Curta o curta: “Futebol é Pai”, filme de Lina Chamie para o projeto Cores do Futebol.

10440667_284922571679039_6755774075325862740_n
O pai torce pra um time, o filho vai torcer pro mesmo. Só que não. Às vezes…
Olha o caso do personagem deste curta-metragem da diretora Lina Chamie, “Futebol é Pai“, um dos filmes produzidos pela SescTV para a série Cores do Futebol, proposto pela Global Media Exchange e pela TAL (Televisão América Latina). A diretora e roteirista Lina Chamie é fanática torcedora do Peixe. Ela que dirigiu “Santos, 100 Anos de Futebol Arte – O Filme”. Aqui, LIna acompanha o jovem torcedor num rolê pelo Memorial das Conquistas do Santos e leva o garoto para ver um jogo do Peixe na Vila famosa pela primeira vez. Primeira de muitas, certamente.

  • Direção: Lina Chamie
  • Concepção: TAL TV
  • Realização: SescTV

Que camisa maneira esta de goleiro do garoto, hein? O projeto Cores do Futebol foi lançado na época da Copa do Mundo, mas ainda dá para curtir os seus outros curtas.
Continuar lendo “Curta o curta: “Futebol é Pai”, filme de Lina Chamie para o projeto Cores do Futebol.”

Um 2 de outubro alvinegro

A foto – clássica, que acho que não posso reproduzir aqui – é uma das mais antigas lembranças da infância do boleirinho nerd e ruim de bola, de 7 anos, que começou a ler jornais devorando as páginas de esporte. A ponto de decorar, do goleiro ao ponta-esquerda, o time-base dos quatro maiores do futebol paulista, mais a Portuguesa (que naquele tempo brigava sempre pelos títulos estaduais) e o Guarani. A foto da perna quebrada do centroavante Mirandinha, numa partida do São Paulo contra o América, em São José do Rio Preto, é outra que não sai da retina.

O rei, vestido com uma não menos clássica camisa de listas brancas e pretas, está de braços abertos como o Cristo Redentor, e de joelhos se despede do gramado da Vila, de onde saiu para conquistar o planeta bola.

Estou falando desta foto aqui.

Em dois de outubro de 1974, esse rei, Pelé, se despediu da Vila Belmiro. Aquele Santos 2×0 Ponte Preta (que então usava uma camisa branca e calção preto) foi o último jogo oficial do atleta do século XX pelo Santos, numa partida de Campeonato Paulista, competição que conquistou 10 vezes ou com a camisa branca ou com essa maravilhosa camisa listrada, que hoje eu leio, ainda falta à coleção do Museu Pelé, Santos.  Continuar lendo “Um 2 de outubro alvinegro”

O raio caiu 12.000 vezes no mesmo lugar!

O Santos entrou campo na Vila nesta noite escaldante do verão 2014 precisando de 4 gols… não para virar um mata-mata, mas para chegar ao gol 12.000 na sua história.

Entrou em campo (mas não jogou) com uma camisa que fazia essa contagem regressiva, como mostra a imagem publicada pelo site do Santos, que reproduzo dentro do post.

A partida contra a Pantera da Mogiana, o Botafogo de Ribeirão, não foi tão fácil como o placar final pode sugerir, especialmente no primeiro tempo. Que virou 2×0.

No segundo, o Santos fez o terceiro e o quarto. O gol 12.000! Comemorado assim pelo Twitter do Santos:

O Peixe ainda fez mais um. Mais um 5×1, mais uma #manita como eles dizem na Espanha.
Parabéns pro Santos, no caminho certo, Vende Ganso, vende Neymar, vende Montillo… e continua revelando meninos da Vila, como prova o bi da Copinha. E acertando em contratações como Arouca, Aranha, Cícero, Thiago Ribeiro…

Enquanto isso, subindo a serra, o 5×1 em cima do Corinthians no clássico do meio de semana teve uma repercussão lamentável, mais uma invasão de centro de treinamento, com ameaças a jogadores e agressões a funcionários. Pode!?!? Não pode! Confesso que não sei como essa galera vai se comportar quando ganhar casa própria. Vão depredar o Itaquerão a cada crise? E o pior, com um gramado muito próximo dos torcedores. vão agredir jogadores e visitantes? Desse jeito, vira e mexe vai ter punição: tantos jogos longe de Sampa, tantos jogos com portões fechados.

