Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.

Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.
Aí, Steve Harris, o time de futebol do Iron Maiden poderia jogar com esse uniforme bolado pelo Matheus Viana…

A temporada 2017-18 do campeonato inglês começou com um jogão, sete gols, duas viradas: Arsenal 4×3 Leicester City. Aproveito a primeira rodada da Premier League da vida real para compartilhar um golaço do designer brasileiro Matheus de Souza Viana. Ele “viajou” (no bom sentido e entre aspas) criando camisas de futebol e distintivos para 20 bandas de rock inglesas, dos Beatles aos Arctic Monkeys. Saiu antes na página Idea Fixa (que me foi indicada pelo batera Vlad Rocha).

Pra começar, o designer botou uma coroa em forma de cabelo moicano, do leãozinho da Premier League, que você pode ver na imagem destacada, no alto deste post. E chegou a incluir nos “mantos sagrados” das sacrossantas bandas as marcas de fornecedores habituais de equipamento esportivo (adidas, Nike, Puma, Umbro) e até patrocinadores de peito, ligados a marcas de equipamentos musicais, como fabricantes de guitarras (Fender, Gibson, Rickenbacker, Epiphone). Demais! O campeonato de bandas imaginado pelo designer Matheus Viana tem muito classic rock entre os favoritos ao título: Beatles, Stones, Who, Queen…

Este slideshow necessita de JavaScript.

É um trabalho pessoal do Matheus Viana, um exercício criativo, sem patrocínios nem fins lucrativos, ou seja, não vão ser vendidas camisas com esse visual. Olha as ideias

A ideia é brincar com a hipótese de misturar o futebol e o rock’n’roll, pensando em como poderia ser o campeonato inglês de futebol se fosse disputado por bandas inglesas de rock”, explica o designer.

Então, vejam como seriam os visuais do triunvirato do rock pesado inglês do final dos 60 -Sabbath, Led, Purple- e o progressivo Pink Floyd, do Roger Waters, um fanático torcedor do Arsenal.

O Lemmy não estava nem aí para futebol, mas o pesado e rápido Motörhead também entra na liga virtual do Matheus Viana, além dos punk rockers do Clash (Joe Strummer é dos blues, torcedor do Chelsea) e dos Sex Pistols (John Lydon fanático gunner, Steve Jones e Paul Cook, também eram blues).

Será que nos estádios desse campeonato virtual, o fã-clube do Police adotaria “Every Breath You Take” como uma espécie de “You’ll Never Walk Alone”?

Home Kit imaginário do The Police, por Matheus Viana.

Repare nas mangas da imaginária camiseta do Joy Division – o designer Matheus Viana se inspirou na capa do discão “Unknown Pleasures”.

Mais ideias criativas dentro do post.

Continuar lendo “Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.”

Os Helenos lançam “Hey Botafogo”.

https://www.facebook.com/oshelenos?fref=ts
https://www.facebook.com/oshelenos?fref=ts

O Engenhão está fechado, mas o astral do Botafogo anda lá em cima. Nada como ter um ídolo como Seedorf, ganhar título estadual, vencer clássicos, começar bem no Brasileirão. Nessa buena onda, aparece um coletivo formado por músicos com passagens por grupos como Autoramas, Brylho, Carbona, Do Amor, Hanói-Hanói, Nervoso, Seletores de Frequência etc – todos apaixonados pelo clube da estrela solitária. Os Helenos se consideram a primeira banda botafoguense de rock, ska, samba, salsa, punk e música latina  da história.
Um EP com 7 músicas desse supergrupo botafoguense será lançado via iTunes na terça-feira. Em breve, essas músicas devem subir no canal da banda no You Tube.
Por enquanto, primeiro clip d´Os Helenos, “Hey Botafogo”, é uma versão alvinegra de um hit #1 de 1969, “Na Na Hey Hey Kiss Him Goodbye”, da banda americana Steam. Essa cover não entrou no EP.
Veja o clip dos fãs do time de Heleno de Freitas e companhia aqui ou abaixo.


Continuar lendo “Os Helenos lançam “Hey Botafogo”.”

