Manguita Fenômeno e o Dia do Goleiro.

Desde 1976, o 26 de abril é o dia do goleiro no Brasil. Data de nascimento em 1937 do goleiro da foto abaixo, Haílton Corrêa Arruda, o Manga. Manguita Fenômeno. Que entre meados dos anos 50 e 1982 fechou o gol de seis clubes brasileiros, do Nacional de Montevidéu e do Barcelona de Guayaquil. Na seleção, foi à Copa de 1966. O Sport, o Botafogo e o Inter se lembraram do ídolo nas redes sociais neste Dia do Goleiro, 80º aniversário de Manga.

18057077_1527997693899980_6019312059419182300_n
Foto: arquivo do Sport Recife (SportRecife.com.br)

Dentro do post, clube por clube, título por título, uma trajetória resumida de Manga, sinônimo de goleiro para muitos torcedores.
Continuar lendo “Manguita Fenômeno e o Dia do Goleiro.”

Gran Parque Central, o alçapão do Nacional.

Gran Parque Central, o alçapão do Nacional.
DSC07376
Fachada do Gran Parque Central em novembro de 2015

DSC07378
A cancha do Club Nacional de Football, que se intitula o decano do futebol uruguaio, é de 25 de maio de 1900. O Gran Parque Central foi um dos estádios da Copa do Mundo de 1930 e o Nacional também gosta de badalar o pioneirismo, como “el primer estadio Mundialista”. Em 13 de julho de 1930, EUA e Bélgica jogaram no Parque Central, simultaneamente a um jogo entre França e México em Pocitos (num estádio que não existe mais).DSC07352O Brasil jogou aqui sua primeira partida na história das Copas. Tá certo que não demos muita sorte. Perdemos pra Iugoslávia. por 2 a 1 (e contra a Bolívia, no Centenario, só cumprimos tabela).
DSC07356

DSC07355
Em 1944, o alçapão dos albos passou a ser todo de concreto. Teve outra reinauguração em 2005 – ganhou 25 camarotes, como o que leva o nome de Artime (também jogou no Palmeiras). DSC07375Em setembro de 2014, o Nacional anunciou uma nova reforma do estádio tricolor, “padrão Fifa”, de olho na Libertadores e numa possível Copa de 2030 na Argentina e Uruguai.DSC07353

Hoje o Parque Central parece ser uma rua Javari duas vezes maior. Comporta uns 26.500 tricolores. Depois da reforma anunciada ano passado, a capacidade passaria a ser de 40 mil hinchas.
DSC07364
Continuar lendo “Gran Parque Central, o alçapão do Nacional.”

“Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.

Era uma vez um futebol que tinha Pelé, Garrincha, Tostão, Gerson, Jairzinho, Carlos Alberto Torres, Félix, Coutinho etc etc etc.
E ainda era filmado (e editado) com uma classe…
As câmeras do Canal 100 são o tema de um livro de arte – de futebol-arte. “Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática” (Dois Um Produções), organizado por Carla Niemeyer (filha de Carlos Niemeyer, criador da produtora) e Cláudia Pinheiro, tem umas 300 imagens de clássicos do futebol brasileiro, que levavam ao deleite o torcedor brasileiro que ia ao cinema entre as décadas de 60 e 80. E mais recentemente, em algumas sessões de festivais como o CINEfoot.

10452813_696792713716926_2180656043747382671_o (1)
https://www.facebook.com/pages/DOIS-UM-Produções/

Este livraço, que saiu durante a Copa, custa 45 reais e inclui um DVD, com uns 40 minutos de gols do Canal 100. Olha só o que tem neste extra:

