Expo: Nelson Rodrigues, O Profeta Tricolor

Filho e pai, na inaguração do busco de Nelson Rodrigues, nas Laranjeiras FOTO Bruno Haddad / Fluminense F.C.
Filho e pai, na inauguração do busto de Nelson Rodrigues, nas Laranjeiras FOTO Bruno Haddad / Fluminense F.C.

A inauguração do busto de Nelson Rodrigues (bancado pela torcida tricolor) na sede do Fluminense, nesta quarta-feira, 26 de dezembro, é um bom motivo para o post sobre a exposição temporária dedicada ao Profeta Tricolor, na recém-inaugurada Sala de Troféus do campeão brasileiro de 2012.

DSC00307
Selecionei algumas das frases marcantes escolhidas pelo “time” da exposição, que você confere dentro do post.
Continuar lendo “Expo: Nelson Rodrigues, O Profeta Tricolor”

Nelson Rodrigues | “Brasil em Campo”

image

Amigos, no finalzinho deste ano do centenário de nascimento de Nelson Rodrigues (1912-1980), dramaturgo, cronista e -podemos dizer- antes de tudo, um torcedor apaixonado do Fluminense e da seleção brasileira, gostaria de dar mais uma dica, pra quem já curte ou quer conhecer o estilo do “profeta tricolor”, do “anjo pornográfico”. É a coletânea “Brasil em Campo” (editora Nova Fronteira, 2012), organizada por sua filha, Sonia Rodrigues. Trata-se de uma antologia de crônicas publicadas em jornais como o “O Globo”, “Última Hora” e “Jornal dos Sports”, o tradicional ‘cor de rosa’, e também na revista “Manchete Esportiva”.

Ótimo para saber mais sobre a alma do brasileiro, do torcedor brasileiro em particular, de Garrincha, de João Saldanha, da Copa de 1962, essa Copa tão pouco lembrada… Nelson também admite, numa crônica de 1966:

“O videoteipe é muito menos burro do que parece”.

O criador de frases marcantes (que a gente vai ver também no próximo post, sobre a exposição temporária na Sala de Troféus do Fluminense), como “Só os profetas enxergam o óbvio” e “O brasileiro não gosta de admirar e paga para não admirar” se surpreende com uma grande tirada de Nelson Motta (também Fluminense), que escreve na dedicatória do livro (“Música Humana Música”):

“A Nelson Rodrigues, meu deus de estimação”.  Continuar lendo “Nelson Rodrigues | “Brasil em Campo””

Minuto de silêncio para Luiz Noriega

“Taí o primeiro gol!”

Era assim que o locutor Luiz Noriega narrava os gols na TV Cultura de São Paulo – o canal 2 passava muitos e muitos VTs, nos anos 70, alguns logo depois das rodadas, numa época com bem menos futebol ao vivo na TV. Era ouro puro.

Por intermédio de um de seus filhos – o cronista e comentarista Maurício Noriega, o Nori, do Sportv – acabei de saber da morte de Luiz Noriega. Partiu hoje, 26 de dezembro, aos 82 anos.

Taí uma grande perda para a história da narração esportiva na TV e no rádio brasileiros, especialmente de São Paulo e de Pernambuco (onde Noriega trabalhou na rádio Tamandaré, então uma das Emissoras Associadas de Assis Chateaubriand). Continuar lendo “Minuto de silêncio para Luiz Noriega”

“Memórias do Chumbo – O Futebol nos Tempos do Condor”

Memórias do Chumbo – O Futebol nos Tempos do Condor. IMAGEM : Flickr.com/photos/Cinefoot
 Flickr.com/photos/Cinefoot

Em janeiro fez 31 anos que o Uruguai organizou a Copa de Ouro, mais conhecida como Mundialito. A Copa de Oro reuniu em 1981, no estádio Centenário de Montevidéu, as seleções até então campeãs mundiais de futebol. A Celeste, dona da casa, a Alemanha, a Argentina, o Brasil, a Itália e no lugar da Inglaterra, a Holanda. O Mundialito foi organizado pelo governo militar uruguaio para promover o regime, num período de plebiscito. Está num dos quatro episódios da excelente série de Lúcio de Castro, “Memórias do Chumbo – O Futebol nos Tempos do Condor”, que a ESPN Brasil estreou no final de 2012. E foi selecionado para a mostra competitiva do festival CINEfoot, no Rio e São Paulo.

