Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.

Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.
Aí, Steve Harris, o time de futebol do Iron Maiden poderia jogar com esse uniforme bolado pelo Matheus Viana…

A temporada 2017-18 do campeonato inglês começou com um jogão, sete gols, duas viradas: Arsenal 4×3 Leicester City. Aproveito a primeira rodada da Premier League da vida real para compartilhar um golaço do designer brasileiro Matheus de Souza Viana. Ele “viajou” (no bom sentido e entre aspas) criando camisas de futebol e distintivos para 20 bandas de rock inglesas, dos Beatles aos Arctic Monkeys. Saiu antes na página Idea Fixa (que me foi indicada pelo batera Vlad Rocha).

Pra começar, o designer botou uma coroa em forma de cabelo moicano, do leãozinho da Premier League, que você pode ver na imagem destacada, no alto deste post. E chegou a incluir nos “mantos sagrados” das sacrossantas bandas as marcas de fornecedores habituais de equipamento esportivo (adidas, Nike, Puma, Umbro) e até patrocinadores de peito, ligados a marcas de equipamentos musicais, como fabricantes de guitarras (Fender, Gibson, Rickenbacker, Epiphone). Demais! O campeonato de bandas imaginado pelo designer Matheus Viana tem muito classic rock entre os favoritos ao título: Beatles, Stones, Who, Queen…

Este slideshow necessita de JavaScript.

É um trabalho pessoal do Matheus Viana, um exercício criativo, sem patrocínios nem fins lucrativos, ou seja, não vão ser vendidas camisas com esse visual. Olha as ideias

A ideia é brincar com a hipótese de misturar o futebol e o rock’n’roll, pensando em como poderia ser o campeonato inglês de futebol se fosse disputado por bandas inglesas de rock”, explica o designer.

Então, vejam como seriam os visuais do triunvirato do rock pesado inglês do final dos 60 -Sabbath, Led, Purple- e o progressivo Pink Floyd, do Roger Waters, um fanático torcedor do Arsenal.

O Lemmy não estava nem aí para futebol, mas o pesado e rápido Motörhead também entra na liga virtual do Matheus Viana, além dos punk rockers do Clash (Joe Strummer é dos blues, torcedor do Chelsea) e dos Sex Pistols (John Lydon fanático gunner, Steve Jones e Paul Cook, também eram blues).

Será que nos estádios desse campeonato virtual, o fã-clube do Police adotaria “Every Breath You Take” como uma espécie de “You’ll Never Walk Alone”?

Home Kit imaginário do The Police, por Matheus Viana.

Repare nas mangas da imaginária camiseta do Joy Division – o designer Matheus Viana se inspirou na capa do discão “Unknown Pleasures”.

Mais ideias criativas dentro do post.

Continuar lendo “Premier League, Rock Edition. Designer brasileiro junta futebol e rock numa coleção imaginária de camisas.”

Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.”

O lançamento da nova camiseta de La Roja, a seleção da Espanha (veja post anterior), é um bom gancho para falar do livro de contos do jornalista Arthur Dapieve, “Maracanazo – E Outras Histórias” (Alfaguara, também disponível como e-book).
maracanazo
A camisa vermelha da Fúria – bem como a camisa também vermelha da seleção chilena, também conhecida como La Roja – são importantes no quinto e último conto, “Maracanazo”, que dá nome ao livro de Dapieve.  Ele não trata da final da Copa de 50, fatídica para os brasileiros e heroica para os uruguaios. Mas de um jogo que foi de vida ou morte para a seleção espanhola na Copa de 2014, contra o Chile, logo depois daquela derrota de goleada para a Holanda, na Fonte Nova, a partir daquele gol espetacular do RVP, o Van Persie. O narrador do conto, Victor, um torcedor espanhol (e do Real Madrid, que nem pronuncia o nome do Barça e não quer nem saber de independência catalã), um sujeito católico e bem de direita, conhece na arquibancada agora colorida do new Maraca uma gatinha com a camisa – vermelha – do Chile. Só que no espectro político, a garota está do lado totalmente oposto ao de Victor.

