Saiu “Corner” #2

Dica amiga do programa Casual Football.

capa_corner_n2_loja_web-562x749

Foi com grande satisfação que pude ler o segundo número da  “Corner“, ótima revista brasileira de futebol, viabilizada pelo sistema de crowdfunding. Tem muita coisa boa pra ler – e como não tem anúncios, o preço de capa é um pouco alto para uma revista (R$ 29,90). Mas vale a pena conhecer. Principalmente se você se interessar pelo futebol argentino, principal tema deste número 2. Tem entrevista com o Sorín, com o Federico Peretti, diretor do filme Otro Fútbol e da série Outro Futebol, Menotti x Bilardo, a polêmica do Fútbol para todos, campeonato de 30 times, os infográficos do Paladar Negro etc. “Corner” #2 também fala de rádio, especialmente rádio esportivo carioca – eles conversaram com o garotinho José Carlos Araújo.  E mais: merece destaque especial outra entrevista, com o jornalista Tim Vickery, que mora no Brasil.

Continuar lendo “Saiu “Corner” #2″

“Bichos Criollos”: Argentinos Juniors e La Paternal no CINEfoot

Imagem
Camiseta retrô do AAAJ

A fase não é boa. O clube que revelou Diego Armando Maradona para o planeta bola luta contra o rebaixamento, no complicado promédio do futebol argentino. Nesse contexto, um documentário de 75 minutos sobre a história do Argentinos Juniors está na mostra competitiva do festival CINEfoot, no Rio de Janeiro e em São Paulo.  Bichos Criollos”, dirigido por Diego Lombardi e produzido por Victor Tujschneider, vai passar na mostra competitiva do festival CINEfoot 2013 tanto no Rio (segunda-feira, 27 de maio, às 19h, no Espaço Itaú de Cinema -Praia de Botafogo) como em São Paulo (domingo, 9 de junho, sessão das 21h30, Espaço Itaú de Cinema, na rua Augusta). Entrada: grátis.

Um bairro. Um clube de futebol. Uma identidade.

O bairro é La Paternal, na região central de Buenos Aires. O clube, a Asociación Atlética Argentinos Juniors, que revelou o genial Diego Maradona (“Los Cebollitas” era o apelido do time formado pelo treinador Francisco Cornejo) e outros craques como Juan Román Riquelme, Fernando Redondo, Esteban Cambiasso e Juan Pablo Sorín. Curioso é que as maiores glórias do Argentinos surgiram depois da venda de Maradona para o Boca: o torneio Metropolitano portenho de 1984, o Nacional argentino de 1985, a Libertadores de 1985, a Interamericana de 1986… a quinta estrela veio no Clausura 2010, na linda cancha do Huracán. “Bichos Criollos” fala tanto dessas grandes conquistas como da derrota no Japão para a forte Juve de Platini e cia (Mundial de Clubes 1985), das lutas para voltar à elite do futebol argentino (os jogos da primeira divisão eram aos domingos), das dificuldades, dos jogos mandados longe de Buenos Aires. Longe de La Paternal. A identidade do Argentino Juniors.

Cartaz do filme “Bichos Criollos”, sobre o Argentinos Juniors

Diego Armando Maradona hoje dá nome ao estádio do clube. E “el diez” é um dos entrevistados, ao lado de Sorín, Cambiasso, Redondo etc.
O título da “peli” reúne dois dos apelidos do Argentinos: Bichos (mais recente) e Criollos (do começo do século XX). Sorte ao filme na Taça CINEfoot e sorte ao Bicho. Continuar lendo ““Bichos Criollos”: Argentinos Juniors e La Paternal no CINEfoot”

Um bairro. Um clube de futebol. Uma identidade. “Bichos Criollos”, um filme sobre o Argentinos Juniors.

Cartaz do filme “Bichos Criollos”, sobre o Argentinos Juniors

O bairro é La Paternal, na região central de Buenos Aires. O clube, a Associación Atlética Argentinos Juniors, que revelou o genial Diego Maradona (“Los Cebollitas” era o apelido do time formado pelo treinador Francisco Cornejo) e outros craques como Juan Román Riquelme, Fernando Redondo, Esteban Cambiasso e Juan Pablo Sorín. Foi graças a um comentário de Sorín, durante transmissão de jogo do River Plate, na ESPN Brasil que fiquei sabendo do filme “Bichos Criollos”, um documentário de 75 minutos sobre o Argentinos Juniors, dirigido por Diego Lombardi. Na mesma semana em que dois campeões estaduais do futebol verde e amarelo, os fortes Fluminense e Santos, perderam nos alçapões do Boca e do Vélez, o doc “Bichos Criollos” estreou em dois cinemas de Buenos Aires. O produtor Victor Tujschinaider comentou aqui no Fut Pop Clube que tinha interesse em mostrar o filme aqui no Brasil, em cinemas ou na TV. E a boa nova: “Bichos Criollos” vai passar na mostra competitiva do festival CINEfoot 2013 tanto no Rio (23-28 de maio, no Espaço Itaú de Cinema -Praia de Botafogo e CCJF) como em São Paulo (6-11 de junho, Museu do Futebol e/ou Espaço Itaú de Cinema Augusta).

Ainda vou procurar uma edição da “El Gráfico” que tem reportagem de capa sobre Maradona, no tempo dos “cebollitas”. E atualizo o blog.

Dentro do post, republico o texto anterior, que explica o título “Bichos Criollos”. Também dá para ver o trailer.  Continuar lendo “Um bairro. Um clube de futebol. Uma identidade. “Bichos Criollos”, um filme sobre o Argentinos Juniors.”