Rock Flu nas ondas sonoras da Copa

Rock Flu, programa online da rádio Torcida Tricolor, chega à edição 68 em ritmo de Copa do Mundo. Serginho Duarte e Gustavo Valladares dividiram o especial copeiro em 2 partes. Cada uma com bandas e músicos “vestindo a camisa” dos países que estão disputando a taça do mundo na África do Sul. A primeira parte (com 16 atrações)  já está no ar (ouça aqui). E o convidado do Rock Flu da vez é este que vos bloga. Gostei do convite e da experiência. Entre um bloco musical e outro, o papo foi sobre Brasileirão, Libertadores, filmes e livros sobre futebol, além de meus palpites sobre a Copa (e depois de quase toda a 1ª rodada, devo agradecer por não ter entrado em nenhum bolão…). A pesquisa musical feita pela dupla tricolor foi bem legal e serviu para me apresentar a alguns sons que desconhecia e outros que não ouvia há algum tempinho. Rock Flu 68 rola a pesada cover do Angra para “Pra Frente Brasil”, o grupo de rock Savoy Truffle (do Japão), o excelente bluesman Eric Ter (“vestindo” a camisa da França), o rock bem feito do Wonderboom (do país dos Bafana Bafana), Los Bunkers (pop en español do Chile), o rock do Toad (representando a Suíça), No Brain (punk da Coreia do Sul), o músico nigeriano Fela Kuti, o ótimo grupo italiano de progressive rock Premiata Forneria Marconi (defendendo a Squadra Azzurra), Toxic Heart (Eslovênia), Pop Masina (Sérvia), Trypes (da Grécia); a banda Jet (Austrália), Khaóticos (Honduras), Osibisa (representando Gana) e a banda El Tri, representando o rock do México. Como se vê, um cardápio bem variado, musical e geograficamente. A segunda parte do especial Rock Flu com mais 16 sons do mundo e outro convidado deve ficar pronta durante a Copa. Confira no site www.rockflu.com.br .

Casa Babylon

Quarto e último disco de estúdio da superbanda que explodiu em Paris: Mano Negra. Na guitarra e voz principal, um certo Manu Chao. Na bateria, seu primo, Santi. No trompete, o mano, Antonio Chao. A formação incluía ainda um guitarrista, baixista, trombonista, tecladista e um percussionista, Phil, ainda hoje com Manu, na Radio Bemba Sound System. “Casa Babylon” é aquele que tem “Santa Maradona” (com samplers de narrações de gol, até voz de locutor brasileiro). E muito mais:  uma vitaminada paella de rock, pop, punk, reggae, funk, ska.  “Casa Babylon”, “The Monkey”, os sensacionais suíngues de “Señor Matanza” e “Machine Gun”, “Hamburger Fields” podem pintar até hoje em shows de Manu Chao (leia meus pitacos sobre Baionarena). Entra fácil para a categoria Discão.

LINKS: Página da Mano Negra no MySpace.

Texto sobre canções com narrações de gols.

Nirvana, Reading, 30/8/92

Chegaram às lojas brasileiras (por enquanto separadamente) o DVD e o CD com o showzão do Nirvana no festival de Reading, em agosto de 1992. Estou curtindo o CD. 24 sonzeiras, hits da tsunami grunge que ficarão para a história da música independente, como “Sliver”, “In Bloom”, “Come As You Are”, “Lithium”, “Polly” (excelente versão) e, claro,  “Smells Like Teen Spirit” (em versão não lá muito fiel, digamos). Espetaculares as performances do trio nos hardcores “Negative Creep” e “Territorial Pissings”, que encerra o show desafinando o hino americano. Continuar lendo “Nirvana, Reading, 30/8/92”

Rock na tela

Slade in FlameComeçou a 3ª Mostra de Cinema Rock promovida pela marca Totem, no Rio de Janeiro. Até quinta-feira que vem, 12 de novembro, o cine Estação Ipanema passa de dois a três filmes por dia. Confesso que não conhecia a mostra e já fiquei com vontade que ela se espalhe além Rio. A programação deste ano começou com o documentário “U.S. x John Lennon” e “A Technicolor Dream”, com Pink Floyd e Syd Barrett. Neste sábado, tem “Kissology”, DVD do Kiss, às 17h. “Slade in Flame“,  filme de 1975 com a banda glam Slade (Cum´On Feel The Noize! ), às 19h30. E o documentário “Punk Attitude”, do cineasta Don Letts, que já foi comentado aqui no blog, às 21h30. Continuar lendo “Rock na tela”