“Geraldinos”, na última rodada da Mostra Cinefoot.

“Geraldinos”, na última rodada da Mostra Cinefoot.

“Geraldinos”, filme vencedor da Taça Cinefoot 2015 nas seleções carioca e paulista do festival de cinema de futebol, encerra a mostra Cinefoot, no Canal Brasil. Nesta sexta-feira, 22h, com reprise na terça-feira, 13h30. Vale a pena ver ou rever o doc, que também está disponível para aluguel no Now.

Continuar lendo ““Geraldinos”, na última rodada da Mostra Cinefoot.”

Grenal 410

Grenal 410

FutPopClube em Porto Alegre, 3 de julho de 2016

20160703_105623

Gre-Nal 410. Gre-Nal das onze. Gre-Nal do almoço – ou do café da manhã, dependendo do horário que o torcedor está acostumado a acordar num domingo. No caso deste que vos bloga, Gre-Nal das bodas de ouro de tios queridos, data que me levou a Porto Alegre. Mas para o bem ou para mal, dependendo do lado, o grande dérbi gaúcho e brasileiro da ensolarada manhã deste domingo de inverno vai é ficar conhecido mesmo como o “Gre-Nal do trator”. Os colorados mais supersticiosos não devem ter gostado nada do teor do áudio que vazou, do técnico Argel, falando em passar um trator sobre o Grêmio. Eita comentário perigoso na véspera de um clássico…  Serviu pra apimentar ainda mais um dos dérbis de maior rivalidade do mundo. Duvido que o técnico Roger não tenha usado a declaração para motivar seus atletas. Se é que Gre-Nal com os dois rivais brigando lá em cima precisa de motivação…

Pois logo aos 19 minutos do primeiro tempo, foi o ataque gremista que veio como um trator  sobre os donos da casa. Rebatida de Muriel, Douglas mandou a bola pro fundo das redes).

E se o Grêmio esteve muito bem no primeiro tempo, depois do intervalo o Inter voltou com tudo, empurrado também pela torcida, que cantou mais forte no segundo tempo. Pressão total. O colorado teve um bom número de chances pra empatar, mas o trator colorado não conseguiu entrar na fazenda gremista.

Foi muito legal ver alguns gremistas chegando e saindo junto com colorados, de boa, na paz; e saber que existe um setor de torcida mista. Claro, não faltam gozações, como os “memes” de internet em cima da questão do trator.

20160703_125334Curiosidade: no fim do jogo, enquanto a torcida do Grêmio esperava a hora de sair da casa do rival, o pessoal do Beira-Rio colocou o hino do Inter no talo, pra tentar abafar os cantos dos visitantes.

Isso é Gre-Nal! E esse foi o Gre-Nal 410, o “Gre-Nal do trator”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Continuar lendo “Grenal 410”

“Geraldinos” em São Paulo

Publicado em 29 de abril de 2016


O horário é um só. 18h10. A sala 4 do Caixa Belas Artes não é assim um Maracanã dos cinemas. Mas os torcedores dos times cariocas que moram em São Paulo e todos os ‘futboleros’ interessados nas melhores décadas do futebol brasileiro precisam ver “Geraldinos”. Os diretores Pedro Asbeg e Renato Martins (que já tinham sido premiados por “Democracia em Preto e Branco”) levantaram a taça de melhor longa tanto na edição carioca como na paulista do festival CINEfoot, em 2015, com estes 73 minutos de barulho em homenagem ao Maraca das antigas e seus ricos personagens, os geraldinos.

A equipe do filme registrou os dez últimos jogos do velho Maraca com a geral, em 2005. Uma década depois, reencontrou no estádio lipoaspirado alguns geraldinos como o “Mister M”, “Índio”, Vovó Tricolor e Edgar, um tricolor que invadiu o gramado do Maracanã num Fla-Flu de 1982 em que o time de seu coração perdia por 3×0 e foi pedir pro Zico não marcar gol. Dois anos depois, Edgar batizaria seu filho com o nome do herói tricolor num Fla-Flu decisivo: Assis.

Emoção não falta no documentário “Geraldinos”. Sem falar no riquíssimo material de arquivo, cenas de outros filmes feitos, editados num ritmo brilhante – o som do grupo Bixiga 70 está na trilha sonora. Os depoimentos são muito bons, e o apolinho Washington Rodrigues, comentarista de rádio no Rio, dá a letra: “nem eu sei quem é o dono do Maracanã. Sei que não é meu”.

“Geraldinos” toma partido, escolhe o lado. O lado do povo. Belo doc!
Continuar lendo ““Geraldinos” em São Paulo”

Rolê do blog pela Fonte Nova, em escaldante tarde de Bahia x Flamengo, Brasileirão 2014.

Post inspirado pelo Futebol de Campo, blog parceiro, que ainda deu a maior força na divulgação.

