O Mundo das Copas

Com atraso, registro aqui um lançamento de respeito, feito antes do Mundial 2010: “O Mundo das Copas” (editora Lua de Papel), resultado de anos e anos de pesquisa de Lycio Vellozo Ribas. Como ressalta o prefácio de Tostão, o autor aborda o detalhe do detalhe, Copa por Copa, partida por partida, com informações sobre os processos de escolha, estádios e muito mais. Ainda tem listas de maiores goleadas e das viradas históricas.

Eu quero ver gol

Que quartas de finais esta Copa do Mundo promete, hein? Brasil x Holanda; Uruguai x Gana; Argentina x Alemanha; mais o confronto entre os vencedores de Paraguai x Japão e Espanha x Portugal. Jogos de resultado imprevisível. Mas a gente pode torcer para rolar do nosso lado da chave um clássico sul-americano na semifinal. Brasil x Uruguai, como em 1970. Como diz a música de “Rappa Mundi”, primeiro disco do Rappa, “Eu Quero Ver Gol”, regravada no “Acústico”, pouco antes do Mundial 2006.
Eu quero mais é ver grandes e disputados jogos, como foram as da brava seleção dos Estados Unidos, Eslováquia 3×2 Itália, Uruguai x Coreia do Sul, Alemanha 4 x 1 Inglaterra, especialmente o primeiro tempo, antes da lambança do trio de arbitragem, que não viu o golaço do Lampard.
Eu quero mais é ver o Kaká saindo do jogo todo feliz com sua atuação e a do Brasil, como hoje, no Ellis Park.
Eu quero mais é ver o Luís Fabuloso Fabigol dar motivos pra toda torcida gritar “L U Í S   F A B I A N O”.
Eu quero mais é ver as partidaças habituais da dupla de zaga Lúcio e Juan, que fizeram Júlio Cesar trabalhar tão pouco contra o Chile.
Eu não queria ver o segundo cartão amarelo que suspende Ramires do jogo contra a Holanda. Porque ele entrou muito bem hoje.
Eu não quero mais ver lambanças como a do apito de domingo, que facilitou demais as já prováveis vitórias da Alemanha e da Argentina.
Mas a Fifa não quer que os árbitros vejam as imagens que o mundo todo pode ver, em HD e até 3D, vejam só.
Eu quero mais é ver esse clássico da Penísula Ibérica entre Portugal de Cristiano Ronaldo e cia e a Espanha de Xavi, Iniesta, Villa etc.
Eu quero mais é que chegue sexta-feira logo pra ver a “amarelinha” (ou vamos com o manto azul?) de Kaká, Robinho, Lúcio e cia contra a laranja da dupla dinâmica Bat, digo, Sneijder e Robben.
Eu quero muito que chegue sábado para ver este clássico de quartas de final, que bem poderia ser no mínimo uma semifinal antecipada, entre a Argentina de Messi, Tévez, Higuain etc contra a Alemanha de Özil, Thomas Müller, Podolski e Klose.
Link: site de O Rappa.

Moraes Moreira: Jogando por Música

solo_8
Capa do LP “Pintando o Oito”, que inclui “Saudades do Galinho”

Muito bom o show Jogando por Música, que o Moraes Moreira leva no Sesc Vila Mariana até este domingo de oitavas de final da Copa, às 18h. É olha que é só ele,  voz e violão.  Moraes não nega que é Flamengo, como mostra a capa ao lado, do LP “Pintando o Oito”, que alguém poderia relançar em CD e por que não, em vinil. Toca “Samba Rubro Negro” (Wilson Batista e Jorge de Castro), “Saudades do Galinho”, composta quando Zico foi vendido para a Udinese, “Despedida do Galinho”, feita quando o camisa 10 da Gávea pendurou as chuteiras (“Vitorioso Flamengo” ficou no banco de reservas).
Mas o show -parte de uma programação sobre futebol do Sesc Vila Mariana- teve novidades. No palco, Moraes disse que nos últimos tempos começou a torcer para um segundo time. O Santos. E mostrou uma inédita: “Outros Pelés”, sobre os novos Meninos da Vila. No meio da nova cação,  incluiu um trecho de “1×1”, clássico do repertório de Jackson do Pandeiro. Show.
No set-list do espetáculo Jogando por Música desta sexta-feira, outras canções que cantam futebol, de alguma maneira: “Só Se Não For Brasileiro Nessa Hora” (dos tempos de Novos Baianos), “Sangue, Suingue e Cintura”, dedicada à Seleção de Telê na Copa de 1982, “Espírito Esportivo”, “O que é o que é”, “Nega Manhosa” (de Herivelto Martins), “Meninas do Brasil” (parceria com Fausto Nilo) e “Onde que Fica a África”, feita para Copa do Mundo 2010. O público acompanhou a nova melodia. E olha que “Brasil Campeão” (parceria com Pepeu, feita para a Copa de 1990) não foi relacionada.

