Flâmula: Everton de Viña del Mar


A flâmula do dia é do Everton de Viña del Mar, fundado no glorioso 24 de junho, mas lá em 1909. Os “auriazules” foram campeões chilenos quatro vezes – a última no Torneio Apertura 2008, festejada no “banderín” que ilustra o post – mas atualmente disputam a segunda divisão. A flâmula é só um belíssimo pretexto para recomendar um post do blog Futebol de Campo, que visitou o estádio de Viña del Mar, o Sausalito, 50 anos depois da Copa do Mundo de 1962 – a seleção brasileira, que conquistou o bicampeonato no Mundial do Chile, jogou toda a primeira fase e as quartas de final no Sausalito. Êeeeta estádio pé quente! Bom, pelo menos pra seleção canarinho. Veja aqui o post do blog Futebol de Campo, muito bem ilustrado.

Aliás, o mesmo Futebol de Campo publica um texto sobre a reforma do Sausalito – e do estádio Playa Ancha, de Valparaíso, que passará a se chamar Don Elias Figueroa – para a Copa América de 2015. Hey, ho, let´s go! Continuar lendo “Flâmula: Everton de Viña del Mar”

O frevo do bi (IV). O dia em que Garrincha só não fez chover.


Há 50 anos, Garrincha fez um gol de cabeça, cobrou a falta que terminou com o gol de Vavá e fez um golaço de folha-seca. Só não conseguiu pegar o cachorrinho que entrou em campo e deu baile em quase todo o mundo. O Brasil ganhou da Inglaterra por 3 a 1 em 10 de junho de 1962, pelas quartas de final do Mundial disputado no Chile. A seleção de Ouro, comandada por Mané, se despedia de Viña del Mar e se classificava para as semifinais contra os donos da casa.
www.companhiadasletras.com.br
Foi uma das maiores partidas da vida do camisa 7, afiança Ruy Castro, no clássico “Estrela Solitária – Um Brasileiro Chamado Garrincha” (Companhia das Letras). Um dos motivos para Mané mostrar tudo que sabia (e que sabia tudo) era a presença de Elza Soares no Chile. Garrincha prometeu ganhar a Copa para a amada, conta Ruy Castro na premiada biografia. E cumpriu, como a gente vai ver nos dias 13 e 17 de junho. Continuar lendo “O frevo do bi (IV). O dia em que Garrincha só não fez chover.”

O frevo do bi (III). A dupla Mané e “Possesso” funcionou.


Naquele 6 de junho, o Brasil entrou com a campeã camisa Canarinho, de mangas longas, calção e meiões brancos, contra La Roja, a Espanha, numa partida crucial do grupo 3 da Copa do Mundo de 1962, no Sausalito, em Viña del Mar. Por causa do empate contra os tcheco-eslovacos, a Seleção Brasileira não podia perder para continuar a luta pelo bi. Aymoré Moreira mandou o escrete a campo com Gylmar, Djalma, Mauro Ramos, Zózimo e Nilton Santos; Zito, Didi e Zagallo; Garrincha, Vavá e a novidade: Amarildo, “o possesso”. O jovem jogador do Botafogo, de 21 anos, entrou no lugar de outro jovem. Um jovem que já era Rei Pelé – que sentiu uma contusão n0 0x0 contra a Tchecoeslováquia. Continuar lendo “O frevo do bi (III). A dupla Mané e “Possesso” funcionou.”

O frevo do bi (II): o Rei deixa a Copa.

Eta frevo pé quente! Uma das regravações do “Frevo do Bi” (composição de Bráz Marques e Diógenes Bezerra celebrizada por Jackson do Pandeiro em 1962) foi a que Silvério Pessoa lançou no disco “Batidas Urbanas”. Um “Frevo do Bi” hardcore, a tempo da Copa de 2002. Frevo Penta!

O Brasil voltou ao estádio Sausalito, em Viña del Mar, em 2 de junho de 1962 para seu segundo jogo no Grupo 3, contra a Tchecoslováquia. Foi a primeira das duas partidas da seleção contra os tchecos no Mundial. Nesta, um empate sem gols. Pior do que o 0x0, foi a contusão de Pelé. O Rei sentiu uma distensão depois de um chute na trave do goleiro Schroif, aos 27 minutos do primeiro. Naquela Copa, ainda não era permitido fazer substituições durante as partidas. Pelé ficou na ponta, fazendo número em campo. Fim da Copa para o Rei. Amarildo, “o possesso”, entrou na partida seguinte e segurou o rojão. E tínhamos Mané. Continuar lendo “O frevo do bi (II): o Rei deixa a Copa.”

O frevo do bi. Há 50 anos, o Brasil começava a campanha do bi mundial, no Chile.

Sob a inspiração do “Frevo do Bi“, de Braz Marques e Diógenes Bezerra, consagrado por Jackson do Pandeiro, começo hoje uma série que pretende fazer uma pequena homenagem aos bicampeões mundiais, na Copa de 62, no Chile – um Mundial estranha e infelizmente meio esquecido. “Vocês vão ver como é Didi/Garrincha/Pelé dando seu baile de bola”. Bem, Pelé se machucou logo. Garrincha é que deu o baile de bola e ainda ganhou de vez, no Chile, o coração da cantora Elza Soares.  


Em 30 de maio de 1962, o Brasil começou sua luta pelo bicampeonato, no estádio Sausalito, em Viña Del Mar, no Chile. No primeiro jogo, encarou o México, e venceu por 2 a 0. Os gols saíram apenas no segundo tempo. Zagallo (belo mergulho do velho Lobo) e Pelé (na raça!).

O Brasil jogou com Gylmar, Djalma Santos, Mauro Ramos (capitão; Bellini ficou no banco), Zózimo e Nílton Santos; Zito, Didi, Zagallo; Garrincha, Pelé e Vavá (Coutinho se machucou pouco antes). Técnico: Aymoré Moreira, substituindo Vicente Feola, campeão em 1984.

Uma dica para quem estiver no Centro do Rio nesta quinta-feira, 31 de maio: na Mostra Prorrogação, o festival CINEfoot exibirá o  documentário “Viva Brasil! Bicampeão Mundial 1962” (Viva Brazil), de Albert Saedler. Começa às 19h, no CCJF (Centro Cultural Justiça Federal), na avenida Rio Branco, 241. Entrada grátis, sujeita à lotação da sala. Confira a programação da Mostra Prorrogação do CINEfoot e a seleção paulista do festival. Continuar lendo “O frevo do bi. Há 50 anos, o Brasil começava a campanha do bi mundial, no Chile.”