Leônidas: 100 anos de histórias.

A programação dos encontro do Memofut sobre o Diamante Negro neste sábado.
Flyer do encontro do Memofut sobre o Diamante Negro, que rolou sábado, 14/09.

Os 100 anos do Diamante Negro renderam uma manhã repleta de informações – e de emoção – no encontro mensal do Memofut, grupo que discute a memória e a literatura do futebol, do qual este blogueiro tem orgulho de participar. Por ironia do destino, o Memofut costuma se reunir no auditório do Museu do Futebol, que fica dentro do estádio do Pacaembu – onde Leônidas brilhou com as camisas de seleções estaduais (carioca e paulista) e do São Paulo FC, cinco vezes campeão paulista com o “crack”: 1943, 45. 46, 48 e 49. Sua estreia com a camisa tricolor, num majestoso 3×3 contra o Corinthians, em 1942 é recorde de público do estádio até hoje: mais de 70 mil presentes.

Os palestrantes (oops): o são-paulino Michael Serra, o flamenguista Antonio Carlos Meninéa, o consultor Max Gehringer e o jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas
Os palestrantes (oops): o são-paulino Michael Serra, o flamenguista Antonio Carlos Meninéa, o consultor Max Gehringer e o jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas

O sabadão começou com a exposição do jornalista André Ribeiro, autor da biografia de Leônidas, Diamante Negro, que também exibiu o trecho final do documentário da TV Cultura sobre o artilheiro. Não bastasse o forte conteúdo do finalzinho da vida de Leônidas, a viúva do jogador, Albertina Pereira dos Santos, estava no auditório e recebeu uma homenagem do Memofut.  Foram momentos muito emocionantes. Continuar lendo “Leônidas: 100 anos de histórias.”

L E Ô N I D A S. 100 anos do Diamante Negro.

A bicicleta de Leônidas, no Memorial do São Paulo FC.
A bicicleta de Leônidas, no Memorial do São Paulo FC.

Ao som de “Deixa Falar”, clássico na voz da pequena notável Carmem Miranda, a gente comemora hoje o centenário do nascimento de Leônidas da Silva, o artilheiro da Copa de 1938 (também jogou a de 34) que, se não inventou o gol de bicicleta, o popularizou no Brasil. Tricampeão carioca, pentacampeão paulista, o atacante hoje foi tema do “doodle”, aquele logotipo do Google que muda, em homenagem a uma data.

www.google.com.br
http://www.google.com.br

O “crack” dos anos 30 e 40 renderia muitas manchetes de jornal se jogasse hoje. Imagine só como seus gols (média acima de um por partida no Flamengo), suas confusões fora dos campos, seus romances seriam compartilhados e curtidos (ou nção) pelas rede sociais, na era da internet. Você acha que o Neymar faz muita propaganda? Leônidas foi nome de cigarro e virou nome de chocolate, criado pela Lacta logo depois do Mundial de 1938, fabricado até hoje.

http://www.lacta.com.br/
http://www.lacta.com.br/

Nesta semana do centenário, Leônidas foi homenageado pelo Flamengo, clube que tirou da’ fila’, em 1939. O rubro-negro usou uma camisa com a hashtag #Leônidas100, na partida contra o Vitória.

https://www.facebook.com/FlamengoOficial
https://www.facebook.com/FlamengoOficial

Ao São Paulo, Leônidas chegou como astro, recebido por milhares na estação de trem, mas também visto com desconfiança, como o “o bonde de 200 contos de réis” por alguns. Saiu como cinco vezes campeão paulista na década de 40. Na quinta-feira, o tricolor jogou contra o Criciúma com uma linda camisa retrô, de tom gelo, em homenagem ao ídolo eterno.

FOTO divulgação Penalty | Vipcomm
FOTO divulgação Penalty | Vipcomm

Para saber mais sobre a vida da primeira grande celebridade do futebol brasileiro, não deixe de ler  “Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva“, trabalho de fôlego do jornalista André Ribeiro.

Obrigado, Leônidas, por continuar dando a alegria e orgulho a nós, torcedores, 9 anos depois de sua morte.

