Madrid League

https://www.facebook.com/RealMadrid/

Cinquenta e nove anos depois de ganhar o campeonato espanhol e a Copa dos Campeões, o Real Madrid repetiu o #doblete nacional e europeu, ao golear espetacularmente a Juve, hexacampeão italiana. Foi a terceira dobradinha dos blancos:

  • 1956-1957: Di Stéfano e cia ganharam a 5ª liga espanhola e 2ª orelhuda
  • 1957-1958: de novo, la saeta rubia levou liga espanhola (6ª) e orelhuda (3ª)
  • e agora, 2016-2017: 33ª liga espanhola e 12ª orelhuda

Os #blancos conquistaram a orelhuda ainda em 1955-56, 1958-59, 1959-60 (ou seja, com os dois dobletes da geração Di Stéfano acima mencionados , ganhou as cinco primeiras Copas dos Campeões), 1965-66, 1997-98 (também contra a Juve), 1999-2000,  2001-02, 2013-14, e o primeiro bicampeonato no formato Champions, 2015-16 e 2016-17. Continuar lendo “Madrid League”

Real Madrid é penta, no ano de CR7.

Real Madrid
Flâmula do Real Madrid, pentacampeão mundial de clubes. Os ‘blancos’, que venceram a chamada Copa Intercontinental em 1960 (contra o Peñarol), 1998 (Vasco) e 2002 (Olimpia), ganharam o Mundial de Clubes da Fifa em 2014 (contra o San Lorenzo) e agora em 2016, ao derrotar o Kashima Antlers na prorrogação. 4-2.

Terceiro título madridista em 2016 (ganhou Champions e Supercopa da Uefa). Ano de Cristiano Ronaldo, que ainda conquistou a Euro com Portugal, e a Bola de Ouro (“France Football”) – hoje foi mais uma vez decisivo, ao marcar um triplete em Yokohama.

Mas o destaque do torneio foi o Kashima Antlers (campeão japonês) dirigido por Masatada Ishii. Soube vencer o Atlético Nacional,campeão da Libertadores, por 3×0, é verdade que beneficiado por uma jogada (mal) decidida com ajuda de vídeo. Definiu a semifinal no segundo tempo, com rápidos contra-ataques. Continuar lendo “Real Madrid é penta, no ano de CR7.”

Catedrais da bola: Santiago Bernabéu

A fachada do Bernabéu tem bandeiras dos clubes espanhóis, inclusive do Barça

Estádio: Santiago Bernabéu
Proprietário: Real Madrid Club de Fútbol
Capacidade: 80.000 espectadores
Ocupação média na temporada 2013/14: 71.558 torcedores (84 %), segundo a Pluri Consultoria, a quarta maior média do mundo.
Metrô: lnha 10, estação Santiago Bernabéu

A imensa casa do Real Madrid foi inaugurada em 14 de dezembro de 1947, num amistoso contra os Belenenses, de Portugal, vencido pelo anfitrião; Real 3×1. Era conhecido como estádio Chamartín, nome do bairro madrilenho onde está situado, e substitui o Viejo Chamartin, de 1924, que comportava 15 mil fãs e foi sendo ampliado até a capacidade de 25 mil pessoas.

A partir de 1955, o novo estádio passou a levar o nome de Santiago Bernabéu. E quem foi Santiago Bernabéu? Irmão de um dos fundadores do Madrid, jogou no Real como atacante entre 1912 e 1927. Mas se celebrizou mesmo como presidente do clube, de 1943 até a morte, em junho de 1978. Foi campeão de tudo e mais um pouco como real cartola máximo:  16 ligas espanholas, seis copas espanholas, seis das 10 Copas dos Campeões madridistas (hoje Liga dos Campeões, a Champions League) e um Mundial de Clubes (ou Copa Intercontinental, conforme o gosto do freguês).


