Feliz ano novo! Que 2013 seja um show pra você, amigo!

Coluna de Música | J.R. Lima

De acordo com os dados do WordPress, a minha Coluna de Música teve 51 mil acessos em 2012. Nada mal. É bem mais que um Pacaembu lotado.
E o dia em que a Coluna mais bombou foi 19 de novembro. Motivos? Os textos sobre o show do Kiss aqui em São Paulo, naquele fim de semana.
De que show você mais gostou em 2012? Esse do Kiss? A volta do Foo Fighters ao Brasil, no nosso primeiro Lollapalooza nacional? Também teve a musa Joan Jett... Arctic Monkeys… Thievery Corporation… e muito mais!

Preferiu Roger Waters no show do The Wall? Madona ou Lady Gaga? Tudo bem! Eu curti a noite das divas do indie, Garbage e Gossip no meu primeiro Planeta Terra. Suede também mandou bem! Também conheci o Cine Joia, logo no show do Asteroids Galaxy Tour – com sua vocalista estonteante!

Gosto muito do som…

Ver o post original 160 mais palavras

Os Rebeldes do Futebol (Les Rebelles du Foot) abriram o CINEfoot 2013.

Publicado em 31 de dezembro de 2012
No período de festas, os canais de esporte aproveitaram o recesso do futebol no Brasil para estrear ou reprisar documentários quase sempre muito interessantes. Já falei aqui das séries “Memórias do Chumbo”, do Lúcio de Castro, sobre a ação das ditaduras sul-americanas na Operação Condor, e “Hei de Torcer”, sobre pequenos e simpáticos clubes cariocas. Um dos destaques dessa rodada de docs na programação de fim de ano foi também “Os Rebeldes do Futebol“, produção francesa de Gilles Perez e Gilles Rof muito bem ancorada pelo (ex?)-bad boy Eric Cantona. Ele costura as histórias de cinco rebeldes escolhidos pelo doc: Didier Drogba, colaborando para a paz na sua Costa do Marfim; o argelino Rachid Mekhloufi, que trocou o sucesso no Saint-Étienne pela causa (e time!) da Frente de Libertação Nacional no seu país, quando dominado pela França; o chileno Carlos Caszely, ex-atacante do Colo Colo, Levante, Espanyol e seleção chilena, que teve a coragem de se recusar a apertar a mão de Pinochet, quando o ditador estava no poder; o bósnio Pedrag Pasic, que encarou as consequências da guerra em Sarajevo, e encerrando o programa, o doutor Sócrates e a democracia corintiana. Emocionante!

http://lesrebellesdufoot.com/

“Rebeldes do Futebol” é bem produzido, bem filmado, tem bom arquivo. Um dos pontos altos é um vídeo da campanha do “Não” contra Pinochet. Uma senhora relata que foi vítima de tortura da ditadura chilena. A câmera abre e mostra o filho dela, Carlos Caszely. Ela foi torturada pelos milicos em retaliação contra a atitude do filho! Caszely é também personagem do episódio Chile da série “Memórias do Chumbo”. Aliás, o filme “No”, que retrata o plebiscito chileno, está em cartaz. Recomendo.

Nos créditos, os entrevistados de “Rebeldes” como Raí e Wladimir vão levantando a gola das camisas – à la Eric Cantona. Maneiro! Se passar de novo no Sportv, não perca.

Atualizando: depois do festival de Cartagena, a carreira internacional dos Rebeldes continuou no BCN Sports Film – Barcelona International Ficts Festival, entre 18 e 20 de abril, e no CINEfoot. Abre o festival no Rio, quinta, 23 de maio, 20h30, Espaço Itaú de Cinema – Praia de Botafogo. E em São Paulo, 6 de junho, 20h, Museu do Futebol.

Continuar lendo “Os Rebeldes do Futebol (Les Rebelles du Foot) abriram o CINEfoot 2013.”

“Hei de Torcer”

Não posso deixar passar batido em 2012 uma “pá” de mini-documentários da produtora Terra Vermelha para a série ESPN Filmes sobre pequenos clubes do futebol carioca: “Hei de Torcer“. Nesse período de festas, tive a oportunidade de ver num dos canais ESPN os seis episódios curtos (15 minutos) na sequência. Bangu, Bonsucesso, Madureira, Olaria, Portuguesa Carioca e São Cristóvão (campeão carioca em 1926; “aqui nasceu o Fenômeno”). E não foi só o Ronaldo que começou nesses importantes clubes para o futebol carioca e brasileiro, não, muito embora o foco  da série seja a atualidade… a dura realidade dos pequenos na era do futebol globalizado. O drama dos torcedores quase solitários dos clubes de subúrbio, em tempos de contratos milionários para poucos times e craques. Continuar lendo ““Hei de Torcer””

“Veneno Remédio – O Futebol e o Brasil”

Logo cedo, recebi a dica de seu Domingos D´Angelo, do Memofut, grupo que discute literatura e memória do futebol: o belíssimo texto de José Miguel Wisnik sobre as opções do futebol brasileiro, em especial da seleção, numa edição especial do caderno “Aliás”, “Travessia 2012/2013”, no “Estadão” deste domingo.