10697438_803865289674269_7912819852496024938_o
Fila pra entrar na Fonte Nova: 37.393 presentes.

A galera do Flamengo em todo o Nordeste foi em excelente número à Arena Fonte Nova. Deu o ar de sua graça rubro-negra em Salvador durante todo o fim de semana.

P… que p…., é a maior torcida do Brasil” – gritavam os flamenguistas, já dentro da Fonte Nova. Clique em qualquer foto da galeria para ver num tamanho maior.


Num domingo em que o Flamengo foi campeão mundial de basquete, no campo de futebol deu Bahia, 2×1.

Este slideshow necessita de JavaScript.


E nas arquibancadas da belíssima Fonte Nova, a torcida do Bahia deu espetáculo. Bandeiras…  Show de tambores, no setor leste e no alto do setor norte. E muita música, com o grito de guerra consagrado pelo hino do esquadrão tricolor.

Bahêa! Bahêa! Bahêa!”

Na torcida do Bahia, vi gente com camisa do Galo no ombro (era o adversário do arquirrival Vitória na rodada), do Sergipe e do Ypiranga, time de coração de Jorge Amado. Clique em qualquer foto da galeria para ver num tamanho maior.

Mas quase tivemos uma tragédia. Uma torcedora caiu do setor leste inferior. Se fosse de um nível mais alto, as consequências  poderiam ter sido bem mais graves. Continuar lendo “Rolê do blog pela Fonte Nova, em escaldante tarde de Bahia x Flamengo, Brasileirão 2014.”

Um #app para marcar as figurinhas e ajudar a completar o álbum da Copa.

d331df0259
O álbum de figurinhas oficial da Copa veio encartado no jornalão no fim de semana. Na segunda-feira, já tinha gente trocando cromos, fazendo listas das figurinhas que tem, das que faltam e até ‘maluco’ completando o álbum.
Que febre! Toda Copa é a mesma coisa.
Taí uma coleção que gente que passa quatro anos nem aí pra futebol fica fissurado para completar. Vai entender…
Um desses maníacos pelo álbum da Copa me deu a dica do aplicativo da editora Panini, que publica o álbum.
Você baixa o Panini Collectors App no celular ou no tablet, passa em cima de cada figurinha obtida, para digitalizar, confirma… E o #app conta as que você já tem, as que faltam, os cromos repetidos. Dá para comaprtilhar e facilitar a troca com os amiguinhos.
O app da Panini Collectors pode ser baixado tanto pelos applemaníacos  como pelos adeptos do Android.

E não é que funciona, mesmo?
Embora no meu caso, tenha aparecido a cara do Podolski quando tentei digitalizar o Ozil! E um uruguaio no lugar do Thomas Müller! Hahaha.

Veja o vídeo explicativo da Panini.

Continuar lendo “Um #app para marcar as figurinhas e ajudar a completar o álbum da Copa.”

Bis no Gigante

O Sport Club Internacional, que comemorou 105 anos ontem, está reinaugurando o seu estádio. Neste domingo, o Inter reabre o Beira-Rio reformado contra o Peñarol, exatamente um dos times participantes do torneio de inauguração do estádio, em 1969.

IMAGEM: http://www.internacional.com.br/pagina.php?modulo=2&setor=18&codigo=22689
IMAGEM: http://www.internacional.com.br/pagina.php?modulo=2&setor=18&codigo=22689

Os colorados de Gainete, Valdomiro e Claudiomiro deram de 4×0 nos carboneros. E olha que o Peñarol tinha os saudosos Mazurkiewicz e Pedro Rocha, o lateral Pablo Forlán, o artilheiro Spencer e don Elías Figueroa – que depois seria o capitão do timaço do Internacional de Rubens Minelli no meio dos 70. Foi bicampeão brasileiro. Inclusive marcou o gol do título na grande final do Brasileirão 75 contra um Cruzeiro também muito forte, no mesmo bat-estádio, o Beira-Rio. O chamado ‘gol iluminado’. Com a camisa colorada, Don Elías foi hexacampeão gaúcho, entre 71 e 76.

Santos “corta a fita” da Arena Pantanal.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Capacidade: 41.390 torcedores
  • Custo: R$ 570 milhões

Mixto x Santos, Copa do Brasil 2014. Primeiro jogo na Arena Pantanal. ainda que com meia capacidade. Vendo de longe, pelas fotos e pela TV, lembra um pouco o novo Independência, em BH. O site do Santos listou outros 20 estádios “batizados” pelo Peixe, no Brasil e fora dele. Do estádio do São Cristóvão à Red Bull Arena, em New Jersey. Passando por São Januário, o Palma Travassos (do Comercial de Ribeirão), o Rei Pelé (de Maceió, também conhecido como Trapichão), o Barradão e, claro, a Vila Belmiro, em 22/10/1916. Confira aqui a lista completa.