A mais triste das jornadas esportivas

15241190_1503083466387401_7400566272436966969_n(Não é) uma quarta-feira qualquer. A esta hora, a Associação Chapecoense de Futebol estaria começando a decidir a Copa Sul-Americana 2016 contra o Atlético Nacional. Uma partida na Colômbia, outra no Brasil, na semana que vem.

O time de guerreiros (como o índio Condá que batiza o estádio municipal de Chapecó) comandado por Caio Júnior, estaria tentando jogar de igual para igual com o atual campeão da Libertadores.

Será que um de seus atacantes, como o cabeludo Kempes, o Ananias ou o ídolo Bruno Rangel, maior artilheiro da história da Chape, autor do tento que confirmou o acesso à primeira divisão do Brasileirão, apenas três anos atrás, dariam motivos para o Deva soltar seu inacreditável grito de gol? Ou que de repente o experiente Cleber Santana, com passagens por grandes clubes do Brasil e da Europa, faria o gol decisivo? Será que o goleiro Danilo faria mais um milagre, como fez muitas vezes este ano, no Brasileirão e na campanha da Sul-Americana?

Ganhando ou perdendo a Chape, os jornalistas e radialistas da Fox Sports, do grupo Globo, da RBS, das rádios catarinenses estariam lá contando uma história emocionante, o polêmico Mário Sérgio daria suas opiniões, o Ari Júnior nos brindaria com cada imagem de cinema…

Não importa mais o resultado.

Não importa nenhum resultado. Estamos diante da rodada mais triste da história do futebol brasileiro. Que Maracanazo, que tragédia do Sarrià, que 7 a 1 o quê! Perder é do jogo, ainda mais perder de um Uruguai já campeão do mundo, de uma squadra como a Azzurra de 1982, de uma Alemanha mais forte e muito mais organizada.

O que não é do jogo é perder de uma vez tantos dribles, tantos cruzamentos, tantos toques, tantos arremates, tantas defesas, tantas imagens, tantas pautas, tantos reportagens, tantos gritos de ….

Gooooooooooooollllllllllllll!!!!

Domingo ainda todos estavam aqui, no Allianz Parque, na transmissão da televisão, no jogo em que outro Verdão, o  Palmeiras, fez a sua maior festa em muitos anos. E agora… a Chape estava nas divisões nacionais do futebol há tão pouco tempo, mas para quem acompanha futebol parecia que estava desde sempre, gigante que era em Santa Catarina, cinco vezes campeã estadual em 43 anos de vida!

Que os que ficam nos vestiários, gramados e arquibancadas da Arena Condá, nas cabines de rádio e TV e nas redações saibam onde arrancar forças para tocar o barco – e poder contar para as próximas gerações a brava história deste lindo Verdão do Oeste.

Vamos, vamos Chape!

Nós todos – torcedores, jornalistas, ouvintes, telespectadores, leitores – às vezes somos tão implacáveis com um time adversário, com um jogador do qual não gostamos, com um cronista com quem não concordamos, nos estádios, nas redes (sociais?), nas rodas. Nesta semana, mostramos que também podemos ser solidários.

#ForçaChapecoense

//platform.twitter.com/widgets.js

Grande, Cavani!

O escudo da Chape, o original ou a versão de luto, estarão nas camisas que o Nacional de Montevidéu e o Racing vão usar no fim de semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s