O estádio recebeu a final da Eurocopa de 1964, da Copa do Mundo de 1982 e de quatro Copas/Liga dos Campeões da Europa:

  1. 1957, deu Real. 2×0 na Fiorentina
  1. 1969, deu Milan
  2. 1980, deu Nottingham e
  3.  2010, deu Inter.

Na foto acima e na do lado, a fachada da megaloja que tem todo tipo do merchandising do Real Madrid, a Tienda Bernabéu.

Abaixo, republico o Rolê do Fut Pop Clube pelo estádio Santiago Bernabéu e galeria do Real Madrid.
Continuar lendo “Catedrais da bola: Santiago Bernabéu”

Desventuras na Copa de 1998, na França.

10 de junho de 2013

Stade de France, local da abertura e da final, no xoxo Holanda x Bélgica
Stade de France, local da abertura e da final, no xoxo Holanda x Bélgica

Em 10 de junho de 1998, o Brasil (então o último campeão) e a Escócia abriram a Copa do Mundo, a segunda disputada na França. A seleção Canarinho de Zagallo venceu por 2×1. E quem acha que bagunça é só no Brasil saiba que no chamado Velho Mundo também há muita sacanagem. Milhares de torcedores compraram pacotes turísticos para o Mundial de 98 e já na França descobriram que tinham caído numa roubada. Estava num grupo de brasileiros em Paris e comecei a ouvir um zum zum zum de que não receberíamos as entradas para o jogo de abertura. E não recebemos mesmo. Fomos para a porta do Stade de France no dia da partida. Um outro teve coragem de comprar ingresso de cambista, por pequenas fortunas.  Acabamos vendo Brasil x Escócia num telão, numa área de “fan fest” montada pelos organizadores da Copa, ao lado do estádio, no meio de um multidão de escoceses. Tudo bem, clima de confraternização, até que uma brasileira provocou um escocês (pelo que me lembro, com um cuspe…). Achei melhor pegar o metrô e ver o segundo tempo no hotel.

Memorabilia: Itália 2x2 Chile
Memorabilia: Itália 2×2 Chile

No dia seguinte, peguei um TGV até Bordeaux e consegui ver Itália x Chile no Stade Lescure. Uma joinha de estádio, tribunas bem perto do campo. Lembrou-me um pouco do velho Parque Antarctica. O Lescure foi usado na Copa de 38 também. Mas claro que passou por uma cuidadosa reforma para o Mundial de 98, sem detonar o projeto original – o primeiro estádio do mundo a ter uma marquise sem vigas. Fiquei emocionado por ver pela primeira vez in loco uma partida de Copa do Mundo. Jogo bom, heio de alternativas. Vieri abriu o placar. Marcelo Salas empatou e virou. No fim, pênalti para a Itália. Desta vez, Baggio não errou. 2×2. Confesso que a quantidade de torcedores chilenos me surpreendeu. No mínimo, fizeram tanto barulho que pareciam em maior número do que os italianos, vizinhos da França. Chi Chi Chi, Le Le Le”. Foi a minha ‘estreia’ em Copas do Mundo. Inesquecível. Não ficaria para a segunda fase. Tinha que conhecer o Stade de France. Resolvi ver Holanda x Bélgica. Jogo chaaaatooooo! 0x0.

Digitalizar 06-2k13 - 00002
Memorabilia: Holanda 0x0 Bélgica

Depois de muitas reclamações e cobertura da mídia, a muito custo a empresa de turismo picareta conseguiu ingressos para a segunda e terceira partidas do Brasil. Toca a excursão (de ônibus) para Nantes.

No estádio La Beaujoire, o Brasil venceu o Marrocos por 3×0. Aos 9 minutos, o primeiro gol de Ronaldo Fenômeno na história das Copas (ele fez 15 ao todo). Rivaldo – o melhor do Brasil em 98- ampliou. E no segundo tempo, Bebeto fechou a goleada.

Bebeto fez o terceiro gol do Brasil contra Marrocos.
Bebeto fez o terceiro gol do Brasil contra Marrocos.