  • Fla-Flu de 1960, onde os rubro-negros quebraram a invencibilidade dos tricolores (de uniforme branco) no campeonato carioca, que seria o último conquistado pelo América.
  • Depois de uma reportagem do Canal 100 sobre o ‘Carnaval quatrocentão’, o DVD tem outro Fla-Flu, em Maracanã lotado. O que decidiu o título carioca de 1969. Tempos em que os uniformes clássicos (Fla de rubro-negro e Flu novamente de branco) não tinham marcas de patrocinadores. E que o goleiro também era chamado de “keeper”. Félix era o “keeper” do Flu. Rodriguez, o do Fla, dá um pique “a 100 km por hora” para reclamar do segundo gol tricolor. No final, o Flu ganhou por 3×2 e deu a volta olímpica. O técnico? Um mestre Telê Santana começando sua gloriosa carreira de treinador.
  • Depois do cinejornal sobre a visita da musa Claudia Cardinale ao Rio, para filmar “Uma Rosa para Todos” (no papel de uma mulata!), tem o clássico Botafogo x Santos no Torneio Rio São Paulo de 1964, já no começo de 1965. Do lado do glorioso, tinha Manga, Gerson, Jairznho, Garrincha… Do lado do alvinegro praiano, Gylmar, Pelé, Coutinho… E o Canal 100 ainda usava a versão instrumental de “Na Cadência do Samba”, a melô do “Que Bonito É”… Covardia…
  • A seguir, uma reportagem sobre o surf, “a nova moda das praias cariocas”, e outra toda sobre a estreia da Seleção Brasileira na Copa de 1966, contra a Bulgária, no estádio do Everton, Goodison Park. Pelé e Garrincha (com a 16), garantiram a vitória, ambos em belíssimas cobranças de falta. Pelé vibrou muito com o gol de Mané – foi o último do anjo das pernas tortas com a amarelinha.
  • Tem também um curta sobre o GP do Brasil de F1, num autódromo de Interlagos ensolarado e tomado por “150 mil pessoas” em 1973. O então campeão mundial Emerson Fittipaldi venceu de ponta a ponta, com a Lotus 72 D, aquela flecha negra, o carro mais bonito da história da Fórmula 1. Mas o segundo no pódio em Interlagos, Jackie Stewart, se recuperaria e adiaria o bi de Fittipaldi.
  • O último filme do DVD é a reportagem sobre o clássico Brasil 1×0 Inglaterra, na Copa de 1970, no México. O jogo da extraordinária defesa de Gordon Banks na cabeçada do Rei Pelé. E da jogadaça de Tostão no gol decisivo, de Jairzinho, o ‘furacão da Copa’.

O livro virou exposição em 2015. “Canal 100, uma câmera lúdica, dramática e explosiva” fica até 29 de março no Galpão das Artes – Espaço Tom Jobim, no Jardim Botânico do Rio. Continuar lendo ““Canal 100: Uma Câmera Lúdica, Explosiva e Dramática”.”

Camisa 1. Ou 12. Ou 01…

Encontro Post-2
Para quem está em Sampa e curte a história das camisas de futebol: neste sábado, 12 de abril, tem mais um encontro de colecionadores, no Museu do Futebol. Desta vez, os uniformes de goleiros são os temas. Tive a oportunidade de passar lá quando o tema foram as camisas centenárias.

Os #goalkeepers são o tema do mês porque em 26 de abril se comemora o Dia do Goleiro. Homenagem ao aniversário de Manga, o Manguita Fenômeno, goleiro da seleção de 1966, do Sport, Bota, Nacional do Uruguai, do Inter campeão de 75, Operário-MS, Coritiba, Grêmio, Barcelona de Guayaquil.
Cola lá. Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu, até 17h deste sábado. Continuar lendo “Camisa 1. Ou 12. Ou 01…”

Jogue o game, veja o animê, leia o mangá.

Capa do nº 1 do mangá "Inazuma Eleven Go", de Tenya Yabuno, edição em castelhano da Planeta DeAgostini.
Capa do nº 1 do mangá “Inazuma Eleven Go”, de Tenya Yabuno, edição em castelhano da Planeta DeAgostini.

Por falar em quadrinhos, nas minhas andanças pela Península Ibérica me deparei não com um gibi do Eric Castel, mas com o mangá “Inazuma Eleven Go!”. O personagem principal, o meio-campista Arion Sherwind, tenta animar o time do colégio Raimon, a voltar aos tempos vitoriosos do time conhecido como Inazuma Eleven. Continuar lendo “Jogue o game, veja o animê, leia o mangá.”

50 anos do Carioca de 1962: Botafogo e Garrincha bicampeões

DO BLOG http://mantossagrados.blogspot.com/
DO BLOG http://mantossagrados.blogspot.com/

Maracanã, 15/12/1962. Com seu clássico uniforme de listras alvinegras – e de mangas compridas, em dezembro, no Rio! – o Botafogo goleou o Flamengo por 3×0 e conquistou o bicampeonato carioca, numa tarde de Garrincha. Mané participou dos três gols: marcou o primeiro, fez a jogada do segundo (gol contra de Vanderlei) e fechou o placar. O Botafogo tinha o goleiro Manga, o enciclopédia Nilton Santos na lateral e um ataque com o Mané, camisa 7, Quarentinha, Amarildo e Zagallo. Do lado rubro-negro, Carlinhos, Dida (ídolo de Zico), Gérson. Continuar lendo “50 anos do Carioca de 1962: Botafogo e Garrincha bicampeões”

50 anos do Rio-São Paulo de 1962. “Botafogo, um grande campeão”.

lojabotafogo.com.br

Em 18 de março, fez meio século que o Botafogo ganhou seu primeiro Torneio Rio-São Paulo. Em 1962, o Fogão tinha Garrincha, Nílton Santos, Didi, Zagallo, Quarentinha, Amarildo, etc… Na última rodada, bateu o Palmeiras – de virada – por 3×1 no Maracanã e ficou com a taça. Gols de Quarentinha, Valdemar contra e Amarildo para os campeões. Zequinha marcou o do alviverde. Continuar lendo “50 anos do Rio-São Paulo de 1962. “Botafogo, um grande campeão”.”