As estrelas da Chapecoense

O novo distintivo da Chape: chapecoense.com/2016/noticias/365
O novo distintivo da Chape: chapecoense.com/2016/noticias/365

Dez dias depois da tragédia com o avião da Lamia, a Chapecoense anunciou pequenas, mas justíssimas modificações no escudo do clube. Duas novas estrelas.

A mais evidente, acima do distintivo, se refere à conquista da Copa Sul-Americana 2016, título confirmado pela Conmebol esta semana. É uma estrela branca, em sinal de paz.

A segunda estrela está no interior da letra F – de ACF, Associação Chapecoense de Futebol – segundo a Chape, uma forma sutil, mas impactante, de eternizar os que dedicavam suas vidas ao Furacão, o Verdão do Oeste.

É isso. As vítimas deram suas vidas pelo time, pela cidade de Chapecó, pelo jornalismo, pelo rádio, pela TV. Pelo amor ao futebol, ao esporte.

Vários times vão entrar em campo na rodada de domingo com diferentes formas de homenagem. Veja as camisas divulgadas até agora, neste álbum aqui, na página do Fut Pop Clube no Facebook. Continuar lendo “As estrelas da Chapecoense”

A mais triste das jornadas esportivas

15241190_1503083466387401_7400566272436966969_n(Não é) uma quarta-feira qualquer. A esta hora, a Associação Chapecoense de Futebol estaria começando a decidir a Copa Sul-Americana 2016 contra o Atlético Nacional. Uma partida na Colômbia, outra no Brasil, na semana que vem.

O time de guerreiros (como o índio Condá que batiza o estádio municipal de Chapecó) comandado por Caio Júnior, estaria tentando jogar de igual para igual com o atual campeão da Libertadores.

Será que um de seus atacantes, como o cabeludo Kempes, o Ananias ou o ídolo Bruno Rangel, maior artilheiro da história da Chape, autor do tento que confirmou o acesso à primeira divisão do Brasileirão, apenas três anos atrás, dariam motivos para o Deva soltar seu inacreditável grito de gol? Ou que de repente o experiente Cleber Santana, com passagens por grandes clubes do Brasil e da Europa, faria o gol decisivo? Será que o goleiro Danilo faria mais um milagre, como fez muitas vezes este ano, no Brasileirão e na campanha da Sul-Americana?

Ganhando ou perdendo a Chape, os jornalistas e radialistas da Fox Sports, do grupo Globo, da RBS, das rádios catarinenses estariam lá contando uma história emocionante, o polêmico Mário Sérgio daria suas opiniões, o Ari Júnior nos brindaria com cada imagem de cinema…

Não importa mais o resultado.

Não importa nenhum resultado. Estamos diante da rodada mais triste da história do futebol brasileiro. Que Maracanazo, que tragédia do Sarrià, que 7 a 1 o quê! Perder é do jogo, ainda mais perder de um Uruguai já campeão do mundo, de uma squadra como a Azzurra de 1982, de uma Alemanha mais forte e muito mais organizada.

O que não é do jogo é perder de uma vez tantos dribles, tantos cruzamentos, tantos toques, tantos arremates, tantas defesas, tantas imagens, tantas pautas, tantos reportagens, tantos gritos de ….

Gooooooooooooollllllllllllll!!!!

Domingo ainda todos estavam aqui, no Allianz Parque, na transmissão da televisão, no jogo em que outro Verdão, o  Palmeiras, fez a sua maior festa em muitos anos. E agora… a Chape estava nas divisões nacionais do futebol há tão pouco tempo, mas para quem acompanha futebol parecia que estava desde sempre, gigante que era em Santa Catarina, cinco vezes campeã estadual em 43 anos de vida!

Que os que ficam nos vestiários, gramados e arquibancadas da Arena Condá, nas cabines de rádio e TV e nas redações saibam onde arrancar forças para tocar o barco – e poder contar para as próximas gerações a brava história deste lindo Verdão do Oeste.

Vamos, vamos Chape!

Continuar lendo “A mais triste das jornadas esportivas”

“Bad Moon Rising” e o ano do futebol argentino.

1658646_723901857700208_7473823064499988095_oE que ano! Na quarta-feira, o San Lorenzo de Almagro enfrenta o Auckland City por uma vaga na final do Mundial de Clubes. Caso o Ciclón confirme a esperada final contra o Real Madrid (que na terça pega o Cruz Azul), vai precisar de muita torcida do Papa, é verdade. Mas só está no Marrocos porque ganhou sua primeira Copa Libertadores. eliminando o Botafogo, o Grêmio e o Cruzeiro, melhor time do Brasil.