Continuar lendo “O raio caiu 12.000 vezes no mesmo lugar!”

“Santos Para Sempre na Pele”

santos para sempre na pele
http://www.facebook.com/santonifilmes

Poster do documentário “Santos Para Sempre na Pele” (de Bruno Curti e Lorraine Lopes; Santoni Filmes) levou o Prêmio Porta Curtas, na última rodada da etapa carioca do CINEfoot 2013. Até o começo de junho dá para ver o filme, de 9 minutos, nesta página do Porta Curtas. Na etapa paulista do CINEfoot, o curta passa no domingo, 9 de junho, às 19h30, no Espaço Itaú de Cinema|Augusta (Rua Augusta, 1.475 e 1.470 – Consolação) numa sessão em homenagem ao bicampeonato mundial do Santos.
Continuar lendo ““Santos Para Sempre na Pele””

Lançamento: “Almanaque do Santos FC”

EditoraMagma.com.br
EditoraMagma.com.br

Quase 400 páginas. Mais de 5.600 fichas técnicas de partidas. Quatro décadas de pesquisa. Em se tratando de Santos, os números teriam que ser superlativos, mesmo. O professor Guilherme Nascimento lança o “Almanaque do Santos FC” (editora Magma Cultural) nesta segunda-feira, 28 de janeiro, às 18h, na loja oficial do Peixe, na Vila Belmiro.  Continuar lendo “Lançamento: “Almanaque do Santos FC””

50 anos do 1º título mundial do Santos

Réplica da camisa do alvinegro praiano em 1962, quando foi campeão mundial, presente no Memorial das Conquistas do Santos, tema de um Rolê do Fut Pop Clube.

No post anterior, mostrei a nova camisa 2 do Santos, a listrada com fundo preto (à la Juventus de Turim) para o número (laranja) nas costas.
Este post aqui é a minha homenagem – ainda que tardia – ao jogadores campeões mundiais de clubes em 1962. Uma conquista que precisa ser lembrada, reverenciada, homenageada (como Coutinho, Pepe, Lima e Dalmo foram homenageados na Vila Belmiro, neste domingo, antes de Santos x Vasco).
Em 11 de outubro de 1962, o Santos goleou o campeão europeu, o glorioso Benfica de Eusébio, Coluna e Simões: 5 x 2 em pleno estádio da Luz (versão anterior da ‘catedral’ encarnada, que foi reerguida ao lado para a Euro 2004), e levantou o seu primeiro Mundial de Clubes (você sabe, o bi viria no ano seguinte, contra o Milan). Pelé (hat-trick, triplete, três gols), Pepe e Coutinho marcaram para o então campeão da Libertadores. Eusébio e Santana diminuíram para os águias.

O Santos tinha vencido a primeira partida por 3×2 no Maracanã. Isso mesmo.No Rio de Janeiro. Com todo apoio da torcida carioca. Brasileira.

Diz a história que o glorioso Benfica estava tão certo que venceria na catedral da Luz que já começava a vender ingressos para um jogo desempate. Deu no que deu. O certo é que os portugueses reconheceram a superioridade santista e aplaudiram os novos campeões do mundo de clubes (lembrando que a Seleção Brasileira já era bicampeã do mundo, com muitos craques desse “Santástico”).

Quer uma ideia da repercussão da conquista? Neste sábado li na seção “O Globo Há 50 anos”, do jornal carioca, que em 13 de outubro de 1962, a rádio Globo do Rio retransmitiu a gravação integral da final contra o Benfica. Dois dias depois do decisão. Uma reapresentação da transmissão radiofônica. Sensacional!

Continuar lendo “50 anos do 1º título mundial do Santos”

É “Santástico”!


A seção Nas Bancas informa: o número 11 da “Santástico”, a revista oficial do Santos, vem com uma curiosa reportagem de capa: a legião de times com nome (e às vezes distintivo também) inspirado no Peixe no mundo todo. A reportagem assinada por Rafael Miramoto, da assessoria de imprensa do alvinegro praiano, cita 24 clubes no mundo – nove no Brasil – a partir de pesquisa do fanático torcedor Wesley Miranda e dos dois Guilhermes (Guarche e Nascimento) do Centro de Memória e Estatística do Peixe. Muito legal! Continuar lendo “É “Santástico”!”