadora) e boca a boca. Canções imensas, imensas, com mais de 8 minutos, muitas mudanças de clima, como “Master of Puppets”, montanhas de guitarras, velocidade e agressividade em fusões de metal e punk hardcore como “Disposable Heroes” e “Damage Inc.”. Power-ballads muito bem trabalhadas como “Welcome Home (Sanitarium)” não criavam problemas com os fãs, pelo contrário, chamavam ainda mais a atenção para a qualidade do quarteto. Não é à toa que o grupo toca petardos deste discão até hoje. “Disposable Heroes” e “Master of…” estão na versão simples do DVD “Orgulho, Paixão e Glória” (a versão ampliada sai no Brasil em 26 de janeiro, dias antes dos shows nacionais.)

Ah, você pode pegar esse aplicativo no site da turnê brasileira do grupo e adicionar à sua página pessoal com as músicas que preferir!

Bola na Tela

Uma lista de filmes disponíveis em DVD que falam de futebol, alguns mais, outros menos, e já foram abordados aqui no blog, com a tagBola na Tela”. Aos poucos, vou atualizando esta relação. Sugestões serão bem recebidas, pelo e-mail futpopclube@gmail.com.

ano-em-que-meus-pais-poster011O Ano em Que Meus Pais Saíram em Férias: baita filme. Nem só de violência vive o cinema brasileiro atual. Embora a história se passe durante a Copa de 70 no México.

Boleirosoutro dos melhores filmes brasileiros sobre futebol.

O Casamento de Romeu e Julieta tem sua graça. E Luana Piovani! E o ótimo Luiz Gustavo (dois são-paulinos no papel de palmeirenses verdes!)

Duelo de Campeões: “sessão da tarde” sobre o jogo da vida deles, os americanos que impuseram a maior zebra das Copas aos ingleses, na Copa de 50, em BH!.

Febre de Bolao livro do Nick Hornby se deu bem melhor que o filme baseado nele.

Garrincha, Alegria do Povo. Clássico do cinema novo. Às vezes passa no Canal Brasil. Em DVD, só na caixa do diretor Joaquim Pedro de Andrade.

Hooligans. Muita pancadaria na ficção com toques do que rola em torcidas inglesas, como a do West Ham United querido do Steve Harris, que este ano luta contra o rebaixamento na Premier League.

Juventus Rumo a Tóquio – curta-metragem sobre um domingo decisivo e dramático na Javari, campo do Moleque Travesso, recém lançado em DVD (leia mais aqui).

O Milagre de Berna. Drama que reconstitui a saga da Alemanha Ocidental para ganhar da Hungria de Puskas, na Copa de 54, na Suíça.

1958 – o Ano em que o Mundo Descobriu o Brasil. Excelente documentário sobre a Seleção Brasileira, enfim campeã do mundo em 58.

O Mundo A Seus Pés conta a a Extraordinária História do New York Cosmos, antes, durante e depois da Era Pelé. Interessantíssimo.

Zico na Redegols, gols e mais gols do camisa 10 da Gávea.

Sem falar nos DVDs específicos de Corinthians, Flamengo, Internacional, São Paulo…

10 anos do Brasileirão 99; 35 do Paulistão 74

Hoje faz 10 anos que o Corinthians conquistou o Brasileiro de 99. O segundo nacional seguido e o terceiro dos quatro da história do clube. Um time cheio de estrelas como Dida, Vampeta, Rincón, Ricardinho, Marcelinho Carioca, Edílson e Luizão que, menos de um mês depois, venceu também o primeiro Mundial de Clubes promovido pela Fifa.

No Brasileirão 99, o  alvinegro fez a melhor campanha na primeira fase e nos play-offs eliminou Guarani, em 3 jogos. Depois, na semifinais, foram 2 vitórias contra o São Paulo de Carpegianni, que eliminara a Ponte Preta muito graças a Marcelinho Paraíba. A primeira, um 3×2, naquela partida cheia de emoções em que Raí fez um gol, mas perdeu 2 pênaltis diante de Dida. Nas finais, a vítima foi o Atlético Mineiro, também em 3 jogos (o Galo ganhou por 3×2 no Mineirão; no Morumbi, o Corinthians de Oswaldo de Oliveira venceu por 2 x0 e ergueu a taça com o empate em 0x0.)

Mas a torcida do Atlético Mineiro não precisa ficar triste, porque no dia 19 de dezembro fez 38 anos que o Galo venceu o Campeonato Brasileiro de 71. No triangular final, o Atlético venceu São Paulo  e  Botafogo. O Galo tinha Renato, Humberto, Grapete, Vantuir e Oldair, Humberto Ramos e Vanderlei, Beto, Romeu, Ronaldo Drummond e Dario, o Dadá Maravilha – artilheiro do certame com 15 gols, inclusive o do título. Técnico? Telê Santana.

A Futpédia do GloboEsporte.com tem detalhes da campanha. E um vídeo do gol decisivo de Dadá Maravilha, com narração de Luiz Noriega, pai do comentarista Maurício Noriega. “Taí o primeiro gol, Dario! Atlético um, Botafogo zero em Maracanã”.

Por outro lado, 22 de dezembro traz uma recordação triste para a torcida do Corinthians – e alegre para a do Palmeiras: a final do Paulistão de 1974. O campeonato foi disputado em dois turnos. O alvinegro, campeão do primeiro turno, decidiu o título contra o arquirrival, campeão do returno. Na 1ª partida, empate. No 2º e decisivo jogo, 120 mil pessoas lotaram o Morumbi. A maioria, corintianos, ansiosos para sair da fila (desde 1954 o Mosqueteiro não ganhava o Paulistão). Um gol de Ronaldo Drummond (campeão brasileiro de 1971 pelo Galo) deu o título estadual de 74 ao Palmeiras. Pouco depois, Rivellino foi vendido para o Fluminense. E brilhou na Máquina de Francisco Horta.