Na Copa do Mundo, a ótima seleção argentina já tinha chegado até a grande final, no Maracanã, empurrada por sua torcida e embalada pelo hit “Decime que se siente”, provocadora adaptação de “Bad Moon Rising“, primeiro single do terceiro disco da banda americana Creedence Clearwater Revival (LP “Green River”, 1969).creedence

De um dos grandes sucessos do Creedence a Hilariê, da Xuxa, adaptar músicas populares é uma característica das torcidas argentinas. “Bad Moon Rising”, mesmo, já tinha versões cantadas por “hinchas” do próprio San Lorenzo e outros times argentinos (veja post no globoesporte.com): Nueva Chicago, Racing, Independiente, Belgrano, Talleres, Tigre, Quilmes, Boca Juniors e … River Plate!

Aqui no Brasil ganhou merecido destaque a linda festa no Monumental de Nuñez no dia em que River voltou a gritar “campeón” de uma copa internacional, a Sul-Americana (17 anos depois da Supercopa de 1997, contra o São Paulo ). Detalhe: em 2014, o clube da faixa vermelha usou um camisa que lembrou a do segundo título de Libertadores, em 1996.

Veja o clip publicado pelo canal do River Plate no You Tube. Mostra a festa da apaixonada torcida millonaria antes, durante e depois dos 2×0 contra o bom Atlético Nacional, da Colômbia. O vídeo foi feito pelo departamento de imprensa do River e pela Encender Comunicación e tá maneiro.

O programa Sportv News fez na quinta-feira uma edição desse belo clip, acrescentando narrações, a entrevista que o repórter André Hernan fez com um gandula especial, o filho do técnico Marcelo Gallardo –  olha que bacana! E inseriu um diálogo que é a chave do filmaço “O Segredo dos Seus Olhos”, e diz algo assim:

Um cara pode mudar de tudo. De rosto, de casa, de família, de namorada, de religião, de Deus. Só tem uma coisa que não pode mudar. Não pode mudar de … paixão!” (“O Segredo dos Seus Olhos”)

No filme do craque do cinema Juan José Campanella, escrito por Eduardo Sacheri, essa fala faz referência a um personagem que torce pro Racing Club, de Avellaneda. Que neste domingo pode ser campeão argentino depois de 13 anos! Ou o Racing aproveita a chance e volta a levantar uma taça agora… ou o campeão da Sul-Americana, o River, vai comemorar pela segunda vez na semana, com o possível título nacional #36. Continuar lendo ““Bad Moon Rising” e o ano do futebol argentino.”

Nova camiseta alternativa do River Plate

Os fabricantes gostam de inovar, pra vender mais… ficou diferente… e pelos comentários nas redes sociais, alguns torcedores do River Plater torceram o nariz, mas a maioria parece ter curtido o novo uniforme alternativo do clube da “banda roja”.

Confira o Tweet de @CARPoficial: https://twitter.com/CARPoficial/status/532367237764890625?s=09

Confira os detalhes. Continuar lendo “Nova camiseta alternativa do River Plate”

Entra em campo o Bom Senso FC.

1240607_391594504301948_1060927570_n
A terça-feira começou com uma “bomba”: um grupo de 75 jogadores dos grandes clubes brasileiros lançou o Movimento Por um Futebol Melhor Para Todos, pela revisão do calendário 2014. D e m o r o u para os jogadores se unirem e tomarem uma atitude. Mas realmente o que a CBF propôs para 2014 é a gota d´água. Volta em 12 de janeiro, sem férias de 30 dias, sem período adequado de preparação… Não dá mais. A temporada 2014, com a Copa no meio, é a chance de reformar o calendário brasileiro. Se continuar desse jeito, quem atua aqui no Brasil vai chegar à Copa esgotado.

O que aconteceu rodadas atrás foi um absurdo… time jogando domingo, terça, quinta, domingo. Nem o torcedor aguenta acompanhar! O presidente da CBF detonou o São Paulo, na linha do ‘quem mandou viajar?’… Mas lembro que o jogo no Japão era de uma competição oficial.

Curto campeonatos estaduais, são históricos, mas hoje em dia eles não podem ter tantas datas… Dizem que sem eles os pequenos morreriam… Puxa, mas já não estão caindo pelas tabelas? Adianta manter como está? Claro que não. Os estaduais têm que ser num formato mais curto, tipo copa, no máximo com uma fase de grupos e mata-mata.

Estão à frente do Movimento Por um Futebol Melhor Para Todos jogadores como Alex, Pato, Cássio, Diego Cavalieri, Juninho Pernambucano, Luís Fabiano, Paulo André, Paulo Baier, Rafael Sóbis (que passou mal no jogo do fim de semana), Rogério Ceni, Valdivia, Victor e Zé Roberto.

Dentro do post, confira a nota oficial do movimento e a lista dos jogadores que a assinam.  Continuar lendo “Entra em campo o Bom Senso FC.”