Os olímpicos

Eis a boa lista de 18 jogadores convocados por Rogério Micale para tentar a cobiçada medalha de ouro na Olimpíada. Boa sorte a todos!

  • Goleiros
  • Laterais
  • Zagueiros
  • Meio-campistas
  • Atacantes

Continuar lendo “Os olímpicos”

O Atleti, uma década e meia depois do ‘inferno’.

O Atlético de Madrid comemorou neste 28 de junho de 2016 a marca de 87 mil sócios! Ainda há 5 mil interessados nos carnês para última temporada no estádio Vicente Calderón.

— Atlético de Madrid (@Atleti) 28 de junho de 2016

É, é verdade. O vice-campeão europeu vai mesmo mudar de estádio na temporada 2017-18. Os trabalhos estão adiantados.

Mas há quinze anos, os tempos eram de vacas magras…

Este post foi inspirado pelo leitor e parceiro do blog Clayton Fagundes Cardoso, que comanda com o Pedro Tattoo o canal Casual Football e também fala de música no I Wanna Rock.

O Atlético de Madrid, que nos últimos dois anos chegou a duas finalíssimas de Champions League, viveu num “inferno” não faz tanto tempo assim, na virada do milênio. O “inferno” da segunda divisão. Há quinze anos, os colchoneros, torcedores do Atlético de Madrid, lamentavam uma temporada em que a luta para voltar à primeira divisão bateu na trave.

Retrô: réplica do primeiro uniforme do Atlético de Madrid, que era sim azul e branco, como o Athletic Club, de Bilbao, que inspirou a criação do clube madrilenho.
Retrô: réplica do primeiro uniforme do Atlético de Madrid, que era sim azul e branco, como o Athletic Club, de Bilbao, que inspirou a criação do clube madrilenho.

No meio de uma crise política e financeira, dentro de campo o Atleti tinha sido rebaixado pra segundona espanhola na temporada 1999-2000. Pra surpresa de todos, o Atleti não conseguiu subir ao fim da Liga Adelante 2000-2001. Teve o artilheiro da segundona, Salva (20 gols), já tinha um (muito) jovem Fernando Torres. Mas ficou em quarto lugar. Mesmo número de pontos do Tenerife, perdendo no gol average (junto com os canários subiram Sevilla -campeão- e Betis).

Quem poderia imaginar? Um grande do futebol cair e não voltar na temporada seguinte!  Na Espanha, isso aconteceu com o Atlético de Madrid. Dá para imaginar as gozações dos madridistas, não?

Mas quer saber? Caiu? Levanta, sacode a poeira e dá a volta a por cima.

E foi o que o Atlético de Madrid fez. Uma vez mais com o mestre Luis Aragonés no comando, os atléticos finalmente conquistaram o título da segundona em 2001-02 e o bilhete de volta para a liga das estrelas.

Assim, o clube de Manzanares conseguiu comemorar na primeira divisão o seu centenário, em 2003. O melhor estava por vir. Continuar lendo “O Atleti, uma década e meia depois do ‘inferno’.”

#PrayForIstambul

Mais um atentado choca o planeta! As explosões provocadas por homens-bomba no movimentadíssimo aeroporto de Istambul mataram 28 pessoas e feriram dezenas. Pelas redes sociais, clubes turcos e de outros países se manifestaram depois dos ataques.

//platform.twitter.com/widgets.js

No Facebook, o Fenerbahçe externou luto.

facebook.com/Fenerbahce/
facebook.com/Fenerbahce/

Continuar lendo “#PrayForIstambul”

Deu La Roja. Na Copa América.

Chile 2016 (Nike)
Chile 2016 (Nike)

La Roja é a bicampeã da Copa América. É o apelido da seleção do Chile, adotado até no Twitter oficial. A albiceleste Argentina pode ter o melhor do mundo, que mandou no rio Hudson sua cobrança de pênalti, mas La Roja tem a melhor seleção do continente, e comprovou isso com o bicampeonato, na Copa América Centenário, disputada na terra onde o “nosso” futebol é soccer. É o melhor Chile da história, que começa com um grande goleiro, decisivo no Metlife Stadium. Bravo! Que campanha!

Já a La Roja da Europa, a seleção da Espanha (outrora também conhecida como Fúria) caiu nas oitavas de final da Euro 2016, dando adeus ao sonho do terceiro título seguido. Não dá pra reclamar de juiz, como em outras competições (como o Mundial de 2002). A Espanha vacilou diante da Croácia, pegou logo no primeiro mata-mata a sempre perigosa Itália. No primeiro tempo, só deu Itália, diante de uma Espanha irreconhecível. No segundo, Del Bosque mexeu, a Espanha martelou, martelou… até o Piqué virou atacante de referência (talvez pelo fato de Del Bosque não ter levado outros além de Aduriz), La Roja europeia só não marcou porque do outro lado estava a melhor defesa do mundo, capitaneada por um “GIGIgante”: Gigi Buffon.

Atacou, atacou, não fez e acabou levando o segundo, óbvio, num contra-ataque letal ao melhor estilo Azzurra.

Que jogão vai ser Alemanha e Itália! Sairá desse clássico de quartas de final (sábado, em Bordeaux) o campeão europeu de 2016? Voto que sim. Continuar lendo “Deu La Roja. Na Copa América.”

Estreia: “Adeus, Geral”

24 de junho de 2016
12698321_188384471523701_1161179329552442490_oOlha aí, tem estreia neste glorioso 24 de junho um documentário sobre a elitização do futebol. Adeus, Geral” foi feito por 5 alunos do ensino médio – Gustavo Altman, Martina Alzugaray, Matheus Bosco, Pedro Arakaki e Pedro Junqueira. Para expor as vantagens e desvantagens do processo de modernização do futebol, eles conversaram com ex-jogadores (Alex), técnicos (Tite), cartolas (Paulo Nobre) jornalistas (Juca, Mauro) e torcedores (Jovem, Independente). “Adeus, Geral” tem apoio e imagens do blog “Futebol de Campo”, um dos favoritos da casa e parceirão.

Vão ser duas sessões, uma às 20 e outra às 21h, no MIS – Museu da Imagem e do Som. E a produção recomenda chegar com uma hora de antecedência para conseguir pegar convite.

https://www.facebook.com/plugins/video.php?href=https%3A%2F%2Fwww.facebook.com%2Fadeusgeral%2Fvideos%2F234558696906278%2F&show_text=1&width=560

El Gol del Siglo / La Mano de Dios

Em 22 de junho de 1986, no México, o ‘rock star’ Diego Maradona lançou seus maiores sucessos, pela gravadora Albiceleste Discos, bem na frente dos ingleses, de tantas capitais do rock.
O hit imediato foi “La Mano de Dios”. Como a gente viu no filme sobre Maradona de Kusturica, um punk rock radical cantado em castelhano, em que Diego tira Peter Shilton pra dançar. Tinha mesmo que ser o lado B do disco –  que toca até hoje em emissoras do mundo todo.
O lado A veio ao mundo minutos depois. É um tango. Desta vez, Diego tirou vários ingleses para bailar. Foi uma pintura, uma obra de arte, logo batizada: “El Gol del Siglo”.  Continuar lendo “El Gol del Siglo / La Mano de Dios”