E o episódio sobre o Uruguai é um dos melhores da série. Falando em bom português, o escritor uruguaio Eduardo Galeano – que é apaixonado por futebol – diz que, ao organizar o Mundialito com fins políticos, o governo uruguaio viu o tiro sair pela culatra. Durante a final (Uruguai 2×1, sobre o Brasil de Telê), no Centenário, o povo vaiou bandas militares e gritou o refrão:

“Se va a acabar, se va a acabar, la dictadura militar”

O episódio que mostra o uso do futebol pelo poder político-militar no Uruguai ainda tem depoimentos como os de

  • Lilian Ceriberti, sequestrada pela Operação Condor, orquestração repressiva coordenada pelas ditaduras de países como Argentina, Brasil, Chile e Uruguai. Entre os torturadores de Lilian, estava (pasmem!) um ex-jogador de futebol brasileiro (Didi Pedalada);

edefensor

  • Gerardo Caetano, historiador, ex-jogador do Defensor Sporting, que conta como os jogos do Defensor viraram uma espécie de catalisadores dos protestos políticos, incluindo até volta olímpica pela esquerda. Parênteses: no mínimo curioso e digno de aplauso que um país tenha entre seus intelectuais um ex-jogador como Gerardo Caetano e um fã, como Eduardo Galeano!

O episódio sobre o Brasil fala, por exemplo, da derrocada de João Saldanha do comando da seleção brasileira. O da Argentina, dos gritos dos torturados na ESMA enquanto a torcida vibrava com as vitórias da seleção alviceleste no Monumental de Nuñez, na Copa de 78. E o do Chile, do centro de prisão e tortura que virou o estádio Nacional e da coragem do jogador Carlos Caszely, que se recusou a apertar a mão do ditador Pinochet. E muito mais, como a omissão de cartolas dos mais poderosos do mundo do futebol.

Vale a pena ficar de olho em novas reprises. São 4 episódios. Veja o trailer aqui. O blog do Lúcio de Castro tem extenso material sobre a série.  Confira aqui as sessões de “Memórias do Chumbo” na edição carioca do CINefoot e na versão paulista do festival. Continuar lendo ““Memórias do Chumbo – O Futebol nos Tempos do Condor””

Eduardo Galeano de uma bela entrevista à série “Memórias do Chumbo – O Futebol nos Tempos do Condor”, do Lúcio de Castro.

Fut Pop Clube

Publicado em 5 de julho de 2010

Gostaria de indicar um livro que é (literalmente) um barato. “Futebol ao Sol e à Sombra” (coleção pocket da L&PM Editores), do escritor uruguaio Eduardo Galeano, um apaixonado por futebol. Durante o Mundial 2010, li no caderno ‘Copa 2010’ do Estadão que Diego Maradona incluiu obras de Galeano, autor de “As Veias Abertas da América Latina“, na bagagem da seleção argentina. Então, o repórter Jamil Chade bateu um fio para o autor também de “Futebol ao Sol e à Sombra” – disponível em edição de bolso. Modestamente, Galeano disse ao jornalista do Estadão que “o melhor livro de futebol é o que os jogadores escrevem com os pés”.
Gol de letra!

Pelo sim, pelo não, dá para ler um trechinho de “Futebol ao Sol e à Sombra”, livro do uruguaio no site da L&PM.

Ver o post original 46 mais palavras