Há uma canção sobre Elza Soares, a mulher da vida de Garrincha, com letra muito boa.
O público canta junto clássicos do repértorio dos Novos Baianos e da carreira-solo de Moraes: “Lá Vai o Brasil Descendo a Ladeira”, “Brasil Pandeiro”, “Preta Pretinha”, “Besta é Tu”. Em homenagem às festas de São João, “Festa do Interior”. Seguidinha por “Pombo Correio” e a doce “Sintonia. Demais. Gostaria de ver o set-list? Aproximado, ok?
Continuar lendo “Moraes Moreira: Jogando por Música”

Ellis Park, 24 de junho de 2010

Che cosa!
Depois dos empates contra Paraguai e Nova Zelândia, achei que a Itália se classificaria novamente com um terceiro empate na fase de grupos. Pelo jeito, toda a Squadra Azzurra também confiou nessa tese. Acordou quando perdia por 2×0 da Eslováquia, considera estreante em Copas pela Fifa (para a entidade, a República Checa é a herdeira do passado futebolístico da Checoslováquia). O segundo tempo foi muito maluco. SE tivesse mais cinco minutos… quem sabe, SE a Itália não chegaria ao terceiro empate. Mas não tem SE. A repercussão na Itália foi impactante. O site do Tuttosport abriu tipos garrafais para dizer: “Lippi, a culpa é sua”. A Gazzetta Dello Sport cravou: “Pra casa com Vergonha”. Merecídissima classifcação da Eslováquia, atrás do Paraguai. A Albirroja só empatou com os All Whites, da Nova Zelândia, que hoje foi de All Blacks, mesmo.
No grupo E, formado por Holanda, Camarões, Dinamarca e Japão, quem apostava que o Japão pudesse ser o dono da segunda vaga, hein? Que eficiência na bola parada! O que foi o terceiro gol? Golão! Como joga esse Honda! Era pra ter sido mais do que 3×1…
Olha, não sei se viverei para ver Estados Unidos e Japão campeões do mundo, mas acho que um dia essas seleções emergentes vão chegar lá, sim.

35 anos de “África Brasil” – discão de Jorge Ben Jor

Aproveito o dia 23 para lembrar de um discão de Jorge Ben Jor (dos tempos em que era Ben): “África Brasil”, de 1976. Samba-rock camisa 10. Foi relançado no finalzinho de 2009 na tentadora caixinha de CDs “Salve Jorge“.  Para quem procura músicas sobre futebol, é “a” dica. Tem apenas as clássicas “Camisa 10 da Gávea”, que Jorge, um ex-ponta direita da base do Flamengo, feita para Zico, claro; e”Ponta de Lança Africano (Umbarauma)”, já regravada pelo Soulfy de Max Cavalera no ritmo acelerado do thrash metal. Há pouco, saiu uma nova versão, em que Ben Jor divide vocais com Mano Brown (muito boa! veja o clip aqui, com direito ao inesquecível Ee quee goool do eterno pai da matéria, Osmar Santos, o melhor locutor esportivo de todos os tempos).
“África Brasil” ainda tem “Taj Mahal”, Xica da… Xica da… “Xica da Silva”, “Cavaleiro do Cavalo Imaculado” etc. Continuar lendo “35 anos de “África Brasil” – discão de Jorge Ben Jor”

No país de Stoichkov, uma festa do metal.

Nestes dias em que se fala tanto do Big Five na África do Sul, peço licença para falar um pouco do Big Four, o G4 do thrash metal, tema da Coluna de Música, braço sonoro do Fut Pop Clube. O Vassil Levski, estádio nacional em Sofia, na Bulgária do artilheiro Stoichkov (que foi ídolo do Barcelona), tem um estilo clássico, com parte dos lugares cobertos por uma bela marquise. Na terça, 22 de junho de 2010,  foi cenário do encontro histórico dos quatro peso-pesados do thrash, vertente do heavy metal tão rápida como um trem-bala desses que vão ligar as capitais da Copa 2014 (… rs).  Anthrax, Megadeth, Slayer e Metallica, pela primeira vez juntos no mesmo festival (o Clash of the Tytans, anos atrás, reuniu apenas três deles). E mais: integrantes das quatro grandes tocaram uma música juntos, durante o show do Metallica, numa jam session pra não esquecer. Ah, o Tom Araya, do Slayer, entrou no gram… digo, palco, com o uniforme de La Roja – a seleção de seu país natal, o Chile. Pitacos sobre o que pude ver do festival europeu, na poltrona de um cinema paulistano, estão aqui ao lado, na Coluna de Música.

Cinema e Futebol


A estreia na TV por assinatura do emocionante curta-metragem Juventus Rumo a Tóquio” abre as cortinas de mais uma semana da Mostra Cinema e Futebol, do Canal Brasil – um vasto panorama de filmes sobre futebol no país. O curta se passa numa manhã decisiva de domingo na Javari. Passa nesta segunda, 21 de junho, às 18h30, com reprise na terça, 22/6, às 12h30.

Na sequência, dois curtas sobre a torcida do América-RJ: “Unido Vencerás” e “Unido Vencerás II – Uma História Diferente”.

E às 19h09 desta segunda, o Canal Brasil exibe “Heróis de uma Nação”, sobre o Flamengo campeão de tudo (estadual, brasileiro, sul-americano e mundial) entre 1978 e 1981. Esse doc tem duração de 50 minutos e conta com depoimento de protagonistas desses anos rubro-negros, como Paulo César Carpegianni (primeiro, jogador; depois técnico campeão do mundo de clubes). Replay: terça, às 13h08, no mesmo bat canal.

Nesta terça, 22 de junho, a partir das 18h30, o Canal Brasil tem mais uma rodada dupla: “Sobrenatural de Almeida”, curta de Paulo Sérgio Almeida. Em seguida, às 18h42, o documentário “Papão de 54”, sobre o time do Renner, que superou tricolores e colorados no campeonato gaúcho daquele ano. Já ouviu falar de Valdir Joaquim de Moraes, senhor goleiro e depois preparador de arqueiros como Zetti? Ênio Andrade? Ênio seria depois um dos “11 Maiores Técnicos do Futebol Brasileiro“, como conta o livro do Noriega. Ambos jogaram no Grêmio Esportivo Renner, Papão de 54, que deixou muitos órfaos da arquibancada (título de reportagens sobre times extintos, no Globo Esporte). Reprise na quarta, 23/6, a partir de 12h30. Veja que outros filmes já passaram na Mostra.