Em meio a muitas referências aos fatos que antecederam o Mundial de 2014, como os protestos da época da Copa das Confederações – quem já esqueceu o “não vai ter Copa!”? – a ficção de Dapieve é cheia de referências a política, futebol e música, como uma espécie de Nick Hornby dos trópicos, com cenas tórridas. E um final violento e chocante. Alta fidelidade, alta voltagem.

“Maracanazo”, o conto, foi lançado primeiro na França, em março de 2015, como novela independente, a convite de Jean-Marie Ozanne, da editora Folies d’Encre. Ficou em segundo lugar no prêmio Jules Rimet, dedicado à literatura sobre futebol.

Em outros contos, Dapieve fala de pegar “jacaré” em Copacabana (dá pra ler um trecho aqui); de nazismo e música clássica, em Viena, 1939, antes da anexação da Áustria; e do finzinho da era Syd Barrett no Pink Floyd, 1968. Antes das crônicas semanais no Globo e dos contos, Dapieve se destacou como um dos melhores críticos de música do Brasil.
Continuar lendo “Lançamento: “Maracanazo. E Outras Histórias.””

Rock e soul na tela

amyDuas dicas sobre música no cinema para esta semana.

Amy”, sobre a ascensão e o triste fim da talentosa cantora inglesa, já passou em alguns cinemas brasileiros e tem novas sessões nesta terça. Perturbador.

Já o concerto Roger Waters The Wall tem estreia mundial nesta terça-feira. Novas sessões sábado e domingo. O trailer está sensacional.

Continuar lendo “Rock e soul na tela”

Rock Flu #86 no ar

http://www.RockFlu.com.br

Rival Sons, Public Image Ltd., Patti Smith, Celso Blues Boy, Camisa de Vênus, Titãs, Velvet Underground, Pink Floyd, Peter Gabriel, Van Morrison… e muito Fluminense! É o cardápio da 86ª edição do programa Rock Flu, que entrou no ar neste finzinho de 2011. Os convidados dos amigos Gustavo Valladares e Sérgio Duarte desta vez são Marcello Vieira e Paulo-Roberto Andel, do site Fluminense & Etc. Continuar lendo “Rock Flu #86 no ar”

Jogo rápido com o PVC.

Continuação da entrevista com o jornalista Paulo Vinicius Coelho, o PVC, autor dos livros Bola Fora, Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo e Jornalismo Esportivo.

FUT POP CLUBE- PVC, como todo mundo que vai ao “Loucos por Futebol” participa do teste do produto com nome ligado ao futebol que o Marcelo Duarte encontra, quem visita o Fut Pop Clube tem que preencher uma fichinha. É jogo rápido.

livro do PVCAlgum jogo da Copa 2006 entraria numa nova edição do livro “Os 50 Maiores Jogos das Copas do Mundo”?

PVC –  Portugal 1 x 0 Holanda, por ser o jogo com maior número de cartões da história das Copas. E Itália 2 x 0 Alemanha, pela dramaticidade da prorrogação.

Qual o maior jogo que você já viu, ao vivo ou em vídeo?

PVC –  Puxa vida… O jogo do ladrilheiro, Flamengo 2 x 1 Vasco, em 1981, é um jogo fantástico na minha memória. Aí, revi. Foi ruim.

Acho que o maior jogo foi Itália 4 x 3 Alemanha, em 1970.

E QUAL FOI A MAIOR ATUAÇÃO DE UM JOGADOR PARA O PVC? FUTSAL OU SOCIETY, BOTÃO OU GAME, 3-5-2 OU 4-4-2, O QUE ELE PREFERE? E O FILME, A MÚSICA E O LIVRO SOBRE FUTEBOL PREFERIDOS PELO COMENTARISTA. CLIQUE AQUI>>>

Continuar lendo “Jogo rápido com o PVC.”

