Quando joga a Celeste

Logo-AUFweb_biggerO Uruguai, atual campeão da Copa América, melhor sul-americano no último Mundial, participa do grupo B da Copa das Confederações (veja a tabela).
Oscar Tabárez já divulgou os convocados para a Copa das Confederações.
Goleiros: Fernando Muslera (Galatasaray), Martín Silva (Olimpia) e Juan Castillo (Danubio)
Defensores: Diego Lugano (Málaga), Diego Godín (Atlético de Madrid), Maximiliano Pereira (Benfica), Martín Cáceres (Juventus de Turim), Álvaro Pereira (Internazionale), Sebastián Coates (Liverpool), Matías Aguirregaray (Peñarol) e Andrés Scotti (Nacional)
Meio-campistas: Diego Pérez (Bologna), Egidio Arévalo Ríos (Palermo), Nicolás Lodeiro (Botafogo), Walter Gargano (Internazionale), Cristian Rodríguez (Atlético de Madrid), Sebastián Eguren (Libertad), Gastón Ramírez (Southampton) e Álvaro González (Lazio)
Atacantes: Luis Suárez (Liverpool), Edison Cavani (Napoli), Diego Forlán (Internacional) e Abel Hernández (Palermo).

A Celeste estreia dia 16 – logo contra a Espanha campeã do mundo! – na Arena Pernambuco.

  • Dica de música do amigo Roge Vasco, feliz da vida com seu Peñarol, mais uma vez campeão uruguaio: o clip do cantor uruguaio Jaime Roos no Centenário, “Cuando Juega Uruguay”, uma canção de incentivo à Celeste. Com Obdulio Varela (El Negro Jefe, capitão da campeã mundial em 1950)  e tudo. O clip é de 1992.

Continuar lendo “Quando joga a Celeste”

“Santos Para Sempre na Pele”

santos para sempre na pele
http://www.facebook.com/santonifilmes

Poster do documentário “Santos Para Sempre na Pele” (de Bruno Curti e Lorraine Lopes; Santoni Filmes) levou o Prêmio Porta Curtas, na última rodada da etapa carioca do CINEfoot 2013. Até o começo de junho dá para ver o filme, de 9 minutos, nesta página do Porta Curtas. Na etapa paulista do CINEfoot, o curta passa no domingo, 9 de junho, às 19h30, no Espaço Itaú de Cinema|Augusta (Rua Augusta, 1.475 e 1.470 – Consolação) numa sessão em homenagem ao bicampeonato mundial do Santos.
Continuar lendo ““Santos Para Sempre na Pele””

“Bichos Criollos”: Argentinos Juniors e La Paternal no CINEfoot

Imagem
Camiseta retrô do AAAJ

A fase não é boa. O clube que revelou Diego Armando Maradona para o planeta bola luta contra o rebaixamento, no complicado promédio do futebol argentino. Nesse contexto, um documentário de 75 minutos sobre a história do Argentinos Juniors está na mostra competitiva do festival CINEfoot, no Rio de Janeiro e em São Paulo.  Bichos Criollos”, dirigido por Diego Lombardi e produzido por Victor Tujschneider, vai passar na mostra competitiva do festival CINEfoot 2013 tanto no Rio (segunda-feira, 27 de maio, às 19h, no Espaço Itaú de Cinema -Praia de Botafogo) como em São Paulo (domingo, 9 de junho, sessão das 21h30, Espaço Itaú de Cinema, na rua Augusta). Entrada: grátis.

Um bairro. Um clube de futebol. Uma identidade.

O bairro é La Paternal, na região central de Buenos Aires. O clube, a Asociación Atlética Argentinos Juniors, que revelou o genial Diego Maradona (“Los Cebollitas” era o apelido do time formado pelo treinador Francisco Cornejo) e outros craques como Juan Román Riquelme, Fernando Redondo, Esteban Cambiasso e Juan Pablo Sorín. Curioso é que as maiores glórias do Argentinos surgiram depois da venda de Maradona para o Boca: o torneio Metropolitano portenho de 1984, o Nacional argentino de 1985, a Libertadores de 1985, a Interamericana de 1986… a quinta estrela veio no Clausura 2010, na linda cancha do Huracán. “Bichos Criollos” fala tanto dessas grandes conquistas como da derrota no Japão para a forte Juve de Platini e cia (Mundial de Clubes 1985), das lutas para voltar à elite do futebol argentino (os jogos da primeira divisão eram aos domingos), das dificuldades, dos jogos mandados longe de Buenos Aires. Longe de La Paternal. A identidade do Argentino Juniors.

Cartaz do filme “Bichos Criollos”, sobre o Argentinos Juniors

Diego Armando Maradona hoje dá nome ao estádio do clube. E “el diez” é um dos entrevistados, ao lado de Sorín, Cambiasso, Redondo etc.
O título da “peli” reúne dois dos apelidos do Argentinos: Bichos (mais recente) e Criollos (do começo do século XX). Sorte ao filme na Taça CINEfoot e sorte ao Bicho. Continuar lendo ““Bichos Criollos”: Argentinos Juniors e La Paternal no CINEfoot”

O 4º festival CINEfoot começa com o lema “Futebol é mais que um jogo”.