As Copas de 1930, 34 e 38

Cartaz da Copa de 1930

Só para lembrar que neste sábado começa Brasil nas Copas, série de 8 palestras no Museu do Futebol, em parceria com o MemoFut.  No primeiro sábado, Max Gehringer – que adora pesquisar futebol e Copas – fala dos Mundiais disputados antes da Segunda Guerra: 1930 (deu Uruguai, em casa); 1934 (deu Itália, em casa) e 1938 (deu Itália de novo, na França). A palestra vai das 10 às 12h e é de graça. O Museu, você sabe, fica no estádio do Pacaembu. Confira a programação completa da série Brasil nas Copas aqui.

O Brasil nas Copas

Max Gehringer vai dar uma palestra no Museu do Futebol, 27 de fevereiro, às 10h. A palestra não é sobre mercado de trabalho ou problemas de condomínio. Max Gehringer vai falar sobre as Copas de 1930, 1934 e 1938.

Cartaz da Copa de 1930
Cartaz da Copa de 1934
Cartaz da Copa de 1938

Comentarista da Rádio CBN e consultor do Fantástico, Max  também pesquisa futebol e em 2006 escreveu uma série de 9 fascículos sobre a história da Taça Jules Rimet, publicada pela revista Placar. “As Copas do Pré-Guerra” são os primeiros temas de uma série de oito palestras organizadas pelo Museu do Futebol e pelo grupo MemoFut, “O Brasil nas Copas”, sempre aos sábados pela manhã.

Capinha do livro do Geneton

O segundo tema, em 6 de março, será o “Complexo de vira-lata”. Geneton Moraes Neto e Robert Muylaert vão abordar a Seleção nas Copas de 1950 e 1954. Entre outros livros, Geneton escreveu “Dossiê 50 – Os Onze jogadores Revelam os Segredos da Maior Tragédia do Futebol Brasileiro” (ao que me parece, esgotado na editora, a Objetiva), sobre o Maracanazzo na final da Copa de 1950.
Seu Domingos D´Angelo, do MemoFut, lembra que Roberto Muylaert escreveu “Barbosa, Um Gol Faz Cinquenta Anos ” (RMC Editora, 2000) e, ao lado de Armando Nogueira e Jô Soares, lançou"A Copa que Ninguém Viu e a que Não Queremos Lembrar"A Copa que Ninguém Viu e A Que Não Queremos Lembrar” (Companhia das Letras, 1994)

Então, O Brasil nas  Copas começa no sábado, 27/02, às 10h, no Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu. Palestras abertas ao público e de graça.

Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva

Você curtiu o livro A Estrela Solitária – Um Brasileiro Chamado Garrincha, obra de Ruy Castro? Aceita uma dica de outra emocionante biografia? É a sobre o artilheiro Leônidas da Silva, escrita por André Ribeiro, que está sendo relançada com novos nome, capa e editora: Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva (Cia dos Livros). O jornalista André Ribeiro – autor também de Fio de Esperança -Biografia de Telê Santana), reproduz um diálogo entre um taxista argentino e o jornalista Luís Mendes. “Pelé não é nada, nada, nada… perto de Leônidas”, diz o motorista.

O polêmico cracaço de bola carioca, jogou (e aprontou!) no Sírio e Líbanes, São Cristóvão, Bonsucesso, Penãrol, Vasco, Botafogo, Flamengo (campeão nos 3 grandes grandes cariocas onde jogou), São Paulo (cinco títulos paulistas na década de 40!) e Seleção Brasileira (artiheiro da Copa do Mundo de 1938 com 7 gols, segundo site da Fifa). No fim da carreira, teve oportunidade de ser técnico no São Paulo, mas o gênio difícil atrapalhou. Depois, virou comentarista de rádio (Pan), até o Mal de Alzheimer complicar as coisas. Leônidas, ídolo de infância de Pelé, superlotou uma estação de trem quando deixou o Flamengo para jogar no São Paulo. A estreia no Tricolor, num 3×3 contra o Corinthians em 1942 é considerado até hoje a partida de maior público do Pacaembu. Leônidas morreu em 24/01/2004, na véspera dos 450 anos da cidade de S.Paulo. Aí já viu, né? O carioca que foi ídolo na cidade de São Paulo dos anos 40 não teve as homenagens que merecia. Continuar lendo “Diamante Negro – Biografia de Leônidas da Silva”