Pink Floyd

live8O meu calendário da revista Classic Rock lembra que há exatos 4 anos o Pink Floyd se reuniu para o megafestival Live 8. Em 2 de julho de 2005, Waters, Gilmour, Mason e Wrigth fizeram o primeiro show juntos desde 1981. O Live 8 teve palcos em diferentes países e objetivo era pedir o perdão da dívida externa dos países pobres ao G8 (7 países mais industrializados do mundo e Rússia). Continuar lendo “Pink Floyd”

Entrevista com Mauro Beting (final)

Seguimos com o papo via e-mail com o jornalista Mauro Beting. Abaixo, a linha atacante de raça, digo, as três últimas perguntas. Ele fala do pai, Joelmir Beting, de música -brinca de DJ!-e futebol, claro.

9 – Fut Pop Clube – Seu pai trabalhou no jornalismo esportivo antes de mudar para as páginas de economia. O estilo do Joelmir influenciou seu texto?beting

Mauro Beting – Muito. Por DNA, não por cópia. Mas, claro, sem a mesma qualidade. O que é bom é que sempre soube que eu não estava à altura dele. Nunca pretendi chegar perto. Mas, de fato, tem alguma coisa. No início de carreira, até fiz alguns textos que ele assinou. Uma baita honra. E sei que, desde o início, até sempre, as pessoas vão comparar, vão achar que ele me botou nos lugares em que trabalhei… sou tão burro que só fui trabalhar com ele depois de 17 anos de ofício. Ele é o pior nepotista que existe, embora nós façamos há 5 anos o programa mais nepotista da história da TV brasileira: “Beting & Beting” [canal Band Sports].

10 – Fut Pop ClubeVocê escrevia sobre música pop no começo dos anos 90, no jornal FT, do grupo Folha, que depois virou Agora. Que som você gosta de ouvir hoje? Que show te tiraria de casa?

Mauro Beting – Gosto desde música napolitana até rock bem alternativo. radioheadNão pude ir ao Radiohead, mas é um show que me tiraria de casa. Como Oasis[NdaR: site reformulado!]. Como REM. Como Pink Floyd. U2. Travis. Stevie Ray Vaughan (in memorian). Beatles. Kinks. João Gilberto. Tom Jobim. 10.000 Maniacs. Cowboy Junkies. Ih… tanta gente e tanto gênero. Menos breganejo e pagode, tudo eu escuto. Discothèque, blues, chorinho, hinos de clubes e de países. Nos últimos tempos, tenho até brincado de DJ, numa festa do Simoninha de MPB, e de rock lá na Funhouse, em São Paulo. É o meu maior prazer depois do futebol. por mim, tocaria todas as noites, vendo jogos antigos no telão.

11 – Fut Pop Clube -Pra terminar, uma pegadinha. Qual é o maior Palmeiras da história? O da Arrancada Heróica de 1942? O campeão da Copa Rio, em 1951? A primeira Academia que disputava com o Santos de Pelé? A segunda Academia, bicampeã brasileira? O time que saiu da fila em 93/93 e também foi bi brasileiro? O do ataque de 100 gols? Ou o campeão da América? Difícil, hein?

Mauro Beting – o que mais marcou é o de 12 de junho de 1993. Por culpa de tudo que não fizeram desde 18 de agosto de 1976, excetuando 9 de dezembro de 1979 [Nota do blog: ficou curioso? veja que jogo foi esse no Futpédia]. O futebol mais lindo que vi de verde, e dos mais lindos que vi na vida, é o do primeiro semestre de 1996. O que mais prendeu a respiração foi o de 16 de junho de 1999. Mas aquele que vi em 20 de fevereiro de 1974 ser bi brasileiro é uma rima que foi uma seleção do Brasil em 1974. Enfim, todos esses, e muito mais. Pelo futebol, o de 1996, mas durou pouco. Pela bola, fico com a segunda academia. Técnica, tática e física. E tinha Ademir. Tinha Luisão Pereira. Tinha Leivinha. Tinha Leão. Tinha Dudu. Tinha César Maluco. E tinha um moleque de seis anos que curtia o primeiro e último amor além da família. E, entre nós, tem família melhor que a do nosso time?

Fut Pop Clube -Valeu, Mauro Beting. Muito obrigado!