Assistimos à partida atrás de um dos gols. Brasileiros e marroquinhos misturados, sem problema nenhum.

Memorabilia: Brasil 3x0 Marrocos
Memorabilia: Brasil 3×0 Marrocos

O rolê do futuro autor do blog Fut Pop Clube pela Copa do Mundo da França terminou em outro estádio histórico. O Vélodrome, em Marselha. Também usado no Mundial de 1938 e reformado para 1998 (para a Euro 2016, recebeu uma cobertura espetacular). Até casamento teve, antes de Brasil x Noruega!

@FutPopClube
@FutPopClube

Dá para imaginar algo assim hoje em dia? Difícil.

@FutPopClube
@FutPopClube
Memorabilia: Brasil 1 x 2 Noruega
Memorabilia: Brasil 1 x 2 Noruega

Bebeto abriu o placar. Tore Andre Flo empatou e numa lambança de Júnior Baiano – um pênalti ‘mirim’ -, a Noruega virou, com Rekdal.F Digitalizar 06-2K13 -00001

Mais uma do Vélodrome
Mais uma do Vélodrome

Minhas férias continuaram na Espanha (desci de Fokker 50 em Barcelona – paixão à primeira vista!). E o Brasil seguiu viagem até a final fatídica, até hoje motivo de muita polêmica e teses conspiratórias. A seleção arrasou o Chile, no Parc des Princes: 4×1. Nas quartas, de volta à Nantes, partidaça contra a Dinamarca. 3×2. Rivaldo Maravilha! Semifinal e m o c i o n a n t e contra a Holanda, em Marselha. Ronaldo marcou, Kluivert empatou no finalzinho. Prorrogação. A decisão saiu nos pênaltis. Taffarel! O Brasil de Zagallo, que começou a Copa sem encantar, chegou à final no Stade de France com todos os méritos. Mas aí Ronaldo sofreu aquele apagão… e o Brasil tomou um vareio da França de Zidane. Pô, tomamos gol até do Petit…

10 anos da “Novena” do Real Madrid

Painel sobre a 9ª copa da Europa dos “blancos”, no museu do estádio Santiago Bernabéu

Esta semana o torcedor do Real Madrid certamente lembrou do décimo aniversário da vitória sobre o Bayer Leverkusen de Ballack por 2 a 1, em Hampden Park, em Glasgow. “Raúl Madrid” abriu o placar para os galáticos. O brasileiro Lúcio empatou para o Leverkusen. Zidane marcou, num belo voleio, o golaço do título “blanco”. E o capitão Fernando Hierro levantou a Liga dos Campeões 2001-2002. É  o que se chama de “la novena”, em Madri: a nona copa europeia do Real Madrid. Por enquanto, a última, do maior campeão europeu. Continuar lendo “10 anos da “Novena” do Real Madrid”

“À Procura de Eric” x “Gol!”

Manchester United x Newcastle (Old Trafford, 16h de Brasília) completam nesta segunda-feira a 1ª rodada da Premier League 2010/11. Partida que marca a volta dos toons ou Magpies (apelidos do Newcastle) à elite do futebol inglês. Podemos imaginar um duelo virtual entre dois filmes. À Procura de Eric / Looking For Eric, filmão divertido de Ken Loach, com um eterno ítolo do ManUtd, o bad boy Eric Cantona, surpreendente no papel … dele mesmo! Está entre os meus filmes favoritos de futebol. Já a película Gol! O Sonho Impossível é uma boa sessão da tarde (distribuída pela Touchstone, braço da Disney), que começa a contar a saga (fictícia) de um jovem boleiro mexicano, Santiago Munez, que cruza a fronteira do México, começa a jogar nos EUA e ganha uma chance no Newcastle… canjas de Alan Shearer, craques e técnicos da Premier League que os toons enfrentam no filme. Maravilhosas tomadas aéreas de Newcastle e do estádio St James´ Park. No fim, aparecem David Beckham, Raúl, Zidane – galáticos que passaram pelo Real Madrid… já sabe, né? Na continuação, Goal II – Living the Dream, o destino do personagem Santiago é o … Bernabéu! Faz sentido.