Facebook.com/CINEfoot
Facebook.com/CINEfoot

A bola vai rolar nas telas do CINEfoot, festival de cinema de futebol, já na quarta edição. A sessão de abertura no Rio, nesta quinta-feira, 23 de maio, 20h30, no Espaço Itaú de Cinema, da Praia de Botafogo, faz uma homenagem a Sócrates. Exibe o filme “Os Rebeldes do Futebol”, ancorado por Eric Cantona, que tem o doutor como um dos cinco personagens (veja post anterior). E ainda tem o elogiado curta de Anna Azevedo sobre o extinto setor mais popular e folclórico do Maracanã: “Geral”. “The Heart of the Stadium”, o título em inglês, ajuda quem nunca ouviu falar em geral, que está sendo banida dos estádios, digo, arenas.
O festival CINEfoot segue no Rio até terça-feira, 28 de maio, no Espaço Itaú, no CCJF (Centro Cultural Justiça Federal), Ponto Cine (em Guadalupe) e no projeto Cinemão, em Manguinhos e na Cidade de Deus (confira aqui a programação carioca, dia a dia, sala por sala, sessão por sessão). Em 6 de junho, começa a seleção paulista do CINEfoot, no Museu do Futebol e no Espaço Itaú de Cinema da rua Augusta. Em Sampa, ai até dia 11 (confira aqui a programação de São Paulo). Durante a Copa das Confederações, rola um CINEfoot extraordinário em Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Recife e Fortaleza.

O “Mundial” de 1942 tem até cartaz oficial, no filme italiano

Tem longa-metragens como o hilário “documentário” [preste atenção nas aspas] A Copa Perdida/Il Mundial Dimenticato, curtas bacanas, trailers de novos filmes, concurso de vídeos sobre clubes objetos de paixão há 100 anos, até cópia restaurada de um clássico do cinema de futebol nacional: “Tostão, a Fera de Ouro” (que teve como trilha sonora o clássico samba “Aqui É o País do Futebol”, de Milton Nascimento e Fernando Brant). Tostão é outro dos homenageados nas noites de futebol no cinema, como os 60 anos de Zico, os centenários do clássico Botafogo x Flamengo, do título carioca de 1913 do América e de clubes como o Bonsucesso, os 80 anos do profissionalismo no futebol, os radialistas esportivos, o capitão Carlos Alberto Torres, o produtor Luiz Carlos Barreto…
Quanto custa a entrada? Nada! É de graça. Você só paga o refri, a pipoca e a camisa do seu time. Bola pro mato que é filme de campeonato. A Taça CINEfoot está em jogo para 13 filmes da Mostra Competitiva de Longa-Metragem (5 brasileiros e 8 internacionais). Participam da Mostra Competitiva de Curta-Metragem 20 filmes: 12 brasileiros e 8 internacionais. Confira os “convocados” dentro do post.
Continuar lendo “O 4º festival CINEfoot começa com o lema “Futebol é mais que um jogo”.”

Um “bandeirão” do River Plate é o tema do filme “Esos Colores que Llevás”.

Cartaz feito pelo ilustrador Federico Raiman: http://www.frillustrations.portfoliobox.net/
Cartaz feito pelo ilustrador Federico Raiman para a estreia do filme: http://www.frillustrations.portfoliobox.net/

No começo de maio, estreou na Argentina o doc Esos Colores que Llevás”, que conta a história de uma bandeira recordista. 8 quilômetros (!) com as cores do time da “banda roja“: o River Plate. E não é que o lançamento do filme de Federico Peretti também foi mega? 12 mil pessoas no ginásio Luna Park, em 3 de maio. Vejam a foto. O que é a paixão por um time de futebol, minha gente!?!?
Abaixo, o trailer.

  • Veja também:
  1. Rolê do blog pelo Museo River
  2. História da camiseta da “banda roja”
  3. Camiseta alternativa do River em 2012
  4. Sítio oficial do filme Esos Colores que Llevás
  5. Página do filme no Facebook
EsosColoresQueLlevas.com/
EsosColoresQueLlevas.com/

“Futebol é Deus” (“Football is God”). Um filme sobre a paixão pelo Boca.

Este é um filme sobre a paixão dos torcedores do Boca Juniors, que tem como subtítulo “em nome do pai, do filho e de Diego Maradona”. É uma produção dinamarquesa dirigida por Ole Bendtzen, que foi exibida no recente festival CINEfoot no Rio e S.Paulo. Ole Bendtzen acompanha um operário fanático por Maradona (Pablo), uma senhora que a gente pode comparar àquelas torcedoras-símbolo, Paula, conhecida por todos no Boca como La Tia. E um jornalista, Hernán, que trabalha para o site do clube ‘xeneize’. A fotografia é excelente. Chegam a arrepiar as tomadas que mostram La Bombonera. E os personagens são muito bons – e por incrível que pareça, o melhor é o que é menos “povão”, Hernán. São hilários seus diálogos no divã do terapeuta.  Também é muito boa a história da lembrancinha de aniversário que La Tia decide comprar para Martín Palermo. Aperto o botão curtir para este filme.

  • Leia também:
  1. Rolê do blog pela Bombonera e pelo Museo de la Pasión Boquense.
  2. Outros filmes do CINEfoot vistos pelo blog.