Assino embaixo a recomendação do amigo do Memofut. Vale a pena ler “Um espectro à procura da bola”, de José Miguel Wisnik – compositor, ensaísta e professor de Literatura Brasileira (clique aqui para ir à página no “Estadão”, acesso livre).

Pra quem gostar do toque de bola refinado de Wisnik, posso recomendar a leitura do livro  “Veneno Remédio – O Futebol e o Brasil” (Companhia das Letras, 2008).

companhiadasletras.com.br/
Companhia das Letras

Continuar lendo ““Veneno Remédio – O Futebol e o Brasil””

Sala de Troféus do Fluminense

Sala de Troféus do Fluminense

DSC00266
A Sala de Troféus do Fluminense, inaugurada em junho de 2012, tem que ser mesmo motivo de orgulho do tricolor de coração. É um belo memorial à rica história do clube, de suas camisas, de seu simpático estádio, seus ídolos e suas conquistas – como os quatro títulos nacionais de ponta. O blog Fut Pop Clube teve a honra de conhecer a Sala de Troféus na véspera da consagração desse quarto título, o do Brasileirão 2012. Êta blog pé quente, hein? O Sérgio Duarte, torcedor tricolor, um dos produtores e apresentadores do programa Rock Flu, foi o cicerone deste Rolê do Fut Pop Clube. Ao Serginho, muito obrigado. Continuar lendo “Sala de Troféus do Fluminense”

Expo: Nelson Rodrigues, O Profeta Tricolor

Filho e pai, na inaguração do busco de Nelson Rodrigues, nas Laranjeiras FOTO Bruno Haddad / Fluminense F.C.
Filho e pai, na inauguração do busto de Nelson Rodrigues, nas Laranjeiras FOTO Bruno Haddad / Fluminense F.C.

A inauguração do busto de Nelson Rodrigues (bancado pela torcida tricolor) na sede do Fluminense, nesta quarta-feira, 26 de dezembro, é um bom motivo para o post sobre a exposição temporária dedicada ao Profeta Tricolor, na recém-inaugurada Sala de Troféus do campeão brasileiro de 2012.

DSC00307
Selecionei algumas das frases marcantes escolhidas pelo “time” da exposição, que você confere dentro do post.
Continuar lendo “Expo: Nelson Rodrigues, O Profeta Tricolor”

Nelson Rodrigues | “Brasil em Campo”

image

Amigos, no finalzinho deste ano do centenário de nascimento de Nelson Rodrigues (1912-1980), dramaturgo, cronista e -podemos dizer- antes de tudo, um torcedor apaixonado do Fluminense e da seleção brasileira, gostaria de dar mais uma dica, pra quem já curte ou quer conhecer o estilo do “profeta tricolor”, do “anjo pornográfico”. É a coletânea “Brasil em Campo” (editora Nova Fronteira, 2012), organizada por sua filha, Sonia Rodrigues. Trata-se de uma antologia de crônicas publicadas em jornais como o “O Globo”, “Última Hora” e “Jornal dos Sports”, o tradicional ‘cor de rosa’, e também na revista “Manchete Esportiva”.

Ótimo para saber mais sobre a alma do brasileiro, do torcedor brasileiro em particular, de Garrincha, de João Saldanha, da Copa de 1962, essa Copa tão pouco lembrada… Nelson também admite, numa crônica de 1966:

“O videoteipe é muito menos burro do que parece”.

O criador de frases marcantes (que a gente vai ver também no próximo post, sobre a exposição temporária na Sala de Troféus do Fluminense), como “Só os profetas enxergam o óbvio” e “O brasileiro não gosta de admirar e paga para não admirar” se surpreende com uma grande tirada de Nelson Motta (também Fluminense), que escreve na dedicatória do livro (“Música Humana Música”):

“A Nelson Rodrigues, meu deus de estimação”.  Continuar lendo “Nelson Rodrigues | “Brasil em Campo””