De Palestra Itália a Cruzeiro

http://www.cruzeiro.com.br/

“91 anos de páginas heroicas imortais”, comemorou o site oficial da Raposa, que neste 2 de janeiro de 2012 publicou a evolução dos distintivos do clube celeste, fundado como Societá Sportiva Palestra Itália. Que virou Sociedade Sportiva Palestra Itália, depois Palestra Mineiro, Ypiranga por uma partida e, finalmente Cruzeiro Esporte Clube – campeão da Taça Brasil de 1966 (hoje equiparada ao Brasileirão),cruzeiro campeão da Libertadores em 1976 e em 1997, bicampeão da Supercopa dos Campeões da Libertadores da América em 1991/92, campeão de tudo que disputou de importante em 2003 (Mineiro, Copa do Brasil e Brasileiro – a tríplice coroa do atual escudo), vencedor da Copa do Brasil também em 1993, 1996 e 2000. Sem falar no bi da Sul-Minas (2001/02) e em 36 títulos mineiros.
Alguns dos responsáveis por tantas taças estão no livro que o jornalista Cláudio Arreguy lançou em maio/2010: “Os Dez Mais do Cruzeiro”, o oitavo da coleção Ídolos Imortais, da Maquinária Editora.

Arreguy escreveu os perfis dos 10 craques azuis escolhidos por um júri de especialistas em Cruzeiro.

Os eleitos: os atacantes Niginho, Tostão, o meia Dirceu Lopes, o meio-campo Piazza, o goleiro Raul, o atacante Natal, o lateral direito Nelinho, de famosa bomba no pé, o ponta-esquerda Joãozinho, o ala Sorín e o meia Alex. Continuar lendo “De Palestra Itália a Cruzeiro”

Livro: “Os Dez Mais do Cruzeiro”

A “ola” de livros sobre futebol em 2010 não se limita aos temas Copa e Seleção. Registro ainda que tardio: o jornalista Cláudio Arreguy lançou em maio “Os Dez Mais do Cruzeiro”, o oitavo da coleção Ídolos Imortais, da Maquinária Editora.

Arreguy escreveu os perfis dos 10 craques azuis escolhidos por um júri de especialistas em Cruzeiro.

Os eleitos: os atacantes Niginho, Tostão, o meia Dirceu Lopes, o meio-campo Piazza, o goleiro Raul, o atacante Natal, o lateral direito Nelinho, de famosa bomba no pé, o ponta esquerda Joãozinho, o ala Sorín e o meia Alex.
Outro livro sobre a Raposa: “Meu Pequeno Cruzeirense”, texto de Marco Túlio, guitarrista do Jota Quest! Coleção Meu Time do Coração dirigida aos guris, da editora Belas Letras. Os outros livros da série (entre parênteses, os autores dos textos): Atlético (Wilson Sideral), Botafogo (Hélio de La Peña), Corinthians (Serginho Groisman), Coritiba (Guta Stresser), Flamengo (Gabriel o Pensador), Fluminense (Evandro Mesquita), Grêmio (Humberto Gessinger), Inter (Luís Augusto Fischer), Juventude (José Clemente Pozenato), Palmeiras (Soninha), São Paulo (Nando Reis), Vasco (Fernanda Abreu) e Seleção (Eduardo Bueno). Taí uma ilustração de Giovanni Barbosa, maneiríssima, para o volume sobre o Cruzeiro.

Ilustração de Giovanni Barbosa no livro "Meu Pequeno Cruzeirense", que tem texto de Marco Túlio, guitarrista do Jota Quest!

Top 5: craques gringos da década no Brasil

É o Pet! É o Pet! FOTO Maurício Val - VIPCOMM

O blog Fut Pop Clube perguntou aos mesmos convidados do texto acima: “quais são os cinco estrangeiros que jogaram mais bola no futebol brasileiro entre 2000 e 2009?”. E os cinco mais votados foram:

O sérvio Petkovic, o argentino Carlitos Tévez (ambos com 12 votos), o também hermano Sorín (9 votos), o uruguaio Lugano (8) e o chileno Valdívia (5).

2009: Sorín se despediu em grande festa

Também foram bem lembrados: o paraguaio Gamarra e os hermanos Guiñazu e Conca, todos com 4 votos. Rincón, Maldonado e Aristizábal foram mencionados duas vezes. O lateral Arce, o volante Mascherano e o zagueiro Schiavi foram citados uma vez.

Esta taça é sua, Lugano! FOTO: site oficial www.saopaulofc.net
Lugano, em 2005. FOTO site oficial do São Paulo http://www.saopaulofc.net

Votaram os jornalistas Abel Neto, Bruno de Almeida, Mauro Beting, Fernando Galvão, Marcelo Monteiro, Mário Marra, Menon, Maurício Noriega, Emerson Ortunho, André Rizek, Roberto Sander e Beto Xavier, e o colecionador Domingos D ´Angelo, do grupo MemoFut. Confira as escolhas de cada um aqui.

Continuar lendo “Top 5: craques gringos da década no Brasil”

Juan Pablo Sorín

sorín 1Títulos, bom futebol, raça, carisma e identificação com a camisa de um time. O ala argentino Sorín alcançou tudo isso em suas passagens pelo Cruzeiro. Por isso, a Raposa dá exemplo e vai fazer uma bela festa para a despedida do ídolo dos gramados. Quarta-feira que vem, 4 de novembro, o Mineirão recebe um amistoso entre Cruzeiro e Argentinos Juniors (primeiro clube/time de coração de Juampi), mais show do Skank e pelada entre artistas e celebridades. Continuar lendo “Juan Pablo Sorín”