Brasil 2002 x França 1998

Vai começar o futebol… virtual. Quem ganharia um jogo imaginário entre a seleção brasileira de 2002, a do penta, e a França campeã do mundo em 1998? Propus o desafio a Milton Leite, autor do livro As Melhores Seleções Brasileiras de Todos os Tempos (entre elas, o escrete de Scolari), e a Mauro Beting, que escreveu As Melhores Seleções Estrangeiras de Todos os Tempos, incluindo a multiétnica seleção francesa de 98. Ambos os livros, da Contexto, terão lançamento amanhã (terça-feira, 16 de março, a partir das 18h30, na Saraiva do shopping Eldorado). Vamos às respostas dos dois jornalistas sobre essa revanche imaginária.

Milton Leite

“Um Brasil com Ronaldo voando contra a França de Zidane… No conjunto, a França era melhor do aquele Brasil. Um craque no auge para cada lado. A França venceria, por 3 a 1”.

Mauro Beting
“Mesmo bem marcados por Karembeu e Petit, Cafu e Roberto Carlos fizeram boa partida. Mas Rivaldo e Ronaldo desequilibraram. Lebouef não substituiu à altura o suspenso Blanc. O Fenômeno foi a diferença. Até gol de cabeça fez, aos 2 minuos do segundo tempo. Bobagem de Henry, que se sentiu mal durante o jogo e até desmaiou no gramado. Com Guivarc’h em campo, a França não suportou. Ronaldo fez o segundo aos 13 minutos, em arrancada sensacional pela esquerda, passando por três e batendo de canhota. A França diminuiu com um golaço magnífico de Zidane, aos 22, depois de passar por 5 brasileiros. Ele foi o melhor em campo. Teria feito o gol de empate aos 34, de cabeça, mal anulado por suposta falta dele em Gilberto Silva, num escanteio. Não houve nada. A não ser uma briga feia no final do jogo. Dois expulsos de cada lado. E vitória final brasileira por 2 a 1.”

Cinema e Futebol

O que Zidane, Zico, Ademir da Guia, Bob Moore e Pelé tem em comum com Sylvester Stalonne, Michael Caine e Mazzaropi, o comediante? Jogadores e atores estão na tela do Cinusp, o cineclube da Universidade de São Paulo. A Mostra Cinema e Futebol começou em 26 de janeiro, para só pro Carnaval e vai até 19 de fevereiro. Daqui a pouco, às 16h, o Cinusp passa “Zidane- Um Retrato do Século XXI”, que o blog viu em 2009. E mais tarde, às 19h, “Esperando Telê”, que se descreve como um “documentário de várzea, feito por dois pernas de pau”. Na semana que vem, mais documentários (“Um Craque Chamado Divino”) e ficções (“O Corintiano”, clássico com Mazzaropi, e “Fuga para a Vitória”, de John Hoston, com Pelé, Bob Moore, Stallone, Michael Caine…). A entrada é de graça, mas limitada. A sala de cinema da USP tem 100 lugares. Confira a programação completa no site do Cinusp.

Futebol-arte: “Zidane – Um Retrato do Século XXI”

Publicado em junho de 2009

zidaneZidane, Ronaldo, Figo, Roberto Carlos, Beckham, Casillas, Raúl, Guti… Não faz tanto tempo que todas essas feras jogavam no Real Madrid. Em 23 de abril de 2005, os galáticos receberam o Villarreal. Jogo escolhido pela produção do filme Zidane, Um Retrato do Século XXI para um documentário hi-tech sobre o cracaço de bola. Nada menos que 17 câmeras foram usadas pelo escocês Douglas Gordon e pelo Philppe Parreno, argelino radicado em Paris.  Continuar lendo “Futebol-arte: “Zidane – Um Retrato do Século XXI””